Jogão na Arena Pernambuco, com o Brasil cedendo o empate ao Uruguai

Eliminatórias da Copa 2018, em 25/03/2016: Brasil x Uruguai. Foto: AUF/twitter (@Uruguay)

Foi uma partidaça de futebol, bem jogada, batalhada e com muitos gols. Brasil e Uruguai fizeram valer a expectativa na Arena Pernambuco, que nunca havia recebido um jogo da Seleção. No primeiro tempo, pleno destaque para Neymar, armando e atacando, liso em campo. Na retomada, o atacante caiu, junto como todo o time. Levando em conta que do outro lado havia um poderoso ataque, a situação ficou complicada diante dos hermanos, com Cavani e Suárez balançando as redes e pressionando para virar. Ao todo, 20 finalizações (Uruguai 12 x 8). Entre as 45 mil pessoas presentes, várias conseguiram a proeza de não fixar o olhar no impecável gramado. Algumas porque não conseguiram chegar a tempo, devido à mobilidade falha na estrada, mas outras tantas preferiram ficar entretidas nos shows da área vip e nos incontáveis selfies. Acabaram desperdiçando uma oportunidade única. Só lamento.

Quem prestou atenção, no campo ou na tevê, reconheceu o esforço inicial do time de Dunga, superior na primeira metade do confronto. No decorrer da noite apareceriam os problemas defensivos, técnicos e táticos  - também reflexo dos 128 dias sem jogo do time -, diretamente relacionados à reviravolta no placar, desorganizando o conjunto de vez. O Brasil abriu dois gols de diferença em apenas 25 minutos, com Douglas Costa e Renato Augusto – na verdade, a vantagem vinha desde os 40 segundos! A equipe jogou para ampliar, mas deu espaço, sem tanta pegada no meio-campo. E isso é algo fatal, pois a Celeste é especialista em deixar um jogo encardido mesmo fazendo pouco (até então).

O maestro Tabárez passou a investir nas costas dos laterais brasileiros, e foi buscar o empate através dos atacantes do PSG e do Barça, aos 30 da primeira etapa e aos 2 da segunda. Suárez, aliás, chegou a quatro gols na arena, marcando nas três vezes em que esteve no local (Espanha, Taiti e Brasil). E o que era uma festa, com cara de goleada, virou o clássico de sempre, com o time charrúa chegando bem perto da virada, sobretudo em cima do zagueiro David Luiz, com uma idolatria incompreensível na arquibancada.

No finzinho, Alisson salvou o Brasil de uma derrota em casa pelas Eliminatórias. o que nunca aconteceu. Livre, Suárez perdeu, com a defesa comemorada como um grito de gol. Como a pressão adversária continuou nos descontos, a paciência foi embora, com vaias da torcida verde e amarela. Não pela diversão (futebolisticamente falando, houve), mas pelo resultado, naturalmente. O empate em 2 x 2 acabou com uma sequência de oito vitórias consecutivas da Seleção atuando em Pernambuco. A arrancada havia começado justamente contra o Uruguai, em 1985, no Arruda. Mas eles não desistem, nunca…

Eliminatórias da Copa 2018, em 25/03/2016: Brasil 2x2 Uruguai (gol de Douglas Costa). Foto: Brasil Global Tour/twitter (‏@BGT_ENG)

Eliminatórias da Copa 2018, em 25/03/2016: Brasil 2x2 Uruguai (gol de Renato Augusto). Foto: Brasil Global Tour/twitter (‏@BGT_ENG)

Eliminatórias da Copa 2018, em 25/03/2016: Brasil 2x2 Uruguai (gol de Cavani). Foto: AUF/twitter (@Uruguay)

Eliminatórias da Copa 2018, em 25/03/2016: Brasil 2x2 Uruguai (gol de Suárez). Foto: Brasil Global Tour/twitter (‏@BGT_ENG)

O maior público da Arena Pernambuco e a maior renda (conhecida) do estado

Eliminatórias da Copa 2018, em 25/03/2016: Brasil x Uruguai. Foto: João de Andrade Neto/DP

O jogo entre Brasil e Uruguai registrou o recorde de público da Arena Pernambuco, com 45.010 torcedores, sendo 43.898 pagantes e 1.112 gratuidades. Esse borderô correspondeu a 97,3% da capacidade máxima do estádio. Para isso, contabilizaram todas as entradas, inclusive de pessoas que acabaram nem entrando. A noite ainda reservou outro recorde. A bilheteria foi a maior da história da futebol do estado, arrecadando R$ 4.961.890 (tíquete médio de R$ 113). Para a marca ser reconhecida é preciso desconsiderar os torneios da Fifa em 2013 e 2014, com oito jogos na arena, uma vez que as rendas não foram divulgadas.

É até possível que alguns jogos da Copa das Confederações e da Copa do Mundo tenham gerado mais dinheiro, pois a maioria dos ingressos foi comercializada a partir de R$ 180 – a carga com desconto foi bem enxuta. Portanto, levando em conta as arrecadações “abertas”, o clássico sul-americano superou outro jogo válido pelas Eliminatórias da Copa, Brasil 2 x 1 Paraguai, em 10 de junho de 2009. Naquela noite, o Arruda recebeu 55.252 pagantes, proporcionando R$ 4.322.555 (média de R$ 78), destinando 10% para o Santa Cruz.

Bilheteria à parte, esta foi a 9ª vez que um público na Arena passou da casa de 40 mil espectadores, em mais de cem jogos realizados em São Lourenço. Foram oito jogos entre seleções e apenas um entre clubes (Sport x São Paulo). Até hoje, nenhum ocupou 100% dos 46.214 lugares – dado pra lá de incomum, pois algumas partidas tiveram lotação máxima, com a quantidade de assentos reduzida por questões de segurança.

Maiores públicos da Arena Pernambuco
45.010 – Brasil 2 x 2 Uruguai (25/03/2016)

41.994 – Sport 2 x 0 São Paulo (19/07/2015)
41.876 – Alemanha 1 x 0 Estados Unidos (26/06/2014)
41.705 – Espanha 2 x 1 Uruguai (16/06/2013)
41.242 – Costa Rica (5) 1 x 1 (3) Grécia (29/06/2014)
41.212 – México 3 x 1 Croácia (23/06/2014)
40.489 – Itália 4 x 3 Japão (16/06/2013)
40.285 – Costa Rica 1 x 0 Itália (20/06/2014)
40.267 – Costa do Marfim 2 x 1 Japão (14/06/2014)

Os finalistas da Lampions League 2016 na versão Champions League

Lampions League 2016? Atilla Rodrigues (@AtillaSCR)

O apelido Lampions League pegou. E não há qualquer diminuição da Copa do Nordeste com a alcunha, devidamente adotada pelos torcedores e pela imprensa da região, cujo carisma é indiscutível. Daí, a curiosidade sobre os oito times classificados ao mata-mata do regional de 2016 em “versões europeias”, numa montagem que vem circulando na web, feita por Átila Rodrigues. Seja pelo nome do clube, com alguma aproximação na pronúncia, pelas cores ou pela mais pura aleatoriedade. Concorda com a escolha para o seu time?

Bayern de Munique = Bahia
Real Madrid = Ceará
Milan = Sport
CSKA = Campinense
Arsenal = Fortaleza

PSG = Santa Cruz
PSV = CRB
Galatasaray = Salgueiro 

Dos oito clubes citados, seguem na edição 2015/2016 da Champions League o Bayern, Real e PSG, também nas quartas de final. A taça, chamada de orelhuda, é a meta nos dois torneios.

Caso a brincadeira fosse invertida, quais seriam os nomes dos clubes europeus com os times nordestinos?

Quartas de final da Champions League 2016. Crédito: Uefa/twitter

Bastidores da Seleção no Recife, na primeira aparição de Neymar na Arena

Brasil treinando na Arena Pernambuci antes do jogo contra o Uruguai pelas Eliminatórias da Copa 2018. Crédito: Rafael Ribeiro/CBF

Com uma programação bem enxuta na capital pernambucana, passando apenas 36 horas, a Seleção Brasileira realizou o único treino antes do jogo contra o Uruguai pouco depois da chegada ao hotel em Boa Viagem, onde foi recepcionada por torcedores.

A assessoria da CBF divulgou um vídeo de bastidores da viagem da Canarinha ao Recife, desde a Granja Comary. À noite, o time realizou um reconhecimento na Arena Pernambuco, na primeira e única aparição de Neymar no estádio antes do clássico pelas Eliminatórias da Copa 2018.

O treinamento do Uruguai na Ilha do Retiro, no ritmo do Maracanazo

Uruguai treinando na Ilha do Retiro antes do jogo contra o Brasil pelas Eliminatórias da Copa 2018. Crédito: AUF/divulgação

A seleção uruguaia escolheu a Ilha do Retiro como local de treinamento antes do jogo contra o Brasil, pelas Eliminatórias da Copa 2018. A AUF abriu mão, inclusive, do protocolar reconhecimento da Arena Pernambuco, até porque já jogou duas vezes lá, na Copa das Confederações. A movimentação no campo do Sport foi fechada para a imprensa, que acabou se deslocando aos apartamentos nos prédios vizinhos para obter imagens e informações.

Lá embaixo, apenas assessoria da associação uruguaia, que registrou o treino do time do maestro Tabárez, com foco nos atacantes Luis Suárez e Cavani, treinando cobranças de fata. Depois, divulgaram um vídeo sobre a movimentação, com uma trilha sonora inspirada, relembrando o Maracanazo e a busca por novas copas…

O caminho até o título do Nordestão 2016

O mata-mata da Copa do Nordeste de 2016. Arte: Cassio Zirpoli/DP

O caminho está traçado até o troféu dourado da Copa do Nordeste de 2016, com os três pernambucanos entre os oito classificados. O chaveamento foi definido na sede da CBF, no Rio, através de um sorteio dirigido, com direito a transmissão na televisão. Sport e Santa ficaram de lados opostos. Ou seja, o Clássico das Multidões só aconteceria na decisão – nunca houve uma final pernambucana na Lampions League. Nesta edição, com quatro ex-campeões no “pote 1″, o sistema de classificação será o mesmo adotado na Copa do Brasil. Quem fizer mais pontos nos 180 minutos, passa. Em caso de igualdade, vem saldo de gols, maior número de gols na casa do rival e, por último, pênaltis.

A vantagem no mando de campo nas fases seguintes será definida de acordo com a pontuação geral, somando a fase de grupos e os mata-matas.

Ceará x Santa Cruz 
O Tricolor, que apontou o Nordestão como prioridade no primeiro semestre, terá um novo treinador, após a saída de Martelotte. Mesmo com a vaga, a direção perdeu a paciência com o fraco futebol. Agora, ao menos terá um reforço no meio-campo, o volante Uillian Correia, que curiosamente jogou bem no Ceará. Atual campeão, o Vozão começou cambaleando, com o técnico Lisca ameaçado. Nos três anos anteriores o time alcançou a semifinal – sendo o único clube a conseguir isso.
Datas: 30/03 (21h45) no Arruda e 03/04 (16h) no Castelão

Bahia x Fortaleza 
Um duelo com clubes com as mesmas cores. Melhor time da primeira fase, com 100%, o Baêa se deu ao luxo de jogar com os reservas duas vezes. Novamente com os principais nomes, terá o reforço de Thiago Ribeiro, sua principal contratação. A baixa é o atacante Hernane Brocador, que se lesionou quando era o goleador do torneio. Já o Fortaleza, que passou de fase no último lance, parece ter a missão mais complicada nesta fase. Joga por um bom resultado no Castelão.
Datas: 30/03 (21h45) no Castelão e 03/04 (16h) na Fonte Nova

Sport x CRB
Em busca do quarto título, o Rubro-negro terá um reforço de peso. O meia Diego Souza fará a sua reestreia no jogo de ida, no Rei Pelé, quando deverá tomar o lugar de um dos três volantes – mantendo um certo poder de marcação e  aumentando consideravelmente a criação. O Leão enfrentará velhos conhecidos, começando pelo técnico, Mazola. Mas o maior expoente é Neto Baiano, atacante campeão com o clube em 2014, quando foi eleito o melhor jogador do regional.
Datas: 30/03 (21h45) no Rei Pelé e 02/04 (18h) na Ilha do Retiro

Campinense x Salgueiro
Um raro duelo do interior. Campeã em 2013, a Raposa de Campina Grande venceu o Salgueiro duas vezes na primeira fase. Classificado pela terceira vez às quartas, o time tem no atacante Rodrigão (já acertado com o Santos) a maior esperança. É o artilheiro da Lampions, com 7 gols. Já o Carcará, que garantiu parte da receita da Série C com a cota de R$ 430 mil, quer continuar fazendo história. Deve priorizar o torneio, poupando no hexagonal estadual.
Datas: 31/03 (21h30) no Cornélio de Barros e 03/04 (19h) no Amigão

O campeão receberá R$ 2,384 milhões e uma vaga na Copa Sul-Americana…

Pitacos na semifinal: Ceará x Bahia e Sport x Salgueiro (alguma surpresa?).

Martelotte deixa o Santa com 48% de aproveitamento em 15 jogos em 2016

Marcelo Martelotte em sua última entrevista como técnico do Santa. Foto: Antônio Melcop/Santa Cruz

O técnico Marcelo Martelotte foi um dos principais responsáveis pelo acesso do Santa Cruz à Série A. A sua chegada, no lugar de Ricardinho, deu uma nova cara ao time, reposicionando João Paulo como segundo volante, abrindo as pontas, com Luisinho e Lelê, e contando com o faro de gol de Grafite e Bruno Moraes, se revezando no ataque até o fim. Apesar da manutenção de quase todo o time para esta temporada – numa decisão em conjunto com a diretoria -, o futebol sumiu. Mesmo antes do Brasileirão, cujo nível técnico seria bem maior.

Na noite anterior à demissão, o meia João Paulo foi categórico ao comentar o desempenho do time, após a derrota em Salvador, na última rodada do grupo no Nordestão: “Não está nem correndo nem marcando”. Uma verdade dura. Pela manhã, Martelotte concederia a sua última entrevista como técnico tricolor, em declaração ao próprio site, ainda em Salvador: “Precisamos trabalhar, não tem muito o que fazer além disso. Tentar retomar nossas virtudes”.

Não daria tempo para a retomada. No Recife, a diretoria comunicou o desligamento do Martelotte, campeão estadual em 1993, como goleiro, e em 2013, como treinador. Se em 2015 o seu rendimento foi excelente (61,7%), agora ele deixa o Arruda com 48% nos 15 jogos oficiais em 2016…

Estadual (8 jogos)
2 vitórias
3 empates
3 derrotas
Aproveitamento: 37,5%

Nordestão (6 jogos)
3 vitórias
1 empate
2 derrotas
Aproveitamento: 55,5%

Copa do Brasil (1 jogo)
1 vitória
Aproveitamento: 100%

Total (15 jogos)
6 vitórias
4 empates
5 derrotas
Aproveitamento: 48,8%

A classificação dos grupos do Nordestão, com Sport, Santa e Salgueiro nas quartas

A classificação final da fase de grupos do Nordestão 2016. Crédito: Superesportes

A Copa do Nordeste voltou ao calendário oficial da CBF em 2013. Após quatro tentativas, finalmente o futebol pernambucano conseguiu emplacar os seus três representantes nas quartas de final em uma mesma edição. Em 2016, Sport, Santa e Salgueiro avançaram, ganhando de quebra a premiação de R$ 430 mil, para cada. O Leão foi o único a passar como líder, sendo ainda beneficiado pelo empate do CRB, o que lhe rendeu um lugar no “pote 1″ para a composição do mata-mata. Enquanto isso, o Santa precisou aguardar o fim da rodada, devido ao revés na Fonte Nova. Acabou ajudado pelo América de Natal, a única zebra na primeira fase. Campeão nordestino em 1998, o time ficou num empate com o Coruripe. Já o Carcará se faz presente na fase eliminatória pelo segundo ano seguido. Precisava golear e torcer. Deu tudo certo, com festa no Sertão.

O sorteio das quartas de final, com a definição do caminho até a decisão, será na sede da CBF, no Rio, às 15h15 desta quinta-feira. Eis os potes do sorteio:

Pote 1: Bahia, Campinense, Ceará e Sport (todos ex-campeões)
Pote 2: CRB, Salgueiro, Santa Cruz e Fortaleza (nenhum campeão)

Ou seja, há 25% de chance de sair um Clássico das Multidões e 50% de um duelo pernambucano (Sport x Santa ou Sport x Salgueiro). Pitacos?

Os clubes classificados às quartas do Nordestão (2013-2016):

2013
ABC, ASA, Campinense, Ceará, Fortaleza, Santa Cruz, Sport e Vitória

2014
América-RN, Ceará, CRB, CSA, Guarany-CE, Santa Cruz, Sport e Vitória

2015
América-RN, Bahia, Campinense, Ceará, Fortaleza, Salgueiro, Sport e Vitória

2016
Bahia, Campinense, Ceará, CRB, Fortaleza, Salgueiro, Santa Cruz e Sport

Número de classificações às quartas (2013-2016):

4 – Ceará e Sport
3 – Campinense, Fortaleza, Santa Cruz e Vitória
2 – América-RN, Bahia, CRB e Salgueiro
1 – ABC, ASA, CSA e Guarany-CE

Santa perde dos reservas do Bahia, mas sai de Salvador classificado na Lampions

Copa do Nordeste 2016, 6ª rodada: Bahia x Santa Cruz. Foto: Bahia/site oficial

O Bahia se classificou com 100% de aproveitamento, a melhor campanha na fase de grupos do Nordestão de 2016. Venceu os seis jogos, até quando atuou com os reservas, como nas duas últimas rodadas, já classificado. Encerrando a campanha na chave C, o time enfrentou um Santa que ainda não se encontrou nesta temporada, mas que mesmo assim tinha o empate a seu favor. Visando o mata-mata do campeonato estadual, já em andamento, o técnico Doriva escalou oito reservas no Baêa. A Fonte Nova vazia deixava claro o desinteresse sobre o jogo. E mesmo assim o tricolor baiano venceu o clássico regional.

Enquanto o time de Martelotte seguia apático, com a marcação frouxa no meio-campo e desperdiçando as poucas chances efetivas – como a cabeçada de Grafite aos 7 do segundo tempo -, o adversário foi fatal, numa cabeçada de Zé Roberto no finzinho. Curiosamente, o lateral Allan Vieira marcava o jogador e nem pulou, emulando a cena de domingo, no Clássico das Emoções, no tento de Daniel Morais. Repetição do erro? Recorrente no Arruda. Preocupante.

A derrota coral por 1 x 0 foi o desfecho de uma noite lamentável em Salvador. Na entrevista no intervalo, na beira do campo, Grafa já havia sido sincero: “Nossa, tá muito feio! A gente precisa melhorar.” Não melhorou. Graças aos outros resultados da “superquarta”, o Santa acabou classificado. Vai à fase eliminatória, o que também deve acontecer no Pernambucano, mesmo sem agradar. Sem tanta competitividade, até onde pode chegar? Hoje, parece no limite.

Copa do Nordeste 2016, 6ª rodada: Bahia x Santa Cruz. Foto: Bahia/site oficial

Sport vence o Botafogo e terá Diego Souza nas quartas do Nordestão

Copa do Nordeste 2016, 6ª rodada: Sport x Botafogo-PB. Foto: Ricardo Fernandes/DP

O jogo foi bem mais difícil do que se imaginava. A pressão no Sport por uma vitória sobre o Botafogo era real e durante a noite na Ilha do Retiro chegou a ficar ainda mais tenso. O empate no intervalo, somado à vitória do Fortaleza em Teresina, simplesmente eliminava o Sport da Copa do Nordeste logo na primeira fase. Àquela altura, a torcida lamentava os dois empates contra o River, que deixaram o time, até então tranquilo, em situação complicada na tabela. Mas a vitória veio, mais na base da raça do que na técnica, 3 x 1. Um resultado que garante a inscrição do meia Diego Souza na competição.

O camisa 87, aliás, foi apresentado antes da partida. Precisou torcer pelo resultado positivo, ou ficaria praticamente inoperante até o início do Brasileirão, em maio. Em um camarote, viu o time rubro-negro com três volantes – deve tomar o lugar de um deles – jogar de forma modorrenta durante boa parte do primeiro tempo. Seguiu assim até os 34 minutos, quando começou uma sequência eletrizante. Gol do Sport, com Renê. O Botafogo respondeu com uma bola na trave. No ataque seguinte, Luis Antônio também acertou a trave. E aos 38, o time paraibano enfim mandou para as redes, com Carlinhos.

As vaias no intervalo também significavam apreensão. Com o jogo no Albertão com quinze minutos de atraso, após uma queda de energia, era preciso vencer para não depender de um milagre. Não chegou a tanto, pois o time da casa correspondeu, atuando bem melhor na retomada, com gols de Vinícius Araújo, pegando rebote numa falta de Luis Antônio, e Samuel Xavier, com direito à drible da vaca antes do chute. Passado o susto, o Sport vai ao mata-mata com a obrigação de se impor, indo além dos lampejos. Terá Diego Souza para isso

Copa do Nordeste 2016, 6ª rodada: Sport x Botafogo-PB. Foto: Ricardo Fernandes/DP