Os 27 nomes para a formação da seleção Pernambuco Legends, via votação aberta

Os nomes do Pernambuco Legends 2018

As opções, pela ordem: Adriano, César, Josué, Marlon e Sandro; Ailton (atacante), Chiquinho, Juninho Pernambucano, Albérico e Bosco; Ailton (meia), Givaldo, Nildo e Rodolpho; Araújo, Dênis Marques, Kuki, Osmar e Zé do Gol; Carlinhos Bala, Dutra, Lúcio, Russo e Zé do Carmo; Nereu Pinheiro, Dário, Givanildo Oliveira, Lúcio Surubim e Juninho Petrolina

Em 14 de abril, na Arena PE, o Barcelona Legends enfrentará o Pernambuco Legends. Um duelo entre o master do catalão e uma equipe com veteranos de destaque nos clubes locais. Todos aposentados ou quase isso, casos do meia Ailton e do atacante Dênis Marques, até pouco tempo erguendo taças no Sport (NE 2014) e no Santa Cruz (PE 2012 e 2013), respectivamente. À parte da formação espanhola, que cabe ao Barça, o escrete pernambucano tem votação aberta no site do evento – o ex-jogador não precisa ter nascido no estado, mas, no mínimo, se destacado aqui. Para votar, clique aqui.

Ao todo são 27 jogadores, entre 33 anos e 56 anos, sendo Zé do Carmo o mais velho, embora preencha todos os requisitos para fazer parte do ‘Pernanbuco Legends’. Por sinal, eis o resumo oficial sobre a pré-seleção:

“Das lendas e personagens do futebol brasileiro, aqueles que marcaram história em times do estado, nordestinos, do Brasil e no exterior. Sempre com títulos, gols, defesas, raça e muitas memórias. E você que escalará as estrelas da casa. A Seleção de Pernambuco, a Cacareco, mais uma vez representará o Brasil”

Abaixo, as opções de cada setor, com idade e passagens locais. Embora a votação só permita um clique por opção, parece óbvia a escalação de dois zagueiros. Logo, fica a dúvida entre dois meias (4-4-2) ou dois pontas (4-3-3).

Goleiro - Bosco (43 anos; Sport), Albérico (46; Náutico e Sport) ou Rodolpho (36; Náutico) 

Lateral-direito – Russo (41; Central, Santa e Sport), Givaldo (47; Náutico e Sport) ou Osmar (35; Santa e Sport) 

Zagueiros - César (37; Santa e Sport), Adriano (44; Santa e Sport), Sandro Barbosa (44; Santa e Sport) ou Lúcio Surubim (48; Náutico) 

Lateral-esquerdo - Dutra (44; Santa e Sport) ou Lúcio (38; Náutico, Salgueiro e Santa) 

Primeiro volante - Josué (38; Porto), Dário (45; Santa e Sport), Zé do Carmo (56; Santa) 

Segundo volante - Aílton (33; Central, Náutico e Sport) ou Nildo (42; Náutico, Santa e Sport) 

Meio-campo - Juninho Pernambucano (42; Sport), Chiquinho (42; Sport) ou Juninho Petrolina (43; Náutico, Santa e Sport) 

Centroavante - Kuki (46; Náutico e Santa), Aílton (44; Santa), Marlon (55; Santa) ou Zé do Gol (42; Santa – observação na caixa de comentários) 

Ponta - Araújo (40; Porto, Central e Náutico), Dênis Marques (37; Santa) ou Carlinhos Bala (38; América, Náutico, Santa e Sport) 

Treinador - Nereu Pinheiro (68) ou Givanildo Oliveira (69)

Time do blog (4-3-3, mensurando representatividade e destaque local): Bosco; Russo, César, Sandro e Lúcio; Zé do Carmo, Nildo e Juninho Pernambucano; Carlinhos Bala, Dênis Marques e Kuki. Técnico: Givanildo Oliveira

Atualização (27/02): Rivaldo, eleito o melhor do mundo em 1999, confirmou presença e jogará um tempo em cada time. Reforço e adversário de peso…

Qual seria a sua escalação a partir dos ‘convocados’? Comente

Player of the Year, o destaque dos clubes ingleses como inspiração aos recifenses

Player oh the Year 2015 de Chelsea (Hazard), Manchester United (De Gea) e Liverpool (Philippe Coutinho). Crédito: clubes/divulgação

Ao fim de qualquer campeonato de futebol, seja lá onde for, é uma tradição a eleição do melhor jogador. Seja por critérios técnicos, subjetivos etc. Dos torneios em divisões menores à Copa do Mundo. Mas há também a abrangência anual, com federações e confederações definindo o craque da temporada, tendo como auge, sem dúvida, a Bola de Ouro da Fifa, em vigor desde 1991. Indo além, existe até uma escolha interna dos próprios clubes. Isso mesmo. Na Inglaterra, o Player of the Year é uma tradição de longa data. O Chelsea, por exemplo, elege o seu melhor jogador no ano independentemente do desempenho do time (pode ser campeão europeu ou rebaixado) desde 1967.

Acima, os eleitos de Chelsea (Hazard), Manchester United (De Gea) e Liverpool (Philippe Coutinho) em 2015. Nota-se o alto nível da festa, com troféus especiais, transmissões exclusivas e engajamento da torcida, com a escolha baseada na opinião dos torcedores (e/ou sócios) e da comissão técnica. As festas também contam com outros prêmios, como a revelação da temporada, o gol mais bonito e os novos integrantes para o hall da fama particular.

No Recife não há nada do tipo, mas vale ao menos estudar a ideia, que poderia encorpar as ações de marketing. A partir da ideia inglesa, o blog escolheu os principais nomes alvirrubros, tricolores e rubro-negros na década vigente. Uma artilharia, um acesso, uma atuação inesquecível numa final, um ano regular ou o fato de ter sido a exceção num mau momento. Tem de tudo. No twitter, analisei alguns jogadores com torcedores, acatando algumas sugestões, outras não. Obviamente, as três listas estão abertas a críticas e dicas de novos nomes…

Náutico
2011 – Kieza (atacante), goleador da Série B (21 gols), com acesso à elite 
2012 – Kieza (atacante), 13 gols na Série A, levando o time à Sul-Americana
2013 – Maikon Leite (atacante), destaque solitário num ano horrível (8 gols na A)
2014 – Vinícius (meia), titular o ano inteiro, decisivo para o vice estadual
2015 – João Ananias (volante), pilar defensivo na boa campanha na Série B

Santa Cruz
2011 – Tiago Cardoso (goleiro), craque do Estadual e decisivo no acesso à C
2012 – Dênis Marques (atacante), artilheiro do PE (15 gols) e da Série C (11)
2013 – Tiago Cardoso (goleiro), destaque no tri estadual e no acesso à Série B
2014 – Léo Gamalho (atacante), 32 gols na temporada
2015 – João Paulo (meia), destaque no título estadual e no acesso à Série A

Sport
2011 – Marcelinho Paraíba (meia), melhor jogador na campanha do acesso
2012 – Hugo (meia), apesar do descenso, até recuperou o time (8 gols na A)
2013 – Marcos Aurélio (meia), 32 gols e destaque no acesso à Série A
2014 – Neto Baiano (atacante), destaque nos títulos do Nordestão e do Estadual
2015 – Diego Souza (meia), 9 gols e 10 assistências no 6º lugar na Série A

Como curiosidade em relação ao “Jogador do ano”, eis os nomes escolhidos pelos supracitados clubes ingleses no mesmo período. No caso do United, o troféu faz uma homenagem a um famoso ex-treinador, Matt Busby, que treinou o time de 1945 a 1969 e em 1971, conquistando cinco títulos ingleses e a primeira Champions League do clube, em 1968. Por sinal, caso algum time pernambucano adotasse a ideia, qual seria o nome do troféu?

Chelsea (Player of the Year), desde 1967
2011 – Petr Cech (goleiro), República Tcheca
2012 – Juan Mata (meia), Espanha
2013 – Juan Mata (meia), Espanha
2014 – Hazard (atacante), Bélgica
2015 – Hazard (atacante), Bélgica

Manchester United (Sir Matt Busby Player of the Year), desde 1988
2011 – Javier Hernández (atacante), México
2012 – Antonio Valencia (meia), Equador
2013 – Van Persie (atacante), Holanda
2014 – De Gea (goleiro), Espanha
2015 – De Gea (goleiro), Espanha

Liverpool (Player of the Season), desde 2002
2011 – Lucas Leiva (volante), Brasil
2012 – Skrtel (zagueiro), Eslováquia
2013 – Luis Suárez (atacante), Uruguai
2014 – Luis Suárez (atacante), Uruguai
2015 – Philippe Coutinho (meia), Brasil

Todas as seleções oficiais do Campeonato Pernambucano, de 2003 a 2015

Troféu Lance Final

Os onze melhores do campeonato. Alguns renomados, incontestáveis. Outros de brilho fugaz, surpreendentes. Mas todos eles eleitos de forma democrática. A seleção oficial do Campeonato Pernambucano foi oficializada pela FPF em 2003, através do Troféu Lance Final, organizado pela Rede Globo.

Nas 13 edições, até 2015, foram entregues 143 taças especiais para os mais votados em cada posição, considerando a clássica formação 4-4-2 (lista completa abaixo). Ao todo, onze clubes foram agraciados. Nesta conta, 107 jogadores levaram a estatueta, alguns mais de uma vez, como o goleiro Magrão e o zagueiro Durval, os recordistas, com 6. Cinco atletas conseguiram vencer em clubes diferentes e um, Moacir, ganhou em duas posições distintas.

Ranking de premiações: Sport 61, Santa Cruz 40, Náutico 22, Central 6, Salgueiro 4, Itacuruba 3, Ypiranga 2, Porto 2, América 1, AGA 1 e Vitória 1.

Se fosse possível escalar um time só com os maiores vencedores de cada posição, desempatando a favor do primeiro premiado, eis a formação: Magrão (6); Osmar (2), Durval (6), Batata (2) e Dutra (3); Hamilton (4), Daniel Paulista (2), Geraldo (2) e Marcelinho Paraíba (2); Carlinhos Bala (3) e Kuki (3).

À parte da seleção, há o grande prêmio anual, para o melhor jogador do torneio. Kuki e Carlinhos Bala são os únicos eleitos em duas oportunidades.

Craque do campeonato (13 prêmios) – Sport 5, Santa Cruz 5 e Náutico 3.

Em relação ao sistema de votação, nos primeiros anos a escolha era aberta ao público na primeira fase, com uma comissão de jornalistas selecionando os mais indicados numa segunda etapa. Atualmente, são contabilizados apenas os votos dos profissionais da imprensa esportiva do estado.

2015 – Craque: João Paulo, meia, 24 anos (Santa Cruz)
Emprestado pelo Inter, o meia chegou como mais um entre os 17 reforços do Santa para o campeonato. Começou como segundo volante e foi ganhando a confiança de Ricardinho. Assumiu a corrdenação de jogadas e marcou três gols (um deles marcante, com o rosto ensanguentado, na Ilha). Eficiente.

Luciano (Salgueiro), Marcos Tamandaré (Salgueiro), Durval (Sport), Alemão (Santa Cruz) e Tiago Costa  (Santa Cruz); Rithely (Sport), João Ananias (Náutico), João Paulo (Santa Cruz) e Diego Souza (Sport); Candinho (Central) e Betinho (Santa Cruz). Técnico: Sérgio China (Salgueiro)

2014 – Craque: Neto Baiano, atacante, 31 anos (Sport)
Com oito gols na competição, o atacante foi sem dúvida o personagem do campeonato, com frase polêmicas. Em campo, brigou por todas as bolas, com muita raça em campo. Marcou um dos gols das finais.

Magrão (Sport); Patric (Sport), Durval (Sport), Ferron (Sport) e Renê (Sport); Ewerton Páscoa (Sport), Elicarlos (Náutico), Pedro Carmona (Náutico) e Zé Mário (Náutico); Neto Baiano (Sport) e Léo Gamalho (Santa Cruz). Técnico: Eduardo Batista (Sport)

2013 – Craque: Dênis Marques, atacante, 32 anos (Santa Cruz)
Artilheiro na temporada anterior, com 15 gols, DM9 marcou apenas sete gols na segunda participação local. Porém, foi decisivo nas finais, sobretudo nos clássicos.

Tiago Cardoso (Santa Cruz); Éverton Sena (Santa Cruz), William Alves (Santa Cruz), Maurício (Sport) e Tiago Costa (Santa Cruz); Anderson Pedra (Santa Cruz), Rithely (Sport), Lucas Lima (Sport) e Raul (Santa Cruz); Rogério (Náutico) e Dênis Marques (Santa Cruz). Técnico: Marcelo Martelotte (Santa Cruz)

2012 – Craque: Marcelinho Paraíba, meia, 36 anos (Sport)
Mesmo com a idade avançada, o meia conduziu o Leão em todo o campeonato. Marcando belos gols no Estadual, 14 ao todo, se manteve como artilheiro até a decisão, quando foi ultrapassado pelo atacante tricolor Dênis Marques.

Magrão (Sport); Marcos Tamandaré (Salgueiro), Alemão (Salgueiro), Bruno Aguiar (Sport) e Renatinho (Santa Cruz); Hamilton (Sport), Memo (Santa Cruz), Souza (Náutico) e Marcelinho Paraíba (Sport); Dênis Marques (Santa Cruz) e Joelson (Porto). Técnico: Neco (Salgueiro).

2011 – Craque: Tiago Cardoso, goleiro, 26 anos (Santa Cruz)
A defesa coral sofreu 25 gols em 26 partidas na vitoriosa campanha. Menos de um gol por jogo. Boa parte disso por causa da agilidade do camisa 1, sobretudo nos clássicos.

Tiago Cardoso (Santa Cruz); Roma (América) Leandro Souza (Santa Cruz), Thiago Mathias (Santa Cruz) e Renatinho (Santa Cruz); Everton (Náutico), Hamilton (Sport), Weslley (Santa Cruz) e Marcelinho Paraíba (Sport); Gilberto (Santa Cruz) e Paulista (Porto). Técnico: Zé Teodoro (Santa Cruz)

2010 – Craque: Eduardo Ramos, meia, 24 anos (Sport)
Emprestado pelo Corinthians, Eduardo chegou como “segundo volante”. Criativo, logo se destacou um pouco mais à frente, como observou o técnico Givanildo Oliveira.

Magrão (Sport); Gilberto Matuto (Santa Cruz), Igor (Sport), Tobi (Sport) e Dutra (Sport); Derley (Náutico), Zé Antônio (Sport), Eduardo Ramos (Sport) e Élvis (Santa Cruz); Ciro (Sport) e Jadilson (Vitória). Técnico: Dado Cavalcanti (Santa Cruz)

2009 – Craque: Gilmar, atacante, 25 anos (Náutico)
Variou bastante na criação de jogadas e na função de atacante. Velocista, ainda marcou 14 gols. Não foi campeão pernambucano, mas acabou valorizado.

Magrão (Sport); Moacir (Sport), Thiago Matias (Santa Cruz), Durval (Sport) e Dutra (Sport); Hamilton (Sport), Daniel Paulista (Sport), Paulo Baier (Sport) e Aílton (Central); Marcelo Ramos (Santa Cruz) e Gilmar (Náutico). Técnico: Nelsinho Batista (Sport)

2008 – Craque: Romerito, meia, 33 anos (Sport)
Chegou no ano anterior e viveu bastante tempo com as críticas. Batalhador em campo, passou a ser um vetor ofensivo no torneio local. Fez 10 gols. Fora a Copa do Brasil.

Magrão (Sport); Luizinho Netto (Sport), Vágner (Náutico), Durval (Sport) e Dutra (Sport); Daniel Paulista (Sport), Moacir (Central), Romerito (Sport) e Geraldo (Náutico); Wellington (Náutico) e Edmundo (Ypiranga). Técnico: Nelsinho Batista (Sport)

2007 – Craque: Vítor Júnior, meia, 20 anos (Sport)
Chegou como uma aposta na Ilha. Rápido, o jogador logo se transformou no condutor do time. Rápida também foi a sua passagem, pois foi negociado por R$ 500 mil após o título.

Magrão (Sport); Russo (Central), Marcelo (Central), Durval (Sport) e Bruno (Sport); Everton (Sport), Ticão (Sport), Fumagalli (Sport) e Vítor Júnior (Sport); Carlinhos Bala (Sport) e Marcelo Ramos (Santa Cruz). Técnico: Alexandre Gallo (Sport)

2006 – Craque: Carlinhos Bala, atacante, 26 anos (Santa Cruz)
No “bi” da premiação, Bala marcou 20 gols, mais do que o dobro do segundo artilheiro, Valdir Papel, do Estudantes, com 9. Lutou muito, mas foi vice no Estadual.

Rodolpho (Náutico); Osmar (Santa Cruz), Kleber (Sport), Durval (Sport) e Jorge Guerra (Ypiranga); Hamilton (Sport), Flávio (Náutico), Geraldo (Sport) e Rosembrick (Santa Cruz); Carlinhos Bala (Santa Cruz) e João Neto (Central). Técnico: Dorival Junior (Sport)

2005 – Craque: Carlinhos Bala, atacante, 25 anos (Santa Cruz)
Cria do Mundão, Bala tornou-se, enfim, protagonista no clube, acabando com uma fila de troféus de uma década. Foi o segundo goleador do campeonato, com 12 gols.

Cléber (Santa Cruz); Osmar (Santa Cruz), Roberto (Santa Cruz), Batata (Náutico) e Periz (Santa Cruz); Ramalho (Sport), Neto (Santa Cruz); Cleiton Xavier (Sport) e Marco Antônio (Santa Cruz); Carlinhos Bala (Santa Cruz) e Kuki (Náutico). Técnico: Givanildo Oliveira (Santa Cruz)

2004 – Craque: Kuki, atacante, 33 anos (Náutico)
Dessa vez foi decisivo, incluindo um gol no histórico 3 x 0 sobre os corais no Arruda. O atacante foi, também, o vice-artilheiro do Estadual, com dez tentos.

Nilson (Náutico); Daniel (Itacuruba), Valença (Santa Cruz), Batata (Náutico) e Xavier (Santa Cruz); Marcelo Cavalo (Itacuruba), Luciano (Náutico), Gil Baiano (Náutico) e Iranildo (Santa Cruz); Kuki (Náutico) e Kelson (Itacuruba). Técnico: Zé Teodoro (Náutico)

2003 – Craque: Kuki, atacante, 32 anos (Náutico)
O baixinho dos Aflitos sequer disputou a final, mas a artilharia da competição, com 16 gols, acabou pesando na pioneira escolha do prêmio, com um carro zero km.

Maizena (Sport); Adriano (Santa Cruz), Gaúcho (Sport), Silvio Criciúma (Sport) e Xavier (AGA); Ataliba (Sport), Fernando César (Sport), Nildo (Sport) e Cléber Santana (Sport); Adriano Chuva (Sport) e Kuki (Náutico). Técnico: Péricles Chamusca (Santa Cruz)

Podcast 45 minutos (94º) – Apresentação do Timbu, atraso no Leão e a novela DM9

O podcast 45 minutos debateu a primeira apresentação do Náutico na temporada, com um amistoso com o Decisão, nos Aflitos. No Sport, o atraso salarial de dez dias, a primeira vez em oito anos, também entrou na pauta, assim como a vela novela Dênis Marques no Santa Cruz. Além disso, resenha e bom humor.

Estou nesta edição (1h14min) ao lado de Fred Figueiroa, João de Andrade Neto e Rafael Brasileiro. Ouça agora ou quando quiser!

Dênis Marques deixa a sua marca, desta vez no Santa, com empate no Arruda

Série B 2014, 1ª rodada: Santa Cruz 1x1 ABC. Foto: Edvaldo Rodrigues/DP/D.A.Press

Dênis Marques foi bicampeão pernambucano pelo Santa Cruz em 2012 e 2013.

Artilheiro, DM9 marcou muitos gols no Arruda, levantando o povão. A conta, com a camisa tricolor, só parou por causa do extracampo. Nessas voltas do mundo do futebol, o atacante enfrentou o Tricolor pela primeira vez logo no retorno do clube à Segundona, numa campanha na qual ajudou.

Agora no ABC e treinado por Zé Teodoro, também bicampeão pela Cobra Coral, mas em 2011 e 2012, Dênis Marques foi decisivo neste sábado.

De cabeça, empatou o jogo (1 x 1), frustrando a torcida tricolor, ainda mais ressabiada com o técnico Vica após as eliminações no Nordestão e no Estadual.

Durante a semana, Léo Gamalho disse que o objetivo do Santa era não cair neste ano. A declaração irritou a torcida. Nesta tarde, talvez tenha ficado claro o que ele quis dizer. A equipe segue sem confiança, necessitando de reforços.

No Arruda, com apenas 10.024 pessoas, Betinho ainda abriu o placar, aos 20 minutos. O gol potiguar saiu aos 8 da etapa final. Havia bastante tempo para uma reação, mas o Tricolor não chegou nem perto de furar a defesa visitante.

Na Série B, com 38 longas rodadas, tropeços do tipo serão cruciais…

Atualização: Vica pediu demissão após 40 jogos no comando do Santa.

Série B 2014, 1ª rodada: Santa Cruz 1x1 ABC. Foto: Edvaldo Rodrigues/DP/D.A.Press

Vida nova ao Santa em pleno centenário

Serie C 2013, 2013: Santa Cruz 2x1 Betim-MG. Foto: Bernardo Dantas/DP/DA. Press

Vida nova, tricolor.

Até o último segundo você insistiu em não acreditar, em não festejar.

Olhou lentamente o Arruda de uma ponta a outra. Abarrotado de gente, como sempre. Pediu mais uma vez para que desta vez fosse diferente…

Que a história do Santa Cruz fosse reescrita.

Que estivesse vivendo um dia inesquecível, sem mais provações.

Poucos, pouquíssimos suportaram uma carga de drama tão grande quanto os aficionados das repúblicas independentes.

Dos rebaixamentos em série à falta de atividade.

Sim, à pura falta de futebol.

Deixar o gigante de concreto em silêncio feria de morte o orgulho coral.

Antes do apito final você deve ter lembrado bem disso.

Recomeçar do zero era preciso. E seria bem difícil. À margem dos rivais, endinheirados e em patamares bem mais nobres, a caminhada foi árdua.

Com a força da camisa, a mudança partiu justamente no âmbito local.

Sem recursos, cresceu nos clássicos e voltou a empilhar taças. Tomou gostou.

Na verdade, retomou o gosto. O tri que o diga.

Ótimo para ego, mas insuficiente para a sobrevivência.

Esta, só mesmo evoluindo no cenário nacional, saindo da última casta possível.

O favoritismo escancarado pela massa presente nas arquibancadas nas divisões inferiores foi relegado pela qualidade duvidosa das equipes montadas.

Com paciência, surgiu uma base. E de onde pouco se esperava, surgiram novos ídolos.

Entre eles, um desconhecido goleiro, agora eternizado, onipresente nos bons e novos momentos. Nome e sobrenome, Tiago Cardoso.

Serie C 2013, 2013: Santa Cruz 2x1 Betim-MG. Foto: Ricardo Fernandes/DP/DA. Press

Aos trancos e barrancos, veio o primeiro passo, em 2011.

Uma multidão como a de hoje, tão nervosa quanto. Esqueceu? Improvável, mesmo sem gols.

Como nada é fácil para o povão, não mesmo, a sequência da caminhada demorou mais que o necessário.

Um ano forçado de aprendizado, com foco absoluto no acesso, novamente com apoio incondicional.

Veio então uma campanha cambaleante, comandada de forma improvisada.

A chegada de um nome com pulso firme pôs ordem.

Se ainda havia tempo este ano era a grande dúvida. Uma a mais num mar de incertezas chamado Santa Cruz.

Da ameaça de mais temporadas de calvário à surpreendente dianteira, ao protagonismo.

Hoje, o Santa Cruz voltou a respirar futebol.

Juntos, milhares também respiraram fundo.

Inclusive você. Resfolegou no instante em que a duríssima vitória por 2 x 1 sobre o Betim, com o improvável e carismático herói Flávio Caça-Rato, virou mais uma história para contar, daquelas com um sorriso no rosto.

Difícil será encontrar um tricolor que não tenha ido ao jogo neste domingo.

60 mil?

Dentro de alguns anos serão 600 mil… e com o tempo terá ainda mais gente.

Naquele aperto no José do Rego Maciel estava você, digam o que quiser.

Preto, branco e encarnado, pronto para ver o Santa Cruz voltar a ter dignidade, deixando para trás os seis anos de sofrimento.

A segunda divisão não é o ato definitivo. A plenitude virá numa nova busca.

Em 2014, no centésimo aniversário, uma vida nova ao Mais Querido.

E você estará lá, claro. Sem você o Santa não seria o mesmo…

Serie C 2013, 2013: Santa Cruz 2x1 Betim-MG. Foto: Paulo Paiva/DP/DA. Press

No alçapão, o Treze supera o líder Santa e embaralha as quartas de final

Série C 2013, 1ª fase: Treze 1 x 0 Santa Cruz. Foto: Pedro Nunes/Site Oficial do Treze/AraraPB

Em Campina Grande, um verdadeiro alçapão esperava os corais. Precisando da vitória a todo custo, o Treze levou o jogo do Amigão, o maior estádio da cidade, para o acanhado PV, com a torcida colada e campo menor. Tentou pressionar, mas esteve num péssimo domingo. Ainda mais com o atento sistema defensivo do Santa Cruz, que não deixou o adversário ter uma mísera oportunidade durante 89 minutos. Só que futebol, como se sabe, dura ao menos 90…

Controlando a partida e ciente dos demais resultados da última rodada do grupo A da terceirona, o tricampeão pernambucano segurava bem empate sem gols, já com a noite caindo na Borborema. Até que, aos 45 do segundo tempo, na base do abafa, Chorão cruzou da direita e Giancarlo cabeceou firme, para o chão, sem chances para o goleiro Tiago Cardoso, 1 x 0.

O gol classificou de forma dramática o alvinegro paraibano, no último instante, e embaralhou toda a classificação. Até mesmo a posição coral, que por muito pouco não perdeu a liderança. A primeira colocação foi retomada logo depois porque o Fortaleza também sofreu um gol no último lance do dia.

Encerrada a dura fase de grupos, a Cobra Coral parte para as quartas de final, a fase decisiva do Brasileiro. Precisará de suas principais peças, ausentes no PV, e da tranquilidade demonstrada em quase toda a apresentação na Paraíba. Está a dois jogos da Série B. Pela frente, os mineiros do Betim. Do interior paraibano para o interior mineiro, mas com uma visível diferença técnica pela frente…

Série C 2013, 1ª fase: Treze 1 x 0 Santa Cruz. Foto: Pedro Nunes/Site Oficial do Treze/AraraPB

A multidão sai do Arruda sem o G4

Série C 2013: Santa Cruz x Sampaio Corrêa. Foto: Edvaldo Rodrigues/DP/D.A Press

O futebol nacional foi encerrado na noite deste domingo com a disputa entre Santa Cruz e Sampaio Corrêa. Apesar da transmissão aberta na televisão, o jogo atraiu a maior multidão do estado neste ano, com 38.415 torcedores, superando os 38.211 do primeiro jogo da final estadual (veja aqui).

Em campo, um Santa com bastante disposição, impondo velocidade desde o primeiro instante, sobretudo com o estreante Siloé, compondo a dupla de ataque com André Dias.

O time buscava a vitória para alcançar a vice-liderança da terceirona. A barreira para uma melhor atuação foi a técnica mesmo, com inúmeras tentativas infundadas no ataque.

Acuado, o time maranhense ia dando chutão pra afastar o perigo. Aos poucos, percebendo os espaços nas laterais, a Bolívia Querida começou a assustar. Equilibrou a partida e passou a arriscar de longe. Numa dessas tentativas, Tiago Cardoso fez uma boa defesa.

No segundo tempo, uma partida bem nervosa. Aos 11 minutos, numa cabeçada de Eloir, Tiago Cardoso espalmou, com a bola batendo na trave. Aos 30, do outro lado, André Dias também mandou na trave, também de cabeça.

Apesar do susto no povão nos descontos, o empate em 0 x 0 acabou mantido, deixando o tricampeão pernambucano na 5ª colocação. Quebrou a sequência de vitória e embolou ainda mais o grupo A da Série C…

Série C 2013: Santa Cruz x Sampaio Corrêa. Foto: Edvaldo Rodrigues/DP/D.A Press

DM9 e AD99 recolocam o Santa Cruz na briga pelo G4

Série C 2013: Santa Cruz x Águia de Marabá. Foto: Teresa Maia/DP/D.A Press

Com o ataque formado por Dênis Marques e André Dias, ou DM9 e AD99, como ficou definido após a distribuição dos padrões, o Santa Cruz tinha a obrigação de vencer o Águia neste domingo. Para continuar em busca do G4 e, também, para evitar um risco de rebaixamento indigesto para o ano do centenário.

Um tropeço nesta tarde deixaria o tricampeão pernambucano na mira do Cuiabá, o primeiro clube dentro da zona de descenso. Mas nada de pessimismo. Em dois tempos distintos, a recuperação. No ensolarado Arruda, com o ótimo público de 29.628 torcedores, o Tricolor marcou logo no comecinho, através de Everton Heleno, cuja escalação foi contestada pela torcida durante a semana.

Com sete desfalques, entre suspensões e lesões, o time coral estava na base da vontade para manter o placar. Ainda no primeiro tempo, aos 24, Keno empatou, aproveitando o lançamento de Timbó. Veio a velha preocupação.

Na volta para a etapa final, com mais atitude, o Santa não deu chance ao time paraense. Pressionou e finalizou. E, levantando o povão no Arruda, balançou as redes. Dividindo o mérito com Vica, que bancou a dupla, André e Dênis marcaram, aos 11 e 34. O Águia diminuiu, mas a vitória foi confirmada por 3 x 2.

Na próxima rodada da Série C, o time irá ao Rio Grande do Norte enfrentar o Baraúnas, algoz no Mundão mas que, paradoxalmente, pode ser o adversário ideal para um triunfo fora de casa. A torcida quer confiar na dupla DM9/AD99…

Série C 2013: Santa Cruz x Águia de Marabá. Foto: Teresa Maia/DP/D.A Press

Aposta de Vica corresponde e o Santa encerra o duradouro tabu na terceirona

Série C 2013: Cuiabá 1 x 3 Santa Cruz. Foto: Jamil Gomes/Assessoria/Santa Cruz

Três participações, vinte jogos e seis técnicos. Demorou bastante, mas enfim o Santa Cruz acabou com o seu maior fantasma na Série C. Vencer fora do Arruda era um verdadeiro martírio para os corais desde 2008.

De virada, o tricampeão pernambucano venceu o Cuiabá por 3 x 1, no Mato Grosso, e voltou a respirar na classificação no Campeonato Brasileiro.

A tarde deste domingo, aliás, deixou a torcida coral com a orelha quente. Acompanhando o jogo somente através das ondas do rádio, AM e FM, os tricolores viram o time sofrer um gol logo aos dois minutos de bola rolando.

Todos aqueles treinos e discursos seriam mais uma vez “conversa fora”? Àquela altura, o Santa ficava a quatro pontos do G4, o principal objetivo da temporada. Na verdade, o Tricolor ficava a um pontinho da zona de descenso.

Contudo, houve um pouco mais de atitude e calma, com reação em campo. Ao virar o placar antes do intervalo, o time comandado por Vica se meteu novamente entre os quatro primeiros. Mérito literalmente do treinador.

Durante a semana, o técnico barrou Dênis Marques. O medalhão estava numa zona de conforto. Vica, claro, sabia que deixar o artilheiro de lado seria uma aposta arriscada, mas era necessária para impor um tom mais profissional aos demais. Essa foi a explicação para sequer levar DM9 para o banco de reservas.

Após o empate via Luciano Sorriso, André Dias, que já esquentara bastante o banco, tornou-se o personagem da partida. A opção no ataque balançou as redes aos 39 e 44, confirmando o triunfo fora de casa. Colocou a equipe na briga e injetou confiança, dando sinais de que há vida sem Dênis Marques.

Ou mais ainda, que Dênis Marques possa trabalhar no mesmo ritmo do elenco, fortalecendo cada vez mais Santa no objetivo ainda vivo. O acesso…

Série C 2013: Cuiabá 1 x 3 Santa Cruz. Foto: www.cuiabaesporteclube.com.b