Classificação da Série B 2017 – 10ª rodada

A classificação da 10ª rodada da Série B de 2017. Crédito: Superesportes

A Série B chegou a dez rodadas e encerrou a maratona de duas rodadas por semana – pausa nas “terça-feiras cheias”. E pela terceira rodada seguida, nenhuma vitória pernambucana. No sábado, à tarde, o Santa Cruz empatou com o Figueira, em seu primeiro jogo na Arena Pernambuco, de um total de cinco que o clube deve fazer neste Brasileiro. Com isso, o tricolor perdeu mais uma posição, terminando o dia em 8º lugar, a sua pior posição.

À noite, em Campinas, o Náutico perdeu do Guarani, aumentando a diferença em relação ao penúltimo colocado. Hoje lanterna, o timbu já está a sete pontos de diferença! Nesta 10ª rodada, troca de líderes, ambos alviverdes. O Bugre se aproveitou do empate do Juventude para tomar a ponta.

Resultados da 10ª rodada
CRB 2 x 1 Paysandu
Boa 2 x 1 ABC
Criciúma 2 x 1 Paraná
Luverdense 0 x 3 América
Brasil 0 x 1 Internacional
Goiás 0 x 2 Vila Nova
Londrina 2 x 2 Juventude
Ceará 3 x 0 Oeste
Santa Cruz 1 x 1 Figueirense
Guarani 2 x 1 Náutico

Balanço da 10ª rodada
5V dos mandantes (14 GP), 2E e 3V dos visitantes (13 GP) 

Agenda da 11ª rodada
27/06 (19h15) – Juventude x Goiás (Alfredo Jaconi)
27/06 (21h30) – Figueirense x Londrina (Orlando Scarpelli)
30/06 (19h15) – Paysandu x Luverdense (Mangueirão)
30/06 (20h30) – Vila Nova x Criciúma (Olímpico)
30/06 (21h30) – Náutico x CRB (Arena Pernambuco)
01/07 (16h30) – Oeste x Santa Cruz (Arena Barueri)
01/07 (16h30) – Paraná x Ceará (Durival de Britto)
01/07 (16h30) – Internacional x Boa (Beira-Rio)
01/07 (19h00) – ABC x Guarani (Frasqueirão)
01/07 (19h00) – América x Brasil (Independência)

Clamando por ajuste defensivo, Náutico comete dois pênaltis e perde do Guarani

Série B 2017, 10ª rodada: Guarani 2 x 1 Náutico. Foto: Guarani/instagram (@guaranifc_oficial)

Qualquer lampejo de reação do Náutico nesta Série B, onde já entrou num buraco enorme, passa por um ajuste na ‘cozinha’. Hoje, é algo distante. Tanto na tabela, com apenas 6,7% de aproveitamento, quanto no rendimento do sistema defensivo. Em dez rodadas, o time foi o mais vazado, com 21 gols. Somando as falhas de posicionamento e postura, além da limitação técnica, chega-se a sete penalidades cometidas. O bizarro desempenho dentro da área – afobação, carrinhos, mão na bola, saída errada do goleiro etc – vai minando a campanha. Até porque algumas penalidades ainda vêm com “bônus”, como foi o caso da expulsão de Suelinton, em Campinas.

No Brinco de Ouro, o timbu somou a 8ª derrota diante do agora líder Guarani, numa noite com três pênaltis. Dois contra e um a favor, 2 x 1. O jogo seria difícil mesmo que a equipe estivesse bem ajustada, mas o que o deixou mais curioso foi o fato de o técnico alvirrubro, Beto Campos, ter escalado três zagueiros e três volantes. Ou seja, não basta colocar esse povo todo atrás da linha de bola. Sem qualidade e organização, as deficiências tendem a seguir em um campeonato em situação já dramática… Na lanterna.

1 x 0, 17 minutos do 1º tempo (Fumagalli)

Série B 2017, 10ª rodada: Guarani 2 x 1 Náutico. Foto: Premiere/reprodução

2 x 1, 39 minutos do 1º tempo (Fumagalli)

Série B 2017, 10ª rodada: Guarani 2 x 1 Náutico. Foto: Premiere/reprodução

Após 21 anos, o Sport volta a ganhar do Santos fora de casa. A 1ª na Vila Belmiro

Série A 2017, 10ª rodada: Santos 0 x 1 Sport. Foto: Leonardo Benassato/Framephoto/Estadão conteúdo

Na Vila Belmiro, o templo de Pelé, o Sport jamais havia vencido uma partida, num dos maiores tabus do clube. Contabilizando até amistosos, desde 1941, o melhor resultado do time rubro-negro havia sido obtido na capital paulista. No estádio do Ibirapuera, hoje desativo para jogos oficiais, o leão venceu no Brasileiro de 1996 por 2 x 1, gols de Chiquinho e Dedé. Desde então, se contentou no máximo com o empate, no sufoco. Numa sequência improvável, iniciada com o empate no Independência, o Sport venceu no litoral, 1 x 0, conquistando o primeiro triunfo como visitante nesta Série A.

Assim, compensou o revés do último domingo, quando teve uma atuação abaixo da crítica na Ilha, contra o Vitória. Sem treinar com bola, basicamente na base da conversa, com orientação tática, o time pernambucano fez dois bons jogos fora do Recife. Ambos no 4-4-2. Vista hoje em dia como ‘arcaica’, a versão de Luxemburgo para a formação não se furtou da liberdade aos seus meias, com Diego Souza bem nas duas apresentações. Diante do Santos, surpreendeu a manutenção do sistema mesmo com um time tão desfalcado. Henríquez, Raul Prata, Rodrigo, Lenis. A turma que saiu do banco para ganhar cancha, num planejamento já voltado à final do Estadual.

Apesar das mexidas, foi possível enxergar um “time”, organização importante em um grupo sem um padrão eficiente até então. Sobretudo diante do 3º colocado, que não sofria gols há cinco jogos. E a partida na Vila foi equilibrada na maioria das estatísticas, como no número finalizações (9 x 9). Destoou apenas na bola área, com o mandante abusando (33 x 13). Já o Sport optou pela bola no chão, com forte participação coletiva (Patrick/Rodrigo), até o fator surpresa, a dez minutos do fim. Osvaldo, que entrara na vaga de Everton Felipe, marcou o gol que tirou o leão do Z4. De volta ao campeonato…

Santos x Sport em São Paulo, pelo Brasileiro
10 vitórias do Peixe
5 empates
2 vitórias do Leão

Série A 2017, 10ª rodada: Santos 0 x 1 Sport. Foto:  Ivan Storti/Santos FC

Santa Cruz empata com o Figueirense na Arena Pernambuco e cai para o 8º lugar

Série B 2017, 10ª rodada: Santa Cruz 1 x 1 Figueirense. Foto: Peu Ricardo/DP

Quando venceu o Ceará no Castelão, com ótima atuação no segundo tempo, o Santa voltou ao G4, anulando a derrota em casa para o Londrina. Desde então, foram mais três apresentações, em oito dias, com o tricolor somando apenas dois pontos. Contra o Inter, um campo ruim, com um jogo equilibrado e a satisfação momentânea pelo empate. Na sequência, derrota para o América, com falta de apetite ofensivo em BH. Voltando a atuar como mandante, mas na Arena Pernambuco, no primeiro dos cinco jogos acertados lá, um novo cenário, com volume ofensivo e pouca eficiência nas finalizações. O saldo disso tudo foi a queda para a 8ª colocação, a pior dos corais nesta Série B.

Creio que caiba uma ressalva sobre o Figueirense, pois mesmo estando na penúltima colocação, o clube é organizado e conta com jogadores de qualidade para a segundona, como Marco Antônio, Luidy e Jorge Henrique. Nomes que seriam reforços no Arruda. Tentando se encontrar no ano – apenas 6 vitórias desde janeiro! -, o Figueira equilibrou bastante o primeiro tempo, marcado por erros defensivos do corais. Falhas em sequência, até a derradeira, aos 46 minutos, com Roberto (perdeu a bola), Jaime (bote errado) e Bruno Silva (atrasado). Na conclusão, um golaço por cobertura de Henan.

Na segunda etapa, talvez o melhor momento do Santa desde o Castelão, sufocando o visitante. Com melhor preparo físico, o time de Adriano Teixeira impôs um ritmo forte nas pontas, sobretudo pela direita, de onde veio a bola para Augusto empatar, 1 x 1 - o atacante entrara no lugar de André Luís, em queda. Pela direita, insistiu até os descontos, criando quatro boas chances, todas desperdiçadas. Nem Ricardo Bueno, de volta, fez a diferença.

Série B 2017, 10ª rodada: Santa Cruz 1 x 1 Figueirense. Foto: Peu Ricardo/DP