A eterna superação coral no tri-supercampeonato

Santa Cruz tri-supercampeão pernambucano em 1983. Crédito: Rede Globo NE/Youtube/reprodução

Confiante, Gomes partiu para a cobrança.

Apinhado, o Arruda aguardava o lance quase em silêncio.

O zagueiro encheu o pé. Chute seco, estufando as redes… Um gol para sempre.

O Santa Cruz era tri-supercampeão pernambucano. Um feito há exatamente três décadas, em 18 de dezembro de 1983.

Naquela tarde noite os corais conquistaram a maior taça de sua quase centenária história. Um título diante dos rivais alvirrubros, no jogo extra, mas também passando pelos rubro-negros, no triangular.

A campanha foi longa, com técnica e, sobretudo, raça da trupe de Ricardo Rocha, Zé do Carmo e Henágio, todos eles comandados por Carlos Alberto Silva.

Em três turnos – cada um vencido por um dos grandes clubes, provocando o supercampeonato final -, o Tricolor entrou em campo em 47 oportunidades, com 29 vitórias, 13 empates e apenas 5 derrotas.

Dono de uma defesa sólida, com apenas 22 gols sofridos, e um ataque arrasador, com 100 tentos marcados.

A presença coral no triangular veio somente no terceiro turno, em uma decisão contra o Sport. Campo neutro, em Caruaru. Vitória por 1 x 0.

A partir daí, mais três clássicos até a faixa de campeão.

Na finalíssima, o Clássico das Emoções atraiu nada menos que 76.636 pagantes, em um dos maiores públicos da história do Mundão.

Empate em 1 x 1 e triunfo nas penalidades por 6 x 5.

Completava-se o ciclo com 1957, 1976 e 1983.

Ainda hoje o tri-super é uma exclusividade nas bandas da Avenida Beberibe…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>