Por R$ 9,8 milhões, Sport negocia André com o Grêmio. Pelo preço do mercado?

Pernambucano 2018, 4ª rodada: Sport 2 x 0 Pesqueira. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Diante do Pesqueira, em 29/01, André marcou os últimos 2 gols pelo Sport

Ao repatriar André, em 5 de fevereiro de 2017, o Sport firmou um milionário contrato de cinco temporadas com o atacante – seriam R$ 19,5 milhões apenas em salários. No entanto, esta segunda passagem na Ilha do Retiro durou apenas um ano, devido ao desejo do jogador em atuar no Grêmio, que, após semanas de negociação, aceitou os termos do clube pernambucano. Se o valor da multa (60 mi) era irreal, a primeira oferta (6 mi) também não fazia o menor sentindo, considerando o rendimento técnico recente do jogador.

Por 2,5 milhões de euros (R$ 9,8 mi), o atual campeão da Libertadores conseguiu o seu camisa 9. Vale lembrar que o Sport detinha 70% dos direitos econômicos do atacante, após adquirir 50% junto ao Sporting de Lisboa e 20% com o Atlético-MG – o Corinthians manteve os seus 30%. Para isso, o leão desembolsou R$ 5,23 milhões, numa das maiores compras do Nordeste. Logo, o ágio – só com as transações – foi de R$ 4,6 mi. É interessante destacar que Diego Souza saiu por mais, mesmo sendo mais velho (32 x 27) e tendo menos anos de contrato (1 x 4). Venda boa ali ou modesta aqui? Ali.

Apesar da saída conturbada do centroavante, sobretudo nas negativas da Copa do Brasil, os números do camisa 90 foram excelentes no leão. Na Série A de 2017 foram 16 gols, ficando atrás apenas dos artilheiros Jô (Corinthians) e Henrique Dourado (Flu), ambos com 18 tentos. Por sinal, contando a passagem anterior, em 2015, André totaliza 29 gols em 62 partidas pelo Sport no Campeonato Brasileiro, com média de 0,46. É o terceiro maior goleador do clube na competição – abaixo de Diego Souza (38) e Leonardo (33).

Torcedor rubro-negro, o que você achou da saída de André? E a reposição?

André no Sport
2015: 34 jogos, 14 gols (média de 0,41) e 7 assistências
2017: 67 jogos, 27 gols (média de 0,40) e 3 assistências
2018: 5 jogos, 2 gols (média de 0,40) e 0 assistência

Total: 106 jogos, 43 gols (média de 0,40) e 10 assistências

André foi a 19ª venda milionária do Sport, a 36ª de PE e a 95ª do NE.

As maiores vendas do Sport no Plano Real, convertidas em dólar. Crédito: Cassio Zirpoli/DP

Santa e Sport refazem Sub 23 e estreiam no Campeonato Brasileiro de Aspirantes

O troféu do Campeonato Brasileiro de Aspirantes. Foto:  Lucas Figueiredo/CBF

O campeonato de aspirantes foi, durante muito tempo, a preliminar dos jogos do Campeonato Pernambucano. Não era necessariamente uma ‘categoria de base’, mas um time formado por novos profissionais costumeiramente reservas, reforçado por alguns atletas do time principal – ou por suspensão na competição principal ou pelo reinício das atividades. No estado, o aspirante, hoje conhecido como Sub 23, acabou em 1995. Em 2017, a CBF resolveu criar um campeonato nacional para jogadores desta idade. Após uma edição enxuta, vencida pelo Inter, o torneio foi ampliado de 10 para 16 equipes, incorporando o Nordeste. De saída, quatro: Bahia, Santa, Sport e Vitória.

A competição de 2018 deve ser de tiro curto, como foi a primeira, que variou de 4 (eliminados na 1ª fase) a 8 jogos (finalistas). Programado para o segundo semestre, com transmissão pelo Esporte Interativo, o torneio repete a regra de inscrição, desta vez para nascidos a partir de 1995. Também deve ser mantido o seguinte artigo do regulamento sobre exceções (para cima):

“Será permitida a utilização de até um (1) goleiro e três (3) atletas de linha com idade superior a 23 anos”

Em tese, um medalhão da equipes principal pode ser acionado – norma semelhante aos torneios mais antigos. Quais jogadores acima do limite de idade do rubro-negro e do tricolor poderiam ser testados neste formado?

Os 10 participantes em 2017
Atlético-MG, Atlético-PR, Botafogo, Coritiba, Cruzeiro, Figueirense, Grêmio, Internacional, Santos e São Paulo

Os 16 participantes em 2018
América-MG, Atlético-GO, Atlético-PR, Avaí, Bahia, Chapecoense, Coritiba, Figueirense, Goiás, Grêmio, Internacional, Santa Cruz, Santos, São Paulo, Sport e Vitória

Em Pernambuco, o campeonato de aspirantes começou de forma paralela ao Estadual já em sua primeira edição, em 1915. Porém, o blog não encontrou registros sobre o vencedor. Por sinal, existem outras lacunas ao longo dos anos, com a dificuldade tanto no acervo dos jornais quanto no arquivo da FPF.

Portanto, considerando a ressalva, 60 edições locais tiveram campeões conhecidos. Embora o Santa tenha sido campeão estadual pela primeira vez somente em 1931, já havia sido tetra nos ‘segundos quadros’ entre 1918 e 1921. Já o Sport, o maior campeão do futebol local, está bem atrás dos rivais nesta categoria. Ainda é importante destacar a mudança nas nomenclaturas, indo de 2ª classe, 2º team ou 2º quadro de 1915 a 1938, seguindo de campeonato amador de 1939 a 1952 e, a partir de 1953, campeonato de aspirantes, que passou a ser intermitente no fim da década de 70. Nos anos 90, o campeonato de juniores, atual Sub 20, passou a ter mais importância, resultando na extinção do torneio de aspirantes. Até esta volta do Brasileiro…

Campeões pernambucanos de aspirantes*
24 – Santa Cruz
17 – Náutico
8 – Sport
3 – América
2 – Torre e Tramways
1 – Ferroviário do Recife, Auto Esporte, Paulistano e Moinho Recife
* As edições com campeões conhecidos

Olinda 483 anos e Recife 481 anos

O dia 12 de março celebra a fundação de Olinda (1535) e Recife (1537). Em 2018, as cidades-irmãs somam 2 milhões de habitantes, por boa parte formada por torcedores de Náutico, Santa Cruz e Sport – centenários e já intrínsecos aos municípios. Não por acaso, o trio de ferro registrou a passagem da data através dos respectivos perfis oficiais no twitter.

Obs. Na mesma rede social, clubes tradicionais de outros estados também parabenizaram. Inclusive o Flamengo, em postagens distintas às duas cidades (aqui e aqui), citando a capital pernambucana como uma ‘terra cheia de rubro-negros apaixonados’. Pela última pesquisa de torcidas, nem tanto.

Náutico

Santa Cruz

Sport

Com 40 pontos, Clássico das Multidões atinge ibope raro. Em PE, nível de Copa

Pernambucano 2018, 11ª rodada: Sport 1 x 1 Santa Cruz. Crédito: Globo/reprodução

Nas arquibancadas da Ilha do Retiro, 13 mil torcedores. Acompanhando pela televisão aberta, cerca de 1,6 milhão de pessoas. É gente demais. O Clássico das Multidões pela última rodada da fase classificatória do Estadual registrou a maior audiência de 2018 no Grande Recife, num dado surpreendente para o peso da partida – ambos já estavam classificados, definindo apenas o adversário nas quartas de final, que, curiosamente, terá outro clássico.

A audiência média da partida, considerando a região metropolitana, foi de 40,1 pontos, segundo o Kantar Ibope Media. Levando em conta os dados já revelados pelas emissoras, a partida aparece em 10º lugar entre os ‘maiores ibopes’ envolvendo clubes pernambucanos, todas acima de 40 pontos. Com a ampliação do mercado local (influenciando no número de telespectadores, claro), nove dos dez jogos estão espalhados na última década – a exceção, em 1999, foi justamente o que provocou o interesse da Globo Nordeste sobre os direitos de transmissão do Pernambucano. Este patamar é o mesmo dos grandes jogos da Seleção com exibição para o estado. Como exemplo, a maior audiência da canarinha nas Eliminatórias, Brasil 3 x 0 Paraguai – o jogo que sacramentou a classificação ao Mundial da Rússia. Naquela noite, em 29 de março de 2017, a goleada registrou 43,4 pontos na capital pernambucana.

Voltando ao duelo na Ilha do Retiro, com o 1 x 1 entre rubro-negros e tricolores, a taxa de participação foi de 64 aparelhos sintonizados a cada 100 televisões ligadas – infelizmente, com parte da transmissão acompanhando a aflição de 60 feridos numa confusão a partir da ação desproporcional da PM. Na ocasião, as demais emissoras locais somaram 15,7 pontos. Em 2009, na estreia leonina na Taça Libertadores, a audiência partida foi superior a este dado acumulado, chegando a 57 pontos, ainda recorde.

As maiores audiências na TV do futebol pernambucano (Grande Recife)
57,0 – Colo Colo 1 x 2 Sport (18/02/2009, Libertadores, grupo)
51,0 – Sport 1 x 0 Náutico (05/05/2010, Estadual, final)
50,0 – Santa Cruz 1 x 1 Sport (19/05/1999, Estadual, turno)*
46,5 – Santa Cruz 0 x 2 Sport (03/05/2017, Nordestão, semifinal)
44,8 – Santa Cruz 0 x 1 Sport (15/05/2011, Estadual, final)
43,3 – Náutico 0 x 1 Sport (23/04/2014, Estadual, final)
42,5 – Bahia 1 x 0 Sport (24/05/2017, Nordestão, final)
41,9 – Salgueiro 0 x 1 Sport (28/06/2017, Estadual, final)
40,7 – Sport 2 x 0 Náutico (16/04/2014, Estadual, final)
40,1 – Sport 1 x 1 Santa Cruz (07/03/2018, Estadual, turno)
* Único jogo não exibido na Globo. No caso, passou na TV Pernambuco

A lista de campeões do Nordeste varia entre 13, 8 e 7 campeões. Você escolhe

Lista de campeões do Nordeste de 1946 a 2017. Quadro: Cassio Zirpoli/DP

Quantos campeões existem no Nordeste? 13, 8 ou 7? O blog já tocou no assunto algumas vezes, com a discussão seguindo devido ao impasse sobre a oficialização das competições – 38 ao longo de 72 anos. Volta e meia o debate reaparece pelo fato de o Vitória se considerar pentacampeão da Copa do Nordeste, somando a este contexto um título de outra competição, o Torneio José Américo de 1976, disputado 18 anos antes da primeira edição oficial do Nordestão. Entretanto, não deixa de ser um título de caráter regional. Por isso, o foco nesta publicação é voltado justamente para a visão dos próprios clubes acerca das conquistas – à parte do que eu acho, do que você acha ou do que a CBF acha. Como era de se esperar, não há padronização alguma.

Confira os detalhes de cada torneio de caráter regional realizado no NE aqui.

Uma polêmica clássica se refere à fase Norte-Nordeste da Taça Brasil, que correspondia a uma etapa regionalizada dentro do campeonato nacional. No entanto, na época os vencedores dessas chaves – que em alguns anos se classificavam às quartas e em outros à semi – se proclamavam “Campeões do Norte”, alcunha repercutida na imprensa e comemorada pela torcida. Embora oficialmente fosse uma fase. Para completar, alguns vencedores receberam troféus comemorativos, como o Bahia, e outros não, como o Náutico.

Pelos sites oficiais, entre os vencedores daquele zonal, e foram dez edições, Bahia (3), Náutico (3) e Ceará (1) consideram as conquistas como títulos regionais. Fortaleza (2) e Sport (1), não. A CBF nunca tocou no assunto.

Outra dúvida está pontuada no Torneio Norte-Nordeste, uma competição de fato, organizada pela CBD, a precursora da CBF. Ocorreu de 1968 a 1970. Em 1971, a entidade manteve a disputa sem os principais clubes da região, mas valendo pela primeira fase da Série B do Campeonato Brasileiro. No caso, na primeira edição da história da segundona, com a final Norte-Nordeste x Centro-Sul. Deu Remo, até então quatro vezes vice-campeão em torneios do Nordeste, mesmo sendo do Pará. Em 1972 foi ainda mais curioso, pois foi a única vez em que todos os times presentes na Série B eram do Nordeste. Neste caso, o Sampaio Corrêa se contenta apenas como “campeão da Série B”, excluindo o caráter regional, como fica claro em sua lista de títulos.

Sobre os outros campeões, Santa Cruz, Ypiranga, CRB e Campinense citam as suas conquistas com as denominações originais. Já o América de Natal esqueceu da Taça Almir na atualização de seu site, listando só a Lampions.

Quais títulos deveriam contar? Por que? Quais títulos faltaram na lista?

Os campeões do Nordeste/Norte-Nordeste de 1946 a 2017 (geral, 38 títulos)
7 – Bahia (1948, 1959, 1961, 1963, 2001, 2002 e 2017)
5 – Náutico (1952, 1965, 1966, 1966 e 1967)
5 – Vitória (1976, 1997, 1999, 2003 e 2010)
5 – Sport (1962, 1968, 1994, 2000, 2014)
4 – Fortaleza (1946, 1960, 1968 e 1970)
3 – Ceará (1964, 1969 e 2015)
2 – América-RN (1973 e 1998)
2 – Santa Cruz (1967 e 2016)
1 – Ypiranga (1951)
1 – Remo (1971)
1 – Sampaio Corrêa (1972)
1 – CRB (1975)
1 – Campinense (2016)

Por estado (geral, 38 títulos)
13 – Bahia
12 – Pernambuco
7 – Ceará
2 – Rio Grande do Norte
1 – Alagoas, Maranhão, Pará e Paraíba

Os campeões do Nordeste/Norte-Nordeste de 1968 a 2017 (oficiais, 17 títulos)
4 – Vitória (1997, 1999, 2003 e 2010)
4 – Sport (1968, 1994, 2000 2014)
3 – Bahia (2001, 2002 e 2017)
2 – Ceará (1969 e 2015)
1 – Fortaleza (1970)
1 – América-RN (1998)
1 – Campinense (2013)
1 – Santa Cruz (2016)

Por estado (oficiais, 17 títulos)
7 – Bahia
5 – Pernambuco
3 – Ceará
1 – Rio Grande do Norte e Paraíba 

Observação 1: são 13 campeões considerando todos os torneios. Entre os oficiais, 8. Porém, se a lista considerar apenas a da ‘Copa do Nordeste’, o número cai para 7, excluindo o Fortaleza, campeão do Torneio N-NE de 70.

Observação 2: não entraram as edições da Taça Asa Branca, de 2016 (Ceará) e 2017 (Santa), devido ao caráter amistoso, numa disputa entre o campeão da Copa do Nordeste e um convidado de outra região. Naturalmente, o debate segue aberto – inclusive sobre a inclusão dessas competições.

Observação 3: caso você tenha chegado até aqui, a visão do blog sobre o imbróglio é a de que os clubes não precisam ‘converter’ as conquistas. Um título regional mantém o caráter, sem a necessidade de outro nome para tal.

A seguir, a lista de campeões e vices, torneio por torneio…

Lista de campeões do Nordeste de 1946 a 2017. Quadro: Cassio Zirpoli/DP

O histórico de G4 no Pernambucano, com 412 campanhas entre 1915 e 2017

O ranking de G4 no Campeonato Pernambucano, entre 1915 e 2017. Arte: Cassio Zirpoli/DP

O Campeonato Pernambucano já teve inúmeros formatos, como pontos corridos, disputa de turnos e até supercampeonatos, com três times envolvidos na decisão. No entanto, em 2010 a competição passou a adotar uma fórmula fixa sobre a fase decisiva, com semifinal e final – embora a etapa classificatória tenha seguido com mudanças contínuas. Daí, a a cultura do ‘G4′, apelido dado à zona de classificação. Em 2018, a FPF ampliou o mata-mata, agora iniciado a partir das quartas de final (‘G8′). Aqui, portanto, um levantamento sobre todos os clubes que já terminaram entre os quatro melhores colocados – independentemente do regulamento. Em 103 edições contabilizadas, de 1915 a 2017, o trio de ferro aparece neste contexto em 283 oportunidades, o que corresponde a 68% do G4 – em termos de títulos a fatia dos grandes clubes é ainda maior, com as 91 taças, ou 88%.

Até hoje, sete clubes já levaram o título do futebol local, com 12 chegando ao menos ao vice-campeonato e 22 terminando pelo menos em 4º lugar. Ah, para este levantamento sobre a semifinal, foram somados os 3º e 4º lugares. E isso não significa exatamente a medalha de bronze, até porque em 2013 a federação criou a disputa oficial pelo 3º lugar, com o objetivo de definir as últimas vagas na Copa do Brasil e na Copa do Nordeste – já asseguradas aos finalistas, claro. Em 2018, com a mudança no critério de classificação ao regional, o ‘bronze’ passou a valer apenas a vaga na copa nacional.

As quartas de final do Estadual de 2018
14/03 (20h00) – Central (2º lugar) x América (7º lugar)
14/03 (20h00) – Salgueiro (4º lugar) x Vitória (5º lugar)
14/03 (21h45) – Sport (3º lugar) x Santa Cruz (6º lugar)
18/03 (16h00) – Náutico (1º lugar) x Afogados (8º lugar)

Pitaco nas semifinais: Náutico x Vitória e Central x Sport. E na sua opinião?

Os sete clubes campeões pernambucanos entre 1915 e 2017:

Sport (101 participações)
41 títulos (40,5% sobre as participações)
23 vices
32 semifinais
Entre os 2 melhores – 64 (63,3%)
Entre os 4 melhores – 96 (95,0%)

Santa Cruz (103 participações)
29 títulos (28,1% sobre as participações)
30 vices
37 semifinais
Entre os 2 melhores – 59 (57,2%)
Entre os 4 melhores – 96 (93,2%)

Náutico (102 participações)
21 títulos (20,5% sobre as participações)
30 vices
40 semifinais
Entre os 2 melhores – 51 (50,0%)
Entre os 4 melhores – 91 (89,2%)

América (83 participações)
6 títulos (7,1% sobre as participações)
9 vices
20 semifinais
Entre os 2 melhores – 15 (18,0%)
Entre os 4 melhores – 35 (42,1%)

Torre (23 participações)
3 títulos (13,0% sobre as participações)
3 vices
9 semifinais
Entre os 2 melhores – 6 (26,0%)
Entre os 4 melhores – 15 (65,2%)

Tramways (8 participações)
2 títulos (25,0%)
1 vice
2 semifinais
Entre os 2 melhores – 3 (37,5%)
Entre os 4 melhores – 5 (62,5%)

Flamengo do Recife (32 participações)
1 título (3,1%)
0 vice
8 semifinais
Entre os 2 melhores – 1 (3,1%)
Entre os 4 melhores – 9 (28,1%)

Clubes que alcançaram no máximo o vice-campeonato:

Salgueiro (11 participações)
2 vices
5 semifinais
Entre os 2 melhores – 2 (18,1%)
Entre os 4 melhores – 7 (63,6%)

Porto (22 participações)
2 vices
5 semifinais
Entre os 2 melhores – 2 (9,0%)
Entre os 4 melhores – 7 (31,8%)

Central (56 participações)
1 vice
31 semifinais
Entre os 2 melhores – 1 (1,7%)
Entre os 4 melhores – 32 (57,1%)

Varzeano (4 participações)
1 vice
0 semifinal
Entre os 2 melhores – 1 (25,0%)
Entre os 4 melhores – 1 (25,0%)

Íris (9 participações)
1 vice
0 semifinal
Entre os 2 melhores – 1 (11,1%)
Entre os 4 melhores – 1 (11,1%)

Clubes que alcançaram no máximo a semifinal (3º/4º):

Vitória – 4 em 19 campanhas (21,0%)
Ferroviário do Recife – 3 em 55 campanhas (5,4%)
Ypiranga – 2 em 14 campanhas (14,2%)
Manchete – 2 em 36 campanhas (5,5%)
Itacuruba – 1 em 3 campanhas (33,3%)
AGA – 1 em 4 campanhas (25,0%)
Serrano – 1 em 6 campanhas (16,6%)
Encruzilhada – 1 em 7 campanhas (14,2%)
Auto Esporte – 1 em 8 campanhas (12,5%)
Peres – 1 em 9 campanhas (11,1%)

Com 11 rodadas, Estadual 2018 soma 93 mil torcedores e R$ 1,4 milhão de renda

Em um jogo marcado pela confusão, com uma ação desproporcional da polícia militar no setor de visitantes, resultando em dezenas de feridos, Sport e Santa Cruz quebraram o recorde de público do Estadual. Foram mais de 13 mil pessoas, superando o dobro do marca anterior – o que naturalmente depõe contra os números da competição, diga-se. Assim, a 11ª rodada do Pernambucano de 2018 teve a maior média: 3.329. A situação é tão curiosa – para baixo – que o leão assumiu o ranking de público mesmo com o rival tricolor tendo quatro dos cinco maiores públicos como mandante.

Ao fim desta primeira fase, a média foi de 1,7 mil, considerando pagantes e não pagantes, critério adotado pelo blog. Hoje, seria a pior desde que a federação passou a contabilizar essa estatística, há 29 anos. No entanto, há uma chance razoável de ficar superar o índice de 2.080, o tal recorde negativo estabelecido em 1997. A edição vigente precisa de pelo menos 39.320 torcedores girando as catracas nos nove jogos restantes – incluindo outro Clássico das Multidões e uma decisão em ida e volta. O blog volta a atualizar o quadro de público e renda após as quartas. Falando em arrecadação, vale lembrar que a FPF tem direito a 8% da renda bruta de qualquer jogo. Logo, já abocanhou R$ 113.499, superior à renda de 7 dos 11 clubes.

Abaixo, os rankings de público e renda, com ordem através das médias

Os rankings de público e renda do Pernambucano 2018 após 11 rodadas. Quadro: Cassio Zirpoli/DP

Os 10 maiores públicos
13.218 – Sport 1 x 1 Santa Cruz (Ilha do Retiro, 07/03 – 11ª rodada)
6.015 – Santa Cruz 0 x 0 Náutico (Arruda, 17/02 – 7ª rodada)
4.292 – Santa Cruz 1 x 1 Vitória (Arruda, 18/01 – 1ª rodada)
4.090 – Santa Cruz 0 x 0 Pesqueira (Arruda, 25/02 – 9ª rodada)
4.035 – Santa Cruz 1 x 1 Central (Arruda, 25/01 – 3ª rodada)
3.724 – Sport 2 x 0 Pesqueira (Ilha do Retiro, 29/01 – 4ª rodada)
3.685 – Náutico 3 x 0 Sport (Arena PE, 24/01 – 3ª rodada)
3.601 – Central 1 x 1 Sport (Lacerdão, 03/02 – 5ª rodada)
3.563 – Santa Cruz 3 x 2 Belo Jardim (Arruda, 04/03 – 10ª rodada)
3.389 – Sport 2 x 0 Afogados (Ilha do Retiro, 20/01 – 2ª rodada)

Balanço geral – 55 partidas
Público total: 93.864 
Média: 1.706 pessoas
Arrecadação total: R$ 1.418.747 
Média: R$ 25.795 

Eis os borderôs da décima primeira rodada do Estadual de 2018…

Sport 1 x 1 Santa Cruz; 13.218 torcedores e R$ 216.095

Pernambucano 2018, 11ª rodada: Sport 1 x 1 Santa Cruz. Foto: Sport/twitter (@sportrecife)

Central 2 x 1 Salgueiro; 1.371 torcedores e R$ 23.460

Pernambucano 2018, 11ª rodada: Central 2 x 1 Salgueiro. Foto: Central/facebook (@centralsportclub)

Belo Jardim 2 x 2 Náutico; 1.230 torcedores e R$ 13.380

Pernambucano 2018, 11ª rodada: Belo Jardim 2 x 2 Náutico. Crédito: Premiere/reprodução

Vitória 0 x 2 Flamengo; 710 torcedores e R$ 4.960

Pernambucano 2018, 11ª rodada: Vitória 0 x 2 Flamengo. Crédito: FPF/Mycujoo

América 2 x 0 Pesqueira; 116 torcedores e R$ 420

Pernambucano 2018, 11ª rodada: América 2 x 0 Pesqueira. Crédito: Globo Nordeste/reprodução

Ranking dos pênaltis e das expulsões (11)

Pernambucano 2018, 11ª rodada: Belo Jardim 2 x 2 Náutico. Crédito: Premiere/reprodução

A 11ª rodada do Pernambucano de 2018, realizada com todos os jogos no mesmo horário, registrou duas penalidades – e só. Ambas as marcações ocorreram no agreste. Em Belo Jardim, Jader (acima) abriu o placar o calango, que terminaria empatando e caindo. Perto dali, Leandro Costa (abaixo) também abriu o placar desa forma. Porém, a patativa venceu o seu jogo e encerrou bem o turno. Ao todo, 16 pênaltis foram marcados, média de 0,29 por jogo. Em relação às expulsões, com 17, o índice é de 0,31.

Como nas versões anteriores do ranking, o blog contabilizou apenas a fase classificatória. Embora seja necessário ficar de olho no trabalho da arbitragem a partir de agora, com os nove jogos programados para a fase decisiva.

Eis a atualização das listas levantadas pelo blog, após 55 partidas realizadas.

Pênaltis a favor (16)
3 pênaltis – Afogados e Náutico
2 pênaltis – América (perdeu 1), Belo Jardim (perdeu 1), Central e Vitória (perdeu 1)
1 pênalti – Salgueiro (perdeu 1) e Sport (perdeu 1)
Sem penalidade – Flamengo, Pesqueira e Santa Cruz

Pênaltis cometidos (16)
3 pênaltis – Afogados (defendeu 1), América (defendeu 2) e Vitória
2 pênaltis – Belo Jardim (defendeu 1), Náutico e Salgueiro
1 pênalti – Central (defendeu 1)
Sem penalidade – Flamengo, Pesqueira, Santa Cruz e Sport

Cartões vermelhos (17)
1º) América – 5 adversários expulsos; 2 vermelho recebido
2º) Belo Jardim – 3 adversários expulsos, 1 vermelho recebido
3º) Central – 2 adversário expulsos; 1 vermelho recebido
3º) Salgueiro – 2 adversários expulsos, 1 vermelho recebido
5º) Pesqueira – 1 adversário expulso, nenhum vermelho recebido
6º) Náutico – 2 adversários expulsos; 2 vermelhos recebidos
7º) Afogados – 1 adversário expulso; 1 vermelho recebido
8º) Sport – nenhum adversário expulso; 1 vermelho
9º) Vitória – 1 adversário expulso; 3 vermelhos recebidos
10º) Santa Cruz – nenhum adversário expulso; 2 vermelhos
11º) Flamengo – nenhum adversário expulso; 3 vermelhos recebidos

Rankings anteriores,: 20092010201120122013201420152016 e 2017.

Pernambucano 2018, 11ª rodada: Central 2 x 1 Salgueiro. Foto: TV Asa Branca/reprodução

Podcast – A análise do 1º Clássico das Multidões de 2018, com empate na Ilha

Pernambucano 2018, 11ª rodada: Sport 1 x 1 Santa Cruz. Foto: Ricardo Fernandes/DP

Diante de 13 mil torcedores, na Ilha, Sport e Santa Cruz ficaram num empate que também serviu como prévia do próximo embate, desta vez pelas quartas de final do Estadual. Sobre o jogo que encerrou o turno, definindo o repeteco no mata-mata, o 45 Minutos fez uma ampla análise, com os melhores e piores jogadores dos times, além das possibilidades de mudanças para a próxima partida. Também entrou na pauta a confusão nas arquibancada. Participei deste podcast junto aos jornalistas Fred Figueiroa e Rafael Brasileiro. Ouça!

07/03 – Sport 1 x 1 Santa Cruz (59 min)

O mata-mata do Pernambucano de 2018

O caminho do mata-mata até a decisão do Campeonato Pernambucano de 2018. Arte: Cassio Zirpoli/DP

O mata-mata foi instituído no Campeonato Pernambucano em 2010, excluindo a possibilidade de campeões por antecipação – como havia na disputa com turnos. Desde então, embora a fase classificatória tenha mudado bastante, no número de participantes e na quantidade jogos, sempre houve o G4, com semifinal e final. Em 2018, após deliberação no conselho arbitral, com os nove intermediários votando juntos, numa proposta diferente do trio de ferro, a fase foi ampliada. Pela primeira vez, o mata-mata começa nas quartas de final.

Após os 55 jogos da primeira fase, com oito dos onze clubes avançando, chegou a hora da disputa pelo título da 104ª edição. Para ser campeão, o clube terá que superar três fases, com quatro jogos em sequência. Vale lembrar que os três primeiros colocados, ao final da competição, garantem vaga na Copa do Brasil. Em relação ao Nordestão, apenas o campeão – as outras duas vagas locais serão definidas pelo Ranking da CBF.

A composição do chaveamento ocorreu através do cruzamento olímpico, detalhado pela federação em um diretriz técnica na reta final do turno. Ou seja, todo o caminho para a taça dourada do Estadual já está traçado…

Quartas de final*
14/03 (20h00) – Central (2º lugar) x América (7º lugar)
14/03 (20h00) – Salgueiro (4º lugar) x Vitória (5º lugar)
14/03 (21h45) – Sport (3º lugar) x Santa Cruz (6º lugar) – Globo
18/03 (16h00) – Náutico (1º lugar) x Afogados (8º lugar) – Globo
* O mando de campo será definido pela melhor campanha na 1ª fase

Semifinal (datas: 17, 18, 24 ou 25 de março)*
Náutico/Afogados x Salgueiro/Vitória
Central/América x Sport/Santa Cruz
* O mando de campo será definido pela melhor campanha na 1ª fase

Final (datas: 1 e 8 de abril)*
Náutico/Afogados/Salgueiro/Vitória x Central/América/Sport/Santa Cruz
* A única fase eliminatória em ida e volta. O segundo jogo será no campo do time com a melhor campanha na 1ª fase

Obs. Há disputa de 3º lugar, mas em jogo único, agendado para 31 de março, seguindo a mesma regra do mando a partir da melhor campanha na 1ª fase.