Quando o Recife viajava de bonde

jun 11, 2015 Comentários desativados em Quando o Recife viajava de bonde por

Produzido em 1924, o filme originalmente silencioso “Veneza Americana”, de Ugo Falangola e J. Cambiere, criadores da Pernambuco Films, era um institucional a respeito da futura chegada de bondes elétricos a Boa Viagem, balneário que no ano seguinte teria seu acesso facilitado com a inauguração de estrada e trilhos. Nas imagens, duas composições da linha Várzea circulam pelas ruas do Centro. O registro da dupla de cineastas ficou para a história como um momento em que a capital pernambucana apresentava suas credenciais como cidade moderna, principalmente na área de transporte público. Um orgulho que já tinha antecedentes. Depois do Rio de Janeiro, o Recife foi a segunda cidade brasileira a operar com bondes a vapor, ainda na metade final do século 19.

Fellipe Castro/Esp. Aqui PE/D.A Press - Linhas de bonde na Rua do Bom Jesus, no Bairro do Recife

Fellipe Castro/Esp. Aqui PE/D.A Press – Linhas de bonde na Rua do Bom Jesus, no Bairro do Recife

Tudo começou em 5 de janeiro de 1867. Duas locomotivas construídas especialmente para circular nas ruas, as primeiras deste tipo no mundo, adquiridas pela empresa inglesa Brazilian Street Railway (conhecida como Estrada de Ferro Caxangá), começaram a circular entre a Rua da Aurora e Apipucos. Aos poucos, a linha foi aumentando. Ainda em 1867, o bonde chegou ao bairro de Dois Irmãos. Em 24 de junho de 1870, a linha alcançou a Caxangá. Em 24 de dezembro de 1871, entrou em operação a linha Arraial (Casa Amarela).

bondes

A companhia de Trilhos Urbanos, de capital brasileiro, também explorou o novo meio de transporte. Inaugurou, em 20 de junho de 1870, a rota Recife-Olinda-Beberibe, usando locomotivas inglesas e vagões norte-americanos. Outra linha foi construída para Caxangá, em 1885.

Nando Chiappetta/DP/D.A Press - Estação Ponte D'Uchoa

Nando Chiappetta/DP/D.A Press – Estação Ponte D’Uchoa

Os bondes a vapor circularam na capital pernambucana até a I Guerra Mundial, sendo substituídos aos poucos pelos elétricos. Menos modernos, os bondes com tração animal também fizeram parte da paisagem do Recife. A Pernambuco Street Railway abriu uma linha deste tipo ligando o Centro do Recife ao bairro da Madalena em 22 de setembro de 1871.

Na primeira metade do século 20, o momento era de recuperar terreno. A primeira linha elétrica de bondes (da Boa Vista até Santo Antônio), foi inaugurada oficialmente em 13 de maio de 1914. Nesta época outras 21 capitais já operavam este tipo de serviço. Depois dos bondes, que circularam com regularidade até 1954, os trólebus reinaram a partir de 1960 em uma malha que já atingia 100 quilômetros, abrangendo praticamente todos os bairros. Para efeito de comparação, o atual metrô só tem 71 quilômetros de trilhos.

Arquivo/DP - Remoção do antigo pavimento da Avenida Boa Viagem, inclusive os antigos dormentes e trilhos de bondes, para colocação de concreto em 12/10/1960

Arquivo/DP – Remoção do antigo pavimento da Avenida Boa Viagem, inclusive os antigos dormentes e trilhos de bondes, para colocação de concreto em 12/10/1960

Abaixo, confira os trechos sobre Pernambuco, com muitas imagens, do livro publicado em 1989 nos Estados Unidos pelo pesquisador norte-americano Allen Morrison. A obra inteira, com 197 páginas, foi disponibilizada pelo próprio autor neste link: http://www.tramz.com/ttob/preface.html. É importante destacar que a capa do livro traz uma imagem do Recife. Trata-se de um registro feito em 1942.

Almanaque, Destaque_capa

Sobre o autor

Paulo Goethe, no Diario de 1990 a 1997 e desde 2001
Comentários fechados