O esboço do Campeonato Pernambucano de 2015, dividido em três etapas

Bancada do presidente da FPF, Evandro Carvalho. Foto: FPF

O incomum formato do Campeonato Pernambucano, iniciado em dezembro do ano anterior à edição vigente, foi implantado nesta temporada.

As equipes do interior começaram a jogar em 8 de dezembro de 2013, enquanto os grandes só entraram em 9 de fevereiro de 2014, dois meses depois.

No entanto, desde a concepção deste regulamento houve a dúvida sobre como seria a realização do Estadual caso um grande tivesse que disputar a primeira fase, paralela à reta final do Campeonato Brasileiro.

Bastaria não obter a classificação ao Nordestão no ano anterior e o buruçu estaria armado. Dito e feito, logo na pioneira edição desta fórmula.

Como o Santa Cruz terminou em 4º lugar no certame local, o clube não conseguiu a vaga à Copa do Nordeste de 2015.

Disputará o Troféu Miguel Arraes (o 1º turno estadual)? Não exatamente…

Ao blog, o presidente da FPF, Evandro Carvalho, adiantou que já foi criado um esboço para evitar que isso aconteça – valendo também para Náutico e Sport em caso de fiasco no Estadual dos próximos anos.

Assim, o Campeonato Pernambucano de 2015 terá um regulamento diferente pelo quarto ano seguido, bem diferente do que preza o Estatuto do Torcedor.

A partir de agora, o time que disputar as Séries A, B ou C já garantirá a presença na segunda fase local, mesmo fora do Nordestão.

A 1ª fase agora só tem um sentido: oferecer um lugar na Série D. Todos os envolvidos passariam automaticamente à 2ª fase, se juntando ao time de uma divisão superior que esteja fora do regional. Aí sim, uma etapa classificatória (e com chance de rebaixamento).

O Campeonato Pernambucano de fato, incluindo os participantes do regional, seria portanto a terceira fase (anteriormente era a segunda).

Só depois viria o mata-mata tradicional, com semifinal e final.

Sobre o número de partidas e datas, a FPF deve divulgar mais detalhes até setembro. Contudo, o esboço já está na mesa… Passa no arbitral?

Indiretamente, a premiação da Sul-Americana se equipara à Copa do Brasil

Premiação em dólar para a Copa Sul-Americana

“A Copa do Brasil é um torneio bem mais rentável que a Copa Sul-Americana”.

A frase é dita há tempos, numa verdade quase absoluta.

Ganhou ainda mais força em 2013 por causa do regulamento absurdo criado pela CBF, que obriga os clubes do país a escolher um torneio. A participação não pode ser paralela, o que ocorre com os torneios a partir das oitavas de final da Copa do Brasil. Desta forma, para competir na Sul-Americana é preciso ser eliminado no torneio nacional até a terceira fase.

Mas a frase supracitada deve cair em desuso em 2014. Basta ter atenção.

A premiação oficial do torneio da Conmebol, em dólar, teve um acréscimo de 64% para esta temporada, o que na prática significa um aumento de dois milhões de reais (mesmo com a cotação menor). Abaixo, os dados de 2013 e 2014 da “Sula”, mas com um adendo. O blog somou as cotas iniciais da Copa do Brasil – afinal, o clube receberia esta cota de toda maneira.

Assim, um time da Série A que sair da Copa do Brasil na 3ª fase (o máximo possível) e alcançar o título internacional, terá uma premiação absoluta de R$ 6 milhões, apenas R$ 135 mil abaixo do campeão da Copa do Brasil. Em 2013, a diferença neste mesmo contexto era muito maior, de R$ 1,974 milhão.

Como a Sul-Americana está diretamente atrelada à Copa do Brasil, nada mais justo que observar as verbas à disposição de um clube nas duas frentes…

2014 (US$ 1 = R$ 2,23)
Fase brasileira: US$ 150 mil (R$ 334,5 mil)
Oitavas: US$ 225 mil (R$ 501,7 mil)
Quartas: US$ 300 mil (R$ 669 mil)
Semifinal: US$ 360 mil (R$ 802,8 mil)
Vice: US$ 550 mil (R$ 1.226,5 milhão)
Campeão: US$ 1,2 milhão (R$ 2,676 milhões)

Total para o campeão da Sula de 2014: US$ 2,235 milhões (R$ 4.984.050)

Acumulado título + 3ª fase da Copa do Brasil – R$ 6.054.050
Acumulado título + 2ª fase da Copa do Brasil – R$ 5.624.050
Acumulado título + 1ª fase da Copa do Brasil – R$ 5.304.050

Total para o campeão da Copa do Brasil de 2014 – R$ 6.190.000

2013 (US$ 1 = R$ 2,44)
Fase brasileira: US$ 100 mil (R$ 244 mil)
Oitavas: US$ 140 mil (R$ 342 mil)
Quartas: US$ 180 mil (R$ 439 mil)
Semifinal: US$ 220 mil (R$ 537 mil)
Vice: US$ 300 mil (R$ 732 mil)
Campeão: US$ 600 mil (R$ 1,464 milhão)

Total para o campeão da Sula de 2013: US$ 1,24 milhão (R$ 3.025.600)

Acumulado título + 3ª fase da Copa do Brasil – R$ 4.025.600
Acumulado título + 2ª fase da Copa do Brasil – R$ 3.625.600
Acumulado título + 1ª fase da Copa do Brasil – R$ 3.325.600

Total para o campeão da Copa do Brasil de 2013 – R$ 6.000.000

Obs. O Sport recebeu duas cotas do torneio nacional em 2014. Ou seja, o acumulado máximo na campanha internacional seria de R$ 5,6 milhões.

Na surdina, uma reviravolta na tabela da Sul-Americana

Tabela da Copa Sul-Americana em 20 de maio de 2014

O sorteio das chaves da Copa Sul-Americana de 2014 foi realizado no dia 20 de maio, num hotel de luxo em Buenos Aires.

O evento foi transmitido ao vivo pelo canal Fox Sports. Na cerimônia houve a exibição de painéis com os chaveamentos (acima). Relembre aqui.

Dois meses depois, na surdina e sem um motivo aparente, a Conmebol mexeu no tabuleiro. A mudança – notada por Emerson Santiago, torcedor do Sport – foi na ordem das composições da segunda fase, atingindo diretamente o Leão, agora com presença confirmada no torneio internacional.

Anteriormente, o vencedor do confronto Vitória x Sport (Brasil 1 x Brasil 8) foi apontado como o primeiro dos 16 duelos das oitavas da final, ou “O1″.

Agora, a tabela no site oficial da Conmebol aponta a chave como “O9″ (abaixo).

Em vez de enfrentar o O16, o adversário na fase seguinte agora será o O8.

Inicialmente, o Rubro-negro (pernambucano ou baiano) enfrentaria na fase internacional – a segunda do torneio – um desses quatro times: General Díaz (Paraguai) x Cobresal (Chile) e Deportivo La Guaira (Venezuela) x Atlético Nacional (Colômbia), que largam uma etapa antes dos clubes brasileiros. No formato anterior, justamente por ser o O1, jogaria a partida de volta em casa até a final.

Com a mudança, a fase preliminar no caminho do Leão (da Ilha ou da Barra) começará com o melhor da chave entre os vencedores de Itagüí (Colômbia) x Emelec (Equador) e Universidad Católica (Chile) x River Plate (Uruguai).

A bronca segue nas quartas de final, tendo como principais opositores o atual campeão Lanús (Argentina), o Peñarol (Uruguai) e o Deportivo Cali (Colômbia).

Na semifinal, os argentinos Boca Juniors e Rosário Centrale e os ainda desconhecidos “Brasil 3″ e “Brasil 6″.

Na decisão? River Plate, Estudiantes de La Plata e os demais brasileiros.

Essa perspectiva é válida caso não ocorra uma nova transformação, como por exemplo a troca da posição destinada ao campeão do Nordeste (Brasil 8?). Pois é. Faltando menos de um mês para o início da competição, a CBF ainda não confirmou isso…

A nova tabela da Copa Sul-Americana 2014, disponível em 25 de julho de 2014