A regionalização das séries A, B e C do Campeonato Brasileiro em 2016

Ao todo, 60 clubes do país têm “calendário cheio”, com atividade regular devido à participação nas três principais divisões do Campeonato Brasileiro. Com a definição de todos os acessos e descensos, veja como ficou a relação nas séries A, B e C de 2016. Ainda há a Série D, claro, mas trata-se de uma competição com a classificação oriunda dos campeonatos estaduais.

Série A
Corinthians-SP, Atlético-MG, Grêmio-RS, São Paulo-SP, Inter-RS, Sport-PE, Santos-SP, Cruzeiro-MG, Palmeiras-SP, Atlético-PR, Ponte Preta-SP, Flamengo-RJ, Fluminense-RJ, Chapecoense-SC, Coritiba-PR, Figueirense-SC, Botafogo-RJ, Santa Cruz-PE, Vitória-BA, América-MG

Nordeste – 3 (2 pernambucanos e 1 baiano)
Sudeste – 11 (5 paulistas, 3 cariocas e 3 mineiros)
Sul – 6 (2 gaúchos, 2 paranaenses e 2 catarinenses)
Centro-Oeste – 0
Norte – 0

Série B (16)
Avaí-SC, Vasco-RJ, Goiás-GO, Joinville-SC, Náutico-PE, Bragantino-SP, Paysandu-PA, Sampaio Corrêa-MA, Bahia-BA, Luverdense-MT, CRB-AL, Criciúma-SC, Paraná-PR, Atlético-GO, Ceará-CE, Oeste-SP, Vila Nova-GO, Londrina-PR, Tupi-MG e Brasil-RS

Nordeste – 5 (1 pernambucano, 1 baiano, 1 cearense, 1 maranhense e 1 alagoano)
Sudeste – 4 (2 paulistas, 1 carioca e 1 mineiro)
Sul – 6 (3 catarinenses, 2 paranaenses e 1 gaúcho)
Centro-Oeste – 4 (3 goianos e 1 mato-grossense)
Norte – 1 (1 paraense)

Série C
Macaé-RJ, ABC-RN, Boa Esporte-MG, Mogi Mirim-SP, Fortaleza-CE, ASA-AL, Confiança-SE, Portuguesa-SP, América-RN, Juventude-RS, Guarani-SP, Botafogo-PB, Cuiabá-MT, Salgueiro-PE, Tombense-MG, Guaratinguetá-SP, Botafogo-SP, River-PI, Remo-PA e Ypiranga-RS.

Nordeste – 8 (2 potiguares, 1 pernambucano, 1 cearense, 1 alagoano, 1 sergipano, 1 paraibano e 1 piauiense)
Sudeste – 8 (5 paulistas, 2 mineiros e 1 carioca)
Sul – 2 (2 gaúchos)
Centro-Oeste – 1 (1 mato-grossense)
Norte -1 (1 paraense)

A distribuição dos milhões das cotas de televisão nas Séries A e B de 2016

As cotas de TV do Campeonato Brasileiro da Série A em 2016. Arte: Fred Figueiroa/DP/D.A Press

As duas principais divisões do Campeonato Brasileiro têm uma cobertura completa da TV, com a transmissão dos 760 jogos, nos sinais aberto e fechado. Ambas as séries já estão definidas para 2016, com quatro trocas na A, como a volta de Botafogo e Santa, e oito mudanças na B, com destaque para a terceira participação do Vasco. E a próxima temporada marca o início do novo contrato com a Rede Globo, detentora dos direitos. Os 40 times receberão novos repasses, que fomentam a maior parte das respectivas receitas. No quadro produzido pelo podcast 45 minutos, um raio x das finanças oriundas da tevê.

Na elite foram firmados acordos de três anos, com clubes acima de R$ 35 milhões/ano. É o caso Sport, no último escalão dos “cotistas” até 2018. Basta compará-lo a Corinthians e Flamengo, que passam a ganhar R$ 170 milhões, R$ 60 mi a mais que no contrato encerrado, num aumento de 54%. Ou seja, maior numérica e percentualmente. Uma evolução baseada na audiência dos principais mercados, São Paulo e Rio, mas nem sempre atrelada à questão técnica. No fim da pirâmide, cinco clubes, incluindo o Tricolor, negociando acordos anuais entre R$ 20 mi e R$ 25 milhões. Num primeiro contato, o mandatário coral, Alírio Moraes, ouviu uma oferta de R$ 16 milhões. Pois é.

Evolução dos contratos 2012-2015 para 2016-2018
1) Flamengo e Corinthians – de R$ 110 mi para R$ 170 milhões (54%)
2) São Paulo – de R$ 80 mi para R$ 110 milhões (37%)
3) Vasco e Palmeiras – de R$ 70 mi para R$ 100 milhões (42%)
4) Santos – de R$ 60 mi para R$ 80 milhões (33%)
5) Cruzeiro/Galo/Grêmio/Inter/Flu/Fogo – de R$ 45 mi p/ R$ 60 milhões (33%)
6) Outros ex-integrantes do Clube dos 13 – de R$ 27 mi p/ R$ 35 milhões (29%)

Enquanto isso, na Série B, o valor básico foi ampliado de R$ 3 mi para R$ 5 milhões, numa articulação que contou com o presidente do Náutico, Glauber Vasconcelos. A bronca é ter que competir com o Vasco, que R$ 100 milhões. Os 17 “não cotistas” da Segundona ganharão, juntos, R$ 85 milhões. Competitividade? Irreal. E olhe que esse levantamento todo se refere apenas às cotas fixas do Brasileirão. Ainda há o pay per view, com um rateio de R$ 350 milhões através do Premiere, de acordo com o número de assinantes apurado em pesquisa do Datafolha, ampliando de vez a disparidade.

Veja as cotas dos clubes pernambucanos em todos os torneios de 2016 aqui.

As cotas de TV do Campeonato Brasileiro da Série B em 2016. Arte: Fred Figueiroa/DP/D.A Press

A fila de espera dos brasileiros para a Sul-Americana 2016, com Sport e Santa

Copa Sul-Americana

Publicação atualizada em 27/07/2016, já com a definição da fila.

Está definida a “fila de espera” para a Copa Sul-Americana de 2016, com dois representantes pernambucanos. Havia a ideia de que os clubes “escolheriam” entre a Copa do Brasil e a Sula, evitando “eliminações propositais” no torneio nacional. Infelizmente, a ideia foi para o papel, com a definição dos clubes brasileiros seguindo a bizarra fórmula adotada há três temporadas pela CBF. Para a disputa internacional de 2016, seis das oito vagas do país serão oriundas do Campeonato Brasileiro, com mais duas via Nordestão e Copa Verde. Na fila, naturalmente ficaram de fora os cinco classificados à Libertadores (G4 e Copa do Brasil) e o 5º lugar. Todos entrarão direto nas oitavas da Copa do Brasil de 2016, logo não poderão  disputar a Sula, simultânea.

Regra: se classificam à Sul-Americana 2016 os seis melhores classificados no Brasileiro 2015 que forem eliminados até a terceira fase da Copa do Brasil (CB) de 2016. Caso um time com a chamada “pré-vaga” vá à oitavas da copa nacional, a vaga internacional será repassada automaticamente ao time seguinte na fila, e assim sucessivamente. 

Fila de espera para as seis primeiras vagas do país (Brasil 1 a Brasil 6)
1º) Sport (6º na Série A), classificado à Sula (eliminado na 1ª fase da CB)
2º) Santos (7º na Série A), já sem chance (classificado às oitavas da CB)
3º) Cruzeiro (8º na Série A), já sem chance (classificado às oitavas da CB)
4º) Atlético-PR (10º na Série A), já sem chance (classificado às oitavas da CB)
5º) Ponte Preta (11º na Série A), já sem chance (classificado às oitavas da CB)
6º) Flamengo (12º na Série A), classificado à Sula (eliminado na 2ª fase da CB)
7º) Fluminense (13º na Série A), já sem chance (classificado às oitavas da CB)
8º) Chape (14º na Série A), classificado à Sula (eliminado na 3ª fase da CB)
9º) Coritiba (15º na Série A), classificado à Sula (eliminado na 2ª fase da CB)
10º) Figueira (16º na Série A), classificado à Sula (eliminado na 3ª fase da CB)
11º) Botafogo (1º na Série B), já sem chance (classificado às oitavas da CB)
12º) Vitória (3º na Série B), classificado à Sula (eliminado na 3ª fase da CB)
13º) América-MG (4º na Série B), já sem chance, na 3ª fase da CB
14º) Avaí (17º na Série A), já sem chance (eliminado na 2ª fase da CB)
15º) Vasco (18º na Série A), já sem chance (classificado às oitavas da CB)
16º) Goiás (19º na Série A), já sem chance (eliminado na 1ª fase da CB)
17º) Joinville (20º na Série A), já sem chance (eliminado na 2ª fase da CB) 

Brasil 1 – Sport
Brasil 2 – Flamengo
Brasil 3 – Chapecoense
Brasil 4 – Coritiba
Brasil 5 – Figueirense
Brasil 6 – Vitória

Brasil 7 (Copa do Nordeste 2016)
Santa Cruz, classificado à Sula (eliminado na 3ª fase da CB)

Brasil 8 (Copa Verde 2015)
Cuiabá, classificado à Sula (eliminado na 1ª fase da CB)

Na lista, curiosamente os quatro classificados na Série B estão à frente dos quatro rebaixados na Série A. Campeão nordestino, o Santa garantiu a pré-vaga como Brasil 7. Segundo a CBF, mesmo que tenha condições de entrar na fila em uma condição melhor (1 a 6), o título regional garante o time como Brasil 7.

Já o Sport estava numa situação “confortável” desde o início. A aspa se devia à necessidade de  ”sair” logo da Copa do Brasil, o que ocorreu diante da modesta Aparecidense. Com isso, vai à Sula pela 4ª vez seguida, no “pote 1″ do sorteio, que contará com quatro chaves brasileiras, valendo pela segunda fase do torneio. Com o Tricolor confirmando a vaga e ficando no “pote 2″, haveria 25% de chance sair um Clássico das Multidões no sorteio. Dito e feito.

O formato de sorteio das chaves brasileiras foi implantado pela Conmebol na edição de 2015 (Brasil 1, 2, 3 e 4 no pote 1 e Brasil 5, 6, 7 e 8 no pote 2). No sorteio realizado em Santiago, em 12 de julho, a fase nacional ficou assim:: Sport (BR 1) x Santa Cruz (BR 7), Flamengo (BR 2) x Figueirense (BR 5), Chapecoense (BR 3) x Cuiabá (BR 8) e Coritiba (BR 4) x Vitória (BR 6).

Para saber mais sobre a tabela da Sul-Americana 2016, clique aqui.

A classificação da Série A 2015 após 38 rodadas, com premiações e vagas

A classificação da Série A 2015 após 38 rodadas. Crédito: Superesportes

Terminou a 45ª edição da Série A do Campeonato Brasileiro. Com o Corinthians campeão como antecipação, a última rodada serviu para definir o vice (Galo), o último classificado à Libertadores (São Paulo) e mais três rebaixados, ao lado do Joinville. Caíram Goiás, Vasco e Avaí, com o rival Figueirense escapando na base do sofrimento. Em Campinas, sem aperreio, o Sport venceu a Ponte Preta e acabou em 6º lugar, na sua melhor campanha na era dos pontos corridos.

Colocações, premiações e vagas através do Brasileirão 2015
1º: Corinthians – R$ 10 milhões, Libertadores/2ª fase e Copa do Brasil/oitavas
2º: Atlético-MG – R$ 6,3 milhões, Libertadores/2ª fase e Copa do Brasil/oitavas
3º: Grêmio – R$ 4,3 milhões, Libertadores/2ª fase e Copa do Brasil/oitavas
4º: São Paulo – R$ 3,2 milhões, Libertadores/1ª fase e Copa do Brasil/oitavas
5º: Internacional – R$ 2,2 milhões e Copa do Brasil/oitavas
6º: Sport – R$ 1,4 milhão e Sul-Americana/2ª fase
7º: Santos – R$ 1,3 milhão e Sul-Americana/2ª fase
8º: Cruzeiro – R$ 1,2 milhão e Sul-Americana/2ª fase
9º: Palmeiras* – R$ 1,1 milhão, Libertadores/2ª fase e Copa do Brasil/oitavas
10º: Atlético-PR – R$ 1,0 milhão e Sul-Americana/2ª fase
11º: Ponte Preta – R$ 900 mil e Sul-Americana/2ª fase
12º: Flamengo – R$ 800 mil e Sul-Americana/2ª fase
13º: Fluminense** – R$ 700 mil
14º: Chapecoense** – R$ 600 mil
15º:  Coritiba** - R$ 450 mil
16º: Figueirense** – R$ 350 mil
17º ao 20º: Avaí, Vasco, Goiás e Joinville – sem premiação

* Vaga através do título da Copa do Brasil
** Esses clubes também podem ir à Sula, mas dependem da classificação dos concorrentes acima às oitavas de final da Copa do Brasil.

Sport vence a Ponte e termina em 6º, a sua quarta melhor campanha na Série A

Série A 2015, 38ª rodada: Ponte Preta 0x1 Sport. Foto: MANOEL MESSIAS

A sensação é de que o Sport poderia ter ido mais longe, pois mostrou futebol para isso. Foi competitivo durante boa parte do Brasileirão, vencendo os cinco primeiros colocados. Entre tantas explicações para não ter alcançado a vaga na Libertadores, o jejum de dez jogos, o desempenho como como visitante, com apenas duas vitórias, o excesso de empates, catorze, e, também, os erros crassos de arbitragem. Ainda assim, a campanha rubro-negra em 2015 foi histórica. Ao vencer a Ponte Preta em Campinas pela primeira vez, o Leão chegou a 59 pontos e encerrou a Série A em 6º lugar.

Mais do que a melhor campanha nos pontos corridos, essa foi a quarta melhor campanha do clube em toda a competição. Não é pouca coisa. Desde 1971, essa é a 11ª vez que o Sport termina entre os dez primeiros colocados, um recorde no Nordeste, à frente de Vitória (9), Bahia (7), Santa Cruz (3), Náutico (1) e Ceará (1). E no Moisés Lucarelli vimos uma espécie de despedida deste time, montado durante o Brasileirão e dito há tempos como um dos mais qualificados já montados pela direção.

Melhores colocações do Sport na Série A
1978 – 8º
1981 – 10º
1982 – 9º
1983 – 8º
1985 – 5º
1987 – 1º
1988 – 7º
1996 – 10º
1998 – 7º
2000 – 5º
2015 – 6º

Nomes como Diego Souza, André e Marlone (suspenso nesta rodada) talvez não sigam na equipe, mas justificaram as suas contratações. O camisa 87 que o diga. Definido por parte da imprensa e da própria torcida (talvez influenciada por isso) como “caro”, terminou o campeonato como 9 gols e 10 assistências em 34 partidas, apontado como um dos melhores de sua posição. Caro é jogador ruim. Foi dele o gol que definiu a vitória leonina por 1 x 0. Numa tarde sonolenta e num estádio quase vazio, mas ainda assim com objetivos em jogo.

Aos 16 minutos da segunda etapa, Diego Souza foi lançado e, com muita categoria, dominou a bola, saiu da marcação e tocou no cantinho do goleiro. Na sequência, André quase ampliou – perdeu a chance de se igualar a Luís Carlos como maior artilheiro do Sport em um Brasileiro, com 14 gols em 1985. Com o desfecho dos dez jogos simultâneos, o Leão faturou um prêmio de R$ 1,4 milhão e a pré-vaga na Sul-Americana. Caso confirme a participação em 2016 – depende do bizarro critério atrelado à Copa do Brasil -, o Leão disputaria a Sula pela quarta vez seguida. Uma nova história. Possivelmente, um novo time.

Série A 2015, 38ª rodada: Ponte Preta x Sport. Foto: Alan Morici