Classificação da Série A 2017 – 23ª rodada

A classificação da 23ª rodada da Série A de 2017. Crédito: Superesportes

Quando venceu pela última vez no Brasileirão, num 3 x 1 sobre o Bahia na Fonte Nova, o Sport chegou à sexta colocação, mantendo-se no G6 até o fim do primeiro turno. Desde então, porém, são seis jogos sem vencer, com dois empates e quatro derrotas. E vem perdendo pontos preciosos na Ilha, como no revés diante do Avaí, deixando o time na 12ª colocação, a sua pior posição na tabela desde a 11ª rodada. Hoje, o Z4 está mais que perto que o G6, 3 x 5.

Na briga pela liderança, o Corinthians deu uma patinada, com três derrotas nas últimas quatro rodadas. Ainda ainda, segue sete pontos à frente do vice-líder. É muita coisa, mas o “cenário definido” já fica em xeque.

Resultados da 23ª rodada
Atlético-MG 1 x 1 Palmeiras
Vasco 1 x 0 Grêmio
São Paulo 2 x 2 Ponte Preta
Atlético-PR 1 x 1 Coritiba
Santos 2 x 0 Corinthians
Vitória 2 x 2 Fluminense
Sport 0 x 1 Avaí
Botafogo 2 x 0 Flamengo
Chapecoense 1 x 2 Cruzeiro
Atlético-GO 1 x 1 Bahia 

Balanço da 23ª rodada
3v dos mandantes (13 GP), 5E e 2V dos visitantes (10 GP)

Agenda da 24ª rodada
16/09 (16h00) – Ponte Preta x Atlético-GO (Moisés Lucarelli)
16/09 (19h00) – Botafogo x Santos (Nilton Santos)
17/09 (11h00) – Avaí x Atlético-MG (Ressacada)
17/09 (16h00) – Flamengo x Sport (Luso Brasileiro)
17/09 (16h00) – Corinthians x Vasco (Arena Corinthians)
17/09 (16h00) – Atlético-PR x Fluminense (Arena da Baixada)
17/09 (16h00) – Vitória x São Paulo (Barradão)
17/09 (16h00) – Grêmio x Chapecoense (Arena do Grêmio)
17/09 (19h00) – Cruzeiro x Bahia (Mineirão)
18/09 (20h00) – Palmeiras x Coritiba (Pacaembu) 

Histórico de Flamengo x Sport no Rio, pelo Brasileiro (19 jogos)
3 vitórias leoninas (1975, 1992 e 2000), 4 empates e 12 derrotas

Podcast – A análise da vitória do Náutico, do empate do Santa e da derrota do Sport

23ª rodada do Brasileiro (Séries A e B): Náutico 1 x 0 Brasil de Pelotas (Ricardo Fernandes/DP), ABC 0 x 0 Santa (Nuno Guimarães/Framephoto/Estadão conteúdo) e Sport 0 x 1 Avaí (Roberto Ramos/DP)

Na 23ª rodada do Brasileiro, apenas uma vitória no Trio de Ferro. O alvirrubro foi o primeiro a entrar em campo, na quarta, somando três pontos e reduzindo para a cinco a saída do Z4 da segundona. Embora esteja a apenas um ponto do 16º, o tricolor saiu frustrado no tropeço diante do lanterna. Pela elite, no domingo, outro revés leonino, há seis rodadas sem vitória. O 45 minutos  comentou os três jogos em gravações exclusivas, nas questões técnica e tática, além de análises individuais. Ao todo, 95 minutos de podcast. Ouça!

06/09 – Náutico 1 x 0 Brasil de Pelotas (32 min)

09/09 – ABC 0 x 0 Santa Cruz (21 min)

10/09 – Sport 0 x 1 Avaí (42 min)

Sport perde do Avaí na Ilha e chega a seis jogos em vencer. E a meta vai mudando…

Série A 2017, 23ª rodada: Sport 0 x 1 Avaí. Foto: Roberto Ramos/DP

O Sport entrou em parafuso no Brasileirão. Numa queda de rendimento acentuada, o time chegou a seis jogos sem vitória, quatro jogos sem marcar gol e três derrotas seguidas. De um primeiro turno na zona na Libertadores a uma aproximação perigosa da zona de rebaixamento, com adversários mais organizados, embora tecnicamente inferiores. Como foi o caso do Avaí, consciente de sua limitação, mas eficiente diante de um time bem ansioso.

Por sinal, se o time catarinense finalmente saiu do Z4, deve-se à melhor largada no returno e, a longo prazo, à baita colaboração dos pernambucanos, que perderam lá e lô por 1 x 0. Na Ilha, com quase dez mil espectadores, o visitante começou como se esperava, atrás da linha da bola, com duas linhas de quatro. Atacaria pouco, explorando a bola aérea, um calo da atual dupla de zaga do Sport, Ronaldo Alves e Henríquez. E assim saiu o gol de Júnior Dutra, embora a jogada tenha começado numa saída errada de André, que carregou demais a bola. Gerou o contragolpe para o lance decisivo.

Série A 2017, 23ª rodada: Sport 0 x 1 Avaí. Foto: Aníbal Monteiro/cortesia

O Sport abusaria do mesmo jogo aéreo, com 57 cruzamentos! Segundo o Footstats, 44 tentativas saíram erradas. Nas poucas certas, perdeu duas chaves incríveis, aumentando o jejum do sistema ofensivo, outrora bem positivo. Houve luta (desta vez), mas a falta de variação de jogadas irritou a torcida, cuja paciência seria ínfima. O desempenho em campo acabou afastando o apoio, numa panela de pressão até o fim, sobretudo em Diego Souza. Esta falta de organização também se estende a Luxemburgo, que durante a semana, apesar da bronca em Porto Alegre, manteve o time.

Durante o jogo Luxa também não foi eficaz na leitura, mantendo Wesley e acionando Bruno Xavier, que estreou numa fogueira. E assim o revés colocou em xeque o objetivo do Sport. Apesar de o técnico dizer que irá buscar “coisas boas”, a disputa, agora, parece ser a de quase sempre: a permanência.

O jejum de vitórias do rubro-negro na Série A
02/08 – Sport 2 x 2 Fluminense
05/08 – Corinthians 3 x 1 Sport
13/08 – Sport 0 x 0 Ponte Preta
20/08 – Cruzeiro 2 x 0 Sport
02/09 – Grêmio 5 x 0 Sport
10/09 – Sport 0 x 1 Avaí

Série A 2017, 23ª rodada: Sport 0 x 1 Avaí. Foto: Roberto Ramos/DP

Taça Mauro Shampoo acaba na decisão por pênaltis, sem cobranças. E Íbis vice

Taça Mauro Shampoo 2017: Íbis 0 x 0 Ipojuca. Foto: Nilsinho Filho/Íbis (@ibismania)

Na preparação para a Série A2 de 2017, o Íbis resolveu criar a sua própria copa amistosa, como os gigantes espanhóis e como os grandes clubes pernambucanos. Em todos os casos, o homenageado tinha uma ligação forte com o respectivo clube. Portanto, seria difícil imaginar outro nome que não fosse o de Mauro Shamppo, mito da campanha que levou o time ao Guinness Book, com o ainda insuperável jejum de 55 jogos entre 1980 e 1984.

O convidado para a primeira edição da “Taça Mauro Shampoo” foi o Ipojuca Atlético Clube, que disputou a segundona estadual em 2012 e 2015. Neste ano, não se inscreveu. O palco utilizado foi o inacabado Grito da República, em Olinda, apesar de o estádio selecionado pelo pássaro preto para a competição de acesso ter sido o Ademir Cunha. Mesmo chegando à marca de 500 sócios, a turma não chegou junto, com apenas 67 torcedores presentes.

Em campo, 0 x 0. Naturalmente, a disputa previa um desempate através das penalidades, mas o visitante negou-se a bater. Possivelmente, lembrou de um passado remoto, com a taça de cortesia ao convidado em caso de empate. Embora não tenha sido por este motivo – mas sim pela irritação sobre os três gols anulados por impedimento – , o Íbis entregou o troféu de campeão ao Ipojuca e ficou com o de vice. Se é para perder, que seja com elegância…

Troféu Joan Gamper – Barcelona (52 edições desde 1966)
Troféu Santiago Bernabéu – Real Madrid (38 edições desde 1979) 

Taça Ariano Suassuna – Sport (3 edições desde 2015)
Taça Chico Science – Santa Cruz (2 edições desde 2015) 

Taça Mauro Shampoo – Íbis (1 edição desde 2017)

Taça Mauro Shampoo 2017: Íbis 0 x 0 Ipojuca. Foto: Nilsinho Filho/Íbis (@ibismania)

As bandeiras tremulando nas torcidas do Recife, uma festa do passado. Sem volta?

Bandeiras tremulando em todos os cantos dos Aflitos, do Arruda e da Ilha do Retiro. Acredite, os estádios eram assim. Na época do Eládio com o ‘balança mas não cai’, do Mundão ganhando o anel superior, do Adelmar sem os tobogãs. Nos anos 90, no embalo do surgimento das torcidas organizadas, com características distintas das atuais, as bandeiras com hastes começaram a ficar concentradas nos núcleos das uniformizadas. Seguindo a história, com o aumento da violência, vieram as proibições. Rolos de papel, sinalizadores e até bandeiras. Ao menos aquelas com hastes, aquelas que realmente davam vida aos estádios. Os suportes dos pavilhões transformaram-se em armas nas mãos de marginais. Assim, São Paulo foi o primeiro centro de futebol a proibir, através do artigo 5º da Lei 9.470, de 27 de dezembro de 1996. Faz tempo.

Demoraria, mas Pernambuco seguiria a mesma linha, atendendo à PM.

E a festa ficou diferente… Sem previsão de volta.

Talvez faça parte da evolução do espetáculo, talvez. De toda forma, era incrível a atmosfera dos estádios do Recife. Visualmente falando, imbatível.

Torcida do Náutico no Arruda em 1984

Torcida do Santa Cruz no Arruda na década de 1980

Torcida do Sport na Ilha do Retiro em 1982

O mata-mata do acesso à Série B de 2018, com 4 clubes do Nordeste e 4 do Sudeste

O chaveamento das quartas de final da Série C de 2017. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Definidos os confrontos do acesso à segundona de 2018, numa competição à parte, com a glória antes da taça. Após 18 rodadas, com um fim emocionante nos grupos A e B, as quartas de final da Série C do Campeonato Brasileiro de 2017 colocam frente a frente quatro clubes do Nordeste e quatro do Sudeste.

Na última rodada, o Salgueiro chegou a ficar próximo da classificação, mas o rebaixado ASA não conseguiu segurar o empate com o Confiança, que marcou no segundo tempo e obteve a última das oito vagas da primeira fase. Ainda assim, a recuperação do Carcará durante a competição, terminando em 5º lugar, foi importante, pois havia largado mal, na zona de rebaixamento. Quem também passou no último dia foi o Fortaleza, que após três anos não decidirá no Castelão. Após as eliminações em casa, para Macaé, Brasil de Pelotas e Juventude, o tricolor cearense jogará a volta como visitante.

Os confrontos valendo o acesso:
Sampaio Corrêa-MA (1A) x Volta Redonda-RJ (4B)
Tupi-MG (2B) x Fortaleza-CE (3A)
CSA-AL (2A) x Tombense-MG (3B)
São Bento-SP (1B) x Confiança-SE (4A)

Até o troféu são três mata-matas, sempre em ida e volta. Contudo, o primeiro já vale o acesso. Quem fizer mais pontos nos 180 minutos de bola rolando, passa. Em caso de igualdade, vem saldo de gols, maior número de gols na casa do rival e pênaltis. Os quatro semifinalistas, já assegurados na Série B do próximo ano, irão seguir na trilha do título pelo diagrama descrito no post.

Na sua opinião, quais serão os clubes classificados? E o favorito ao título?

Relembre os mata-matas: 2012201320142015 e 2016.

Desempenho nas quartas de final da Série C (2012-2016):

Acessos: SP 3; PA, GO, MG e RS 2; SC, CE, MA, MT, PE, RJ, AL, PR e RN 1 

Eliminações: CE e RJ 4; PB, MG, AL e SP 2; MT, RS, PE e SE 1

Classificação da Série B 2017 – 23ª rodada

A classificação da 23ª rodada da Série B de 2017. Crédito: Superesporte2

Dos sete clubes abaixo dos 30 pontos, e potencialmente na briga contra o descenso, apenas um conseguiu vencer na 23ª rodada da segundona. Em jogo suado na arena, o Náutico venceu o Brasil de Pelotas e chegou a quatro vitórias em seis rodadas. Ainda em 19º lugar, o timbu reduziu a diferença em relação ao 16º lugar, o primeiro fora do Z4, de 8 para 5 pontos. Haja luta.

No encerramento da rodada, na noite de sábado, na Arena das Dunas, o Santa empatou com o lanterna e desperdiçou uma ótima chance para deixar a zona de rebaixamento. Como Goiás e Figueirense haviam tropeçado, uma vitória simples tiraria o tricolor da zona, onde já figura há três rodadas.

Em relação à liderança, o Inter deixou o posto apenas uma rodada após assumi-la, no rescaldo da derrota do duelo gaúcho, em Caxias do Sul.

Resultados da 23ª rodada
Guarani 0 x 0 Vila Nova
Goiás 0 x 1 Paraná
Náutico 1 x 0 Brasil
Boa 1 x 1 Figueirense
Paysandu 0 x 1 América
Criciúma 2 x 1 Luverdense
Londrina 3 x 2 Ceará
Juventude 2 x 1 Internacional
ABC 0 x 0 Santa Cruz
CRB 0 x 1 Oeste 

Balanço da 23ª rodada
4V dos mandantes (9 GP), 3E e 3V dos visitantes (8 GP)

Agenda da 24ª rodada
12/09 (19h15) – Boa x Guarani (Dilzon Melo)
12/09 (21h30) – Criciúma x Juventude (Heriberto Hulse)
15/09 (19h00) – Santa Cruz x Goiás (Arruda)
15/09 (21h30) – Ceará x América (Castelão)
16/09 (16h30) – Vila Nova x Luverdense (Serra Dourada)
16/09 (16h30) – Oeste x Náutico (Arena Barueri)
16/09 (16h30) – Internacional x Figueirense (Beira-Rio)
16/09 (16h30) – Paysandu x ABC (Mangueirão)
16/09 (16h30) – Brasil x CRB (Bento Freitas)
16/09 (19h00) – Paraná x Londrina (Durival Britto)

Santa Cruz empata com o lanterna ABC, chega a 8 jogos sem vitória e segue no Z4

Série B 2017, 23ª rodada: ABC 0 x 0 Santa Cruz. Foto: Andrei Torres/ABC FC

“Martelotte teve duas semanas de trabalho e destacou que, para este primeiro jogo, as mudanças não seriam drásticas. E assim foi feito.”

Nos pré-jogo, o perfil oficial do Santa focou o trabalho feito para o confronto contra o lanterna, em Natal. Era uma excelente oportunidade para deixar a zona de rebaixamento, numa briga cada vez mais preocupante. Na semana, a derrota do Goiás e o empate do Figueira possibilitaram ao Santa a saída do Z4. Bastava uma vitória simples sobre o ABC, com quatro derrotas seguidas. Entretanto, o tricolor vinha numa sequência pior, de seis jogos, e mudar essa postura não seria tão simples. Pois não é sinônimo de troca de comando.

Em sua reestreia, o técnico Martelotte armou um 4-4-2, com Grafite e André Luís na frente. No meio, João Paulo com mais responsabilidade criativa, mas com a ajuda de Primão. Apesar do maior volume de jogo, o que se viu foi uma partida fraca, com excesso de passes errados e pouca criatividade.

Série B 2017, 23ª rodada: ABC 0 x 0 Santa Cruz. Foto: Andrei Torres/ABC FC

No lado potiguar, “a” chance saiu de um vacilo coral, com Júlio César evitando o gol no comecinho. No lado pernambucano, Grafite mostrou presença de área, atraindo a marcação – tanto que o zagueiro Fortunato seria expulso aos 33/2T numa falta nele -, mas sem conseguir encaixar uma boa trama.

Na primeira etapa foram três chances para o Santa, duas desperdiçadas pela má pontaria. Após o intervalo, com o mandante desesperado na Arena das Dunas – está a 8 pontos do 16º -, o tricolor tentou explorar os contragolpes, de forma insatisfatória. Na reta final, com um a mais, Martelotte ainda tirou um volante para colocar o atacante Augusto, que fez levar o amarelo. Um empate em 0 x 0 digno de vaias, das duas torcidas. Há oito rodadas sem vencer, o Santa terá um confronto direto a seguir, contra o Goiás. Pressão no Arruda.

O jejum de vitórias do tricolor na Série B
21/07 – Santa Cruz 1 x 1 Boa
29/07 – Paraná 4 x 0 Santa Cruz
01/08 – Santa Cruz 1 x 2 Paysandu
05/08 – Juventude 2 x 1 Santa Cruz
08/08 – Santa Cruz 1 x 2 Criciúma
19/08 – Guarani 2 x 0 Santa Cruz
26/08 – Santa Cruz 1 x 2 CRB
09/09 – ABC 0 x 0 Santa Cruz

Série B 2017, 23ª rodada: ABC 0 x 0 Santa Cruz. Foto: Andrei Torres/ABC FC

Livro sobre o Campeonato Brasileiro de 1987: De fato, de direito e de cabeça

A capa do livro "1987 - De fato, de direito e de cabeça". Crédito: divulgação

Há alguns anos, à parte dos trabalhos no Diario de Pernambuco, onde edito este blog, e no podcast 45 minutos, eu também vinha produzindo um material junto ao amigo e jornalista André Gallindo sobre o Brasileirão de 1987. Ao todo, foram 178 páginas de texto, mais fotos e documentos sobre a polêmica competição vencida pelo Sport, ratificada pelo Supremo Tribunal Federal em 2017. O resultado da extensa pesquisa e das dezenas de entrevistas está aqui, no livro “1987 – De fato, de direito e de cabeça”, via Onze Cultural/Zinnerama.

Abaixo, o release da publicação, cuja pré-venda sai por R$ 40, fora o frete. No lançamento, em outubro, custará R$ 49. Para comprar o livro, clique aqui.

Sobre a apresentação, em 08/09: há exatamente 30 anos era definido o regulamento com o cruzamento. E o campeonato começaria só em 11/09…

Desde já, um convite à leitura para todos.

Dos autores André Gallindo e Cassio Zirpoli, o livro ‘1987 – De fato, de direito e de cabeça’ faz uma viagem de volta ao Brasileirão mais controverso da história, uma edição sem paralelos entre todos os outros campeonatos nacionais disputados até hoje. 1987 ultrapassou as páginas esportivas. Ocupou cadernos policiais, jurídicos. Este livro, fruto de longa e ampliada pesquisa, apresenta todos os lados que se enfrentaram nos gramados, nas salas de reuniões, nos tribunais. Do Rio de Janeiro a Porto Alegre, de Campinas ao Recife. 

Um ano que levou três décadas para terminar produziu incontáveis histórias, estórias e causos que estão reunidos aqui neste livro que tem prefácio do jornalista Tino Marcos. ‘De fato, de direito e de cabeça’ remonta o ambiente político no país e no futebol nacional desde os anos de 1970, que tem efeitos diretos sobre o Brasileirão de 1987; entre eles, a criação do finado Clube dos 13, e sua proposta de campeonato que excluía equipes com direito esportivo adquirido, preteridas em nome de um negócio (bem-sucedido) chamado Copa União. 

Esta obra reabre o tabuleiro do jogo político dentro da CBF, revela detalhes do acordo que selou a formatação inicial da competição, apresenta os documentos do regulamento original. Não eram tempos de Primeira e Segunda Divisões, como agora. Eram os módulos Amarelo e Verde e os quase esquecidos módulos Azul e Branco. Um campeonato que não se resumiu à constelação do Flamengo em que quase todo o time disputou Copas do Mundo. No outro grupo, estava o então vice-campeão nacional, o Guarani, em que a maioria dos titulares chegou à Seleção Brasileira; craques que não estavam no álbum de figurinhas. 

Se dezenas de milhões não esquecem o gol de Bebeto no Maracanã, outros milhões tem na memória a cabeçada de Marco Antônio na Ilha do Retiro, o gol da Taça das Bolinhas. 1987 teve mais. Teve agressão a presidente de clube e bicheiro famoso. O ‘sequestro’ de um juiz. Produção de pênaltis em escala industrial que alterou o Programa Sílvio Santos. Teve dois Zicos camisas 10 em campo. Teve W.O. de Flamengo e de Internacional. 

O livro revisita os bastidores que indicaram os representantes do Brasil na Libertadores de 1988, as posteriores batalhas jurídicas que alcançaram, quem diria, a mais alta corte do país, e as razões que explicam o Sport como o campeão daquele ano e porque o Flamengo jamais conseguiu ter o reconhecimento da Justiça. Os erros e acertos de seus dirigentes ao longo das décadas. 

Quantos e quantos porquês serão aqui respondidos, frutos de pesquisa em jornais, revistas, arquivos de TV, documentos, regulamentos e dezenas de entrevistas com quem viveu aquilo tudo; jogadores, dirigentes, treinadores, árbitros, jornalistas, torcedores. Entre tantos ouvidos pelos autores, estão Tite, Ricardo Rocha, Zico, Emerson Leão, Arnaldo Cezar Coelho, Carlos Miguel Aidar, Márcio Braga, Eurico Miranda, Homero Lacerda, Kleber Leite, Patrícia Amorim, Juninho Pernambucano… Memórias e versões. Dos dois lados. Das dezenas de lados. 

A investigação de André Gallindo e Cassio Zirpoli revela ao país do futebol detalhes inéditos da competição e desfaz mitos que alimentaram as polêmicas sobre aquela edição do Campeonato Brasileiro. Foram necessários 30 anos para que este livro chegasse em suas mãos como deveria. Documentado. Quente. No mais, é desfrutar e navegar com segurança sobre as águas turbulentas daquele 1987.

Íbis consegue 500 sócios em 1 mês, no embalo da pior marca e do menor plano

Carteira de sócio do Íbis em 2017

Com quase 80 anos de história, o Íbis não contava com quadro social. No máximo, colabores a partir da simpatia pela aura perdedora do pior time do mundo. Sem perder a essência, mas tentando criar um laço maior com os admiradores, o clube criou uma campanha de sócios com mensalidade de R$ 2, a menor cédula brasileira. Não existe plano mais barato no futebol do país.

Somando adeptos através de depósitos bancários e com campanha na rua via Mauro Shampoo, o pássaro preto conseguiu 500 sócios no primeiro mês – um torcedor quitou 50 meses de uma vez, pagando R$ 100. Todas as pessoas, várias fora de Pernambuco, foram cadastradas com e-mail, recebendo uma carteirinha virtual – a versão física ‘inviabilizaria’ a mensalidade. O blog entrou na onda, com a carteira de sócio colaborador de nº 29. Adimplente.

Através do CNPJ de número 10.510.303-07, o torcedor pode pagar as suas mensalidades em duas contas abertas pelo clube.

Banco do Nordeste, agência 00237, conta corrente 0552-2
Caixa Econômica Federal, agência 0917, conta corrente 4827-5

Depois, o pagamento precisa ser informado no e-mail ibissocio@gmail.com.

Em campo, o 5º clube com mais sócios no estado (após Sport, Santa Cruz, Náutico e Salgueiro) encara a Série A2. Em 2017, apenas o campeão será promovido. Não parece ser a sina deste Íbis, cada vez mais popular…

Carteira de sócio do Íbis em 2017