Timão sobe a ladeira

Aceita, Corinthians...Com 55 pontos em 25 rodadas, o Corinthians está 13 pontos acima do 5º lugar na Série B. Como quatro equipes serão contempladas para a Série A de 2009, o Timão – líder isolado – segue em franca recuperação após o desastre do ano passado, quando não faltou gozação dos rivais. A volta do time mais popular de São Paulo, e atual vice-campeão da Copa do Brasil, é questão de tempo.

Uma festa do acesso já está programada para o dia 24 deste mês, na 27ª rodada, contra o Bragantino, no Pacaembu. Outros grandes clubes, porém, já passaram pela Segunda Divisão, incluindo o maior rival do Timão, o Palmeiras (em 2003).

Assim, depois da lista com os clubes que foram rebaixados na Série A, agora vai um post com os times que conseguiram o acesso à elite nacional. Como no post anterior, aqui os dados começam em 1988, quando foi introduzido o acesso e o descenso no Campeonato Brasileiro. Por que não antes? Vou dar um exemplo… Os campeões das Séries B de 1971 e 1972 não foram promovidos. É suficiente?

Depois, a Segundona voltou a ser realzada apenas em 1980, com os clubes que não se classificaram à elite atráves dos Estaduais. A competição era chamada de Taça de Prata (enquanto a Série A era, obviamente, a Taça de Ouro). Com regulamentos confusos, as equipes subiam no mesmo ano, para a fase final da Primeira Divisão, ou para ano seguinte. Sport (em 1980), Náutico (1981) e Central (1986) conseguiram o acesso no mesmo ano.

Clubes que conseguiram o acesso para a Série A (1988/2007)

Pedala, Robinho!1988 -Inter de Limeira e Náutico
1989 – Bragantino e São José
1990 – Sport e Atlético-PR
1991 – Paysandu e Guarani
1992 – Paraná Clube, Vitória, Criciúma, Santa Cruz, Coritiba, Desportiva/ES, Ceará, Fortaleza, Remo, União São João, Grêmio e América/MG
1993 – não houve acesso
1994 – Juventude e Goiás
1995 – Atlético-PR e Coritiba
1996 – União São João e América/RN
1997 – América/MG e Ponte Preta
1998 – Gama e Botafogo/SP
1999 – Goiás e Santa Cruz
2000* – São Caetano e Paraná Clube
2001 – Paysandu e Figueirense
2002 – Criciúma e Fortaleza
2003 – Palmeiras e Botafogo
2004 – Brasiliense e Fortaleza
2005 – Grêmio e Santa Cruz
2006 – Atlético-MG, Sport, Náutico e América/RN
2007 – Coritiba, Ipatinga, Portuguesa e Vitória

* Rebaixado em 1999, o Botafogo/SP disputou o Módulo Amarelo da Copa João Havelange no ano seguinte. Em 2001, quando o Brasileirão voltou a ser organizado pela CBF, o time disputou a Série A. Já o Remo participou do Módulo Azul (o principal) da Copa JH naquele ano, mas não disputou a elite na temporada seguinte.

Crédito da montagem: Newsfut

Sport, Santa e Náutico para sempre

Museu do Futebol

Pentacampeã mundial, a Seleção Brasileira sempre contou com os maiores craques do futebol mundial, como Pelé, Garrincha, Romário e Ronaldo, entre tantos outros. Os clubes do país também já tiveram verdadeiros esquadrões, que mexeram com a emoção do torcedor. No entanto, o país ainda sentia a falta de um lugar que pudesse expor tantas glórias históricas. Agora terá. Será inaugurado, no próximo dia 29, o Museu do Futebol, localizado no estádio do Pacaembu (foto abaixo), em São Paulo.

Os mais de 60 clubes inscritos – incluindo Sport, Santa Cruz e Náutico – enviaram um vasto material para a organização, como fotos, livros e flâmulas. A descrição do museu – cuja exposição vem sendo mantida em sigilo – é para deixar qualquer torcedor ansioso para conhecer a história do futebol nacional de forma mais aprofundada: “Trata-se do primeiro museu do país a retratar a paixão do brasileiro pela arte do futebol de forma interativa, tecnológica e sensorial”.

O museu ficará no PacaembuUma das principais peças do museu será a camisa 10 que Pelé vestiu na final da Copa do Mundo de 1970, quando a Seleção goleou a Itália por 4 x 1 e sagrou-se tricampeã. O uniforme havia sido adquirido pelo cineasta João Moreira Salles, em um leilão na Inglaterra, mas ele o cedeu para o Museu do Futebol.

Filmes, fotografias, narrações históricas, bolas, camisas… Um arquivo completo. A entrada custará R$ 6. No local ainda haverá uma loja temática, que será administrada pela Roxos e Doentes (a mesma gestão da Espaço Sport, do Rubro-negro pernambucano).

A loja terá uma área de 180 metros quadrados, e ítens licenciados de clubes brasileiros e estrangeiros, além de souvenires do Museu do Futebol. O curador do museu será o jornalista Leonel Kaz. A obra contou com o apoio da Fundação Roberto Marinho e da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Veja a lista com os clubes que farão parte do novo museu AQUI.

Nota do Blog: A data inicial da abertura do museu era 22 de setembro (segunda-feira), mas a organização mudou a inauguração, inclusive no site oficial.

1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8… Gol do Náutico!

Atlético-MG x Náutico, neste sábado, às 18h, no MineirãoO Náutico enfrentará o Atlético-MG neste sábado, no Mineirão, em busca da afirmação nessa retomada na Série A. De cara, terá pela frente o Galo, que eliminou o Timbu na Copa do Brasil deste ano. O time mineiro, por sinal, despachou o Alvirrubro na mesma competição em 1989 e 2003. Mas apesar disso, o cofronto entrou para história por causa de um curto espaço de 8 segundos. Foi simplesmente o gol mais rápido da história da Série A.

Esse foi o tempo gasto pelo meia Nivaldo para abrir o placar em 18 de outubro de 1989, pela Série A, quando o Náutico venceu por 3 x 2, nos Aflitos. Diante de 5.266 pagantes (renda de Cr$ 59.671), o Timbu jogou com Mauri; Levi, Freitas, Romildo e Junior Guimarães; Gena, Erasmo, Leo e Nivaldo; Bizu e Augusto. O técnico era Paulo César Carpeggiani. Vídeo da vitória alvirruba abaixo.

Retrospecto geral (30 jogos)
8 vitórias do Náutico
4 empates
18 vitórias do Atlético-MG

Sport pode vender Sandro Goiano por R$ 9 milhões

Desaparecido desde 1998, Anas Al-Liby é um dos 23 homens mais procurados pelo FBI, a polícia federal norte-americana. A recompensa é de R$ 9,46 milhões para quem conseguir apontar o destino do terrorista, acusado de ter planejado os ataques às embaixadas dos Estados Unidos na Tanzânia e no Quênia, ambos em 1998.

O valor da multa rescisória de Sandro Goiano não chega a tanto, mas assim como Anas Al-Liby, o volante rubro-negro também “should be considered armed and dangerous. Na internet, há quem acredite que eles sejam irmãos… Tire a sua a própria conclusão abaixo.

Sandro Goiano visado nos EUA

O futebol-arte estava aqui

Juninho, iniciando a carreira no SportSport e São Paulo irão se enfrentar no domingo em um jogo que deverá marcar o maior público do Leão neste Brasileiro. São esperados cerca de 30 mil torcedores. Essa será a 39ª vez que os dois times irão se enfrentar (contabilizando todas as competições e amistosos). Já ocorreram grandes jogos, como a vitória rubro-negra por 4 x 3 em 2000, com um gol de Nildo nos instantes finais.

Mesma situação em 1998, quando o atacante Robson marcou aos 48 minutos do segundo tempo, incendiando os 48 mil presentes na Ilha. Mas de todas essas partidas, a fantástica goleada por 5 x 2, em 1994, é mesmo um marco na história do clube. O São Paulo tinha um timaço e havia vencido os dois últimos Mundiais Interclubes. Já o Sport realizava um bom Brasileirão, com uma safra ainda melhor de jovens jogadores, como Leonardo e Juninho Pernambucano.

E eles brilharam naquele 1º de novembro de 1994, quando 30 mil pessoas pagaram ingresso para ver uma das maiores exibições do Sport Club do Recife na última década. Os gols do Leão foram marcados por Fábio (2 vezes), Dedé (um golaço), Leonardo e Juninho (apontado pela imprensa na época como o melhor em campo). Descontaram para o adversário Axel e Caio.

Juninho, com 17 anos, já suando na IlhaCom apenas 19 anos, Juninho – hoje no Lyon, da França – já mostrava personalidade de gente grande. “Enfrentamos a melhor equipe do mundo, que é o São Paulo, e que tem jogadores do nível de Seleção Brasileira. Mas é sempre bom fazer os gols e aproveitar as oportunidades”, afirmou o eterno reizinho da Ilha, no final da partida.

Abaixo, veja os gols da partida, em uma matéria de Stênio José, hoje colunista do Diario de Pernambuco, mas que naquele ano trabalhava na Rede Globo.

Sport 5 x 2 São Paulo - 01/11/1994

Local: Ilha do Retiro. Árbitro: Dacildo Mourão. Gols: Dedé aos 8, Leonardo aos 28, Axel aos 44 e Fábio aos 45 do primeiro tempo; Fábio aos 11, Juninho aos 28 e Caio aos 38 do segundo tempo. Público: 30.249 pagantes
Sport: Jefferson; Givaldo, Adriano, Gilton e Dedé; Dário (Borçato), Chiquinho, Juninho e Zinho; Fábio (Wender) e Leonardo. Técnico: Givanildo Oliveira
São Paulo: Zetti; Cafu, Junior Baiano, Murilo (Ailton) e André Luiz, Doriva, Alemão, Axel e Palhinha (Toninho), Euller e Caio. Técnico: Telê Santana

Retrospecto geral - 38 jogos
8 vitórias do Sport
9 empates
21 vitórias do São Paulo

Últimos jogos na Ilha do Retiro:
1992 – Sport 0 x 0 São Paulo
1994 – Sport 5 x 2 São Paulo
1996 – Sport 2 x 1 São Paulo
1998 – Sport 1 x 0 São Paulo
2000 – Sport 4 x 3 São Paulo
2001 – Sport 1 x 0 São Paulo
2007 – Sport 1 x 2 São Paulo

Fotos: arquivo pessoal de Juninho

Se Conselho fosse bom…

Cobra-coralSobeR$ 1 milhão, o mínimo que o clube deverá receber somando a campanha Todos com a Nota do Pernambucano/2009 e a cota de televisionamento da competição
R$ 400 mil, o valor do ônibus Expresso Coral
R$ 35 mil, o possível valor da receita mensal do novo Conselho Deliberativo (que atualmente é de R$ 7 mil)
R$ 20 mil, a economia mensal com a volta da energia elétrica fornecida pela Celpe (ao invés do atual gerador)

DesceR$ 60 milhões, o total da dívida do Santa Cruz
R$ 2,5 milhões, dinheiro necessário, já nos primeiros meses da futura gestão Fernando Bezerra Coelho, para montagem do time e dívidas de curto prazo (como salários atrasados e dívidas com fornecedores)
R$ 70 mil, o orçamento da reforma do anel superior do Arruda, que segue a passos lentos

Formação do novo Conselho Deliberativo do Santa Cruz:

250 integrantes, sendo 75 beneméritos

Indicações para o Conselho

125 nomes – Fernando Bezerra Coelho
20 – Romerito Jatobá
10 – Fernando Veloso
10 – Fred Arruda
5 – Rui Monteiro
5 – Paulo Pereira

R$ 100, o valor da contribuição mensal no último biênio. O valor deverá subir para R$ 150 ou R$ 200.

Metas estabelecidas e cumpridas

A delegação brasileira que disputou as Paraolimpíadas de Beijing conseguiu cumprir todas as metas estabelecidas antes dos Jogos. Em relação à edição de 2004, em Atenas, o Brasil aumentou o número de medalhas de ouro, de prata e de bronze, e, conseqüentemente, o total de pódios (que cresceu espantosos 42,42%).

O último objetivo era terminar o quadro geral de medalhas entre os 10 primeiros. Faltando um dia para o encerramento das competições, o país estava em 11º. Mas os brasileiros ganharam mais 1 ouro, no futebol de 5 (para deficientes visuais), e pularam para 9º. O Brasil venceu a China na final por 2 x 1 (foto). Parabéns a todos os 188 brasileiros que representantam o país em 17 modalides nos Jogos.

Futebol de 5 do Brasil leva o ouro

Brasil nas Paraolimpíadas

2008 – 9º lugar (47 medalhas)

16 ouros
14 pratas
17 bronzes

2004 – 14º lugar (33 medalhas)

14 ouros
12 pratas
7 bronzes

Obs. A China, sede dos Jogos, ficou em 1º lugar, assim como nas Olimpíadas. Ao todo, os chineses ganharam 211 medalhas nas Paraolimpíadas (crescimento de 49% em relação a 2004), sendo 89 de ouro (41% a mais) , 70 de prata e 52 de bronze. Em 2004, quando eles também termineiro em primeiro, foram 141 medalhas, com 63 ouros, 46 pratas e 32 bronzes.

33 experiências

O sistema de pontos corridos – bastante popular na Europa – foi instituído no Campeonato Brasileiro em 2003. Desde então, 33 clubes já participaram de pelo menos uma edição da Série A. Vencedor dos últimos dois campeonatos, o São Paulo lidera com 415 pontos, com uma boa folga de 25 pontos sobre o Santos, o 2º lugar, e, curiosamente, atual vice-campeão brasileiro também.

Vale ressaltar que a lista abaixo já soma os pontos das 25 rodadas do Brasileirão deste ano. O América/RN, como não poderia deixar de ser, é o último lugar. Além de ter jogado apenas 38 vezes (em 2003 e 2004, por exemplo, o campeonato teve 46 rodadas), o Mecão também cooperou, ao vencer apenas 4 partidas. Já Ipatinga e Portuguesa têm 24 e 23 pontos, respectivamente, e estão na cola do Santa Cruz, ainda em 30º lugar.

Ranking dos pontos corridos
São Paulo vence a Série A de 2007 e torna-se o primeiro pentacampeão brasileiro da história 1º São Paulo – 415 pontos
2º Santos – 390
3º Internacional – 376
4º Cruzeiro – 372
5º Goiás – 347
6º Atlético-PR – 335
7º Flamengo – 328
8º Figueirense – 319
9º Fluminense – 318
10º Corinthians – 311
11º Vasco – 303
12º Palmeiras – 297
13º Paraná – 281
14º Juventude – 266
15º Grêmio – 263
16º Botafogo – 258
17º Atlético-MG – 257
18º Coritiba – 221
19º São Caetano – 215
20º Ponte Preta – 204
21º Paysandu – 148
22º Vitória – 144
23º Fortaleza – 142
24º Criciúma – 110
25º Guarani – 110
26º Sport – 89
27º Náutico – 78

28º Bahia – 46
29º Brasiliense – 41
30º Santa Cruz – 28
31º Ipatinga – 24
32º Portuguesa – 23
33º América/RN -17

Descendo a ladeira

Ladeira da Misericórdia, em OlindaO rebaixamento foi implantado no Brasileirão em 1988. Entre em 1971 e 1987, o campeonato passou por diversas transformações, mas quase sempre os critérios de participação foram convite ou classificação através dos Estaduais. Apesar de ter fica na 8º posição no Brasileiro de 1983, o Sport não participou da competição no ano seguinte por ter ficado em 3º lugar no Pernambucano do mesmo ano.

Mas isso mudou em 88, até mesmo por causa da polêmica em relação ao título nacional do ano anterior – entre Sport e Flamengo. Mesmo assim, ainda ocorreram alguns “desvios” de espírito esportivo. Na foto acima, a Ladeira da Misericórdia, em Olinda, onde os carros só podem circular caso o objetivo seja descer… Como no futebol, subir ali é bem complicado.

Clubes rebaixados na Série A (1988/2007)

1988 – Bangu, Santa Cruz, Criciúma e América/RJ
1989 – Atlético-PR, Guarani, Sport e Coritiba
1990 – São José/SP e Inter de Limeira
1991 – Grêmio e Vitória
1992* – Não houve rebaixamento
1993 – América/MG, Atlético-PR, Coritiba, Desportiva/ES, Ceará, Santa Cruz, Goiás e Fortaleza
1994 – Remo e Náutico
1995 – Paysandu e União São João
1996** – Fluminense e Bragantino
1997 – Bahia, Criciúma, Fluminense e União São João
1998 – Goiás, América/MG, Bragantino e América/RN
1999*** – Gama, Paraná Clube, Juventude e Botafogo
2000 – não houve rebaixamento
2001 – Santa Cruz, América/MG, Botafogo e Sport
2002 – Portuguesa, Palmeiras, Gama e Botafogo
2003 – Fortaleza e Bahia
2004 – Vitória, Guarani, Criciúma e Grêmio
2005 – Coritiba, Atlético-MG, Paysandu e Brasiliense
2006 – Ponte Preta, Fortaleza, São Caetano e Santa Cruz
2007 – Corinthians, Juventude, Paraná Clube e América/RN

* O Grêmio foi rebaixado em 1991. Curiosamente, a Série B do ano seguinte promoveu 12 clubes. Entre eles o Grêmio, que ficou em 9º. Até então, apenas dois times conseguiam o acesso à elite.
** Os dois times “viraram a mesa” e permaneceram na elite.
*** Mais uma virada de mesa… E essa foi das grandes. O Gama ganhou na Justiça Comum o direito de permanecer na Série A e acabou punido pela Fifa (que não tolera tal atitude). Para resolver a bronca, foi criada a Copa João Havelange, com a participação de 114 times (sem rebaixamento para os 25 clubes do Módulo Azul). Posteriormente, a competição foi oficializada pela CBF como a Série A daquele ano.

Você pode TENTAR entender sobre a Copa João Havelange (2000) AQUI.

Contas, reza e futebol

Forca e contas...Abaixo, a lista dos candidatos ao rebaixamento neste Brasileirão, com os jogos restantes e as chances de descenso.

12º Atlético-MG (30 pontos). Chance de rebaixamento: 16% (I) e 18,9% (CG). Próximos jogos: Náutico (C), Figueirense (C), Palmeiras (F), Flamengo (F), Cruzeiro (C), Inter (C), Coritiba (F), Botafogo (C), Vitória (F), Vasco (C), Sport (F), Santos (C) e Grêmio (F).

13º Náutico (29 pontos) -  Chance de rebaixamento: 23% (I) e 13,6% (CG). Próximos jogos: Atlético-MG (F), Palmeiras (C), Flamengo (C), São Paulo (F), Sport (F), Portuguesa (C), Inter (F), Vitória (C), Coritiba (F), Cruzeiro (C), Figueirense (F), Atlético-PR (C) e Santos (F).

14º Santos (29 pontos) -  Chance de rebaixamento: 19% (I) e 16,6% (CG). Próximos jogos:  Goiás (F), Portuguesa (C), Atlético-PR (C), Grêmio (F), Botafogo (F), Figueirense (C), Sport (F), Palmeiras (C), Vasco (F), Inter (C), Coritiba (F), Atlético-MG (F) e Náutico (C).

15º Figueirense (28 pontos) -  Chance de rebaixamento: 28% (I) e 43,2% (CG). Próximos jogos: Cruzeiro (C), Atlético-MG (F), Vasco (F), Palmeiras (C), Ipatinga (C), Santos (F), Fluminense (C), Grêmio (F), Atlético-PR (C), São Paulo (F), Náutico (C), Botafogo (F) e Inter (C).

16º Atlético-PR (26 pontos) -  Chance de rebaixamento: 51% (I) e 58,9% (CG). Próximos jogos: Grêmio (C), Coritiba (F), Santos (F), Fluminense (C), Inter (F), Cruzeiro (C), Vasco (F), Sport (C), Figueirense (F), Vitória (C), Botafogo (F), Náutico (F) e Flamengo (C).

17º Vasco (26 pontos) -  Chance de rebaixamento: 50% (I) e 33,7% (CG). Próximos jogos:  Palmeiras (F), Ipatinga (F), Figueirense (C), Sport (F), Flamengo (C), Goiás (F), Atlético-PR (C), Fluminense (F), Santos (C), Atlético-MG (F), São Paulo (C), Coritiba (F) e Vitória (C).

18º Fluminense (25 pontos) -  Chance de rebaixamento: 60% (I) e 33,1% (CG). Próximos jogos: Coritiba (C), Botafogo (F), Goiás (C), Atlético-PR (F), Vitória (F), Palmeiras (C), Figueirense (F), Vasco (C), Cruzeiro (F), Portuguesa (C), Inter (F), São Paulo (F) e Ipatinga (C).

19º Ipatinga (24 pontos) -  Chance de rebaixamento: 74% (I) e 92,9% (CG). Próximos jogos: Flamengo (F), Vasco (C), São Paulo (C), Cruzeiro (F), Figueirense (F), Botafogo (C), Portuguesa (F), Coritiba (C), Inter (F), Sport (C), Palmeiras (F), Grêmio (C) e Fluminense (F).

20º Portuguesa (23 pontos) -  Chance de rebaixamento: 79% (I) e 88,9% (CG). Próximos jogos: Botafogo (C), Santos (F), Vitória (F), Coritiba (C), Grêmio (C), Náutico (F), Ipatinga (C), Flamengo (F), São Paulo (C), Fluminense (F), Goiás (C), Sport (C) e Cruzeiro (F).

Legendas: C: casa; F: fora: I: Infobola; CG: Chance de Gol.