Com o Sport, o Nordeste volta às quartas de uma copa internacional após 18 anos

Nordeste

Desde 1960, o futebol nordestino teve 29 participações nos torneios da Conmebol, considerando a Taça Libertadores (6), a Copa Conmebol (6) e a Sul-Americana (17). Ao todo, nove clubes da região já tiveram o gostinho, com o Trio de Ferro na lista. Em termos de boas campanhas, porém, o quadro é bem escasso. A classificação do Sport às quartas da Sula é apenas a sexta vez entre os oito melhores, sendo a primeira em quase duas décadas!

Anteriormente, cenários semelhantes já haviam ocorrido duas vezes com o Bahia, na Libertadores, e outras três na extinta Copa Conmebol, incluindo o melhor desempenho de todos, o do CSA, o único finalista internacional da região. Em 1999, o time alagoano estendia às penalidade a disputa com o Talleres até os descontos, quando tomou o gol decisivo, em Córdoba.

Os nordestinos que já chegaram às quartas em copas internacionais:

1960 – Bahia (Libertadores, quartas, 2 jogos; 1v-0e-1d)
- Participou como campeão da Taça Brasil
- Já estreou nas quartas, sendo eliminado pelo San Lorenzo-ARG

1989 – Bahia (Libertadores, quartas, 10 jogos; 5v-4e-1d)
- Participou como campeão da Série A
- Avançou na fase de grupos (Inter-BRA, Táchira-VEN e Maritimo-VEN) e eliminou o Universitario-PER nas oitavas, caindo nas quartas para o Inter-BRA

1997 – Vitória (Copa Conmebol, quartas, 4 jogos; 3v-0e-1d)
- Participou como campeão do Nordestão
- Eliminou o Luqueño-PAR (oitavas) e caiu para o Lanús-ARG (quartas)

1998 – Sampaio Corrêa (Copa Conmebol, semifinal, 6 jogos; 3v-2e-1d)
- Participou como campeão da Copa Norte
- Eliminou América de Natal-BRA (oitavas) e Deportes Quindío-COL (quartas), caindo na semifinal para o Santos-BRA

1999 – CSA (Copa Conmebol, vice-campeão, 8 jogos; 4v-1e-3d)
- Participou como 4º lugar no Nordestão (Vitória, Bahia e Sport desistiram)
- Eliminou Vila Nova-BRA (oitavas), Estudiantes-VEN (quartas) e São Raimundo-BRA (semifinal), perdendo a decisão para o Talleres-ARG

2017 – Sport (Sul-Americana, quartas, 8 jogos; 3v-0e-3d)
- Participou como 14º colocado na Série A
- Eliminou Danubio-URU (32 avos), Arsenal-ARG (16 avos) e Ponte Preta-BRA (oitavas), tendo as quartas a disputar com o Junior-COL

Confira um resumo das 29 participações nordestinas clicando aqui.

As participações dos clubes nordestinos nos torneios internacionais da Conmebol

Nordeste

Atualizado em 08/12/2017

A honra da pioneira participação do país em um torneio da Conmebol coube a um clube nordestino. O Bahia disputou a Libertadores de 1960 na condição de campeão da primeira Taça Brasil. Em mais de 50 anos de competições sul-americanas oficiais, são contabilizadas 30 participações de 9 times da região.

Até hoje, três torneios já contaram com representantes do Nordeste. Além da Libertadores (cuja vaga é a mais difícil) e da extinta Copa Conmebol, a Sul-Americana veio para suprir a demanda por disputas do tipo. Já são nove edições consecutivas com ao menos um nordestino presente, de 2009 a 2017.

Em relação ao desempenho, o máximo alcançado foi a final, uma vez. Em 1999, no último ano da Copa Conmebol, o CSA decidiu o título contra os argentinos do Talleres, perdendo com um gol aos 45 do segundo tempo. O time alagoano se aproveitou da vaga aberta à Copa do Nordeste, uma vez que o Vitória, campeão daquela regional, declinou do convite. O vice, Bahia, e o terceiro colocado, Sport, também. Na quarta posição, o alviazulino de Maceió topou e fez história.

A conquista internacional segue inédita… Até quando?

Taça Libertadores da América
1960 – Bahia (quartas de final, 1ª fase – 2 jogos)
1964 – Bahia (pré-libertadores, 1ª fase – 2 jogos)
1968 – Náutico (fase de grupos, 1ª fase – 6 jogos)
1988 – Sport (fase de grupos, 1ª fase – 6 jogos)
1989 – Bahia (quartas de final, 3ª fase – 10 jogos)
2009 – Sport (oitavas de final, 3ª fase – 8 jogos)
Ranking de participações (6): Bahia 3; Sport 2; Náutico 1

Copa Conmebol
1994 – Vitória (oitavas de final, 1ª fase – 2 jogos)
1995 – Ceará (oitavas de final, 1ª fase – 2 jogos)
1997 – Vitória (quartas de final, 3ª fase – 4 jogos)
1998 – América-RN (oitavas de final, 1ª fase – 2 jogos)
1998 – Sampaio Corrêa (semifinal, 3ª fase – 6 jogos)
1999 – CSA (vice-campeão, 4ª fase – 8 jogos)
Ranking de participações (6): Vitória 2; Ceará, América-RN, Sampaio Corrêa e CSA 1

Copa Sul-Americana
2009 – Vitória (oitavas de final, 2ª fase – 4 jogos)
2010 – Vitória (16 avos/fase nacional, 2ª fase – 2 jogos)
2011 – Ceará (16 avos/fase nacional, 2ª fase – 2 jogos)
2012 – Bahia (16 avos/fase nacional, 2ª fase – 2 jogos)
2013 – Sport (oitavas de final, 3ª fase – 4 jogos)
2013 – Bahia (oitavas de final, 3ª fase – 4 jogos)
2013 – Vitória (16 avos/fase nacional, 2ª fase – 2 jogos)
2013 – Náutico (16 avos/fase nacional, 2ª fase – 2 jogos)
2014 – Bahia (oitavas de final, 3ª fase – 4 jogos)
2014 – Vitória (oitavas de final, 3ª fase – 4 jogos)
2014 – Sport (16 avos/fase nacional, 2ª fase – 2 jogos)
2015 – Sport (oitavas de final, 3ª fase – 4 jogos)
2015 – Bahia (16 avos/fase nacional, 2ª fase – 2 jogos)
2016 – Santa Cruz (oitavas de final, 3ª fase – 4 jogos)
2016 – Sport (16 avos/fase nacional, 2ª fase – 2 jogos)
2016 – Vitória (16 avos/fase nacional, 2ª fase – 2 jogos)
2017 – Sport (quartas de final, 4ª fase) – 8 jogos
2018 – Bahia (a disputar, 2 jogos)
Ranking de participações (18): Vitória, Sport e Bahia 5; Ceará, Náutico e Santa Cruz 1

Ranking de participações internacionais oficiais (até 2017)

8 – Bahia
7 – Vitória e Sport
2 – Náutico e Ceará
1 – Sampaio Corrêa, América-RN, CSA e Santa Cruz

Nº de partidas (até a 1ª fase da Sula 2018)
34 – Sport
28 – Bahia
20 – Vitória
8 – CSA e Náutico
6 – Sampaio Corrêa
4 – Ceará e Santa Cruz
2 – América-RN

Nº de vitórias (até as quartas da Sula 2017)
12 – Sport
11 – Bahia

9 – Vitória
4 – CSA
3 – Sampaio Corrêa
2 – Náutico e Santa Cruz
1 – Ceará
0 – América-RN

O gostinho de um título internacional, ainda distante das conquistas oficiais

Taça Ariano Suassuna 2015, Sport 2x1 Nacional. Foto: sportrecife/facebook

Até hoje, nenhum clube do Nordeste conquistou um título internacional oficial.

Quem chegou mais perto foi o CSA, em 1999, finalista da extinta Copa Conmebol. A partir disso, apenas participações sem brilho na Libertadores e na Sul-Americana. No Recife, ao todo, são quatro campanhas do Sport, duas do Náutico e nenhuma do Santa Cruz. Coadjuvantes na essência neste contexto.

Em relação aos torneios amistosos, a lista melhora um pouco, e só. Nesta linha, em competições organizadas pelos próprios clubes contra equipes estrangeiras, o Rubro-negro tem dois troféus. Ambos não oficiais, claro.

O primeiro foi o Torneio Leopoldo Casado, em 1980, num triangular com a seleção da Romênia e o Náutico. Agora, conta também em sua galeria na Ilha do Retiro com a Taça Ariano Suassuna, disputada em 2015 contra o Nacional do Uruguai. Entre os rivais, o Santa também já ganhou um troféu internacional. Em 2003, o Tricolor conquistou Torneio Vinausteel, no Vietnã.

Quem sabe um dia algum clube da região alcance um voo realmente internacional, devidamente chancelado pela Conmebol…

Taça Ariano Suassuna 2015, Sport 2x1 Nacional. Foto: sportrecife/facebook

Representantes brasileiros nos torneios da Conmebol mesmo longe da Série A

Copa Verde 2014, final: Brasília 2 (7) x (6) 1 Paysandu. Foto: CBF/divulgação

O Brasília conquistou a pioneira edição da Copa Verde.

Venceu o Paysandu no tempo normal (2 x 1) e nos pênaltis (7 x 6), no Mané Garrincha, conquistando o título das regiões Norte e Centro-Oeste e garantindo uma inédita vaga na Sul-Americana de 2015.

Caso o clube não consiga o acesso na Série D, ainda em 2014, disputará o torneio internacional fazendo parte da quarta divisão nacional. Seria a primeira vez que uma agremiação de uma divisão tão baixa faria parte de uma competição oficial da Conmebol, seja lá o país em questão.

Devido à complexidade da estrutura brasileira, nem é tão incomum assim a presença de equipes de divisões inferiores no exterior. O Brasília será o 13º clube do país num torneio do tipo mesmo fora do Brasileirão.

Libertadores (4 times), Supercopa (1), Sul-Americana (1) e Copa Conmebol (6).

O caso mais emblemático até hoje foi o do Rio Branco, do Acre, campeão da extinta Copa Norte, em 1997, eliminado nas oitavas de final da Copa Conmebol pelo Deportes Tolima, da Colômbia. Naquele ano, o time abriu mão da participação na terceirona, até então o último degrau nacional.

Taça Libertadores da América
Série B
Criciúma (1992), campeão da Copa do Brasil 1991
Santo André (2005), campeão da Copa do Brasil 2004
Paulista (2006), campeão da Copa do Brasil 2005
Palmeiras (2013), campeão da Copa do Brasil 2012

Supercopa da Libertadores
Série B
Grêmio (1992), garantido pelo título da Libertadores de 1983

Copa Sul-Americana
Série B
Sport (2013), entrou mesmo rebaixado na Série A de 2012, uma vez que outros clubes acima avançaram na Copa do Brasil 2014, paralela ao torneio.

Copa Conmebol
Série B
Ceará (1995), vice da Copa do Brasil 1994
Sampaio Corrêa (1998), campeão da Copa Norte 1998
Vila Nova (1999), vice da Copa Centro-Oeste 1999

Série C
Rio Branco (1997, sem disputa), campeão da Copa Norte 1997
São Raimundo (1999), campeão da Copa Norte 1999
CSA (1999), 4º lugar do Nordestão 1999, pois Vitória (1º), Bahia (2º) e Sport (3º) declinaram

A oportunidade internacional para os times nordestinos

Campeões da Copa Sul-americana de 2002 a 2012. Crédito: Copa Bridgestone Sudamericana/Facebook

No âmbito nacional, são escassas as conquistas do futebol do Nordeste na elite.

Nas 83 competições organizadas até hoje, foram apenas quatro títulos. Contudo, no cenário internacional o desempenho é ainda mais modesto…

Nos mais de cinquenta anos de torneios oficiais da Conmebol, os clubes da região só estiveram presentes em 16 oportunidades. Ao todo, oito clubes.

Até hoje, apenas uma final no currículo. Em 1999, no último ano da Copa Conmebol, o CSA alcançou a decisão contra os argentinos do Talleres.

O time alagoano se aproveitou da vaga aberta ao campeão da Copa do Nordeste, uma vez que o Vitória, vencedor daquela temporada, declinou do convite. O vice, Bahia, e o terceiro colocado, Sport, também. Na quarta posição, o alviazulino de Maceió topou.

Considerando os três torneios sul-americanos com vagas direcionadas por critério técnico, o recorde de participações não passa de quatro edições, com a dupla Ba-Vi.

Por mais que a Libertadores continue sendo o sonho de consumo, é inegável o foco na Copa Sul-americana, até mesmo pelo número de vagas para os brasileiros, oito.

Em 2013, o Náutico já tem assegurada a vaga virtual. Resta confirmá-la na Copa do Brasil. Bahia, Vitória e até o rebaixado Sport também correm por fora.

Será possível ver em um futuro não tão distante algum time da região no topo da Sul-americana? Até lá, é preciso ao menos encarar a disputa com seriedade, como uma grande oportunidade de visibilidade, que mexe com a autoestima do torcedor.

Avançar algumas fases, ganhando cancha no exterior, é a primeira tarefa. Das 16 participações, em 10 os clubes locais ficaram logo na primeira etapa…

Taça Libertadores da América
1960 – Bahia (quartas de final, 1ª fase – 2 jogos)
1964 – Bahia (pré-libertadores, 1ª fase – 2 jogos)
1968 – Náutico (fase de grupos, 1ª fase – 6 jogos)
1988 – Sport (fase de grupos, 1ª fase – 6 jogos)
1989 – Bahia (quartas de final, 3ª fase – 10 jogos)
2009 – Sport (oitavas de final, 3ª fase – 8 jogos)

Copa Conmebol
1994 – Vitória (oitavas de final, 1ª fase – 2 jogos)
1995 – Ceará (oitavas de final, 1ª fase – 2 jogos)
1997 – Vitória (quartas de final, 3ª fase – 4 jogos)
1998 – América-RN (oitavas de final, 1ª fase – 2 jogos)
1998 – Sampaio Corrêa (semifinal, 3ª fase – 6 jogos)
1999 – CSA (vice-campeão, 4ª fase – 8 jogos)

Copa Sul-americana
2009 – Vitória (oitavas de final, 2ª fase – 4 jogos)
2010 – Vitória (fase nacional, 2ª fase – 2 jogos)
2011 – Ceará (fase nacional, 2ª fase – 2 jogos)
2012 – Bahia (fase nacional, 2ª fase – 2 jogos)

Participações internacionais
4 – Bahia e Vitória, 2 – Sport e Ceará, 1 – Náutico, Sampaio Corrêa, América-RN e CSA

Mais jogos oficiais
16 partidas – Bahia, 14 – Sport, 12 – Vitória, 8 – CSA, 6 – Náutico e Sampaio Corrêa, 4 – Ceará, 2 – América-RN

Mais vitórias
7 triunfos – Sport, 6 – Bahia, 5 – Vitória, 4 – CSA, 3 – Sampaio Corrêa, 1 – Náutico e Ceará, 0 – América-RN

O único milagre continental

Rosario Central, campeão da Copa Conmebol de 1995

O título está bem distante.

Campeão direto? Só goleando por 5 gols de diferença.

Uma vitória por 4 gols de diferença levará para os pênaltis.

E, francamente, caso isso aconteça na noite desta quarta-feira, já será uma resultado surpreendente do Fluminense diante da LDU.

Mas essa missão tricolor no Maracanã, pela Copa Sul-Americana, já foi executada alguma vez com sucesso numa decisão de uma competicão continental?

Já. A missão (quase) impossível.

Na extinta Copa Conmebol, em 1995. Atlético-MG e Rosario Central fizeram a final daquela edição. Brasil x Argentina.

No jogo de ida, em 12 de dezembro, Atlético 4 x 0. Mão na taça. As duas, por sinal…

Na volta, no dia 19… Galo depenado no estádio Gigante de Arroyito.

Rosario Central 4 x 0. Carbonari fez o último gol aos 44 minuto do 2º tempo! :twisted:

Nos pênaltis, vitória argentina por 4 x 3 e título. Veja no vídeo abaixo.

E aí, Flu… É possível?!

Em 1993, na decisão da Taça Libertadores, o São Paulou massacrou a Unversidad Católica, do Chile, por 5 x 1, no Morumbi. Na volta, em Santiago, derrota por 2 x 0… Fácil… E bi da Libertadores.