Probabilidades de título, Liberta, Sula e descenso a 10 rodadas do fim da Série A

As projeções de campanha para título, vagas na Libertadores e Sul-Americana e rebaixamento na Série A de 2017. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Faltando apenas dez rodadas para o fim do Campeonato Brasileiro do 2017, chegou a hora de reapresentar as probabilidades sobre título, vagas nas copas internacionais e rebaixamento sobre cada um dos vinte participantes. Embora o título esteja nas mãos do Corinthians, a briga é grande nos outros quesitos. Considerando os 280 jogos disputados na principal competição nacional, vamos às estatísticas de três sites especializados no assunto, compiladas no quadro abaixo: Chance de GolInfobola e UFMG, através do departamento de matemática da universidade mineira.

A partir de cálculos sobre o desempenho em casa, histórico em confrontos e campanha atual, o Chance de Gol e a UFMG também projetam as pontuações finais necessárias, com os percentuais que dão mais “garantia” a cada opção. Na elite, a média histórica de pontuação para a 6ª colocação, que hoje assegura vaga na Taça Libertadores – desconsiderando a possibilidade de G7, G8 ou até G9 -, é de “58,09″ pontos, considerando as onze edições nos pontos corridos. Arredondando para 58, uma campanha deste porte nesta temporada teria entre 50% e 96% de confiança. Em relação ao rebaixamento, o índice histórico para escapar, na 16ª posição, é de “43,81″. Arredondando para 44, significaria 80% de chance de sucesso.

Veja as classificações da Série A após a 28ª rodada clicando aqui.

Bahia (35 pontos)
Título: 0% a quase 0%%
Libertadores: 2,3% a 5,6%
Sul-Americana: 38,3% a 62,8%
Rebaixamento: 5,0% a 13,0%

Sport (34 pontos)
Título: 0% a quase 0%
Libertadores: 0,4% a 4,0%
Sul-Americana: 25,8% a 30,3%
Rebaixamento: 19,0% a 21,2%

Vitória (33 pontos)
Título: 0% a quase 0%
Libertadores: 0,4% a 3,0%
Sul-Americana: 21,8% a 35,3%
Rebaixamento: 18,8% a 25,4%

As probabilidades de rebaixamento e acesso a 10 rodadas do fim da Série B

As projeções de campanha para acesso e rebaixamento na Série B de 2017 após 28 rodadas. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Faltando apenas dez rodadas para o fim da Série B do 2017, chegou a hora de reapresentar as probabilidades sobre acesso e descenso de cada um dos vinte participantes. Considerando as 280 partidas disputadas na competição de acesso à elite do futebol nacional, vamos às estatísticas de três sites especializados no assunto: Chance de GolInfobola e UFMG, através do departamento de matemática da universidade mineira.

A partir de cálculos sobre o desempenho em casa, histórico em confrontos e campanha atual, o Chance de Gol e a UFMG também projetam as pontuações finais necessárias, com os percentuais que dão mais “garantia” a cada opção. Na segunda divisão, a média histórica de pontuação para o acesso (4º lugar), considerando as onze edições nos pontos corridos, é de 63 pontos. Nesta temporada, essa campanha tem, na pior das hipóteses, 76% de confiança. Em relação ao rebaixamento, o índice histórico para escapar, na 16ª posição, é de “45,18″. Arredondando para 45, significaria 83% de chance de sucesso.

Veja as classificações da Série B após a 28ª rodada clicando aqui.

Náutico
Acesso: 0% a 0,009%
Rebaixamento: 93,3% a 95,2%

Santa Cruz
Acesso: 0% a 0,009%
Rebaixamento: 76,4% a 76,5%

Probabilidades de título, Libertadores e permanência a 5 rodadas do fim da Série A

Faltando apenas cinco rodadas para o encerramento do Brasileirão, o blog traz as probabilidades calculadas por duas fontes tradicionais no quesito. O Infobola, com dados de Tristão Garcia, professor de engenharia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), e a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), através do seu departamento de matemática. O Chance de Gol, outro canal popular em probabilidades, não atualizou os seus dados até agora.

Com a classificação atualizada após 33 rodadas, vamos aos três principais pontos para definição da Série A 2016: chances de título (nas mãos do Palmeiras), de vaga na Libertadores (anteriormente, os sites calculavam o “G4″, mas se adaptaram ao “G6″ após a ampliação oficializada pela Conmebol) e permanência na elite (ainda sem clubes matematicamente rebaixados).

Na briga para evitar o descenso, o Sport ganhou fôlego após vencer a Ponte e contar com tropeços dos concorrentes diretos, oscilando agora entre 90% e 92%. Quase lá. Já o Santa, em último lugar, aparece com no máximo 1%. 

Em relação à disputa pela Liberta, o Leão aparece com o 14º (e último) percentual de chance, ainda que seja irrisório (0,004%). De forma, também há chance de o G6 virar G7 após a Copa do Brasil, cuja final reúne Grêmio e Galo. Além de um possível título da Chapecoense na Sula, que abriria outra vaga. Apenas curiosidade, pois a luta é a do parágrafo anterior…

Barcelona chega ao 10.000º gol. Raro no Brasil e com os pernambucanos na mira

Barcelona chega a 10 mil gols em sua história. Arte: Barcelona/site oficial

Melhor do mundo, Lionel Messi deu sequência à forma excepcional e marcou os dois gols da vitória do Barcelona sobre o Arsenal, por 2 x 0, nas oitavas da Champions League. Acabou estabelecendo uma marca impressionante para o clube. O segundo gol em Londres foi simplesmente o tento de número 10.000 da história blaugrana, desde 20 janeiro de 1901, quando George Girvan tornou-se o pioneiro goleador catalão. Sem surpresa, Messi é o maior responsável, com 441 gols. Para tanto, o Barça precisou de 4.375 partidas, todas em torneios oficiais, resultando numa média de 2,28, segundo as contas do próprio clube.

Raro, o gol 10 mil já foi alcançado por nove clubes brasileiros, de acordo com o levantamento do site Futebol 80, com os dados de 2016 atualizados pelo blog até esta data, considerando jogos oficiais e amistosos. O maior destaque é o Santos, o primeiro a chegar lá, em 20 de janeiro de 1998, quando Jorginho (hoje treinador) marcou no 4 x 3 sobre o Villa Nova, em Minas Gerais, pela Copa do Brasil. O time da baixada também lidera a artilharia nacional, com mais de 12 mil gols, com uma baita colaboração do Rei Pelé, autor de 1.091 (recorde mundial).

Clubes brasileiros com mais de 10 mil gols marcados
12.298 gols – Santos (5.961 jogos) – média de 2,06

11.902 gols – Flamengo (5.959 jogos) – média de 1,99
11.229 gols – Vasco (5.801 jogos) – média de 1,94
11.218 gols – Palmeiras (5.802 jogos) – média de 1,93
10.657 gols – Corinthians (5.632 jogos) – média de 1,89
10.638 gols – Internacional (5.283 jogos) – média de 2,01
10.547 gols – Fluminense (5.442 jogos) – média de 1,93
10.539 gols – Botafogo (5.476 jogos) – média de 1,92
10.358 gols – Atlético-MG (5.384 jogos) – média de 1,92

No futebol pernambucano, a estatística só é possível devido à pesquisa de Carlos Celso Cordeiro. Alguns jogos não têm resultados conhecidos na era amadora – o que ocorre em outros clubes -, mas no geral é possível enxergar o dado como oficial. Assim, o clube com mais gols é o Tricolor, que pode ser o primeiro a chegar ao 10.000º, caso alcance um índice de 64 gols nas próximas sete temporadas. Factível. O blog tentou estabelecer um ranking nordestino, mas os dados de Bahia, Vitória, Ceará e Fortaleza estão incompletos.

Número de gols dos clubes pernambucanos
9.550 gols – Santa Cruz (4.902 jogos) – média de 1,94

9.232 gols – Sport (4.916 jogos) – média de 1,87
8.461 gols – Náutico (4.610 jogos) – média de 1,83

Mapeamento municipal de torcidas: Recife (Plural/2015)

Pesquisa de torcida no Recife em 2015. Crédito: Plural Pesquisa

O instituto Plural Pesquisa ouviu 800 pessoas no Recife, dividindo o público por sexo, faixa etária (a partir dos 16 anos), grau de instrução e renda familiar. Paralelamente à análise de satisfação para clientes, o trabalho regular da empresa, o levantamento em junho de 2015 adicionou a pergunta “Qual é o time de futebol que você torce?”. Que os rivais do Clássico das Multidões ficariam à frente, era mais que esperado. Entretanto, o levantamento apresenta uma aproximação entre Sport e Santa Cruz, com uma diferença de apenas 5%, numa tendência sobre a parcela volátil da população, pois o Tricolor conquistou quatro dos últimos cinco títulos pernambucanos – cenário semelhante ao crescimento do Sport após a vitoriosa década de 1990.

Em 3º lugar, o Náutico ficou com 1/10 da população. O Trio de Ferro soma 77% da preferência, com apenas 2% para times de fora. Flamengo, Corinthians, São Paulo etc. Todos eles, juntos, somaram 2%! Talvez o dado mais surpreendente do levantamento, que permitiu ao entrevistado escolher apenas um time como opção. A parcela sem time se manteve na média das pesquisas recentes.

Em 2011 e 2013, a Plural Pesquisa realizou pesquisas de torcida no estado. Abrangendo Pernambuco, foram 1.200 entrevistados em cada caso. A partir dali, o instituto passou a fazer estudos mais segmentados, por município. Já havia avaliado Caruaru e Goiana, com 400 pessoas ouvidas em cada cidade. Na capital pernambucana, até pelo aspecto econômico determinante, o número foi dobrado, aumentando o grau de confiabilidade, estatisticamente falando. Como exemplo disso, basta citar o Ibope, o instituto mais conhecido do país, que ouviu 300 pessoas em Pernambuco em sua pesquisa divulgada em 2014.

Plural / Recife 2015
Período: junho de 2015
Público: 800 entrevistados
Margem de erro: 3,46%
População estimada (IBGE/2014): 1.608.488

1º) Sport – 36% (579.055)
2º) Santa Cruz – 31% (498.631)
3º) Náutico – 10% (160.848)

Outros times – 2% (32.169)
Sem clube – 22% (353.867)

* A soma pode não chegar ou mesmo ultrapassar os 100% por causa com arredondamento, via Statistical Package for the Social Sciences (SPSS).

Pesquisa de torcida no Recife em 2015. Crédito: Plural Pesquisa

Mapeamento municipal de torcidas: Goiana (Plural/2015)

Pesquisa de torcidas em Goiana, em junho de 2015, através do Insituto Plural Pesquisa.

Localizado na Mata Norte de Pernambuco, o município de Goiana tinha a sua economia fundamentada basicamente na produção de cana-de-açúcar, há bastante tempo. Mas a chegada de uma fábrica de veículos, com um investimento de R$ 6 bilhões e 5 mil novos empregos, transformou a cidade, já na divisa com a Paraíba. E o instantâneo patrocínio da Jeep ao Flamengo levantou uma polêmica sobre a “relação” da empresa com o cenário local.

Um mês após o episódio, podemos ver um raio x das torcidas na cidade de quase 80 mil moradores. O Instituto Plural Pesquisa, que já havia mapeado Caruaru, foi contratado para fazer um levantamento particular na região e, no embalo do estudo, adicionou aquela pergunta que sempre rende nas discussões entre torcedores: “Qual é o time de futebol que você torce?”. Com espaço para apenas uma opção, os três grandes pernambucanos ficaram à frente, com 45% da população. Entre os times de outros estados, o Corinthians se saiu melhor, com 6%. O Fla, o primeiro parceiro da Jeep, aparece com apenas 2%.

No estudo, também chamou a atenção a quantidade de gente sem clube. Na margem de 42%, um misto de desinteresse e falta de acesso aos times.

Plural / Goiana 2015
Período: junho de 2015
Público: 400 entrevistados
Margem de erro: 4,9%
População estimada (IBGE/2014): 78.287

1º) Sport – 25% (19.571)
2º) Santa Cruz – 13% (10.177)
3º) Náutico – 7% (5.480)
4º) Corinthians – 6% (4.697)
5º) Palmeiras – 2% (1.565)
5º) Flamengo – 2% (1.565)
5º) São Paulo – 2% (1.565)
8º) Seleção Brasileira – 1% (782)
8º) Vasco – 1% (782)

Outros times – 1% (782)
Sem clube – 42% (32.880)

* A soma pode não chegar ou mesmo ultrapassar os 100% por causa com arredondamento, via Statistical Package for the Social Sciences (SPSS).

Pesquisa de torcidas em Goiana, em junho de 2015, através do Insituto Plural Pesquisa.

A evolução do scout no futebol a partir do Diario de Pernambuco, em 1935

Scout no Diario de Pernambuco em 1935

A cobertura do futebol local ocorre de forma regular no Diario de Pernambucano desde o primeiro campeonato estadual, em 1915. Antes disso, as partidas já eram relatadas no jornal, mas como verdadeiros eventos sociais, escassos. A especialização no tema veio em meados da década de 1930, não por acaso no mesmo período da profissionalização do futebol no Recife.

Em 1935, na cobertura do Campeonato Brasileiro de Seleções, torneio entre seleções estaduais realizado de 1922 a 1962, a chave Norte foi toda disputada na capital, no antigo Campo da Avenida Malaquias. Estiveram presentes os times do Rio Grande do Norte, Alagoas, Ceará, Pará e Pernambuco, com jogos eliminatórios entre 21 de janeiro e 18 de fevereiro. Na abertura, os potiguares derrotaram os alagoanos por 3 x 0. No dia seguinte, o Diario trouxe uma novidade para o leitor, num resgate histórico encontrado pelo centro de documentação do DP: o scout do jogo. A quantidade de lances fora de jogo (“impedimento”), mão, faltas, ataque (“finalizações”), goal e corner.

A etapa regional do campeonato nacional terminaria com a Cacareco vencendo os paraenses por 5 x 2, com nove fotos na reportagem. No ano seguinte, a página de “Sports” do jornal se transformaria num suplemento exclusivo chamado “Todos os Sports”, tudo enfrentar a concorrência, com quase dez periódicos na capital. Em 1937, o nosso futebol enfim seria profissionalizado.

Portanto, há 80 anos foi publicado um dos primeiros registros de scout no estado, bem arcaico se comparado aos modelos da atualidade, com mais de uma dezena de estatísticas, mapas de calor, deslocamento, posse de bola, percentual de passes certos etc. Se hoje impressiona, imagine em 1935…

Scout da Fifa na Copa do Mundo. Crédito: montagem sobre arte da Fifa

Sem mata-mata, Estadual registra 414 mil torcedores e renda de R$ 4,8 milhões

Pernambucano 2015, 10ª rodada: Sport 1x1 Santa Cruz, Salgueiro 4x1 Náutico e Serra Talhada 2x1 Central. Fotos: Daniel Leal/DP/D.A Press (Ilha), Jorge Burégio/FPF (Cornélio de Barros) e FPF/site oficial (Pereirão)

Resta apenas o mata-mata no Estadual de 2015. Claro, é a fase com o maior potencial de captação de público, e, também, a última chance de elevar o baixo índice de 3.666 torcedores – o pior desde 2005. Teremos oito jogos, incluindo a disputa pelo 3º lugar, que vale vaga nas Copas do Nordeste e do Brasil.

Seguem na disputa Sport e Santa Cruz, protagonistas do campeonato das multidões, até aqui com liderança coral. No domingo, no Clássico das Multidões, 18.015 pessoas foram à Ilha do Retiro numa partida que pouco valia – contudo, o borderô só foi divulgado pelos rubro-negros na segunda. Capital à parte, os estádios Luiz Lacerda (Caruaru) e Cornélio de Barros (Salgueiro) devem registrar os maiores público no interior na edição de 2015.

Por sinal, Central e Salgueiro já ultrapassaram a média de público do Náutico, a penúltima do hexagonal principal. Em relação à arrecadação, a bilheteria após os 98 jogos “abertos” foi de R$ 4,8 milhões. A FPF, como se sabe, fica com 8% da renda bruta. Logo, a federação já abocanhou R$ 384.056.

Confira abaixo os dados de público e renda atualizados após cinco rodadas dos hexagonais do título e do rebaixamento, de acordo com o borderô oficial da FPF. Confira todas as médias de 1990 a 2014 clicando aqui.

1º) Santa Cruz (5 jogos como mandante, 4 no Arruda e 1 na Arena)
Total: 71.690 pessoas
Média: 14.338
Taxa de ocupação: 25,03%
Renda: R$ 1.169.822
Média: R$ 233.964
Presença contra intermediários (3): T: 32.833 / M: 10.944

2º) Sport (5 jogos como mandante, 3 na Ilha e 2 na Arena)
Total: 58.465 pessoas
Média: 11.693
Taxa de ocupação: 30,54%
Renda: R$ 1.002.062
Média: R$ 200.412
Presença contra intermediários (3):T: 26.931 / M: 8.977

3º) Salgueiro (5 jogos como mandante, no Cornélio)
Total: 25.392 pessoas
Média: 6.348
Taxa de ocupação: 64,01%
Renda: R$ 191.365
Média: R$ 47.841

4º) Central (12 jogos mandante, no Lacerdão)
Total: 64.444 pessoas
Média: 5.370
Taxa de ocupação: 27,57%
Renda: R$ 628.565
Média: R$ 52.380

5º) Náutico (5 jogos como mandante, na Arena)
Total: 23.082 pessoas
Média: 4.616
Taxa de ocupação: 9,98%
Renda: R$ 499.800
Média: R$ 99.960
Presença contra intermediários (3): T: 12.393 / M: 4.131

6º) Serra Talhada (12 jogos como mandante, no Nildo Pereira)
Total: 44.316 pessoas
Média: 3.693
Taxa de ocupação: 73,86%
Renda: R$ 341.226
Média: R$ 28.435

As capacidades (oficiais) dos estádios usadas para calcular a taxa de ocupação: Arruda (60.044), Arena Pernambuco (46.214), Ilha do Retiro (32.983), Lacerdão (19.478), Cornélio de Barros (9.916) e Nildo Pereira (5.000).

Geral – 113 jogos (1ª fase, hexagonais do título e da permanência e mata-mata)*
Público total: 414.355
Média: 3.666 pessoas
TCN: 311.246 (75,11% da torcida)
Média: 2.754 bilhetes
Arrecadação: R$ 4.800.708
Média: R$ 42.484
* Foram realizadas 116 partidas, mas 3 jogos ocorreram de portões fechados.

Fase principal – 30 jogos (hexagonal do título e mata-mata)
Público total: 243.503
Média: 8.116 pessoas
TCN: 151.047 (62,03% da torcida)
Média: 5.034 bilhetes
Arrecadação total: R$ 3.487.534
Média: R$ 116.251

Média de público do Estadual não passa de 3 mil espectadores após 74 jogos

Pernambucano 2015, 3ª rodada: Náutico 4x0 Serra Talhada, Salgueiro 0x3 Sport e Central 1x2 Santa Cruz. Imagens: Ricardo Fernandes/DP/D.A Press, Luciano Vaz/Sport/assessoria e TV Criativa/reprodução

Os seis jogos da 3ª rodada do campeonato estadual, considerando os dois hexagonais, foram bem esvaziados. A média de público nessas partidas, durante o período momesco, foi de apenas 2.907 espectadores, puxando para baixo, mais uma vez, o índice geral da competição. Após 74 partidas a média é de 3.039, a mais baixa desde 1998. Até a média do hexagonal do título caiu na última rodada, segundo o levantamento do blog. Nas duas primeiras rodadas o índice ficara acima de 10 mil espectadores. Agora, está em cerca de 8 mil.

O campeonato das multidões segue com o Santa Cruz à frente do ranking, com apenas um jogo realizado até aqui, o Clássico das Multidões. Em relação à renda, a FPF fica 8% da arrecadação bruta. Ou seja, dos R$ 2,3 milhões de bilheteria, a federação abocanhou R$ 188.187.

Confira abaixo os dados de público e renda atualizados após duas rodadas hexagonais do título e do rebaixamento, de acordo com o borderô oficial da FPF. Confira todas as médias de 1990 a 2014 clicando aqui.

1º) Santa Cruz (1 jogo como mandante, no Arruda)
Total: 24.143
Média: 24.143
Taxa de ocupação: 40,20%
Renda: R$ 475.175
Média: R$ 475.175
Presença contra intermediários: nenhum jogo

2º) Sport (1 jogo como mandante, na Arena)
Total: 13.519
Média: 13.519
Taxa de ocupação: 29,25%
Renda: R$ 353.135
Média: R$ 353.135
Presença contra intermediários: nenhum jogo

3º) Salgueiro (2 jogos como mandante, no Cornélio)
Total: 12.834
Média: 6.417
Taxa de ocupação: 64,71%
Renda: R$ 95.095
Média: R$ 47.547

4º) Central (9 jogos mandante, no Lacerdão)
Total: 37.916 pessoas
Média: 4.212
Taxa de ocupação: 21,62%
Renda: R$ 314.135
Média: R$ 34.903

5º) Náutico (2 jogos como mandante, na Arena)
Total: 8.010
Média: 4.005
Taxa de ocupação: 8,66%
Renda: R$ 136.720
Média: R$ 68.360
Presença contra intermediários (2): T: 8.010 / M: 4.005

6º) Serra Talhada (8 jogos como mandante, no Nildo Pereira)
Total: 28.983 pessoas
Média: 3.622
Taxa de ocupação: 72,45%
Renda: R$ 217.911
Média: R$ 27.238

As capacidades (oficiais) dos estádios usadas para calcular a taxa de ocupação: Arruda (60.044), Arena Pernambuco (46.214), Ilha do Retiro (32.983), Lacerdão (19.478), Cornélio de Barros (9.916) e Nildo Pereira (5.000).

Geral – 74 jogos (1ª fase, hexagonal do título e hexagonal da permanência)
Público total: 224.930
Média: 3.039 pessoas
TCN: 184.841 (82,17% da torcida)
Média: 2.497 bilhetes
Arrecadação: R$ 2.352.339
Média: R$ 31.788

Fase principal – 9 jogos (hexagonal do título e mata-mata)
Público total: 75.176
Média: 8.352 pessoas
TCN: 45.682 (60,76% da torcida)
Média: 5.075 bilhetes
Arrecadação total: R$ 1.197.805
Média: R$ 133.089

Todos os turnos dos pernambucanos na elite nacional, sempre distantes dos troféus Osmar Santos e João Saldanha

Troféus Osmar Santos (primeiro turno) e João Saldanha (segundo turno) da Série A, oferecidos pelo jornal Lance!. Crédito: montagem de Cassio Zirpoli com fotos de Leo Santana

Os turnos do Campeonato Brasileiro têm nome. Ao campeão do 1º turno, o Troféu Osmar Santos. Ao ganhador do 2º turno, o Troféu João Saldanha. As premiações especiais, com 22 centímetros de altura, foram criadas pelo artista plástico Léo Santana e oferecidas pelo diário esportivo Lance!.

As duas peças nunca chegaram nem perto do futebol pernambucano…

A 8ª colocação do Sport no primeiro turno de 2014 foi também o melhor rendimento de um representante local na primeira metade da elite. Tanto na posição quanto nos pontos ganhos. A maior pontuação até então havia sido 27, em duas oportunidades, ambas com o Leão, em 2007 e 2008.

No entanto, o revés na 19ª rodada, diante do São Paulo, impediu o Rubro-negro de estabelecer o melhor campanha geral (turno ou returno), em relação à soma de pontos. Em 2007, numa recuperação impressionante, com cinco vitórias consecutivas, o Náutico encerrou o segundo turno em 8º lugar, mas somou 29 pontos, com direito à maior marca de gols assinalados (38).

Abaixo, todas as campanhas dos representantes recifenses na Série A na era dos pontos corridos. No número de participações são 10 turnos do Náutico, 9 do Sport e 2 do Santa Cruz. Das 21 campanhas, em apenas 5 os pernambucanos ficaram na parte de cima da tabela. Por outro lado, foram 6 lanternas.

Desempenho dos clubes pernambucanos no 1º turno do Campeonato Brasileiro, na era dos pontos corridos (2006-2014)

Desempenho dos clubes pernambucanos no 2º turno do Campeonato Brasileiro, na era dos pontos corridos (2006-2014)