Com falhas individuais, Sport perde do Atlético-PR e Z4 se aproxima de novo

Série A 2017, 30ª rodada: Atlético-PR 2 x 1 Sport. Foto: Atlético-PR/twitter (@atleticopr)

O Sport parecia encaminhar o terceiro empate seguido, pelo mesmo placar, quando Rithely cometeu um pênalti infantil aos 40 minutos do segundo tempo. Gedoz, que havia sofrido a falta, cobrou muito bem, batendo no cantinho de Magrão, que ainda foi na bola. Apesar da falha individual na reta final, o revés por 2 x 1 acabou sendo econômico devido às intervenções do goleiro leonino, muito seguro na partida, com três grandes defesas. Quanto ao restante do time, uma atuação confusa, inexplicavelmente passiva em alguns momentos. O empate, embora batalhado, não traduzia a partida em Curitiba.

Luxa montara o time com Anselmo e Rithley na cabeça de área e Patrick acionado mais à frente, na ponta, auxiliado por Mena – aproveitando a improvisação de Zé Ivaldo, que foi muito mal no rival. Na visão do blog, a montagem esteve próxima da ideal – Ronaldo Alves não pôde jogar. Porém, teoria é uma coisa, prática é outra. No campo sintético, o furacão largou melhor, com o Sport equilibrando aos 15 minutos. Sendo justo, o visitante até criou a primeira chance, mas depois bateu cabeça no meio-campo, abusando dos erros. Anselmo desarmava e errava o passe. Rithely nem isso.

Série A 2017, 30ª rodada: Atlético-PR 2 x 1 Sport. Foto: Sport/twitter (@sportrecife)

Embora a partida não estivesse sendo um primor de técnica, os dois times procuravam o ataque, com o mandante mais organizado. No leão, André parecia preso à função de pivô. Faz bem a função, mas também tem faro de gol. Sem chutar, perde a sua principal característica, assim como o time.

Na etapa complementar, o futebol do Sport caiu, numa passividade incrível. Além de não ter marcado bem, errou quase tudo que tentou, tomando seguidos contragolpes. Num deles, o golaço Lucho González, aos 15, num chute de longe. Mesmo sem mudar a postura, chegou ao empate oito minutos depois. Rogério, que acabara de substituir Anselmo, recebeu um tranco de Zé Ivaldo. Pênalti. Diego Souza deslocou Weverton e chegou a 8 gols na competição. E se Luxemburgo ‘acertou’ na escalação, falhou na leitura, ao não enxergar a peça negativa no meio, além da demora para tirar Osvaldo, sem poder de fogo. No finzinho, tentando administrar o resultado, o Sport falhou de novo. Tendo apenas 1 vitória nas últimas 13 rodadas, a pressão é altíssima…

Atlético-PR x Sport em Curitiba pelo Brasileirão (14 jogos)
8 vitórias do Furacão
5 empates
1 vitória do Leão (2014)

Série A 2017, 30ª rodada: Atlético-PR 2 x 1 Sport. Foto: Atlético-PR/instagram (@atleticoparanaense)

CSA conquista Série C e se torna o 8º clube com título nacional no Nordeste

Final da Série C 2017: CSA 0 x 0 Fortaleza. CSA campeão! Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Após a vitória num Castelão lotado, o CSA administrou a vantagem no Rei Pelé, empatando sem gols com Fortaleza, e finalmente conquistou um título nacional. O tradicional Centro Sportivo Alagoano é o campeão da Série C de 2017, com a taça chegando depois de 5 tentativas, incluindo três vices da Série B (80, 82 e 83) e um da Série D, no ano passado. Mais. Esta foi, também, a primeira conquista nacional do futebol alagoano, que já havia batido na trave com os rivais CRB e ASA na mesma terceirona.

Com a festa azul e branca em Maceió, o CSA voltou a colocar o Nordeste no topo de um torneio nacional depois de quatro temporadas, considerando a elite e as divisões de acesso do Brasileiro. Tornou-se o 8º clube da região a ganhar um campeonato deste porte sob a chancela da CBF, com 13 títulos ao todo. Curiosamente, na última vez havia sido num cenário semelhante, com a final nordestina entre Santa e Sampaio na mesma competição.

Ao CSA, os parabéns pela ótima campanha (12V, 9E e 3D) e pela gradativa reconstrução do clube, centenário e popular. Até bem pouco tempo, o “Azulão do Mutange” chegou a disputar a segunda divisão estadual, duas vezes. Agora, está com a segunda divisão nacional firmada em 2018. Com méritos.

Cronologia dos títulos nacionais do Nordeste:
1º) 10/12/1959 – Bahia* 3 x 1 Santos (Taça Brasil)
2º) 17/12/1972 – Sampaio Corrêa* (5) 1 x 1 (4) Campinense (Série B)
3º) 07/02/1988 – Sport* 1 x 0 Guarani (Série A)
4º) 19/02/1989 – Internacional 0 x 0 Bahia* (Série A)
5º) 16/12/1990 – Sport* 0 x 0 Atlético-PR (Série B)
6º) 30/11/1997 – Sampaio Corrêa* 3 x 1 Francana (Série C)
7º) 11/06/2008 – Sport* 2 x 0 Corinthians (Copa do Brasil)
8º) 14/11/2010 – Guarany de Sobral* 4 x 1 América-AM (Série D)
9º) 20/11/2010 – ABC* 0 x 0 Ituiutaba (Série C)
10º) 21/10/2012 – Sampaio Corrêa* 2 x 0 Crac (Série D)
11º) 03/11/2013 – Botafogo-PB* 2 x 0 Juventude (Série D)
12º) 01/12/2013 – Santa Cruz* 2 x 1 Sampaio Corrêa (Série C)
13º) 21/10/2017 – CSA* 0 x 0 Fortaleza (Série C)
* Campeão

Clubes nordestinos com conquistas nacionais*:
3 – Sport (Série A 1987, Série B 1990 e Copa do Brasil 2008)
3 – Sampaio Corrêa (Série B 1972, Série C 1997 e Série D 2012)
2 – Bahia (Taça Brasil 1959 e Série A 1988)
1 – Guarany de Sobral (Série D 2010)
1 – ABC (Série C 2010)
1 – Botafogo-PB (Série D 2013)
1 – Santa Cruz (Série C 2013)
1 – CSA (Série C 2017)
* Desconsiderando o peso de cada título, com ordem a partir da última taça

Estados nordestinos com conquistas nacionais*:
4 – PE (Série A 1987, Série B 1990, Copa do Brasil 2008 e Série C 2013)
3 – MA (Série B 1972, Série C 1997 e Série D 2012)
2 – BA (Taça Brasil 1959 e Série A 1988)
1 – CE (Série D 2010)
1 – RN (Série C 2010)
1 – PB (Série D 2013)
1 – AL (Série C 2017)
* Desconsiderando o peso de cada título, com ordem a partir da última taça

Observação: Central e Treze ainda tentam junto à CBF a oficialização da segunda divisão nacional de 1986, quando dividiram a conquista do “Torneio Paralelo” com Inter de Limeira e Criciúma.

Final da Série C 2017: CSA 0 x 0 Fortaleza. CSA campeão! Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Podcast – Análise do empate do Santa em Pelotas e do revés do Náutico em Caruaru

Série B 2017, 31ª rodada: Brasil de Pelotas 1 x 1 Santa Cruz (Carlos Insaurriaga/G.E. Brasil) e Náutico 1 x 2 ABC (Léo Lemos/Náutico)

Nada de vitória para os pernambucanos na 31ª rodada da Série B. Favorito em Caruaru, o alvirrubro perdeu do lanterna. O tricolor até chegou a surpreender em Pelotas, mas teve que se contentar com o empate após o pênalti mandrake assinalado a favor do time gaúcho. O 45 minutos comentou os dois jogos em gravações exclusivas, nas questões técnica e tática, se estendendo às análises individuais. Terminando, claro, com as respectivas situações na tabela, com o debate sobre as chances (cada vez menores) contra o rebaixamento. Ao todo, 70 minutos de podcast. Estou nessa. Ouça!

20/10 – Náutico 1 x 2 ABC (32 min)

21/10 – Brasil 1 x 1 Santa Cruz (38 min)

Classificação da Série B 2017 – 31ª rodada

A classificação da 31ª rodada da Série B de 2017. Crédito: Superesporte2

Na 31ª rodada da segundona, os times pernambucanos tiveram vários motivos para lamentar. Em Caruaru, na abertura, o alvirrubro foi derrotado pelo lanterna, afundando de vez da competição. Se havia a possibilidade de finalmente subir uma posição, o time se manteve em 19º e agora está a nove pontos para deixar o Z4. Na verdade, viu a aproximação do último colocado, a apenas dois pontos. No sábado, lá no Rio Grande do Sul, o Santa esteve próximo de quebrar o jejum de vitórias (hoje em sete partidas). Contudo, o tricolor acabou empatando após um pênalti mal marcado, gerando muita reclamação da partida, até pelo estrago feito na tabela coral. Segue a cinco pontos do 16º lugar, o primeiro fora da zona. Porém, o 15º colocado, outro possível adversário a ser miado, se descolou, ficou a sete pontos.

Resultados da 31ª rodada
Guarani 2 x 0 Juventude
Náutico 1 x 2 ABC
CRB 1 x 1 Boa Esporte
Ceará 2 x 2 Figueirense
Criciúma 2 x 3 Internacional
Vila Nova 0 x 0 Oeste
Londrina 2 x 0 Paysandu
Brasil 1 x 1 Santa Cruz
América-MG 1 x 1 Paraná
Luverdense 1 x 2 Goiás 

Balanço da 31ª rodada
2V dos mandantes (13 GP), 5E e 3V dos visitantes (12 GP)

Agenda da 32ª rodada (horários do Recife)
24/10 (18h15) – Juventude x Náutico (Alfredo Jaconi), SporTV*
24/10 (20h30) – Paraná x Vila Nova (Durival Britto), SportTV*
27/10 (18h15) – Figueirense x CRB (Orlando Scarpelli), SporTV*
27/10 (19h30) – Oeste x Brasil (Arena Barueri)
27/10 (20h30) – Paysandu x Criciúma (Curuzu), SporTV*
28/10 (15h30) – Boa Esporte x América-MG (Dilzon Melo), SporTV*
28/10 (16h30) – Internacional x Ceará (Beira-Rio)
28/10 (16h30) – ABC x Londrina (Frasqueirão)
28/10 (16h30) – Santa Cruz x Luverdense (Arruda)
28/10 (18h00) – Goiás x Guarani (Serra Dourada), SporTV*
* Considerando as transmissões para o Recife, fora o Premiere (PPV)

Com pênalti mandrake, Santa Cruz cede empate ao Brasil e soma 7 jogos de jejum

Série B 2017, 31ª rodada: Brasil de Pelotas 1 x 1 Santa Cruz. Foto: Carlos Insaurriaga/G.E. Brasil

O técnico Marcelo Martelotte tentou algum diferente em Pelotas, em termos de criação na equipe. Após inúmeros testes, optou por Jeremias, oriundo da base, em sua estreia pelo Santa Cruz. Estaria protegido por três volantes, com Wellington Cézar no primeiro combate e Derley e João Ananias com mais liberdade. À frente, Grafite e Ricardo Bueno. Buscava o ataque sem se expor, jogando no erro do adversário, numa tática que quase deu certo.

Até os 29 minutos do segundo tempo, o tricolor estava em vantagem no campo gaúcho, justamente após um gol marcado num contragolpe, ainda na primeira etapa, com personagens distintos: Bueno cruzando e Ananias finalizando. Foi quando o árbitro Marcos Mateus Pereira, do Mato Grosso do Sul, enxergou pênalti de Yuri, num empurrão. Na visão do blog, os dois jogadores usaram o braço, num disputa por espaço normal. E desta vez não teve aquele ‘lei’ de que pênalti mal marcado não entra. Marlon bateu bem e empatou para o Brasil, 1 x 1. Embora o mandante estivesse melhor naquele momento, desperdiçando chances claras, o tento saiu numa marcação errada.

Série B 2017, 31ª rodada: Brasil de Pelotas 1 x 1 Santa Cruz. Foto: Carlos Insaurriaga/G.E. Brasil

Mesmo assim, já com Pitbull e André Luís acionados na reta final, numa nova (e mais rápida) dupla de ataque, o Santa bem que tentou o desempate, pecando pelo preciosismo diante de uma defesa estática. Fora as cobranças de falta de Anderson Salles, desta vez descalibrado, por cima da barra.

Com o resultado, o time se mantém firme na zona de rebaixamento, chegando a sete rodadas sem vitória. Justamente na reta decisiva da segundona. No geral, considerando a passagem do atual treinador, o aproveitamento é de 29% em nove jogos, com 1V, 5E e 3D. A sete jogos do fim, o tricolor não pode mais esperar. Até porque tem apenas 1 vitória nos últimos 16 jogos…

O jejum de vitórias do tricolor na Série B (7 jogos; 4E e 3D)
22/09 (25ª) – Santa Cruz 1 x 1 Londrina (Estádio do Café, PR)
26/09 (26ª) – Santa Cruz 0 x 0 Ceará (Arruda)
30/09 (27ª) – Santa Cruz 0 x 2 Internacional (Beira-Rio, RS)
07/10 (28ª) – Santa Cruz 0 x 1 América-MG (Arruda)
14/10 (29ª) – Santa Cruz 1 x 2 Figueirense (Orlando Scarpelli, SC)
17/10 (30ª) – Santa Cruz 2 x 2 Oeste (Arruda)
21/10 (31ª) – Santa Cruz 1 x 1 Brasil de Pelotas (Bento Freitas, RS)

Série B 2017, 31ª rodada: Brasil-RS 1 x 1 Santa Cruz. Foto: Flávio Neves/estadão conteúdo

Náutico é derrotado pelo ABC em Caruaru e permanência na B fica quase impossível

Série B 2017, 31ª rodada: Náutico 1 x 2 ABC. Foto: Léo Lemos/Náutico

Numa caminhada árdua, há meses, o Náutico vem lutando contra uma história completamente desfavorável na era dos pontos corridos na Série B. A oito rodadas do fim, estava a oito pontos de distância do 16º lugar. Em qualquer conta minimamente aceitável, vencer os quatro jogos restantes como mandante seria o ponto de partida. Começando pelo ABC, o lanterninha.

Encerrando o giro em Caruaru, programado em quatro apresentações, o timbu sofreu um duro revés, 1 x 2. A vitória potiguar e os resultados da própria sexta-feira deixaram o time pernambucano com um pé na terceira divisão, onde esteve uma vez, em 1999. Num Lacerdão vazio, cujo horário seria ruim até com o jogo na capital, o time voltou com mais peças em relação ao jogo de Maceió, onde atuou esfacelado. Na zaga, Breno Calixto. No ataque, William. Porém, a aplicação tática deu lugar a uma equipe extremamente afobada, com jogadores querendo decidir sozinho, como Rafinha, insistindo sempre na mesma jogada, afunilando, ficando na marcação. Como exceção, Bruno Mota, que procurou recuar ao meio-campo para tentar trabalhar a bola.

Série B 2017, 31ª rodada: Náutico 1 x 2 ABC. Foto: ABC/instagram (@abcfc)

Tomar um gol aos 22 minutos dificultou qualquer reestruturação. No lance, o zagueiro Tonhão concluiu um cruzamento de Vítor Junior, aquele mesmo, eleito o craque do Estadual em 2007, numa rápida passagem pelo Sport. Sem conseguir mudar o panorama, o Náutico acabou vaiado no intervalo, embora a relação time/torcida tenha acalmado no segundo minuto da retomada, numa penalidade convertida por William. Dali, foram dez minutos intensos, com Bruno acertando o travessão e com o goleiro Edson aparecendo muito bem. Sem a virada, o jogo esfriou, com Roberto Fernandes adotando a postura (correta) de buscar a vitória. Àquela altura, o empate em casa não adiantaria.

Com este risco obrigatório, era preciso atenção máxima, mas Mirando acabou falhando, resultando num contragolpe aos 38 minutos, com Lucas Coelho pegando de prima, fatal. Na revolta da torcida, houve até invasão, com dois ‘torcedores’ passando da conta. Detidos, claro. Quanto ao Náutico, projetando o número mágico de 45 pontos, será preciso vencer 6 dos últimos 7 jogos…

Timbu como mandante com Roberto Fernandes (5V, 0E e 2D, com 71%)
04/08 (19ª) – Náutico 1 x 0 Luverdense (Arena PE)
15/08 (21ª) – Náutico 2 x 0 Figueirense (Arena PE)
06/09 (23ª) – Náutico 1 x 0 Brasil (Arena PE)
23/09 (25ª) – Náutico 0 x 1 Internacional (Lacerdão)
30/09 (27ª) – Náutico 2 x 0 Boa Esporte (Lacerdão)
14/10 (29ª) – Náutico 2 x 0 Guarani (Lacerdão)
20/10 (31ª) – Náutico 1 x 2 ABC (Lacerdão)

Série B 2017, 31ª rodada: Náutico 1 x 2 ABC. Foto: Léo Lemos/Náutico

A pedido da CBF, clubes do país analisam rivais da Seleção na Copa. Sport na lista

Os países selecionados pela CBF para que os analistas dos clubes brasileiros. Crédito: CBF

A preparação da Seleção para a Copa do Mundo de 2018, visando o estudo sobre os países adversários, contará com a participação de 19 clubes brasileiros, incluindo os nordestinos Sport, Bahia e Vitória. A partir da ideia do coordenador Edu Gaspar, aprovada pelo técnico Tite, os analistas de desempenho dos clubes da Série A de 2017 – exceção feita ao Flamengo, que não pôde participar – ficarão responsáveis pela análise de 27 países. Das 32 seleções classificadas ao torneio da Rússia, só ficam fora dessa lista os sul-americanos e o próprio Brasil, com dados detalhados pelo Centro de Pesquisa e Análise (CPA) da Confederação Brasileira de Futebol.

A escolha foi feita mediante sorteio, na CBF. No caso do rubro-negro pernambucano, a bolinha trouxe a Sérvia, centro da antiga Iugoslávia, que, mesmo sendo dissolvida durante décadas, esteve em nove Mundiais. Como Sérvia, duas participações: 2010 e 2018. Na eliminatória europeia, os sérvios lideraram o grupo D, obtendo a vaga direta numa chave com Irlanda, Gales e Áustria. Em Salvador, o departamento de análise do Bahia vai se debruçar sobre o Irã! Já o Vitória espera a definição na África, com três possibilidades: Senegal, Burkina Faso e Cabo Verde. Em vários outros casos os clubes ainda dependem das repescagens para definir o país a ser analisado.

Número de países analisados por cada clube
5 – Centro de Análise da CBF
2 – Atlético-PR, Botafogo, Corinthians, Cruzeiro, Grêmio, Palmeiras, São Paulo e Vasco
1 – Atlético-GO, Atlético-MG, Avaí, Bahia, Chapecoense, Coritiba, Fluminense, Ponte Preta, Santos, Sport e Vitória

Diego Souza é reconvocado à Seleção Brasileira, mantendo a disputa à Copa

Diego Souza na Seleção Brasileira em 2017. Fotos: dsoficial.com (reprodução)

O meia Diego Souza voltou a ser lembrado por Tite na Seleção Brasileira em 2017. Artilheiro do Brasileirão da temporada anterior, o jogador havia sido chamado para as cinco primeiras partidas do escrete nacional, atuando quatro vezes. No entanto, após uma queda técnica, simultânea ao imbróglio sobre a quase saída para o Palmeiras, DS87 acabou ficando fora das listas seguintes, para quatro partidas das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018.

Com o fim da fase classificatória ao Mundial, com o Brasil classificado como líder, o treinador terá quatro amistosos preparatórios. Começa já agora, num giro na Europa, em Lille, na França, diante do Japão, e em Londres, na Inglaterra, contra os donos da casa. Entre os 25 nomes chamados, o do principal jogador do Sport, que ganha mais duas chances, recolocado-se na disputa de forma até surpreendente neste momento – embora tenha voltado a jogar bem. Vale lembrar que, para a Canarinha, Diego Souza vem sendo chamado como “atacante”, numa briga ferranha com Firmino, que, apesar de se destacar no Liverpool, ainda não brilhou com a camisa verde e amarela.

E essa pode ser a última oportunidade para “testes” na visão de Tite, que quer utilizar os dois amistosos de 2018 (Rússia em 22/03 e Alemanha em 27/03) já com o grupo fechado. Ou seja, com a lista final de 23 nomes…

Obs. Em relação à Série A, o jogador poderá desfalcar o leão contra Botafogo (08/11), Atlético-GO (12/11) e Palmeiras (16/11). Aí, depende da logística.

Diego Souza no Sport em 2017
46 jogos
17 gols
8 assistências

Diego Souza na Seleção em 2017
4 jogos
2 gols

Participação de Diego Souza na Seleção Brasileira em 2017
25/01 – Brasil 1 x 0 Colômbia (titular, 64 minutos)
23/03 – Uruguai 1 x 4 Brasil (reserva, 5 minutos)
28/03 – Brasil 3 x 0 Paraguai (reserva, 6 minutos)
09/06 – Brasil 0 x 1 Argentina (reserva, não entrou)
13/06 – Austrália 0 x 4 Brasil (titular, 94 minutos e 2 gols)

31/08 – Brasil 2 x 0 Equador (não foi convocado)
05/09 – Colômbia 1 x 1 Brasil (não foi convocado)
05/10 – Bolívia 0 x 0 Brasil (não foi convocado)
10/10 – Brasil 3 x 0 Chile (não foi convocado)

10/11 – Brasil x Japão (a disputar)
14/11 – Inglaterra x Brasil (a disputar)

Efeitos infringentes para tentar dividir 87

Charge publicada no Diario de Pernambuco em 20/10/2017. Arte: Samuca/DP

A batalha jurídica sobre o título brasileiro de 1987 tem quase 30 anos. Foi iniciada, na justiça comum, em 10 de fevereiro de 1988. De lá para cá, o Sport obteve sete vitórias nos tribunais sobre o Flamengo, sendo três no caso original (1994, 1997 e 1999) e quatro no novo caso (2011, 2014, 2016 e 2017).

Na fase atual, o rubro-negro carioca nem briga pelo título exclusivo, mas pelo direito de também ser considerado campeão. Com a decisão do STF, o clube entrou com “embargos de declaração com efeitos infringentes”, um recurso técnico para tentar protelar o caso. E aí, divide ou não a taça das bolinhas?

Nos traços de Samuca, a charge no Diario de Pernambuco em 20/10

Podcast – Análise de mais um empate do Sport na Ilha, desta vez contra o Santos

Série A 2017, 29ª rodada: Sport 1 x 1 Santos. Foto: Willliams Aguiar/Sport Club do Recife

O Sport empatou o terceiro jogo seguido como mandante, todos com o mesmo placar. Desta vez, ficou em desvantagem com três minutos, melhorando no segundo tempo, sobretudo após a saída de Wesley – na coletiva, Luxemburgo admitiu que a vaia excessiva ao meia foi um dos motivos, embora não tenha concordado com a crítica. Numa gravação exclusiva, o 45 minutos comentou o jogo nas questões técnica e tática, se estendendo às análises individuais (DS jogou bem? E a falha de Magrão?), além da situação na classificação. Estou neste debate com os jornalistas Lucas Fitipaldi e Rafael Brasileiro. Ouça!

19/10 – Sport 1 x 1 Santos (62 min)