17/07/1994

Avião que trouxe a delegaçã campeão mundial de volta ao Brasil, em 1994

Onde você estava há exatamente 15 anos?

Muita gente não lembra nem o que comeu ontem. Mas todos recordam perfeitamente onde estavam em 17 de julho de 1994.

Eu tinha 12 anos. Começava aos poucos a frequentar os estádios de futebol do Recife, a alimentar a minha paixão clubística.

Acompanhado do meu irmão mais novo, Carlo, fui ao extinto Hotel Quatro Rodas, onde estavam hospedados dois amigos nossos, os irmãos Júnior e Fernando, que moravam em Belo Horizonte e passavam as férias com os pais em Pernambuco. Lá, dezenas de hóspedes se vestiam de amarelo.

Todos contavam as horas para ver uma conquista perdida no tempo aqui no Brasil. Eram 24 anos sem a taça da Copa do Mundo. Não mais a Taça Jules Rimet, conquistada em definitivo pela Seleção Brasileira em 1970, mas a nova Taça Fifa.

Como moleque que era (de fato), passei o dia batendo uma bolinha, nadando, jogando ping-pong, Street Fighter II e o que mais tivesse no salão de jogos.

À tarde, todos pararam tudo. Até os gringos do hotel. Sem exceção. Todo mundo na frente da TV, para assistir ao Brasil x Itália que os nossos pais e avós viram, em 1970 e 1982. Agora era a “nossa” vez de ver a história ser escrita ao vivo.

Foram 120 minutos de um jogo parelho, sem gols. Sol escaldante em Pasadena, cidade onde foi realizada a final da Copa do Mundo daquele ano. E sol também em Olinda, ali, na orla de Casa Caiada.

Disputa de pênaltis… Acho que foi a primeira que vi uma na vida. E logo valendo a felicidade de todo um país. Partiu Baggio, bateu… 8-)

Quando começou a histórica narração de Galvão Bueno, eu já estava abraçado com meu irmão e com meus amigos. Na frente da televisão. Lembro vagamente de até ter sido xingado porque estava “cobrindo” a imagem. Sem problema.

Nada de cerveja. Na comemoração, refrigerante e pizza até chegar o sono.

Aquele domingo terminou com a volta para casa, me sentindo tão herói quanto os jogadores. Esta era a sensação da torcida mesmo, de que todos ajudaram no tetra. Eu “ajudei”. Os jogadores sabem disso. Tanto que desembarcaram no Recife para agradecer… E eu também estava naquele dia em Boa Viagem

Você lembra como foi o seu 17 de julho de 1994…?

A conquista da redenção

Copa do Mundo-1994: Brasil vence a Itália nos pênaltis e fatura o tetra

Por Lucas Fitipaldi*

Por ter se acostumado a ver o Brasil ganhar, talvez a juventude de hoje não entenda a dimensão daquele título mundial de 1994. Uma geração inteira de sedentos estava diante daquele 17 de julho. Foram 24 anos de espera e frustrações. Pelé e o time dos sonhos de 1970 eram os responsáveis pela última conquista. Imagine um rapaz com mais de 40 anos, virgem de títulos mundiais. Ele sofreu com os três gols de Paolo Rossi, em 1982, com o pênalti perdido por Zico, em 86, com o gol de Cannigia, em 90.

Foi esse trauma que a seleção de 94 curou. Uma seleção questionada, criticada até os dias atuais. Mas responsável por uma das vitórias mais festejadas pelo povo brasileiro. Naquela tarde de 17 de julho, um tal rapaz lavou a alma. Enrolou-se na bandeira e chorou copiosamente. Não só ele. Crianças, jovens e velhos. Talvez contagiados por aquela angústia exalada durante um mês pelos quatro cantos do país. O inesquecível berro de Galvão Bueno resumiu o sentimento.

De fato, tinha acabado a angústia. Anos depois, Parreira daria uma declaração contundente. Palavras revestidas de honestidade. “Naquele momento, quando Baggio chutou por cima do gol de Taffarel, não senti felicidade. Felicidade nenhuma. O sentimento ali era um só: alívio”. A alegria viria instantes depois. Não só para Parreira, senão para milhões de brasileiros. Um dia especialmente feliz.

O mais pernambucano dos títulos foi também um dos mais comemorados. Basta lembrar o mar de gente sobre a areia da praia de Boa viagem. Que recepção aos 22 heróis! Salve Taffarel, Jorginho, Ricardo Rocha, Ricardo Gomes, Mauro Silva, Branco, Bebeto, Dunga, Zinho, Raí, Romário, Zetti, Aldair, Cafu, Marcio Santos, Leonardo, Mazinho, Paulo Sérgio, Müller, Ronaldo, Viola e Gilmar.

20/6/1994 – 1º jogo – Brasil 2 x 0 Rússia

Uma estreia segura. A vitória sobre a Rússia teve tom de autoridade. Logo no primeiro gol brasileiro, uma marca registrada do futuro time tetracampeão. Passe de Bebeto, gol de Romário. A fantástica dupla de ataque ainda daria muitas alegrias no decorrer da competição. De quebra, o Baixinho ainda sofreu o pênalti, que resultou no gol de Raí. Uma bela atuação individual. Romário e Bebeto era o toque criativo que o time de Parreira precisava.

24/6/1994 – 2º jogo – Brasil 3 x 0 Camarões

Um jogo para encher de confiança time e torcida. Novamente uma atuação segura. Se não encantava, o futebol de resultado tão propalado por Carlos Alberto Parreira realmente dava resultado. Romário brilhou de novo. Abriu o caminho para vitória com seu tradicional biquinho na saída do goleiro. Iniciou a jogada que resultou no gol de Bebeto, outro destaque em campo. Com uma rodada de antecedência, o Brasil garantia vaga nas oitavas de final.

28/6/1994 – 3º jogo – Brasil 1 x 1 Suécia
Já classificada, a Seleção faz sua pior atuação na Copa. O golaço de Kennet Andersson, aos 26 minutos do primeiro tempo, foi uma ducha de água fria. Desencontrado, o Brasil sentiu muitas dificuldades diante da marcação sueca. Na volta do intervalo, Romário (sempre ele!) inventou o gol de empate.

Em bela jogada individual, o Baixinho saiu deixando marcadores para trás e acertou um bico certeiro no canto do goleiro Raveli. A invencibilidade estava garantida. Detalhe para a estreia de Mazinho, que entrou durante o jogo. Ele não sairia mais do time. Desde então, Raí passou a frequentar o banco.

4/7/1994 – 4º jogo – Brasil 1 x 0 Estados Unidos
Para alguns, o jogo mais difícil do Brasil na Copa. Entusiasmados com os festejos pelo Dia da Independência (deles), os americanos tentaram sobrepor a limitação técnica. Na base da raça. Mas mesmo sem apresentar um grande futebol, os brasileiros eram melhores. Chances de gol foram criadas, nenhuma convertida no primeiro tempo.

A descida para o intervalo foi tensa. Minutos antes, numa atitude incompreensível, Leonardo foi expulso ao acertar uma cotovelada no adversário. A angústia terminou quando Romário e Bebeto resolveram brilhar. De Romário para Bebeto. De Bebeto para o fundo da rede. O Brasil estava nas quartas.

9/7/1994 – 5º jogo – Brasil 3 x 2 Holanda
Falar daquele Brasil x Hollanda é lembrar do gol salvador de Branco. É lembrar da histórica comemoração de Bebeto, em homenagem ao filho recém-nascido. É lembrar do golaço de Romário, que abriu o caminho da vitória. Uma partida regada de emoção, com direito a cinco gols no segundo tempo. Novamente Romário e Bebeto deixaram o Brasil em vantagem: 2×0.

Copa do Mundo-1994: Brasil vence a Itália nos pênaltis e fatura o tetraParecia encaminhada a classificação sem maiores sustos. Parecia. Dois gols holandeses e o fantasma da eliminação pairou sobre os brasileiros.

Até Branco exorcizá-lo faltando dez minutos para o fim do jogo. Nascia a cobrança de falta mais importante da história do futebol brasileiro.

13/7/1994 – 6º jogo – Brasil 1 x 0 Suécia
A vitória sobre a Holanda empolga o torcedor brasileiro. Confiança passou a ser o sentimento. Contra a Suécia, o Brasil está a um passo de chegar à final 24 anos depois. Entra em campo como favorito e ratifica a condição no desenrolar da partida. Melhor tecnicamente, o time de Parreira tem amplo domínio. O retrato do jogo é diferente daquele primeiro embate ainda na primeira fase. Parecia questão de tempo o gol da vitória.

Mas a angústia aumenta na medida em que a bola não entra. Chances são criadas e desperdiçadas. O destino do Brasil naquela Copa seria mesmo sofrido. Não foi diferente na semifinal, nem também seria na grande decisão. Quem mais poderia carimbar o passaporte brasileiro? Na altura dos seus 1,68 m, Romário saltou como nunca. Cabeceou firme entre dois gigantes suecos. Deixou o Brasil mais perto do título.

17/7/1994 – 7º jogo – Brasil 0 (3) x (2) 0 Itália
O inédito tetracampeonato estava em jogo. Naquela tarde quente de 17 de julho, sairia a primeira seleção a conquistar o quarto título mundial, Brasil ou Itália. Uma geração de brasileiros jamais havia visto a Seleção levantar a Copa. Pressão e responsabilidade.

Ingredientes para tornar o jogo tenso, truncado. No tempo normal, nada de gols. Um 0 x 0 representativo. Talvez para ilustrar o baixo nível técnico daquele Mundial. Nem mesmo o inspirado Romário conseguiu mexer no placar. Pela primeira vez na história, a Copa seria decidida nos pênaltis. Um teste para cardíacos, diria Galvão Bueno.

Nas cobranças, surge um novo herói: Cláudio Taffarel, que brilhou como nunca. A defesa no chute de Massaro é determinante. Só restava Roberto Baggio mandar a bola para longe. Uma imagem histórica. Um momento inesquecível. Há 15 anos.

*Lucas Fitipaldi é repórter do diariodepernambuco.com.br e colaborador do blog

Não foi o gol do título

Série A-2009: Corinthians 4 x 3 Sport

Os dois últimos campeões da Copa do Brasil em campo. No Pacaembu.

Apesar do jogo válido pela Série A, o sentimento das duas torcidas ainda estava preso em 11 de junho do ano passado, quando Sport e Corinthians decidiram a competição nacional, valendo uma vaga na Libertadores.

Deu Sport.

Naquela noite.

Não nesta quinta-feira. Onde o peso era incomparavelmente menor, é bom ressaltar.

Com 25 mil corintianos num clima de “revanche”, o Timão buscou a vitória a todo custo. Conseguiu. Mas suou um bocado…

O Leão até o abriu o placar com Fabiano, mas viu o clube paulista virar para 3 x 1, com 2 gols de cabeça de Ronaldo ( 8-O ) e um de Cristian.

Valente, o Rubro-negro ainda empatou, com 2 gols de Vandinho. O time até ensaiou uma virada fantástica, mas acabou tomando o 4º gol no fim, em um chute de fora da área de Moradei.

A Fiel conseguiu a sua vingança. Será mesmo…? 8-)

Ao Sport, mais uma derrota fora de casa de maneira dolorida. Esta é a Série A.

Leia a matéria do diariodepernambuco.com.br sobre a derrota do Sport AQUI.

Foto: Agência Estado