Justiça do Acre mantém bloqueio de bens de donos da Telexfree

Novo logo TelexfreeA Telexfree pode ter deixado os holofotes, mas os ex-divulgadores ainda querem saber quando vão receber. Parece que vai demorar. Na última sexta-feira (19), a Justiça do Acre decidiu por unanimidade manter o bloqueio dos bens dos sócios da empresa, que é acusada de praticar pirâmide financeira.

Os bens da Telexfree já estão bloqueados desde 18 de junho de 2013. E vão entrar 2015 assim. As atividades da empresa continuam suspensas em todo o Brasil. Desta forma, a empresa continua proibida de  admitir novas adesões, vender cotas ou produtos e de pagar comissões.

A Telexfree defende que é uma empresa de marketing multinível e que seus divulgadores publicavam anúncios na internet, comercializavam pacotes de telefonia, e eram remunerados por esse serviço.

A estimativa é de que pelo menos um milhão de pessoas tenham feito parte da Telexfree entre 2012 e o primeiro semestre de 2013 no Brasil. Nos Estados Unidos, a empresa pediu concordata em abril deste ano.

Também em abril, a Securities and Exchange Comission (SEC, a Comissão de Valores Mobiliários norte-americana) determinou o congelamento dos bens do grupo Telexfree, de seus sócios e de três grandes divulgadores.

Um dos seus fundadores, o norte-americano James Merrill, foi preso um mês depois em Massachusetts (sede da Telexfree nos EUA) e está em prisão domiciliar, acusado de comandar o esquema ao lado do brasileiro Carlos Wanzeler.

Wanzeler é fugiu para o Brasil e é considerado foragido nos Estados Unidos.

Dicas para quem vai viajar de avião neste fim de ano

Medo de Aeroporto. Crédito: Son Salvador/EM/D.A PressQuem costuma viajar de avião no fim de ano tem uma certeza na vida, e não é sobre a existência ou não de Papai Noel. Os aeroportos invariavelmente ficam cheios. Os voos podem atrasar. Se chover no Rio ou em São Paulo, então, melhor começar a rezar. Acrescente-se à mistura a eterna ameaça de greve por parte de aeronautas e aeroviários nesta época que é a mais movimentada dos terminais.

A Secretaria da Aviação Civil (SAC) projeta uma circulação de aproximadamente 20 milhões de pessoas pelos principais aeroportos brasileiros neste fim de ano, movimentação 7% superior a do ano passado. Para tentar minimizar os transtornos, os órgãos de aviação do país já começaram as campanhas de alerta aos senhores passageiros. A Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), por exemplo, publicou nos jornais um comunicado com “dicas simples e úteis para maior conforto” dos viajantes.

A primeira recomendação é que a pessoa chegue com duas horas de antecedência (para os voos domésticos) ao invés da uma hora habitual. No caso das viagens internacionais, a recomendação é aumentar a antecedência para três horas. Melhor colocar uma dose de paciência na mala. Fazer o check-in antes pela internet, no computador ou no celular, é outra recomendação da associação.

Verificar, antes de sair de casa, as condições da bagagem e se elas estão dentro das regras de peso e tamanho também é importante. “Para viagens com crianças e adolescentes, cheque os documentos específicos para menores de 18 anos que embarcam em voos para destinos nacionais e no exterior.” Taí um bom lembrete dado pela Abear. Já vi pais ou responsáveis enlouquecidos no aeroporto por terem esquecido algum papel importante dos jovens passageiros.

O alento é que, durante a Copa, quando a gente pensava que o caos seria instalado nos aeroportos, as operações fluíram bem. Tomara que essa história se repita. Mas se der bronca na hora do seu voo, exija os direitos dos passageiros do transporte aéreo. As regras estão em vigor desde 2010. Com uma hora de atraso, o passageiro já passa a ter direito à facilidade de comunicação, que pode ser por ligação telefônica, acesso à internet (telepatia não vale).

A partir de duas horas, a companhia vai ter que dar “alimentação adequada” ao cliente (amendoim não conta). Em atrasos superiores a 4 horas, a companhia tem de providenciar uma acomodação decente (salas de espera vip ou hotel, se for o caso). Detalhe importante: tudo passa a valer também para o passageiro que já estiver embarcado, mas o avião continuar parado, sem previsão para voar.

Tenham todos uma ótima viagem. Agradecemos a preferência.

Freio nos gastos dos brasileiros no exterior

Dólar. Crédito: Arte/DPOs brasileiros continuam gastando no exterior. Mas estão gastando menos. Os números divulgados pelo Banco Central nesta sexta-feira (19) apontam um recuo das despesas em novembro. Com medo do dólar alto, os turistas deixaram lá fora “só” US$ 1,72 bilhão.

Foi a primeira vez desde março que os gastos dos brasileiros no exterior ficaram abaixo dos R$ 2 bilhões. Também foi o menor volume para meses de novembro desde os US$ 1,57 de novembro de 2011.

Não custa lembrar que o dólar mais alto faz com que os preços das passagens aéreas e as diárias dos hotéis fiquem mais caras. Os próprios produtos também ficam mais caros, apesar de ainda serem mais baratos dos que os comprados aqui.

Os dados do Banco Central mostram ainda que, no período de janeiro a novembro, os gastos de turistas brasileiros em viagens internacionais chegam a US$ 23,485 bilhões. Apesar do freio em novembro, o valor ainda é maior do que o registrado no acumulado do ano passado: US$ 22,79 bilhões.

Em novembro, o dólar registrou valorização de 3,75%, terminando o mês passado em R$ 2,57 para venda, contra R$ 2,47 no fim de outubro. Entre setembro e novembro, a valorização foi de 14,85%.

A moeda norte-americana continuou subindo em dezembro. Chegou a fechar em R$ 2,73 na última terça-feira (16). Nesta sexta, o dólar foi comercializado por R$ 2,65.

Dólar alto muda os planos de viagem de parte dos brasileiros

dólar.Depois de ter subido no telhado nos últimos dias e chegado a R$ 2,73, o dólar parece ter se acalmado um pouco. A moeda norte-americana fechou o pregão desta quinta-feira (18) cotada a R$ 2,655. Ainda assim, o pessoal que pretendia viajar para fora nas próximas semanas está repensando o destino.

O site de viagens TripAdvisor promoveu uma enquete em sua página brasileira para entender a recente elevação do câmbio afetará os planos de viagens dos brasileiros neste fim de ano. A pesquisa foi realizada entre os dias 10 e 14 de dezembro e mostra que 34% dos entrevistados estão planejando passar as férias em destinos nacionais.

Veja mais respostas:

* 21% responderam que o aumento não influenciou seus planos de viagem para as próximas férias

* 20% disseram que agora pretendem gastar menos em compras em viagens internacionais

* 13% afirmaram que ainda vão viajar para um destino internacional, mas que agora estão buscando uma hospedagem mais em conta

* 9% estão planejando reduzir o tempo de suas viagens internacionais

Aviões da Azul que voarão para os EUA terão poltronas que viram sofás

Poltrona da Azul. Crédito: DivulgaçãoA companhia aérea Azul divulgou nesta quarta-feira (17) que vai começar a operar os voos para os Estados Unidos, em 2015, com o “SkySofa”, poltrona que pode ser transformada em sofá (ou uma cama apertada) para quem viaja junto na classe econômica.

Na foto acima você pode observar como as quatro poltronas do meio abrem e formam a “cama” ou “sofá”. A ideia é que um casal (ou casal com filhos) fique deitado ou sentado mais “confortavelmente” sobre as poltronas. Sei se tem esse conforto todo não. A Azul não disse em quanto aumenta o espaço.

Segundo a companhia, quem comprar três poltronas ganha a quarta de “brinde” e pode usar o extensor. Não foi divulgado pela empresa quanto o “SkySofa” vai encarecer o preço do bilhete.

Na Air New Zealand, que foi a primeira companhia a usar o mecanismo, em 2010, o bilhete é 40% mais caro que um convencional. A Air China anunciou que usaria as poltronas diferentes neste ano.

Inicialmente, dois dos sete Airbus A330-200 da frota da Azul para voos internacionais irão voar com a modificação dos assentos, ainda no primeiro trimestre de 2015. Serão usados nas rotas Campinas-Orlando e Campinas-Fort Lauderdale. Até junho, todas as aeronaves devem contar com as mudanças.

Brasil tem uma das tarifas de hotel mais caras do mundo para o Ano-Novo

Hotel Radisson. Crédito: Victor Carvalho/DivulgaçãoAinda está pensando se vai passar o réveillon dando pinta no Rio de Janeiro, em São Paulo ou Floripa? Você pode até ir, mas gastar os olhos da cara com a hospedagem. Um levantamento da Kayak, empresa de tecnologia que cria ferramentas para simplificar o processo de pesquisas de viagens online, aponta que o Brasil possui uma das tarifas mais caras de hotel para o Ano-Novo.

De acordo com o levantamento, o país é imbatível entre hoteis três estrelas. Temos a tarifa mais cara, com uma diária média de US$ 200 (R$ 546) para o período em quarto duplo. Depois do Brasil vêm Suíça e Austrália, com tarifas de US$ 196 e US$ 173, respectivamente. No caso dos hotéis de quatro e cinco estrelas, o Brasil fica em segundo lugar, atrás do México.

Segundo Nicolas Scafuro, diretor do Kayak na América Latina, “tarifas como estas influenciam a preferência dos brasileiros pelos destinos internacionais”. Segundo ele, levantamentos recentes feitos pelo site mostram que países estrangeiros lideraram os rankings de preferência entre os brasileiros. “Orlando, Miami e San Francisco são as cidades preferidas para quem pretende viajar em família neste verão”, diz Scafuro.

Abaixo você pode conferir os rankings com a média de preços de hotéis 3, 4, e 5 estrelas:

Hotel 1Hotel 2Hotel 3

O Recife está em sétimo lugar no ranking de desenvolvimento turístico

Recife turismo. Crédito: Nando Chiappetta/DP/D.A PressO Recife é a sétima cidade do país em desenvolvimento turístico. A capital pernambucana conseguiu 76 pontos (de um total de 100 possíveis) no Índice de Competitividade do Turismo Nacional, divulgado nesta terça-feira (16) pelo Ministério do Turismo e pelo Sebrae com base no estudo executado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

O índice mede a evolução de 65 destinos considerados indutores do turismo brasileiro. Segundo o Ministério do Turismo, o objetivo é desenvolver o setor e destacá-lo como atividade econômica essencial ao desenvolvimento do país. A série começou a ser feita em 2008. A média geral das cidades neste ano foi de 59,4 pontos, a mais alta da série. As capitais apresentaram média de 68,2 pontos e os demais municípios, 53,4 pontos.

O estudo avalia a evolução dos destinos em 13 aspectos que compõem a atividade turística: infraestrutura geral, qualidade de acesso, serviços e equipamentos turísticos, atrativos, marketing e a promoção do turismo, políticas públicas, cooperação regional, monitoramento, economia local, capacidade empresarial, aspectos sociais, ambientais e culturais.

A classificação leva em consideração a evolução de destinos turísticos e as boas práticas do setor. Confira abaixo o ranking com as dez cidades com o melhor nível de desenvolvimento, que é liderado por São Paulo.

1. São Paulo        82,5 pontos
2. Porto Alegre        80 pontos
3. Belo Horizonte    78,5 pontos
4. Rio de Janeiro    78,5 pontos
5. Curitiba        77,9 pontos
6. Foz do Iguaçu    76,9 pontos
7. Recife        76 pontos
8. Brasília        75,2 pontos
9. Salvador        75 pontos
10.Florianópolis    74,2 pontos

Mais de 50% dos brasileiros levam trabalho para casa

Trabalho. Crédito: Reprodução da InternetO brasileiro está levando trabalho para casa. De acordo com o estudo Global Evolving Workforce, realizado pela Dell e Intel, 56% dos entrevistados afirmam trabalhar, pelo menos em algum momento, de casa.

Segundo o levantamento, três em cada quatro profissionais checam o e-mail corporativo fora do horário. Já 59% fazem chamadas telefônicas profissionais após as horas de trabalho.

Apesar de grande, a quantidade de brasileiros trabalhando em casa é menor que a média dos países emergentes: 68%, segundo a pesquisa. Mas fica bem acima da média dos países desenvolvidos. Hum…

A pesquisa mostra também que 71% dos brasileiros acessam conteúdos pessoais no ambiente de trabalho (contra 64% dos emergentes e 40% dos desenvolvidos) e 55% usam equipamentos pessoais para uso profissional.

Prepare-se logo para enfrentar o leão

Leão do IR. Crédito: Cícero/CB/D.A PressQuem entrou no último lote regular da restituição do Imposto de Renda 2014 está feliz e aliviado. O dinheiro entrou hoje na conta. Só que mais de 930 mil contribuintes no país não tiveram a mesma sorte e caíram na malha fina. Muita gente acabou nas garras do leão por desatenção, vale ressaltar. Teve quem digitou números errados, por exemplo. Pode ter sido na correria, por ter deixado para enviar o documento na última hora. Se este foi o seu caso e agora você está penando para corrigir o erro, que tal tomar uma atitude para que a história não se repita em 2015? Afinal de contas, declaração de Imposto de Renda é igual a carnaval, Natal e São João. Tem todo ano.

Comece, portanto, a reunir recibos, notas fiscais e boletos que comprovem despesas realizadas durante 2014. Isso vale para quem opta pela declaração completa, onde dá para fazer deduções. Servem os recibos relativos a serviços médicos, dentistas, fisioterapeutas, psicólogos, entre outros da área de saúde. Gastos com veterinário não contam. Você pode até considerar o seu cachorrinho um membro da família. Mas para a  Receita ele não é seu dependente, ok? Despesas com ensino técnico, fundamental, médio, superior, pós-graduação, mestrado e doutorado também entram na lista. Mas os gastos com material escolar e escolas de idiomas não podem ser deduzidos.

Para ajudar na organização das informações, a Receita disponibilizou em seu site (www.receita.fazenda.gov.br) um rascunho da declaração. No ano que vem, quando o programa de verdade for liberado, é só importar os dados. Dá  para adiantar o trabalho do próximo ano colocando os dependentes, os pagamentos feitos pelo contribuinte e dependentes, o patrimônio e os bens adquiridos ou vendidos no ano. Rendimentos recebidos por você ou pelos dependentes também já podem ser colocados no rascunho. As empresas têm até o fim de fevereiro para enviar os informes de rendimentos. Como 1º de março é um domingo, a temporada de declarações será aberta no dia 2, seguindo até 30 de abril, sem possibilidade de prorrogação.

Quem deixar para a última hora e perder o prazo, pagará multa. Tem outra coisa que não custa reforçar: quem entrega a declaração primeiro (sem erros), entra antes na lista da restituição. Se deixar para mandar o documento por último, nem adianta ficar com inveja das “inimigas” que foram rápidas e declararam logo. Melhor desejar vida longa a elas. Também não caia na tentação de tentar enganar a Receita. Claro que a gente paga muito imposto e ele não é revertido em nosso benefício. Mas a “esperteza” pode se transformar em uma viagem, sem escalas, rumo à malha fina. Um último alerta: despesas com motel não se encaixam na categoria “educação”, por mais que a aula de anatomia tenha valido a pena.

Os cargos mais promissores para 2015

Embarcações de apoio. Crédito: Agência Petrobras de NotíciasA consultoria Michael Page divulgou uma lista com os 11 cargos mais promissões para o próximo ano. Por que 11 e não 10? Isso eu não sei e ninguém falou. Mas o que André Nolasco, diretor da Michael Page, diz é que as áreas ligadas diretamente à produção e ao setor financeiro das empresas serão mais as requisitadas.

“As companhias esperam que as medidas de aprimoramento de processos e redução de custos, que tiveram início no final de 2013, surtam o efeito desejado e, consequentemente, elevem a rentabilidade das empresas. Isso impactará positivamente o mercado de trabalho permitindo o início de um novo ciclo de crescimento das companhias”, explica Nolasco.

Abaixo você confere as 11 posições listadas, quais são suas atribuições e o cenário de suas respectivas áreas que impulsionaram as contratações em 2015:

1) Gerente de Embarcações/Operações

O que faz: É responsável por garantir o bom funcionamento de embarcações de apoio offshore, desde a tripulação, o barco em si e o serviço específico destinado para aquele navio. Em geral, responde pelo contrato do barco com o cliente final.

Por que estará em alta: Com a escalada de produção de petróleo e gás prevista para o mercado brasileiro nos próximos meses e a entrada de navios de produção, os barcos de apoio se multiplicarão na costa brasileira e profissionais capacitados serão demandados.

Perfil: Formação como Oficial de Náutica ou de Máquinas, ou mesmo Engenharia Mecânica com bons conhecimentos de equipamentos de praça de máquinas.

2) Engenheiros de Instalação/LayEngineers

O que faz: Suporta a instalação de linhas (flexíveis/umbilicais) que interligam plataformas de produção aos poços garantindo a entrada em operação de novos ativos produtivos, em conformidade com o planejamento estratégico das Operadoras em atividade no Brasil.

Por que estará em alta: Há previsão de novos campos entrarem em produção no litoral brasileiro e parte fundamental para colocar o ativo em marcha é conectar as linhas produtivas que ligam os poços no fundo do oceano às plataformas/navios de produção. Serviço altamente especializado.

Perfil: Formação em Engenharia (Mecânica, Elétrica, Eletrônica ou Naval), com experiência prática em atividades que se relacionam com ROV, Survey, Movimentação de Cargas em regime offshore, etc.

3) Gerente de Logística

O que faz: Controla, organiza e garante a integridade do estoque, faz a gestão de toda a equipe operacional, contrata serviço de manutenção e operação, além de transporte in bound e out bound, podendo se envolver com questões ligadas às atividades aduaneiras.

Por que estará em alta: Isso se deve ao aumento significativo no volume de galpões industriais, conseqüência da necessidade de novos centros de distribuição em detrimento de um mercado forte de e-commerce.

Perfil: Ideal um Engenheiro de Produção com Pós Graduação em Logística.

4) Gerente de Produção para a Indústria de Bens de Consumo

O que faz:É responsável por garantir os índices de volume de produção das fábricas, bem como bons resultados em produtividade, segurança e qualidade.

Por que está em alta: O brasileiro continua direcionando sua renda para a compra de itens de primeira e segunda necessidades e esses profissionais precisarão manter este mercado abastecido, aumentando cada vez mais a eficiência dentro das fábricas.

Perfil do profissional: Especialmente engenheiros com histórico de atuação em manufaturas.

5) Gerente de Obras Industriais

O que faz: É o responsável direto pela evolução física do projeto, lidando com diversas disciplinas ligadas à obra. Acompanha o planejamento, orçamento, cronograma físico-financeiro, compras, contratação de serviços entre outros, garantindo sobretudo o custo e prazo de entrega. Resumindo, é quem comanda a produção.

Por que estará em alta: Em função da necessidade por galpões industriais, por conseqüência do volume de Centros de Distribuição, essa é uma demanda que aponta um viés de alta para 2015.

Perfil: Engenheiro Civil com larga vivência no campo, acompanhando a produção de obras industriais, fazendo a gestão da equipe de obras dessa natureza.

6) Controller

O que faz: É responsável pela gestão contábil, fiscal, planejamento e controle.

Perfil: Formação em Ciências Contábeis, Administração ou Economia, pós-graduações e especializações na área são um diferencial.

Por que estará em alta: Várias empresas em processos de estruturação e reestruturação, precisando implementar controles e processos para crescer de forma sólida e rentável. A procura por profissionais com esse perfil aumentou muito depois da necessidade do report em IFRS.

7) Gerente de Planejamento Tributário

O que faz: É responsável pela gestão fiscal e pelo planejamento tributário da companhia.

Perfil: Formação em Ciências Contábeis e Direito, pós-graduações e especializações na área são um diferencial.

Por que estará em alta: A demanda por profissionais com esse perfil está em alta pois em função da necessidade de fazer um planejamento tributário mais bem elaborado devido à complexidade da matriz tributária brasileira.

8)  Business Development Manager

O que faz:  Prospecta e lidera projetos de novos negócios a fim de captar novas fontes de receita para a empresa. O resultado final é a gerar novos contratos a partir do desenvolvimento de nova aplicação para produto ou serviço, ou ainda, prospecção de negócios em setores de mercados ainda não explorados.

Por que estará em alta:  Considerando um ambiente econômico e de mercado desafiador, a área de vendas passa ter um importante papel na geração de negócios para empresa de forma mais ampla, além da gestão de vendas ativa baseada no portfólio de produtos ou serviços, carteira de clientes e metas de vendas existentes.

Perfil do profissional:  Formação em Engenharia, Administração de Empresas e afins. É essencial que o profissional desenvolva uma rede de relacionamento com agentes de diferentes níveis de senioridade em empresas ou instituições, além de boa visão de negócios para compreender assuntos de diversas áreas da empresa e converter oportunidades em negócios.

9) Data Scientist

O que faz: O Data Scientist ou Cientista de Dados é o profissional responsável pelo desenvolvimento de algoritmos matemáticos e o alinhamento destes ao negócio para melhor desempenho das empresas. Com as plataformas de Big Data, as empresas são capazes de prever ou compreender alguns pontos como: tendências de mercado, repercussão de algum fato/campanha de marketing pelo mercado e comportamento do consumidor – permitindo personalizar ações voltado para o seu público de acordo com o perfil de cada consumidor.

Por que está em alta: A alta competitividade do mercado e a necessidade de estar mais próximo do seu consumidor para entender o que ele precisa de forma individual e conseguir elaborar uma estratégia que leve valor agregado ao consumidor se diferenciando dos demais players.

Perfil: O Data Scientist ou Cientista de Dados é um profissional com formação em Matemática, Estatística ou Engenharia da Computação com Mestrado em Matemática Aplicada ou Computação Distribuída e muitas vezes com Doutorado e PHD nas áreas exatas. O profissional deve possuir aptidão para cálculos matemáticos e estatísticos, bem como possuir visão de negócio para que possa alinhar os conceitos tecnológicos à uma aplicação prática nas empresas, além de desenvolver em linguagens como C e Python e arquitetura de plataformas de Big Data.

10) Arquiteto Corporativo

O que faz: O Arquiteto Corporativo é o profissional responsável por compreender todas as camadas tecnológicas dentro da empresa, desde a mais alta (camada de negócios) até a camada mais baixa (infraestrutura), e permitir a análise de requisitos, padronização e governança entre as camadas, permitindo uma otimização dos processos e redução de custos.

Por que está em alta: As empresas buscam padronizar seus ambientes, processos e estruturas buscando a otimização de métodos e estruturas permitindo uma melhor performance e um controle maior de custos.

Perfil: O Arquiteto Corporativo é um profissional com formação em Tecnologia e muitas vezes com Pós-graduação/MBA em Negócios. O profissional deve possuir raciocínio lógico e pensamento analítico, além de conhecimento em metodologias como SOA, TOGAF, ITIL, COBIT e BPMN.

11) Desenvolvedor Mobile

O que faz: O Desenvolvedor Mobile é o profissional responsável pelo desenvolvimento de aplicações para sistemas móveis (smartphones e tablets) de acordo com as demandas dos arquitetos de software.

Por que está em alta: As empresas buscam estar em contato com seus funcionários e com o seu mercado consumidor e para isso, utilizam a plataforma mobile.

Perfil: O Desenvolvedor Mobile é um profissional com formação em Tecnologia e com profunda experiência em desenvolvimento em linguagens como C, Java, J2EE, C++ e frameworks.