Alexandre Gallo acerta a sua terceira passagem como técnico do Náutico

Alexandre Gallo durante trabalho no Náutico em 2012. Foto: arquivo/DP

Um recomeço para as ambas as partes. Ao Náutico, que apostou as fichas no Pernambucano, tentando findar um duradouro jejum, e ao próprio Gallo, que após uma passagem nas seleções de base acabou tendo que voltar ao mercado, por baixo. Assim, o técnico desembarca pela terceira vez nos Aflitos, substituindo Dal Pozzo, cuja saída foi mal administrada pela direção. Após a eliminação na semifinal local, o treinador balançou, sendo mantido pelo presidente Marcos Freitas, a contragosto de alguns diretores.

Na terça, Dal Pozzo ainda fez um treino, com a notícia da saída do executivo Alexandre Faria repercutindo à noite. Ao meio-dia da quarta, enfim o comunicado oficial, com a saída dos dois. Três horas depois veio o novo nome, articulado desde a segunda. Indo além dos bastidores, vamos ao trabalho de Gallo.

A sua última passagem foi proveitosa, com o 12º lugar na Série A de 2012 e a vaga na Sula. Montou um ataque consistente, com Kieza. Dois anos antes, foi vice estadual, mas deixou o clube alegando salários atrasados (justo), com a equipe quase despencando à Série C depois. Sem sucesso na CBF – onde era cotado para comandar a Seleção Olímpica -, ainda não voltou a trabalhar no Brasileirão. Ajudar o Timbu a se reerguer será uma autoajuda na carreira.

Alvirrubro, o que você achou da contratação do técnico Alexandre Gallo?

Gallo comandando o Náutico:

2012 (Estadual e Série A) – 42 jogos
15 vitórias
9 empates
18 derrotas
42,8% de aproveitamento

2010 (Estadual e Série B) – 44 jogos
21 vitórias
8 empates
15 derrotas
53,7% de aproveitamento

6 Replies to “Alexandre Gallo acerta a sua terceira passagem como técnico do Náutico”

  1. Foi um dos comentários mais sensatos que já vi do Cássio. O Galo vai voltar em baixa, o náutico está em baixa sem fim – não é de hoje -, e de fato, também está num nível mais baixo que seus companheiros de segunda divisão, Vasco, Bahia e Ceará . Acho que na situação atual, hoje estaria oscilando do meio para a o Z-4 entre os times que disputarão a Série B.

  2. Cássio. De certa forma seu comentário abriu espaço para especulações, tais quais as que nosso amigo Mateus indicou.
    Mas não é por isso que eu não concorde com o que você diz.
    Lhe dou toda razão. Galo está por baixo (no mercado) depois de ter galgado um grandioso passo, mas acabou se enrolando todo e metendo os pés pelas mãos. Já o Náutico também está em baixa, mas no aspecto psicológico. No maior jejum de sua história. Uma pena e uma grande tristeza pra nós, torcedores apaixonados.
    Sigo seu blog e gosto muito da forma como você aborda cada assunto.
    Parabéns e acostume-se comigo aperriando seu juízo a partir de agora.

    Nota do blog

    Juliano, seja bem-vindo ao fórum. O espaço é aberto para o bom debate do futebol – nem todos usam o espaço assim, mas tento dar atenção aos que gostam da resenha, que fundamenta esse blog. Abraço!

  3. Respeito o juízo. Do que tenho medo é da Cultura do momento (que não é a que você adota, saliente-se). Times como Chapecoense e Santa Cruz até podem estar na Série A, mas não têm, por exemplo, a mesma expressão de Bahia e Vasco, que estão na B… Foi nesse sentido que escrevi. Parabéns pelo trabalho sério.

    Nota do blog

    E concordo mais uma vez com você, Mateus. Ir para o Vasco, mesmo na Série B, estaria, de certa forma, no contexto de “grandeza” que me referi.

  4. Agora comecei a ver serviço! Contratando Gallo, mais dois atacantes e um meio-campo de qualidade o TIMBA será campeão brasileiro da Série B 2016 e o único representante de Pernambuco na Série A 2017. Seja bem-vindo, professor.

  5. Cássio, você vai me desculpar, mas recomeçar pelo Náutico não é, nem em sonho, recomeçar por baixo. Fosse um time sem estrutura, fosse um time de Série C ou de Série D, sem centro de treinamento, eu até concordaria. Mas está claro não ser o caso.

    Nota do blog

    Concordo, Mateus. Mas o contexto do post foi específico. Quando Gallo saiu, estava com mercado alto no futebol brasileiro. Agora, volta por baixo, é um fato. Tanto que trabalhará na segunda divisão.

  6. Gallo, sem sombra de dúvidas, chegou em seu pior momento ao assumir este clube. Em Pernambuco, ele foi bom mesmo em 2007.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*