Arena vazia, jogo fraco e empate sem gols no Clássico das Multidões internacional

Sul-Americana, 2ª fase: Santa Cruz 0 x 0 Sport. Foto: Ricardo Fernandes/DP

Quando as escalações de Santa e Sport foram finalmente reveladas, por Doriva e Oswaldo, veio a surpresa. Times titulares, num contrassenso ao discurso dúbio nos dias que antecederam à primeira versão internacional do Clássico das Multidões. Com o jogo na Arena, às 21h45, e com transmissão na tevê aberta, tal possibilidade só ajudou a reduzir o público, com 5.517 espectadores, o menor em muito tempo. Desde de 2000, num jogo pelo Estadual, com 6.001. Em campo, a expectativa de um bom jogo foi dissipada logo nos primeiros instantes, com muitos passes errados, furadas nas finalizações e poucos lances de perigo. O 0 x 0 deixou o confronto aberto para a próxima semana, ainda que o Santa tenha a clara vantagem. Uma nova igualdade sem gols leva aos pênaltis e qualquer outro empate garante os corais nas oitavas da Sul-Americana.

Em uma semana, espera-se um confronto de melhor nível técnico. Ou ao menos com mais organização. No Santa, a má fase é um agravante. Na ida, foi um time de uma nota só, com Keno ganhando em velocidade pela esquerda e cruzando rasteiro para alguém concluir (Derley errou o quanto pôde). À parte disso, jogadas longe da área, resultando em escanteios (12), cobrados sem perigo. Referência, Grafite deu algum trabalho a Matheus Ferraz – com este recorrendo às faltas -, mas acabou substituído, poupando energia para o Brasileiro. Na volta, não sairia. Povoando o meio-campo, o campeão nordestino recuperou 13 bolas, oriundas dos insistentes chutões, de ambos os lados.

Sul-Americana, 2ª fase: Santa Cruz 0 x 0 Sport. Foto: Ricardo Fernandes/DP

No Sport, a ausência de Diego Souza, em recuperação, foi decisiva para a má atuação. Faltou inteligência na armação, com o time se lançando de qualquer forma, o que gerou alguns contragolpes, diga-se. Para completar, o substituto do meia, Gabriel Xavier, foi o pior rubro-negro em campo, na visão do blog. Pouco participativo à frente e sem recomposição. Se faltou gás, faltou cedo, pois voltando andando algumas vezes. Quem também esteve mal foi Everton Felipe, mas ao menos chama a responsabilidade. Só conseguiu produzir algo após o intervalo, mas acabou tirando a paciência de Oswaldo, justamente no único lance bem armado com Gabriel, num ataque dois contra dois, quando abriu errado e foi desarmado. Lenis entrou e pouco acrescentou.

Após o apito final do árbitro chileno, com um estilo que deixa o jogo mais limpo, sem marcar qualquer falta ou cair na pilha de jogador, Tiago Cardoso e Magrão saíram quase limpos (cada um com uma defesa). Conversando na beira do gramado, num estádio às moscas, sem estresse algum. A tensão do clássico internacional (que neste viés, esportivo, seria positiva) ficou mesmo para a volta, no sétimo encontro entre os rivais em 2016. E quem passar deve fazer uma viagem inédita à Colômbia. Em casa, o Independiente Medellín fez 3 x 0 nos paraguaios do Sportivo Luqueño. Mostrou força já no primeiro jogo, uma lição.

Sul-Americana, 2ª fase: Santa Cruz 0 x 0 Sport. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

2 Replies to “Arena vazia, jogo fraco e empate sem gols no Clássico das Multidões internacional”

  1. Tanta frescura para entrar nessa competição e o que se viu, um estádio praticamente vazio, futebol de péssima qualidade e diga-se de passagem um desinteresse dos dois times. A única coisa que dá para notar que agrada aos 2 é o valor financeiro que recebem. Ai eu pergunto para que entrar na copa Sul americana????

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*