Viagem sem ponto

Aracaju

Não deu para o Santa Cruz.

O time até teve uma preparação qualificada durante a semana. A viagem para Aracaju, a 501 quilômetros do Recife, foi de avião, mostrando a diferença para os concorrentes, de menor investimento.

Na noite deste sábado, o Tricolor enfrentou o Sergipe no estádio Batistão. Novamente apoiado por sua torcida, que invadiu a capital sergipana (esses aí foram de ônibus mesmo) e dividiu as arquibancadas. O público da partida foi de 3.774 torcedores.

Em campo, porém… É bom lembrar que a primeira fase da Série D é um tiro curto. Apenas seis jogos. Já foram três!

Nesta terceira apresentação, o Santa foi dominado nos primeiros 45 minutos. O Sergipe martelou a meta coral, enquanto o Tricolor não se encontrou em campo. No último lance, Fabinho Cambalhota aproveitou uma bobeira da zaga do Santa e abriu o placar.

No 2º tempo foi o contrário. Os comandados de Sérgio China lutaram muito. Criaram chances e sufocaram o adversário. Mas não conseguiram o empate. Aos 41 minutos, o time ainda teve um gol anulado pelo árbitro, que marcou falta no goleiro após um “bololô” na área. Final: Sergipe 1 x 0 Santa Cruz.

Uma vitória, um empate e uma derrota… Campanha irregular. No próximo sábado, os dois times voltam a se enfrentar, desta vez no Arruda. Casa cheia novamente? Mais do que nunca. O time está precisando bastante.

Frase do atacante Reinaldo após o revés em Aracaju:

“Na hora do momento ruim é que o grupo precisa ter personalidade.” 8-O

100 anos de mistura azul e vermelha

Gre-Nal

Há um século atrás, no antigo estádio da Baixada, em Porto Alegre, Grêmio e Internacional se enfrentaram pela primeira vez. O Tricolor já disputava algumas partidas de foot-ball, enquanto o Colorado estreou nos gramados naquele dia.

E foi massacrado… Grêmio 10 x 0 Inter, diante de 2 mil curiosos, que depois se transformariam em torcedores. O Gre-Nal nº 1, cujo astro foi o forward Edgar Booth, que marcou 5 goals (saiba mais sobre a partida AQUI). 8-O

Mas o lado vermelho se recuperou do baque. Demorou, mas conseguiu. E “virou” o jogo. A supremacia colorada nos confrontos foi estabelecida em 1945, na época do “Rolo Compressor”, como ficou conhecido o time do Inter naquela década.

Gre-Nal376 jogos
141 vitórias do Inter (538 gols)
118 vitórias do Grêmio (499 gols)
117 empates

Neste domingo acontecerá o Gre-Nal 377, no Olímpico – é dessa forma que os gaúchos se referem ao clássico, contando as edições.

Nesse tempo todo só fez crescer uma rivalidade que divide o Rio Grande do Sul. Meio a meio. A data mereceu até destaque no site da FIFA (veja AQUI).

Confira AQUI o especial jornal Zero Hora sobre os 100 anos do confronto porto-alegrense, com números, personagens, curiosidades…. Abaixo, o texto do escrito Ruy Carlos Osterman para o caderno especial do ZH.

“Afortunados somos nós que temos dois clubes para dividir corajosamente essa paixão inigualável dos torcedores, um maior do que outro, a cada instante, a cada título ou vitória e, se valem pela radical comparação de seus feitos, ainda se exaltam um à frente do outro, em tardes e noites como não existem outras no futebol brasileiro, eis que o Gre-Nal é a consagração dos enfrentamentos e da afirmação das partes, e nunca poderia existir melhor medida para essa sublime desavença esportiva, que sempre é justa, à disposição de todos como só o futebol sabe fazer.”

Nota: Trata-se do único clássico do Brasil com dois times de uma mesma cidade com títulos da Libertadores e do Mundial Interclubes. Não é pouca coisa… Parabéns aos gaúchos pelo centenário do Gre-Nal. Um orgulho do estado, sem dúvida alguma.

Curiosidade: Em 2008, os juniores de Sport e Náutico fizeram a preliminar de Grêmio x Inter, em Porto Alegre, pelo Brasileiro Sub-20. Os dois clássicos – que completam 100 anos nesta temporada – decidiram vaga para a final da competição, vencida pelo Tricolor Gaúcho numa decisão contra o Leão.