Classificação da Série A 2017 – 29ª rodada

A classificação da 29ª rodada da Série A de 2017. Crédito: Superesportes

O leão pernambucano empatou na Ilha, diante do peixe, e ampliou a escassez de vitórias no Brasileirão. Nas últimas doze rodadas, venceu em apenas uma! Num outro prisma sobre a campanha, porém, o Sport estancou a série de derrotas, só uma nas últimas cinco apresentações. Sinais para desacreditar e para voltar a acreditar, num cenário que deixa o Sport no limbo da competição após 29 rodadas. Nem cairia e nem conseguiria vaga internacional. Em relação à rodada passada, o clube se manteve em 14º lugar, mas ao menos ampliou a distância sobre a zona de rebaixamento, de dois para três pontos.

Já na briga pelo título brasileiro, embora o Corinthians siga mantendo a confortável distância de nove pontos sobre o vice-líder, neste momento são três times nesta condição (59 x 50). Grêmio, Palmeiras e Santos. Qual deles tem mais chance de tentar mudar o provável desfecho do campeonato?

Resultados da 29ª rodada
Coritiba 1 x 0 Cruzeiro
Atlético-GO 0 x 1 Vasco
Atlético-MG 2 x 3 Chapecoense
Corinthians 0 x 0 Grêmio
Fluminense 3 x 1 São Paulo
Avaí 1 x 1 Botafogo
Vitória 2 x 3 Atlético-PR
Palmeiras 2 x 0 Ponte Preta
Sport 1 x 1 Santos
Flamengo 4 x 1 Bahia 

Balanço da 29ª rodada
4V dos mandantes (16 GP), 3E e 3V dos visitantes (11 GP)

Agenda da 30ª rodada (horários do Recife)
21/10 (16h00) – Vasco x Coritiba (Maracanã)
22/10 (16h00) – Cruzeiro x Atlético-MG (Mineirão)
22/10 (16h00) – Atlético-PR x Sport (Arena da Baixada)
22/10 (16h00) – Bahia x Vitória (Fonte Nova)
22/10 (16h00) – Santos x Atlético-GO (Vila Belmiro)
22/10 (16h00) – São Paulo x Flamengo (Pacaembu), Globo*
22/10 (16h00) – Grêmio x Palmeias (Arena do Grêmio)
22/10 (18h00) – Chapecoense x Fluminense (Arena Condá), SporTV*
22/10 (18h00) – Ponte Preta x Avaí (Moisés Lucarelli)
23/10 (19h00) – Botafogo x Corinthians (Nilton Santos), SporTV*
* Considerando as transmissões para o Recife, fora o Premiere (PPV)  

Histórico de Atlético-PR x Sport em Curitiba, pelo Brasileiro (13 jogos)
1 vitória leonina (2014), 5 empates e 7 derrotas

Sport empata com Santos e soma 7 jogos sem vitória como mandante no Brasileiro

Série A 2017, 29ª rodada: Sport 1 x 1 Santos. Foto: Willliams Aguiar/Sport Club do Recife

Ao empatar com o Santos, em 1 x 1, o Sport alimentou uma estatística incômoda neste Campeonato Brasileiro. Já são sete partidas seguidas sem vencer como mandante, justamente num cenário historicamente favorável ao leão. Nesta sequência atual de participações, iniciada em 2014, o time venceu ao menos dez jogos em casa, Ilha ou Arena. Em 2017, soma apenas cinco resultados positivos, restando quatro jogos. Ou seja, ainda que vença tudo a partir de agora, terminará com o pior desempenho no recorte.

Tentar, o time vem tentando. Embora tenha repetido o placar contra Vasco, Atlético-MG e Santos, foram três jogos em que, na maior parte do tempo, o Sport foi melhor. Contra o peixe, diria até que foi bem incisivo. Tanto que passou da conta, pois tomar dois contragolpes no mano a mano em apenas três minutos é inacreditável. Foram duas finalizações de Ricardo Oliveira, com Magrão salvando na primeira e falhando na segunda. Já seria um compromisso difícil, imagine “largando dos boxes”. E o Sport buscou a bola aérea como solução. Nada menos que 65 cruzamentos. Dado elevadíssimo e pouco eficiente, com apenas 12 acertos (18%), segundo o Footstats.

Série A 2017, 29ª rodada: Sport 1 x 1 Santos. Foto: Cassio Zirpoli/DP

Organização mesmo, só teve alguma após o intervalo, com a entrada de Juninho no lugar de Wesley (mal outra vez) e Samuel Xavier no de Prata. De cara, Luxa recuou Diego Souza para o meio, onde sempre rende mais – e foi o seu terceiro jogo seguido mostrando bom futebol -, e também puxou Patrick para o setor, embora tivesse continuado com liberdade para atacar.

Esse Sport, mesmo com a posse de bola equilibrada, jogou bastante no campo ofensivo, com o scout de finalizações, entre certas e erradas, apontando 26 x 8. Além da ótima performance de Vanderlei, foram vários desperdícios, alguns com Juninho. Ele foi bem na função de quebrar a linha de defesa adversária, mas concluiu mal, como ocorrera no domingo. Como se tratava de um adversário qualificado, a imposição leonina, recompensada com um gol de Rogério aos 38/2T, quase ruiu nos contragolpes cedidos, com direito a uma chance incrível de Kayke. Ficou o pontinho, grão em grão…

O jejum de vitórias do rubro-negro como mandante na Série A
23/07 (16ª) – Sport 0 x 2 Palmeiras (Arena Pernambuco)
02/08 (18ª) – Sport 2 x 2 Fluminense (Ilha do Retiro)
13/08 (20ª) – Sport 0 x 0 Ponte Preta (Ilha do Retiro)
10/09 (23ª) – Sport 0 x 1 Avaí (Ilha do Retiro)
25/09 (25ª) – Sport 1 x 1 Vasco (Ilha do Retiro)
15/10 (28ª) – Sport 1 x 1 Atlético-MG (Ilha do Retiro)
19/10 (29ª) – Sport 1 x 1 Santos (Ilha do Retiro)

7 jogos; 5 empates e 2 derrotas, 5 GP e 8 GC; -3 SG

Série A 2017, 29ª rodada: Sport 1 x 1 Santos. Foto: Willliams Aguiar/Sport Club do Recife

Inauguração do Arruda acabou um carma antigo do Recife: o recorde de público

Amistoso de inauguração do Arruda, em 04/06/1972: Santa Cruz 0 x 0 Flamengo. Foto: Arquivo/DP

A construção do Arruda, transformando o alçapão num mundão de concreto, mudou o patamar do futebol pernambucano, então asfixiado pela capacidade de público reduzida, na Ilha e nos Aflitos, em relação a praças de porte semelhante, como a Bahia, já com a Fonte Nova. Pesquisando no acervo do Diario de Pernambuco é fácil encontrar queixas da crônica esportiva sobre o duradouro recorde até 1972. Até a inauguração do José do Rego Maciel, ainda com apenas um anel, a maior assistência local havia sido num Clássico das Multidões em 1955, com 34.546 torcedores. Borderô sempre lembrado.

Veio então a abertura oficial do Arruda, com o amistoso entre Santa Cruz e Flamengo. Foram nada menos que 57.688 pagantes e 4.497 não pagantes. Ou seja, mais de 62 mil torcedores assistiram ao empate sem gols, com a marca anterior finalmente descansando. E olhe que esse público deve ter sido bem maior, pois os portões foram arrombados, conforme a reportagem da época, que ouviu o superintendente da FPF, Napoleão Gonçalves.

Amistoso de inauguração do Arruda, em 04/06/1972: Santa Cruz 0 x 0 Flamengo. Foto: Arquivo/DP

“O pessoal da federação não pôde conter a invasão e houve um problema relacionado com o policiamento. Pedimos 180 homens, que chegariam ao estádio às 11h horas. Foram 100, e chegaram às 12h20. O esquema só começou a funcionar integralmente por volta das 14 horas. Cedo, houve um início de invasão, que foi controlada, mas depois ninguém pôde segurar o público.”

Para completar, o texto trazia: “informa Napoleão Gonçalves que calculadamente dez mil pessoas entraram sem pagar no setor de gerais”.

Abaixo, a nota oficial da direção tricolor acerca da capacidade, publicada no dia seguinte. Afinal, ficou a dúvida no ar. Qual seria a lotação máxima do novo estádio? Existem duas respostas, num contexto compreensível para a época: entre 66 mil e 81 mil, variando de acordo com a “taxa de conforto”. Essa taxa mudou tanto em mais de quatro décadas que o estádio, já com o segundo anel, hoje comporta até 55 mil, embora liberado para 50.582.

Amistoso de inauguração do Arruda, em 04/06/1972: Santa Cruz 0 x 0 Flamengo. Foto: Arquivo/DP

Se o recorde de público de 1955 incomodou durante 17 anos, a marca atual, de 1993, não deve virar uma preocupação. Até porque jamais será batida…

A evolução do recorde de público do Arruda*
62.185 – Santa Cruz 0 x 0 Flamengo (04/06/1972, amistoso)
62.711 – Santa Cruz 2 x 0 Náutico (01/08/1976, Estadual)
76.636 – Santa Cruz 1 x 1 Náutico (18/12/1983, Estadual)
76.800 – Brasil 2 x 0 Paraguai (09/07/1989, Copa América)
96.990 – Brasil 6 x 0 Bolívia (29/08/1993, Eliminatórias)
* A partir da inauguração

A evolução da capacidade máxima do Arruda
1972 – 66.040, após conclusão do anel inferior
1982 – 110.000 (+43.960), após a construção do anel superior
1993 – 85.000 (-25.000*)
2001 – 75.000 (-10.000*)
2005 – 65.000 (-10.000*)
2012 – 60.044 (-4.956*)
2015 – 55.582 (-4.462*)
* Redução por medida de segurança

Nota oficial do Santa Cruz sobre a capacidade, publicada no Diario de Pernambuco em 07/06/1972

A premiação do Brasileirão de 2017 vai do campeão ao 16º colocado. Basta não cair

A premiação oficial do Campeonato Brasileiro de 2017. Crédito: CBF/site oficial

A premiação oficial do Campeonato Brasileiro registrou um aumento de apenas 6% entre 2016 e 2017. Passou de R$ 60,0 milhões para R$ 63,7 milhões (quadro acima). Causa surpresa porque a Copa do Brasil, a outra competição de peso organizada pela CBF, passará a pagar, apenas ao campeão, R$ 68,7 milhões, embora já embutido o direito de transmissão, pago à parte no nacional. Portanto, fica a expectativa pela possível reformulação financeira da Série A na próxima temporada – ou em 2019, quando será iniciado o novo acordo com a tevê. Acompanhará essa linha?

Em 2017, como vem acontecendo há alguns anos, todos os times que permanecem na elite são premiados. Repassada pela CBF e bancada pela Rede Globo, a detentora dos direitos de transmissão da competição (de forma exclusiva até 2018), a premiação contempla a classificação final do 1º lugar até o 16º, o primeiro time acima da zona de rebaixamento. Ou seja, uma campanha mediana que evite a queda já garante um aporte de R$ 744 mil em dezembro, com a evolução gradativa colocação por colocação.

A evolução da premiação total da Série A
2010/2011: 0% 
2011/2012: +7,1%
2012/2013: 0%
2013/2014: 0%
2014/2015: +19,3%
2015/2016: +67,5%
2016/2017: +6,3%

Os seis primeiros lugares (consequentemente, os classificados à próxima Taça Libertadores, considerando a composição “G6″) recebem 77,9% de toda a premiação (ou R$ 49,6 mi). O grande campeão nacional de 2016 receberá R$ 1 milhão a mais que o Palmeiras, o vencedor da última competição.

Os clubes nordestinos que receberam premiações
2010 – Ceará/12º (R$ 1 milhão)
2011 – Bahia/14º (R$ 1 milhão)
2012 – Náutico/12º (R$ 500 mil) e Bahia/15º (R$ 200 mil)
2013 – Vitória/5º (R$ 1,4 milhão) e Bahia/12º (R$ 500 mil)
2014 – Sport/11º (R$ 600 mil)
2015 – Sport/6º (R$ 1,4 milhão)
2016 – Sport/14º (R$ 900 mil) e Vitória/16º (R$ 700 mil)

Confira todas as premiações do Brasileirão de 2010 a 2016 clicando aqui.

O acórdão do STF sobre o título de 1987 a favor do Sport. Já seguido de embargos

Ao longo de três décadas, a disputa do título brasileiro de futebol de 1987 já percorreu todas as instâncias da justiça federal. Já são dois casos (1988-1999 e 2011-2017), com o mais recente iniciado após o Sport questionar a decisão administrativa da CBF proclamando dois campeões paralelos, após o trânsito em julgado de sua ação. Assim, chegou-se pela primeira vez ao Supremo Tribunal Federal. Na esfera máxima da justiça do país, foram duas decisões, uma monocrática e a última pela Primeira Turma, em 18 de abril de 2017.

Só agora, seis meses depois, o STF publicou o acórdão sobre o julgamento, que manteve o rubro-negro como único campeão. Abaixo, a íntegra do documento sobre toda a discussão acerca do “agravo regimental sobre o recurso extraordinário” interposto pelo Flamengo, estendendo o caso decidido no STJ. Foi negado o provimento por 3 votos a 1. A favor do Sport, os ministros Marco Aurélio Mello, Alexandre de Moraes e Rosa Weber. A favor do Fla, Luís Roberto Barroso, que, aliás, esmiuçou o seu voto em 49 pontos, numa verdadeira equação para tentar ler de modo diferente a sentença original. O documento detalha os votos de cada ministro. Vale a leitura.

Confira dois trechos curiosos clicando aqui, aqui e aqui.

Ah, com a publicação, o Fla entrou com um novo recurso, numa escala final, conhecido como “embargos de declaração”, que, na prática, pede para que os ministros detalhem a decisão. Contudo, o embargo veio com o pedido de “efeitos infringentes”, abrindo a possibilidade de mudança na decisão. Ínfima.

O mata-mata da Série A2, com o caminho até a taça e a vaga na elite pernambucana

O mata-mata da 2ª divisão do Campeonato Pernambucano de 2017. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Está definido o caminho para a última vaga no Campeonato Pernambucano de 2018, que terá onze participantes e um novo regulamento.

Na rota do acesso, foram 40 jogos na primeira fase da Série A2 de 2017, passando oito dos dez times. Sobraram apenas Ferroviário do Cabo e Chã Grande. A partir de agora, cruzamento olímpico entre os dois grupos, com 1A x 4B, 2A x 3B, 1B x 4A e 2B x 3A – classificação abaixo. Portanto, quartas, semi e final, em ida e volta, com jogos de 25 de outubro até 12 de novembro.

Cabense x Porto, Vera Cruz x Sete, Pesqueira x Centro e Decisão x Íbis.

Qual o confronto mais equilibrado? E o mais fácil? Na torcida por qual time?

A grande surpresa da fase classificatória, sem dúvida, foi o Íbis, que chegou a ficar seis jogos invicto, a sua maior sequência. Também seguem na disputa nomes tradicionais como Porto, vice-campeão estadual em 1997 e 1998, e Sete de Setembro de Garanhuns, com o segundo maior estádio particular do interior. Outra curiosidade envolve outro time conhecido do futebol local. O centenário alvirrubro de Limoeiro avançou sem vencer um jogo sequer.

Como a FPF decidiu reduzir o número de clubes na primeira divisão, apenas o campeão irá obter a vaga na elite, ao contrário do que ocorria desde 1995, com dois promovidos. O esquema deve se manter na próxima temporada (caindo 2 e subindo 1), com o Estadual voltando a ter dez times em 2019.

A tabela básica do mata-mata da Segundona de 2017
Quartas de final: 25/10 (quarta, ida) e 29/10 (domingo, volta)
Semifinal: 01/11 (quarta, ida) e 05/11 (domingo, volta)
Final: 08/11 (quarta, ida) e 12/11 (domingo, volta)

A classificação final da 1ª fase da Série A2 do Estadual 2017. Crédito: FPF/site oficial (reprodução)

Podcast – Análise dos empates do Santa Cruz no Arruda e do Náutico no Rei Pelé

Série B 2017, 30ª rodada: Santa Cruz 2 x 2 Oeste (Ricardo Fernandes/DP) e CRB 2 x 2 Náutico (Léo Lemos/Náutico)

Tricolores e alvirrubros empataram na 30ª rodada da Série B, cada um com sua característica, trilhando caminhos complicados para a permanência na competição em 2018. O 45 minutos comentou as duas partidas em gravações exclusivas, nas questões técnica e tática, se estendendo às análises individuais. Terminando, claro, com as respectivas situações na tabela, num debate à parte, mais longo, se estendendo a todos os times na briga contra o rebaixamento. Ao todo, 148 minutos de podcast. Estou nessa. Ouça!

17/10 – Santa Cruz 2 x 2 Oeste (31 min)

17/10 – Náutico 2 x 2 CRB (25 min)

Debate sobre a briga contra o rebaixamento na Segundona (1h32 min)

Classificação da Série B 2017 – 30ª rodada

A classificação da 30ª rodada da Série B de 2017. Crédito: Superesporte2

Dois resultados idênticos, mas com construções e sentimentos distintos entre os representantes pernambucanos durante a “terça-feira cheia” da segundona. A avaliação sobre o empate coral no Arruda e o empate timbu no Rei Pelé segue a partir da classificação, ruim para ambos. No Santa, a chance desperdiçada numa conta interna de cinco vitórias nos cinco jogos como mandante para conseguir escapar da queda. Hoje, se vê mais pressionado do que nunca, inclusive com a 18ª posição já ameaçada! Pois é, ameaçada pelo rival Náutico, que, durante um instante nesta rodada, chegou a ficar à frente. Mas, após lutar o jogo inteiro e ficar em vantagem, coisa que o tricolor não conseguiu, tomou um gol aos 40 do segundo tempo, numa falha do goleiro após cobrança de lateral. Um reflexo da campanha complicada.

Resultados da 30ª rodada
Londrina 1 x 0 Figueirense
Guarani 1 x 1 ABC
Boa Esporte 0 x 0 Internacional
Santa Cruz 2 x 2 Oeste
Criciúma 0 x 1 Vila Nova
Brasil 0 x 0 América-MG
Ceará 1 x 0 Paraná
CRB 2 x 2 Náutico
Luverdense 1 x 1 Paysandu
Goiás 1 x 0 Juventude 

Balanço da 30ª rodada
3V dos mandantes (9 GP), 6E e 1V dos visitantes (7 GP)

Agenda da 31ª rodada (horários do Recife)
20/10 (18h15) – Guarani x Juventude (Brinco de Ouro), SporTV*
20/10 (19h30) – Náutico x ABC (Lacerdão)
20/10 (19h30) – CRB x Boa Esporte (Rei Pelé)
20/10 (20h30) – Ceará x Figueirense (Castelão), SporTV*
21/10 (15h30) – Criciúma x Internacional (Heriberto Hulse), SporTV*
21/10 (16h30) – Vila Nova x Oeste (Serra Dourada)
21/10 (16h30) – Londrina x Paysandu (Estádio do Café)
21/10 (16h30) – Brasil x Santa Cruz (Bento Freitas)
21/10 (18h00) – América-MG x Paraná (Independência), SporTV*
21/10 (20h00) – Luverdense x Goiás (Passo das Emas)
* Considerando as transmissões para o Recife, fora o Premiere (PPV)

No Rei Pelé, Náutico fica em vantagem duas vezes, mas cede empate ao CRB

Série B 2017, 30ª rodada: CRB 2 x 2 Náutico. Foto: Léo Lemos/Náutico/comunicação

O Náutico esteve muito próximo da vitória em Maceió. O empate em 2 x 2 pode ter quebrado algumas estatísticas negativas do time sob o comando de Roberto Fernandes na condição de visitante, como os primeiros gols e o primeiro ponto, mas é inegável a frustração sobre reação brecada no finzinho.

No primeiro tempo, o CRB foi bem melhor, pressionando bastante, forçando a bola aérea. Jefferson se mostrava atento mais uma vez, com outros lances raspando a trave. Mesmo esfacelado na escalação, o visitante foi organizado. E numa rara chegada do inconstante Suelinton saiu o primeiro gol. Bateu de fora da área, sem tanta força, mas o goleiro Edson Koll, ex-Santa, falhou bisonhamente. Àquela altura, o timbu ultrapassava o rival tricolor, que perdia no Arruda. Seria a noite perfeita. Contudo, antes do intervalo, João Paulo empatou num golaço. Trabalhar o empate ou se arriscar? Nesta dúvida, some a pressão sobre o mandante, também ameaçado (apesar de bem menos).

Série B 2017, 30ª rodada: CRB 2 x 2 Náutico. Crédito: Premiere/reprodução

Daí, a conclusão sobre uma troca de passe mais apurada para chegar à frente. E o Náutico conseguiu bastante, fazendo um jogo bem melhor na segunda etapa, atuando no campo do CRB. Até conseguiu marcar de novo, com Bruno Mota escorando um cruzamento – segundo jogo seguido com o meia balançando as redes. Na ocasião, o cronômetro já marcava 36 minutos, com o time pernambucano suportando bem a pressão. Até a fatalidade.

Aos 40, numa cobrança de lateral, Jefferson saiu muito mal e a bola escapou. Eram seis jogadores de linha na área, mas a bola sobrou para Neto Baiano. O time parecia tão focado na vitória que depois disso ainda teve duas chances, uma delas num gol (corretamente) anulado. Numa campanha regular, o resultado estaria de bom tamanho. Para quem precisa, a todo custo, vencer ao menos um jogo fora, foi uma baita chance desperdiçada…

Timbu como visitante com Roberto Fernandes (0V, 1E e 5D, com 5%)
11/08 – (20ª) Náutico 0 x 1 América (Independência, MG)
25/08 – (22ª) Náutico 0 x 1 Ceará (Presidente Vargas, CE)
16/09 – (24ª) Náutico 0 x 1 Oeste (Arena Barueri, SP)
26/09 – (26ª) Náutico 0 x 3 Paraná (Durival Britto, PR)
06/10 – (28ª) Náutico 0 x 2 Goiás (Serra Dourada, GO)
17/10 – (30ª) Náutico 2 x 2 CRB (Rei Pelé, AL)

Série B 2017, 30ª rodada: CRB 2 x 2 Náutico. Foto: Léo Lemos/Náutico/comunicação

Santa empata com o Oeste e segue sem reagir, com 1 vitória nos últimos 15 jogos

Série B 2017, 30ª rodada: Santa Cruz x Oeste. Foto: Ricardo Fernandes/DP

A dez rodadas do fim da segundona, o Santa teria cinco partidas no Arruda. Caso conseguisse se impor como mandante, a permanência ficaria bem próxima. Logo na primeira partida, o tricolor falhou. Em situação delicada na tabela, a direção baixou o preço dos ingressos, mas a resposta não foi boa, com 7.636 pessoas. Nota-se que a torcida já está calejada das atuações neste ano, sem organização e numa crise financeira difícil de dissociar.

Para completar o cenário, o adversário não era acessível. O Oeste veio ao Recife disposto a se manter na briga pelo acesso. Mesmo sem tanto cartaz, o time treinado por Roberto Cavalo tem um bom esquema defensivo e à frente conta com o artilheiro do campeonato. Por sinal, Mazinho disparou, marcando duas vezes na partida, chegando a 15. Num pênalti com categoria e num chute cruzado, da ponta da área, após se desvencilhar de Nininho. O time paulista chegou a ficar em vantagem duas vezes, com os corais buscando o empate. O lampejo de reação pernambucana começou após a (justa) expulsão do lateral rival. Logo depois, aos 10/2T, o primeiro gol. De pênalti, Grafite quebrou o jejum particular, desde 26 de agosto – ao todo, somando a passagem no Atlético-PR, foi apenas o 3º gol em 33 partidas em 2017.

Série B 2017, 30ª rodada: Santa Cruz x Oeste. Foto: Rafael Brasileiro/DP

Na reta final, quando Mazinho já havia aparecido novamente de forma fatal, João Paulo pegou uma sobra, mesmo com o ângulo encoberto. Veio a pressão pela virada, com todo mundo se lançando à última linha, até o zagueiro Mattis. Até chegou a resultar no grito de gol da torcida, mas foi abafado pelo apito do árbitro, anulando o rebote de Ricardo Bueno aos 44. Estava mesmo adiantado. Com o empate em 2 x 2, o Santa segue com apenas uma vitória nas mãos de Martelotte, já com oito jogos no comando. A má fase, na verdade, é bem mais longa, se aproximando de um “turno” inteiro.

Dos últimos 15 jogos, o Santa só venceu 1. Vencer as 4 partidas restantes no Arruda já não deve ser mais suficiente. Terá que se superar fora também…

Tricolor sob o comando de Martelotte (1V, 4E e 3D, com 29% dos pontos)
09/09 (23ª) – Santa Cruz 0 x 0 ABC (Arena das Dunas, RN)
15/09 (24ª) – Santa Cruz 3 x 0 Goiás (Arruda)
22/09 (25ª) – Santa Cruz 1 x 1 Londrina (Estádio do Café, PR)
26/09 (26ª) – Santa Cruz 0 x 0 Ceará (Arruda)
30/09 (27ª) – Santa Cruz 0 x 2 Internacional (Beira-Rio, RS)
07/10 (28ª) – Santa Cruz 0 x 1 América-MG (Arruda)
14/10 (29ª) – Santa Cruz 1 x 2 Figueirense (Orlando Scarpelli, SC)
17/10 (30ª) – Santa Cruz 2 x 2 Oeste (Arruda)

Série B 2017, 30ª rodada: Santa Cruz x Oeste. Foto: Ricardo Fernandes/DP