Centenário – 490 capítulos

Clássico dos Clássicos centenárioFinalmente, o centenário do Clássico dos Clássicos…

O aniversário de 100 anos do 3º clássico mais antigo do país será neste sábado, mas o jogão está marcado para o domingo, na Ilha do Retiro, às 16h.

Os velhos rivais não estão numa grande fase, é verdade. Mas de qualquer forma, a partida será histórica, e pelo menos a dupla não perdeu no meio desta semana.

490 jogos
192 vitórias do Sport (679 gols)
164 vitórias do Náutico (626 gols)
133 empates
1 jogo de placar desconhecido (disputado em 1931)

Sport
Maiores goleadas
8 x 0, em 01/10/1916, no British Club
8 x 1, em 19/10/1941, nos Aflitos

Principais artilheiros
1º Traçaia (década de 50) – 13 gols
2º Djalma Freitas (décadas de 50 e 60) – 12 gols
3º Roberto Coração de Leão (década de 80) – 11 gols

Náutico
Maiores goleadas
8 x 1, em 31/05/1935, na Avenida Malaquias
5 x 0, em 23/07/1936, na jaqueira

Principais artilheiros
1º Fernando Carvalheira (década de 30) – 26 gols
2º Bita (década de 60) – 23 gols
3º Baiano (década de 80) – 18 gols

Congelado sim, derrotado não

Série A-2009: Coritiba 1 x 1 Sport

O tabu em Curitiba está mantido. O Sport nunca venceu o Coxa na capital paranaense. Agora são 4 empates e 7 derrotas pelo Brasileirão.

Desta vez, porém, o resultado até que agradou aos leoninos.

Empate por 1 x 1, em um campo bastante molhado e, consequentemente, pesado… E com um frio daqueles, com 11ºC no termômetro e uma sensação térmica muito menor. Tanto que apenas 6.781 almas tiveram coragem de pagar ingresso.

Apesar do clima adverso, o Leão conseguiu trazer um ponto para o Recife em um momento crítico na competição. Caso tivesse perdido, o Rubro-negro seria o time com mais derrotas na Série A. Seriam 8. Não foi.

O time conseguiu respirar, ainda que de leve. Saiu da zona de rebaixamento. Vale lembrar, porém, que o Botafogo tem um jogo a menos.

De qualquer forma, o time não chegará ao clássico centenário, no domingo, disputando a lanterna com o Náutico.

Na congelante noite desta quinta-feira, o Sport procurou jogar fechadinho, buscando os contra-ataques. A tática deu certo no 1º tempo. Aos 18 minutos, um gol de lateral para lateral. Da direita, com Elder Granja, na medida para esquerda, para Dutra. Ele mesmo, o menino Dutra… E de cabeça! 8-O

Aos 32, com o jogo tranquilo para o Sport, Elder Granja derrubou Bruno Batata na área. Complicou… Pênalti para o Coxa. Pênalti convertido por Marcelinho Paraíba.

Depois disso, Magrão apareceu de forma brilhante. O camisa 1 da Ilha teve uma ótima atuação. Seguro em cobranças de falta, escanteios, rebotes, saída de gol… Magrão está de parabéns. Foi cumprimentado até pelos adversários.

Assim como o Náutico, agora é a vez do Sport juntar os cacos para o Clássico dos Clássicos, na Ilha do Retiro. Vale a história, a Taça 100 Anos de Clássicos e, acima de tudo, 3 pontos. E os dois precisam demais…

Foto: site oficial do Coritiba

Gols perdidos no oceano

Samoa Americana

A maior goleada oficial da história do futebol aconteceu em 2001, durante as Eliminatórias para a Copa do Mundo que foi disputada no Japão e na Coreia do Sul.

Austrália 31 x 0 Samoa Americana.

O vídeo abaixo, com os “melhores momentos” da partida, sequer conta com todos os gols. Foram registrados apenas 168-O

Tempo dos gols (oficialmente, segundo a Fifa, o 2º tempo vai de “46 a 90″): 10, 12, 13, 14, 17, 19, 21, 23, 25, 27, 29, 32, 33, 37, 42, 45, 50, 51, 55, 56, 58, 60, 65, 66, 78, 80, 81, 84, 85, 88 e 89.

Artilheiro: Archie Thompson, com 13 gols… :twisted:

A Austrália é uma potência? Longe disso… Mas na Oceania, repleta de micropaíses, reinava de uma forma sem graça, tanto que – em busca de um melhor nível técnico – pediu a autorização da Fifa para se filiar à federação asiática. Conseguiu.

Já a Samoa Americana continua lá na Polinésia, praticando algo parecido com futebol. O país de 70 mil habitantes (menos que o município de Gravatá/PE *) é o último colocado no Ranking da Fifa. Está em 203º lugar, ao lado de outras ‘potências’, como San Marino, Montserrat, Papua Nova Guiné e Anguilla. Todos com ZERO ponto.

A verdade é que já é quase um milagre um país como a Samoa Americana ainda conseguir formar uma seleção para a disputa das Eliminatórias. O país deixou de ser reconhecido como colônia apenas em 2002, mas preferiu continuar como uma dependência dos Estados Unidos (‘trabalhando’ com dólar mesmo). A economia é baseada na pesca e no turismo. A jogatina é proibida…

Obs. A campanha da Samoa Americana nas Eliminatórias de 2002 foi de 4 derrotas em 4 jogos. Nenhum gol marcado e 57 sofridos (veja mais AQUI).

(*) Gravatá, para servir de exemplo, tem uma população maior (74 mil moradores) e também uma área superior, de 513 km2, contra 199 km2 da Samoa.

Pipoqueiro goleador

Pipoqueiro

A fase é péssima, mas não vai ser chamando jogador de ‘pipoqueiro’ ainda no primeiro tempo que a torcida ajudará o Náutico a sair da zona de rebaixamento.

Na noite desta quarta-feira, diante do Botafogo, nos Aflitos, o time lutou bastante. A necessidade de acabar com o jejum de vitórias era essa essencial para o time.

Mas ainda não foi desta vez. O empate por 2 x 2 mantém o Timbu a lanterna do Brasileirão. Já são 10 partidas sem vencer. Dois nomes marcaram a partida. O zagueiro Juninho, no lado carioca, e o atacante Gilmar, no pernambucano.

O primeiro abriu o placar e ainda mandou a bomba que o goleiro Eduardo deu rebote para Reinaldo empatar o jogo, aos 31 minutos 2º tempo.

Já o segundo escutou o protesto da torcida timbu no final da primeira etapa. Chamado de ‘pipoqueiro’, o atacante desceu calado para o vestiário, onde a equipe levou uma bronca do técnico Geninho.

Deu certo, pois a virada veio no 2º tempo. Tudo bem que o pênalti convertido por Gilmar foi meio mandrake, mas o Alvirrubro buscou mais o ataque. Irado com os xingamentos, Gilmar virou o jogo (5º gol dele na Série A) e saiu correndo para a galera questionando “e agora?“. Atrito desnecessário, dos dois lados.

No fim, já com o uruguaio Acosta em campo, o Náutico sofreu o empate que engessou o clube novamente na tabela. Agora, é juntar os cacos e lutar no clássico centenário.

Veja a matéria do diariodepernambuco.com.br sobre o empate timbu AQUI.