Brasil x Uruguai, a possível estreia da Seleção Brasileira na Arena Pernambuco

Brasil x Uruguai

Ao término do empate em 1 x 1 entre Brasil e Argentina, no Monumental de Nuñez, com um gol de Lucas Lima, ex-Sport, o locutor Milton Leite encerrou a transmissão no canal de tevê por assinatura SporTV anunciando Brasil x Uruguai na Arena Pernambuco. O jogo, válido pelas Eliminatórias da Copa do Mundo, está agendado entre os dias 21 e 24 de março de 2016. Seria a terceira partida seguida da seleção principal no Nordeste, após Fortaleza (Venezuela) e Salvador (Peru). Escudo contra as críticas?

Já havia a expectativa da partida no Recife, comentada pelo presidente da FPF, Evandro Carvalho, desde o anúncio do amistoso da Seleção Olímpica na Ilha do Retiro. Contudo, nem FPF, CBF ou Conmebol confirmaram o jogo – muito menos o consórcio que administra a arena em São Lourenço da Mata. Entretanto, a declaração dada numa emissora de alcance nacional e, sobretudo, detentora dos direitos de transmissão dos jogos do Brasil, logo repercutiu.

Caso confirmada, será a estreia da Seleção no Arena, substituindo o Mundão, que recebeu todos os jogos desde 1978. Seria também a 18ª partida da seleção principal no estado, sendo o segundo clássico entre brasileiros e uruguaios aqui. Em 1985, diante de 59.946 torcedores no Arruda, vitória com gols de Careca e Alemão. Em relação à fase classificatória para o Mundial, a última apresentação foi em 2009, contra o Paraguai. Em partidas oficiais, ou seja, contra seleções nacionais, a Canarinha jamais perdeu em Pernambuco…

Avenida Malaquias
27/09/1934 – Brasil 5 x 4 Sport
30/09/1934 – Brasil 3 x 1 Santa Cruz
04/10/1934 – Brasil 8 x 3 Náutico
07/10/1934 – Brasil 5 x 3 Seleção Pernambucana
10/10/1934 – Brasil 2 x 3 Santa Cruz

Ilha do Retiro
01/04/1956 – Brasil 2 x 0 Seleção Pernambucana
13/07/1969 – Brasil 6 x 1 Seleção Pernambucana

Arruda
13/05/1978 – Brasil 0 x 0 Seleção Pernambucana
19/05/1982 – Brasil 1 x 1 Suíça
02/05/1985 – Brasil 2 x 0 Uruguai
30/04/1986 – Brasil 4 x 2 Iugoslávia
09/07/1989 – Brasil 2 x 0 Paraguai
29/08/1993 – Brasil 6 x 0 Bolívia
23/03/1994 – Brasil 2 x 0 Argentina
29/06/1995 – Brasil 2 x 1 Polônia
10/06/2009 – Brasil 2 x 1 Paraguai
10/09/2012 – Brasil 8 x 0 China

Arena Pernambuco
21/03/2016 - Brasil x Uruguai*
*A confirmar.

O preço do aluguel de uma partida nos Aflitos, Ilha do Retiro e Arruda

Aflitos, Ilha do Retiro e Arruda através do Google Maps, em agosto de 2015. Crédito: arte de Cassio Zirpoli sobre imagens do Google

O futebol pernambucano tem uma particularidade em relação aos demais estados no Nordeste, com os três grandes clubes locais possuindo estádios particulares com capacidade acima de 20 mil pessoas. É assim desde 1972, quando o Arruda foi oficialmente inaugurado –  e só mudou em 2013, com a abertura da Arena Pernambuco. Apesar disso, não foram raras as vezes que um dos times precisou utilizar a casa do rival. Seja pela troca do gramado, realização de um show, manutenção, ampliação etc.

Entre 1980 e 1982, na construção do anel superior do Arruda, o Santa Cruz se revezou na Ilha do Retiro e nos Aflitos. Na sequência, entre 1982 e 1984, com a construção das gerais e a ampliação da cadeira central da Ilha, o Sport fez o mesmo. Já o Náutico, devido à capacidade dos Aflitos antes da reforma entre 1996 e 2002, mandou inúmeros clássicos no Mundão – foi lá onde estabeleceu a sua melhor média de público na Série A, com 30.918 torcedores em 1983.

Cordialidade à parte, atuar no estádio alheio tem um custo – se o clube quiser cobrar. Em 2012, o presidente da FPF, Evandro Carvalho, tabelou os valores para evitar mais discussões no Campeonato Pernambucano, pois alvirrubros e rubro-negros não estavam se entendendo sobre o aluguel dos Aflitos. Cada praça recebeu um dado de acordo com as suas dimensões, variando entre partidas diurnas e noturnas. Em 2015, os dados foram apenas corrigidos pela inflação. O blog calculou através do Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M).

2012
Aflitos
Dia – R$ 10.000
Noite – R$ 12.000

Ilha do Retiro
Dia – R$ 12.000
Noite – R$ 14.000

Arruda
Dia – R$ 16.000
Noite – R$ 18.000

2015 (corrigido pela inflação)
Aflitos
Dia – R$ 12.780
Noite – R$ 15.337

Ilha do Retiro
Dia – R$ 15.337
Noite – R$ 17.893

Arruda
Dia – R$ 20.449
Noite – R$ 23.005

De acordo com o diretor técnico da FPF, Murilo Falcão, em competições organizadas pela CBF (Nordestão, Copa do Brasil e Brasileiro) o valor do aluguel é definido pelos próprios clubes – podendo usar a tabela já existente, é claro. E ainda vale um adendo, tanto em torneios locais quanto nacionais: além do aluguel é preciso pagar a taxa de manutenção do estádio (limpeza, gramado, iluminação e funcionários). No Arruda, por exemplo, o presidente do Santa Cruz, Alírio Morais, estipula em R$ 50 mil custo do estádio a cada jogo.

Torneio entre os campeões do Nordestão, Copa Verde e Primeira Liga em 2017? Um resquício de Copa dos Campeões

Troféu da Copa dos Campeões de 2000. Foto: Palmeiras

O calendário do futebol brasileiro vem num contínuo processo de revisão. Quase sem datas e com pouca gente disposta a ceder, entre CBF, federações estaduais, clubes e ligas. Ainda assim, surgem ideias. Uma delas, uma velha ideia, com a reedição da Copa dos Campeões. Entre 2000 e 2002, a CBF organizou o torneio nacional de tiro curto envolvendo os vencedores das copas regionais e os campeões paulista e carioca, com sedes fixas. Valia vaga na Liberta! A primeira edição, em Alagoas e na Paraíba, foi um sucesso, com premiação de R$ 1,4 milhão ao campeão e média de público de 20 mil pessoas.

Palmeiras, Flamengo e Paysandu ergueram as taças antes da descontinuação em 2003 por causa do fim (forçado) dos regionais e a implantação dos pontos corridos na Série A, com 24 clubes e 46 longas rodadas. Hoje, são 20 equipes e 38 rodadas, o suficiente para mais um torneio? As poucos, os regionais estão voltando. O Nordestão em 2013, a Copa Verde (no lugar da Copa Norte) em 2014 e a Primeira Liga (Copa Sul-Minas-Rio) em 2016. O presidente da nova entidade, Gilvan Tavares, com apoio de Fla, Flu, Inter, Grêmio, Cruzeiro e Atlético, já sinalizou um torneio envolvendo os três campeões a partir de 2017.

“Temos que pensar em muitas coisas. Nem todos os grandes clubes brasileiros conseguem classificação à Libertadores. É o sonho de todo o clube. Quem sabe a gente não consiga para o futuro uma coisa diferente? Não tem o torneio do Nordeste? A liga Verde, a Sul-Minas Rio? Quem sabe a gente não consegue fazer o torneio com os campeões de cada uma dessas competições, com uma vaga na Libertadores. A CBF não tinha pensado nisso. Hoje surgiu essa ideia.” 

Embrionária, a ideia enfrenta várias barreiras. Calendário, formato, participantes e um plano de marketing, com emissoras interessadas. Na visão do blog, o torneio teria vida útil independentemente de uma vaga à Libertadores.

O que você acha da possibilidade de uma reedição da Copa dos Campeões?

2000
Palmeiras 2 x 1 Sport (Maceió)

Palmeiras campeão da Copa dos Campeões de 2000

2001
Flamengo 5 x 3 São Paulo (João Pessoa)
Flamengo 2 x 3 São Paulo (Maceió)

Flamengo campeão da Copa dos Campeões de 2001

2002
Paysandu 1 x 2 Cruzeiro (Belém)
Paysandu 4 x 3 Cruzeiro, 3 x 0 nos pênaltis (Fortaleza)

Paysandu campeão da Copa dos Campeões de 2002

Podcast 45 (187º) – Ruptura entre Náutico e Arena e decisões de Santa Cruz e Sport

A ideia era comentar Brasil x Argentina (adiado), pelas Eliminatórias, e o amistoso da Seleção Olímpica na Ilha do Retiro, com os jogos decisivos do Trio de Ferro na sequência. Porém, a surpreendente decisão do Náutico de mudar o local do jogo contra o Bahia da Arena para o Arruda acabou virando a pauta do 45 minutos. Foi o primeiro assunto do programa, com as consequências e o que isso pode implicar ao Tricolor, concorrente direto em busca do acesso. Por sinal, Náutico x CRB e Botafoto x Santa são jogos com misto de técnica e matemática. Por fim, a missão do Sport no Mineirão, onde não vence desde 1978. Para retornar à Libertadores, somar ao menos um pontinho é vital.

Nesta 187ª edição, estive ao lado de Celso Ishigami, Fred Figueiroa e João de Andrade Neto. Ouça agora ou quando quiser!