Mesmo sem top ten, Brasil supera as suas marcas particulares nos Jogos Olímpicos

Brasil nos Jogos Olímpicos

O objetivo do Comitê Olímpico Brasil, de colocar o Time Brasil no top ten em 2016, não foi alcançado. Nem qualitativamente, pelo peso das medalhas (13º lugar), ou quantitativamente, pelo total de pódios (12º). Antes do Rio de Janeiro, em apenas quatro edições, das 27 edições realizadas, a nação da cidade-sede não havia ficado entre os dez primeiros no quadro de medalhas.

Ainda assim, o país encerrou a sua participação nos Jogos Olímpicos liderando na América Latina e quebrando todas as suas marcas particulares. Superou Atenas-2004 no número de ouros (7 x 5), Londres-2012 no total de medalhas (19 x 17) e Antuérpia-1920 na melhor colocação no quadro (13º x 15º), considerando o modelo tradicional. Medalhou em doze modalidades: atletismo (1), boxe (1), canoagem (3), futebol (1), ginástica (3), judô (3), maratona aquática (1), taekwondo (1), tiro (1) vela (1), vôlei (1) e vôlei de praia (2).

Esse desempenho teve um custo alto. De uma forma geral, nunca se investiu tanto, entre recursos estatais, loterias e iniciativa privada, com 700 milhões de dólares injetados neste ciclo, compreendendo num período de quatro anos. Ou 89% a mais que o ciclo anterior. Considerando o investimento no Rio e a média de gasto por medalha nas três edições passadas, as participações em 2012, 2008 e 2004 poderiam ter gerado 32, 45 e 74 medalhas, respectivamente

Investimento nos ciclos olímpicos
2004 – US$ 94 milhões, ou 9.4 milhões por medalha (10)
2008 – US$ 250 milhões, ou 15.6 milhões por medalha (16)
2012 – US$ 370 milhões, ou 21.7 milhões por medalha (17)
2016 – US$ 700 milhões, ou 36.8 milhões por medalha (19)

No Rio, dos 465 atletas da delegação brazuca, a maior da história, 49 foram ao pódio, distribuídos em 7 ouros, 6 pratas e 6 bronzes. O índice de medalhistas foi de 10%, o menor desde 1992, em Barcelona – abaixo, um quadro com o desempenho em todas as participações. Pesou para o baixo aproveitamento, sem dúvida alguma, os resultados nos esportes coletivos, com apenas dois pódios (futebol e vôlei masculinos, ambos dourados). Em Beijing, para se ter uma ideia, foram 78 medalhistas, numa delegação com 188 representantes a menos. Ali, 28% dos brasileiros voltaram para casa com a medalha no pescoço.

Também pesou (contra) o desempenho feminino. Desde que as brasileiras passaram subir no pódio, há vinte anos, em Atlanta, esta foi edição com menos atletas medalhistas. Apenas 7, ou 3% da trupe. O recorde por gênero, das próprias mulheres, em 1996, é de 42%! A eliminação do vôlei feminino, então franco favorito, tirou 12 pessoas deste cálculo. Por outro lado, foram dois ouros, ambos inéditos (Rafaela Silva, no judô, e Martine Grael e Kahena Kunze, na vela), ficando atrás, qualitativamente, apenas dos Jogos de 2008.

Somando a participação brasileira em todas Olimpíadas…

Geral (22 participações)
3.147 atletas
475 medalhistas (15,0%)
128 medalhas (30 ouros, 36 pratas e 62 bronzes)

Homens (22 participações)
2.241 atletas
335 medalhistas (14,9%)
95 medalhas (23 ouros, 29 pratas e 48 bronzes)

Mulheres (20 participações)
906 atletas
140 medalhas (15,4%)
28 medalhas (7 ouros, 7 pratas e 14 bronzes)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*