De Rau a Caça-Rato, a confiança do Santa Cruz para deixar a Série C no passado

Gols de cabeça de Rau (1998) e Caça-Rato (2013), salvando o Santa

Em 1998, diante de 55 mil pessoas, o Santa Cruz venceu o Volta Redonda com um gol do zagueiro Rau aos 46 do segundo tempo, 3 x 2. Nos descontos, empurrado pela torcida, o tricolor escapou do rebaixamento à Série C.

Em 2013, tentando encerrar um calvário de seis anos no porão do futebol nacional, o Santa venceu o Betim por 2 x 1, com o gol decisivo marcado pelo atacante Flávio Caça-Rato. Cabeçada que fez o Arruda explodir. Eram 60 mil vozes. Fica claro que no aperreio o tricolor sempre jogou nos braços do povo.

Com 15 jogos disputados como mandante na Série B de 2017, a cobra coral tem uma média de apenas 7.790 torcedores, com renda de R$ 63 mil. Daí, a convocação do clube para outro momento difícil, tentando evitar um novo descenso à terceira divisão. Restam quatro jogos no Recife, dois seguidos, agora. E o rendimento positivo em casa é vital. É a hora do “tudo ou nada”…

28/10 – Santa Cruz x Luverdense
04/11 – Santa Cruz x Náutico
14/11 – Santa Cruz x Paraná
25/11 – Santa Cruz x Juventude

Assista ao vídeo de convocação lançado pela TV Coral.

Náutico x Itabaiana, o duelo de R$ 500 mil em plena pré-temporada nacional de 2018

A fase preliminar da Copa do Nordeste de 2018. Crédito: CBF/reprodução

Depois de protelar bastante, finalmente a CBF confirmou as datas da fase preliminar entre Náutico e Itabaiana, pela Copa do Nordeste de 2018. O alvirrubro, que herdou a vaga após a desistência do Sport, terá que entrar em campo durante a pré-temporada nacional. Literalmente.

Eis o início da temporada oficial segundo CBF
04/12/2017 a 02/01/2018 – Férias (30 dias)
03/01/2017 a 16/01/2018 – Pré-temporada (14 dias)
17/01/2018 – Copa do Nordeste e Campeonato Pernambucano

Para Náutico e Itabaiana, naturalmente, essa agenda foi desconsiderada.

Se o time sergipano já está parado há um tempão, desde 25 de junho, quando acabou eliminado na primeira fase da Série D, o clube de Rosa e Silva tem calendário até 25 de novembro. Ou seja, mais cinco meses de desgaste. Agora, na prática, terá apenas 5 dias de preparação pós-férias. Até o jogo de ida em Itabaiana, em 9 de janeiro. Três dias depois, a volta no Recife.

Ainda que as férias alvirrubras sejam antecipadas, o período de treinamento para a disputa regional tende a ser ínfima. E aí está a bronca: o jogo vale demais para o próximo planejamento. Quem passar participará do grupo C da Lampions, que terá também Bahia, Botafogo-PB e Altos-PI. Com três jogos como mandante, mais chance de fazer caixa num provável ano escasso.

E há, sobretudo, a cota de participação. Pela preliminar, cada clube recebe R$ 250 mil. Quem ficar com a vaga na fase de grupos recebe mais R$ 500 mil.

Com 4 presidentes em 2016/2017, Náutico termina com o vice do Conselho à frente

Os presidentes do Náutico no biênio 2016/2017: Marcos Freitas, Ivan Brondi, Gustavo Ventura e Ivan Pinto da Rocha. Fotos: DP e Náutico/divulgação

Ao todo, o biênio 2016/2017 do Náutico terá quatro presidentes executivos. Um período marcado por uma soma inacreditável de erros, com investimentos ruins, seguidas mudanças na direção de futebol e resultados catastróficos no futebol. Certamente, é um dos momentos políticos mais turbulentos da história timbu. Começando pela eleição, com uma corrente política ganhando o executivo (Marcos Freitas presidente, Ivan Brondi vice) e outra levando o conselho deliberativo (Gustavo Ventura presidente, Ivan Pinto da Rocha vice). Faz parte da democracia e das regras alvirrubras. Contudo, com a extrema paixão (e vaidade) envolvida, o resultado passou longe de dar certo.

Começou com Marcos Freitas, que venceu a eleição mais acirrada do futebol pernambucano, com 10 votos de diferença num universo de 1.544 válidos. Perto de completar um ano, renunciou ao mandato, quando já estava afastado por problemas de saúda. Entrou Ivan Brondi, hexacampeão como jogador e um dos responsáveis pelo início da estruturação do centro de treinamento. Após quase conseguir o acesso à Série A, Brondi acabou criticado pelo trabalho no Estadual, quando permitiu uma folha impagável de R$ 1 milhão. Após um lamentável episódio de tentativa de agressão, abdicou da função.

Então, chegou a vez dos conselheiros. Começou com Ventura, remanescente do MTA, do biênio 2014/2015. Após menos de dois meses, com o time quase rebaixado à terceira divisão, pediu licença devido a compromissos de trabalho. E aí o clube caiu no colo do advogado Ivan Pinto da Rocha, que há dois anos dificilmente imaginaria essa situação. Mas a fila andou. Em tese, só voltará a andar em 4 de janeiro de 2018, na posse de Edno Melo, o mesmo candidato derrotado por apenas dez votos em 15 de dezembro de 2015…

Presidentes do Náutico no biênio 2016/2017
04/01/2016 a 15/12/2016 – Marcos Freitas (347 dias)
16/12/2016 a 29/08/2017 – Ivan Brondi (257 dias)
30/08/2017 a 25/10/2017 – Gustavo Ventura (57 dias)
26/10/2017 a 03/01/2018 – Ivan Pinto da Rocha (70 dias)

Renúncias dos presidentes alvirrubros em 20 anos
04/1997 – Márcio Borba, desgaste político
12/2000 – Fred Oliveira, desgaste político
01/2003 – Sérgio Aquino, acordo político*
12/2016 – Marcos Freitas, por problemas de saúde
08/2017 – Ivan Brondi, após sofrer ameaças
* Para o biênio 2002/2003, ficou acertado que Sérgio Aquino presidiria o primeiro ano e Eduardo Araújo o segundo

Gustavo Ventura, presidente do Náutico em 2017, e Edno Melo, presidente eleito para 2018. Foto: Léo Lemos/Náutico (@nauticope)

Podcast – A análise do empate do Náutico em Caxias do Sul. Sem futebol de reação

Série B 2017, 32ª rodada: Juventude 0 x 0 Náutico. Foto: Juventude/site oficial

O empate do Náutico no Alfredo Jaconi não adiantou muito na luta contra o rebaixamento, num momento em que apenas vitórias seguidas poderiam mudar o panorama. Em uma gravação exclusiva, o 45 minutos comentou o jogo nas questões técnica e tática, se estendendo às análises individuais (Ávila foi o pior? Ou Dico?) e à situação na tabela da Série B. Estou neste debate com os jornalistas João de Andrade Neto e Rafael Brasileiro. Ouça!

24/10 – Juventude 0 x 0 Náutico (23 min)

O jogo internacional mais importante do Sport em 8 anos. Desde São Marcos…

Sport x Junior (COL), pelas quartas da Sul-Americana 2017. Crédito: Sport/twitter

O confronto contra o Palmeiras, pelas oitavas de final da Taça Libertadores de 2009, foi, sem dúvida, o ponto alto do Sport no cenário internacional. Nas mãos de Marcos, que pegou três pênaltis, o leão parou ali. Desde então, o time voltou cinco vezes às disputas da Conmebol, sempre na Copa Sul-Americana. Após desempenhos bem modestos, enfim uma boa campanha, alcançando as quartas de final. Diante do Junior Barranquilla, torna-se o primeiro nordestino entre os oito melhores da Sula. Vai por mais.

Historicamente, como mandante, o rendimento é bom diante de adversários estrangeiros: 70%. Com média de 15 mil pessoas, foram 5 vitórias em 8 jogos.

Assista ao vídeo do Sport sobre a convocação para o jogo de 26/10…

O leão como mandante contra os gringos nas copas internacionais
16/08/1988 – Sport 5 x 0 Alianza (Peru) – Libertadores (15.213)
23/08/1988 – Sport 0 x 0 Universitario (Peru) – Libertadores (22.628)
04/03/2009 – Sport 2 x 0 LDU (Equador) – Libertadores (20.184)
22/04/2009 – Sport 2 x 1 Colo Colo (Chile) – Libertadores (20.050)
23/10/2013 – Sport 1 x 2 Libertad (Paraguai) – Sul-Americana (17.575)
23/09/2015 – Sport 1 x 1 Huracán (Argentina) – Sul-Americana (7.726)
06/04/2017 – Sport 3 x 0 Danubio (Uruguai) – Sul-Americana (13.582)
06/07/2017 – Sport 2 x 0 Arsenal (Argentina) – Sul-Americana (7.694)
26/10/2017 – Sport x Junior (Colômbia) – Sul-Americana (a disputar)

8 jogos; 5V, 2E e 1D; 16 GP e 4 GC. Público médio de 15.581

Em partida fraquíssima, o Náutico empata com o Juventude no Sul e mantém agonia

Série B 2017, 32ª rodada: Juventude 0 x 0 Náutico. Foto: Luca Erbes/Futura Press/Estadão conteúdo

O jogo foi duro de assistir. Tecnicamente, Juventude e Náutico produziram quase nada, num fim de tarde sem emoção em Caxias do Sul. O dono da casa foi pressionado pelos poucos torcedores presentes, afinal, havia perdido as últimas quatro partidas, sem sequer balançar as redes. Já o alvirrubro viajou como franco atirador após a derrota para o lanterna ABC. O revés em Caruaru havia derrubado todas as contas do time pernambucano, restando apenas uma opção ‘factível’, a vitória na rodada seguinte, fora de casa, uma vez que o time gaúcho era uma espécie de ‘descarte’ na tabela.

Mesmo com cara de fim de feira, ao menos houve disposição no jogo. E só. Os dois times marcaram mal, atacaram mal e bateram cabeça na maior parte do tempo, sem jogadas mais organizadas. Na prática, só os pernambucanos tinham a perder, pois o alviverde está no limbo da Série B. Nem sobe nem cai.

Série B 2017, 32ª rodada: Juventude 0 x 0 Náutico. Foto: Goleada Info/twitter (@goleada_info)

O técnico Roberto Fernandes escalou o time com um ‘falso 9′, Bruno Mota. A titularidade do meia era indiscutível após as últimas apresentações, numa fagulha de inteligência tática. Em campo, porém, foi difícil dialogar com Dico, Rafinha e Leílson, acionado no decorrer. Enquanto isso, o adversário abusou da bola aérea, com Jefferson saindo mal duas vezes, mas com a zaga, desta vez, afastando. E o empate em 0 x 0 coube perfeitamente. Pior para o Náutico, que, com 28 pontos, precisará vencer os 6 jogos restantes para escapar. Ou ao menos 5, já contando com a combinação de resultados.

Ah, o próximo jogo é o último Clássico das Emoções de 2017

Timbu como visitante com Roberto Fernandes (0V, 2E e 5D, com 9%)
11/08 – (20ª) Náutico 0 x 1 América (Independência, MG)
25/08 – (22ª) Náutico 0 x 1 Ceará (Presidente Vargas, CE)
16/09 – (24ª) Náutico 0 x 1 Oeste (Arena Barueri, SP)
26/09 – (26ª) Náutico 0 x 3 Paraná (Durival Britto, PR)
06/10 – (28ª) Náutico 0 x 2 Goiás (Serra Dourada, GO)
17/10 – (30ª) Náutico 2 x 2 CRB (Rei Pelé, AL)
24/10 – (32ª) Náutico 0 x 0 Juventude (Alfredo Jaconi, RS)

Série B 2017, 32ª rodada: Juventude 0 x 0 Náutico. Foto: Lucas Erbes/Futura Press/Estadão conteúdo

Classificação da Série A 2017 – 30ª rodada

A classificação da 30ª rodada da Série A de 2017. Crédito: Superesportes

A situação do Sport segue cada vez mais apertada no Brasileirão. Sem vencer há três rodadas, tendo apenas uma vitória nas últimas 13 partidas na competição, o time hoje está a apenas dois pontos da zona de rebaixamento. No domingo, na Arena da Baixada, o leão foi derrotado ao cometer um pênalti no finzinho. Com isso, acabou ultrapassado pelo São Paulo, caindo do 14º para o 15º lugar. Faltando oito rodadas, com quatro jogos em casa e quatro fora, o Sport precisaria de oito pontos, considerando a projeção atual do 16º colocado (43 pontos), o primeiro fora do Z4. A margem de erro desta conta é bem alta, com 45/46 pontos gerando um cenário mais seguro. Fica claro que o ritmo de vitórias terá que ser acelerado em relação aos últimos meses…

Na briga pelo título, Palmeiras e Santos venceram no domingo, pressionando o Corinthians na segunda. Afinal, a diferença havia caído para seis pontos – a menor desde julho. E o líder não conseguiu responder no encerramento da rodada, perdendo pela 5ª vez. O título corintiano em 2017 parecia certo. Hoje, é mais prudente dizer que a taça ficará no estado de São Paulo…

Resultados da 30ª rodada
Vasco 1 x 1 Coritiba
Cruzeiro 1 x 3 Atlético-MG
Atlético-PR 2 x 1 Sport
Bahia 2 x 1 Vitória
Santos 1 x 0 Atlético-GO
São Paulo 2 x 0 Flamengo
Grêmio 1 x 3 Palmeiras
Chapecoense 2 x 0 Fluminense
Ponte Preta 1 x 2 Avaí
Botafogo 2 x 1 Corinthians 

Balanço da 30ª rodada
6V dos mandantes (15 GP), 1E e 3V dos visitantes (12 GP)

Agenda da 31ª rodada (horários do Recife)
28/10 (16h00) – São Paulo x Santos (Pacaembu)
28/10 (18h00) – Flamengo x Vasco (Maracanã)
28/10 (20h00) – Atlético-PR x Chapecoense (Arena da Baixada)
29/10 (16h00) – Fluminense x Bahia (Maracanã)
29/10 (16h00) – Atlético-MG x Botafogo (Independência)
29/10 (16h00) – Ponte Preta x Corinthians (Moisés Lucarelli), Globo*
29/10 (17h00) – Vitória x Atlético-GO (Barradão)
29/10 (17h00) – Sport x Coritiba (Ilha do Retiro)
29/10 (18h00) – Avaí x Grêmio (Ressacada), SporTV*
30/10 (19h00) – Palmeiras x Cruzeiro (Allianz Parque), SporTV*
* Considerando as transmissões para o Recife, fora o Premiere (PPV)  

Histórico de Sport x Coxa no Recife, pelo Brasileirão
8 vitórias leoninas, 4 empates e 1 derrota (2016)

Cristiano Ronaldo é o melhor do mundo pela 5ª vez e iguala recorde de Messi

Cristiano Ronaldo (2008, 2013,2014, 2016 e 2017) e Lionel Messi (2009, 2010,2011, 2012 e 2015) recebendo os prêmios de "melhor jogador do mundo", da Fifa

“Espero apanhar o Messi já na próxima época” 

A frase foi dita por Cristiano Ronaldo em 2014, durante a cerimônia na Suíça, quando foi premiado pela terceira vez. Ali, agraciado como o melhor do mundo, Cristiano já deixava claro o seu objetivo máximo, o de quebrar o maior número de recordes na carreira. Ser o melhor num ano já não bastava. Queria ser o jogador mais vezes eleito pela Fifa. Ganhando tudo no Real Madrid, com três títulos da Champions League nos últimos quatro anos, além da Eurocopa com Portugal, CR7 trilhou uma caminhada de sucesso até este momento, onde enfim igualou a marca de Lionel Messi. E o rendimento precisava ser absurdo. De fato, foi, com quatro eleições nos últimos cinco anos.

Em Londres, Cristiano recebeu o troféu “The Best”, a nomenclatura criada na temporada passada, após o fim da parceria entre a Fifa e a revista France Football, com o Ballon d’Or. A principal mudança nesta edição foi o período de análise dos candidatos. Em vez do ciclo de janeiro a dezembro, agora vale a temporada europeia. Ou seja, num processo de adaptação, valeu entre 20/11/2016 e 02/07/2017. Campeão espanhol, europeu e mundial com o Real, o craque superou Messi e Neymar, os concorrentes.

Burocracia à parte, são dez anos com o português e o argentinos revezando o status de melhor na eleição oficial da Fifa. Ambos recordistas e já na história entre os maiores de todos os tempos. Quanto ao merengue, com um poder de fogo gigantesco, a meta agora parece ser o desempate. Cristiano não gosta de dividir recordes… E em 2017 lembrou estar sempre na disputa.

“Há 11 anos que estou aqui no palco. É um momento único”

A premiação Fifa The Best, de 2017. Foto: Alexander Hassenstein /Fifa/Getty Images

As últimas dez premiações para o ‘melhor jogador do mundo’
2008 – Cristiano Ronaldo (Manchester United), 35 gols em 58 jogos (0,60)
2009 – Messi (Barcelona), 41 gols em 64 jogos (0,64)
2010 – Messi (Barcelona), 60 gols em 64 jogos (0,93)
2011 – Messi (Barcelona), 59 gols em 70 jogos (0,84)
2012 – Messi (Barcelona), 91 gols em 69 jogos (1,31)
2013 – Cristiano Ronaldo (Real Madrid), 69 gols em 58 jogos (0,60)
2014 – Cristiano Ronaldo (Real Madrid), 61 gols em 60 jogos (0,98)
2015 – Messi (Barcelona), 52 gols em 61 jogos (0,85)
2016 – Cristiano Ronaldo (Real Madrid), 55 gols em 57 jogos (0,96)
2017 – Cristiano Ronaldo (Real Madrid), 44 gols em 47 jogos (0,93)

Com o penta de Cristiano, Portugal tornou-se o segundo país com mais eleitos, ultrapassando a Argentina, considerando a premiação oficial da Fifa, com três nomes distintos: Player of the Year (1991-2009); Fifa Ballon d’Or (2010-2015); The Best (2016-2017). Sem nomeações desde 2007, quando Kaká foi premiado, o Brasil segue à frente na lista, com oito troféus.

Ranking de premiações do melhor do mundo (1991-2017)
8 – Brasil (Ronaldo 3, Ronaldinho 2, Romário 1, Rivaldo 1 e Kaká 1)
6 – Portugal (Cristiano Ronaldo 5, Luís Figo 1)
5 – Argentina (Messi 5)
3 – França (Zidane 3)
2 – Itália (Baggio 1 e Cannavaro 1)
1 – Alemanha (Matthäus)
1 – Holanda (Van Basten)
1 – Libéria (Weah) 

A premiação Fifa The Best, de 2017. Foto: Alexander Hassenstein /Fifa/Getty Images

A seleção da Fifa com os 11 melhores na temporada 2016/2017, na formação 4-3-3

A seleção da Fifa para a temporada 2016/2017. Foto: Fifa/youtube (reprodução)

Em 20 de setembro, a Fifa divulgou uma lista com os 55 nomes mais votados para a escolha da “seleção do ano”. Ao afunilar a lista, um mês depois, o time acabou bem parecido com o da última edição do The Best. Utilizando a formação 4-3-3 como estrutura-base, o anúncio de 2017, em Londres, trouxe apenas jogadores de Real Madrid, Barcelona e Juventus. E com apenas três mudanças: Buffon no lugar de Neuer, no gol, Bonucci na vaga de Piqué, na zaga, e Neymar substituindo Suárez, no ataque. Da lista apresentada, na visão do blog, o meia Iniesta destoou tecnicamente, abaixo dos demais.

Neste ano, lembrando, o prêmio passou a considerar o período da temporada europeia, em vez de um ano regular, de janeiro a dezembro. Ou seja, foram contabilizados os jogos de 20/11/2016 a 02/07/2017. Logo, a velha senhora se destacou devido à participação na final da Liga dos Campeões da Uefa.

Em termos de nacionalidade dos craques escolhidos, o futebol brasileiro acabou sendo o mais presente, com três nomes. Curiosamente, dois deles mudaram de camisa após o fim do ciclo de análise. Embora estejam hoje no Paris Saint-Germain, Daniel Alves e Naymar foram eleitos pelo desempenho nos clubes anteriores, Juve e Barça, respectivamente.

Número de indicados por clube em 2017
5 – Real Madrid
3 – Juventus
3 – Barcelona

Número de indicados por país de origem em 2017
3 – Brasil
2 – Espanha e Itália
1 – Alemanha, Argentina, Croácia e Portugal

Seleção FifPro de 2017 (4-3-3)
Buffon (ITA/Juventus); Daniel Alves (BRA/Juventus), Sergio Ramos (ESP/Real Madrid). Bonucci (ITA/Juventus) e Marcelo (BRA/Real Madrid); Toni Kroos (ALE/Real Madrid), Modric (CRO/Real Madrid) e Iniesta (ESP/Barcelona); Neymar (BRA/Barcelona), Messi (ARG/Barcelona) e Cristiano Ronaldo (POR/Real Madrid). Técnico: Zidane (FRA/Real Madrid)

Seleção FifPro de 2016 (4-3-3)
Neuer (ALE/Bayern de Munique); Daniel Alves (BRA/Juventus), Piqué (ESP/Barcelona), Sergio Ramos (ESP/Real Madrid) e Marcelo (BRA/Real Madrid); Toni Kroos ALE/Real Madrid), Modric (CRO/Real Madrid) e Iniesta (ESP/Barcelona); Messi (ARG, Barcelona), Luis Suárez (URU, Barcelona) e Cristiano Ronaldo (POR, Real Madrid). Técnico: Claudio Ranieri (ITA/Leicester)

A seleção de 2017, segundo a Fifa. Foto: Alexander Hassenstein /Fifa/Getty Images

Podcast – A análise da derrota do Sport para o Atlético-PR na Arena da Baixada

Série A 2017, 30ª rodada: Atlético-PR 2 x 1 Sport. Foto: Fabio Wosniak/Atlético Paranaense

Após dois empates na Ilha do Retiro, o Sport foi derrotado como visitante. Em Curitiba, jogou mal, sem organização, voltando para casa bem pressionado pela situação na classificação da Série A. Em uma gravação exclusiva, o 45 minutos comentou o jogo nas questões técnica e tática, se estendendo às análises individuais (Rithely foi o pior?), além da briga contra o descenso. Estou neste debate com os jornalistas Celso Ishigami e Lucas Fitipaldi. Ouça!

22/10 – Atlético-PR 2 x 1 Sport (39 min)