De pacotes temporários a 30 anos de mando, os contratos das arenas do NE

Arenas do Nordeste: Castelão, Arena Pernambuco, Arena das Dunas e Fonte Nova. Crédito: divulgação

A grosso modo, as quatro arenas nordestinas da Copa do Mundo de 2014 conseguiram firmar acordos com os clubes mais tradicionais das capitais.

Dez times assinaram. Porém, a diferença está no prazo dos contratos…

Do enxuto pacote do Vitória, jogo a jogo, sendo apenas um no Brasileirão, ao longo contrato do Náutico com o consórcio que administra o estádio em São Lourenço, com 30 anos de duração. São vários modelos, todos em ritmo de avaliação – inclusive das operadoras, buscando a receita esperada nas arquibancadas.

Curiosamente, apesar de ter o contrato mais duradouro, o Timbu foi o primeiro assinar. Depois, outras agremiações firmaram acordos de no máximo cinco anos. No próprio estado, os rivais Santa Cruz e Sport assinaram pacotes pontuais, sem abrir mão dos estádios particulares.

As assinaturas mais recentes são da dupla potiguar, até mesmo porque o estádio o último a ser inaugurado…

Eis os dados de cada arena em Fortaleza, Salvador, Recife e Natal.

Castelão
Capacidade: 63.903 lugares
Custo: R$ 518,6 milhões
Consórcio: Galvão/Serveng/BWA (8 anos de concessão)
Clubes: Ceará (até 2018), Ferroviário (até 2018) e Fortaleza (Série C de 2014)
Recorde (entre clubes): Ceará 1 x 1 Sport, 61.240 pessoas, 09/04/2014
Percentual de ocupação no recorde: 95,8%

Castelão, em Fortaleza. Crédito: Portal da Copa/Ministério do Esporte

Fonte Nova
Capacidade: 50.223 lugares
Custo: R$ 591,7 milhões
Consórcio: Odebrecht/OAS (35 anos de concessão)
Clubes: Bahia (até 2018) e Vitória (5 jogos em 2014)
Recorde (entre clubes): Bahia 1 x 2 Fluminense, 42.849 pessoas, 08/12/2013
Percentual de ocupação no recorde: 85,3%

Fonte Nova, em Salvador. Crédito: Governo da Bahia

Arena Pernambuco
Capacidade: 46.214 lugares
Custo: R$ 532 milhões
Consórcio: Odebrecht (30 anos de concessão)
Clubes: Náutico (até 2043), Santa (6 jogos em 2014) e Sport (6 jogos em 2014)
Recorde (entre clubes): Náutico 0 x 1 Sport, 30.061 pessoas, 23/04/2014
Percentual de ocupação no recorde: 65,0%

Arena Pernambuco, em São Lourenço da Mata. Crédito: Arena Pernambuco

Arena das Dunas
Capacidade: 31.375 (42.086 lugares no Mundial, com arquibancada provisória)
Custo: R$ 417 milhões
Consórcio: OAS (20 anos de concessão)
Clubes: ABC (até 2018) e América-RN (até 2018)
Recorde (entre clubes): América-RN 0 x 1 Fla, 30.575 pessoas, 01/10/2014
Percentual de ocupação no recorde: 97,4%

Arena das Dunas, em Natal. Crédito: Conmebol

Sub 23, o novo caminho para a elite pernambucana, com e sem profissionais

Clubes do Pernambucano Sub 23 de 2014 (segunda divisão). Crédito: Cassio Zirpoli

A segunda divisão do Campeonato Pernambucano foi instituída de forma regular em 1995, tendo como primeiro campeão o Sete de Setembro de Garanhuns.

Deficitária desde sempre, a competição se manteve aos trancos e barrancos com estádios vazios, jogos ruins e tendo como único ponto a favor o acesso. A movimentação do interior era quase uma falácia, com arremedos em campo.

Demorou quase duas décadas, mas a FPF tomou uma atitude e reformulou o torneio de forma drástica, dando um sentido a mais além das vagas. A partir de agora, a segundona, a popular Série A2, passa a ser o Pernambucano Sub 23.

Os dois lugares na elite do futebol local seguem em disputa. Porém, para isso as equipes postulantes terão que seguir o mesmíssmo modelo.

Em cada jogo, os time podem inscrever 22 jogadores, com pelo menos 18 tendo no máximo 23 anos (nascidos a partir de 1992). O formato é semelhante ao da Olimpíada, mas aqui cinco nomes sequer precisam ser profissionais…

Até a conquista do título, os 15 clubes vão passar por cinco fases, sendo duas etapas em grupos e o restante em mata-mata. Acesso somado às revelações.

Elogio à parte, a federação precisa mudar outro cenário, o das arquibancadas. A segundona (“Sub 23″) começou com campos precários e vazios, como sempre.

Grupo A: Araripina, Afogados, Altinho e Petrolina.
Grupo B: Belo Jardim, Centro Limoeirense, Sete de Setembro e Timbaúba.
Grupo C: Barreiros, Ferroviário do Cabo, Jaguar e Vera Cruz.
Grupo D: Atlético/PE Íbis e Olinda.

O Decisão, que integraria a chave D, desistiu. Favoritos ao acesso?

Jogos da rodada de abertura do Pernambucano Sub 23 de 2014. Fotos: FPF/site oficial

Uma noite com 354 testemunhas na Arena Pernambuco

Copa do Brasil 2014, 2ª fase: Náutico x América-RN. Foto: Celso Ishigami/DP/D.A press

Chuva, horário ruim, falta de motivação… e público ínfimo na Arena Pernambuco.

Até então, a menor presença de torcida no estádio havia na primeira fase da Copa do Brasil, quando o Náutico eliminou o Sergipe, com 1.497 pessoas. A marca foi quebrada no mesmo torneio, na segunda fase, no duelo entre Timbu e América de Natal. Como o time de Rosa e Silva precisava golear, somente 354 heróis pagaram ingresso.

Sim, apenas 354 testemunhas. A arrecadação foi de R$ 5.280, gerando um buraco difícil de pagar no empreendimento. Ou não, já que em caso de prejuízo o governo do estado precisa bancar. Vale lembrar ainda que a expectativa de faturamento anual no estádio é de R$ 73,2 milhões.

O público recorde (no mau sentido) foi o segundo pior em arenas da Copa do Mundo de 2014. Ficou abaixo apenas de Ferroviário 1 x 2 Guarany, no Castelão, este ano, com 200 pessoas.

Eis os dez piores públicos da Arena Pernambuco em um ano de operação.

1º) Náutico 2 x 0 América-RN (13/05/14) – 354 pessoas
2º) Náutico 1 x 0 Sergipe (09/04/14) – 1.497 pessoas
3º) Náutico 0 x 2 Salgueiro (05/03/14) – 1.801 pessoas*
4º) Náutico 0 x 1 Criciúma (10/11/13) – 2.707 pessoas
5º) Náutico 0 x 1 Bahia (17/11/13) – 2.721 pessoas
6º) Náutico 0 x 2 Goiás (27/10/13) – 3.558 pessoas
7º) Náutico 2 x 0 Vila Nova (26/04/14) -  4.923 pessoas
8º) Náutico 3 x 0 Porto (23/02/14) – 5.253 pessoas
9º) Náutico 1 x 5 Santos (19/10/13) – 5.452 pessoas
10º) Náutico 1 x 3 Botafogo (09/10/13) – 6.658 pessoas

*Foi o público presente, anunciado durante o jogo. No dia seguinte, porém, o borderô subiu o dado para 4.159, incluindo bilhetes trocados do Todos com a Nota, não contabilizados nas catracas.

Arquivo Segundona: 1990

Série B-1990: Sport 0 x 0 Atlético-PR

Ao todo, sete clubes pernambucano já participaram da Série B desde a primeira edição, em 1971: Central (17), Santa Cruz (17), Náutico (14), Sport (8), América (4), Ferroviário do Recife (2) e Estudantes (1).

De todas essas campanhas, apenas uma resultou no título nacional.

Campeão brasileiro em 1987, o Sport caiu para a Série B em 1989, no mesmo ano em que foi finalista da Copa do Brasil. Mas, dando razão à Fifa (que definiu o Leão é uma “montanha-russa”), o Rubro-negro conquistou a Segundona de 1990.

Na decisão, dois empates contra o Atlético-PR. Primeiro, 1 x 1 em Curitiba. Depois, um nervoso empate sem gols na Ilha do Retiro, em 16 de dezembro (foto), na presença de 22.712 pagantes. Campeões? Nomes como Márcio Alcântra, Mirandinha e Neco.

Em uma campanha recheada de empates (62,5% do total), o Leão viveu um momento tenso na semifinal, quando teve que segurar o Guarani no Brinco de Ouro (1 x 1).

Sport: 24 jogos, 7 vitórias, 15 empates e 2 derrotas; 22 GP e 14 GC.

Foto: Arquivo/DP

Coxinha, Doquinha e Ferrão

Coxinha e Doquinha

Sucesso no youtube, os personagens Coxinha e Doquinha fazem parte do programa “Nas garras da Patrulha”, que passa na TV Diário, em Fortaleza. Apesar de ser o ‘amigo mais cretino’ do Nordeste, mais conhecido como o ‘homem-tesoura”, Coxinha, um personagem do humorista Hiran Delmar, ainda arruma tempo para gostar de futebol. Em um dos episódios, Coxinha e Doquinha aparecem vestidos com a camisa do Ferroviário Atlético Clube.

“Diga aí, minha autarquia…”

Ferroviário, o "Ferrão" do Ceará!Ferroviário… Quando vi o vídeo, pensei logo: “Esse time sumiu do mapa?”. O Recife é a única capital da região com três grandes clubes efetivos. A cidade de Fortaleza foi a que mais se aproximou disso (*). Lá, no entanto, Fortaleza e Ceará, ambos finalistas nacionais (**), dispararam em relação ao rival tricolor, emulando um cenário semelhante ao quadro parcial aqui no estado.

Em 2008, o Ferroviário – fundado em 9 de maio de 1933 – ficou em 5º lugar no campeonato cearense e sequer se classificou à Série C do Brasileiro. Portanto, a equipe foi “rebaixada” para a futura Série D, em 2009. Caso consiga a vaga no Ceará, diga-se. Dono de 9 títulos estaduais, o “Ferrão” não conquista o Estadual desde 1995, quando sagrou-se bicampeão ao segurar o 0 x 0 diante do Icasa. A última final local foi em 2003, quando perdeu a taça para o Fortaleza. Segundo o site oficial do Ferroviário, “o clube é a maior expressão esportiva de raízes operárias do Brasil. Símbolo da democratização do futebol nacional e precursor do futebol profissional no estado do Ceará”.

Observação (*). Em São Luís, no Maranhão, também existem três clubes: Sampaio Corrêa (28 títulos), Moto Club (23) e Maranhão (13). No entanto, na visão do blog, os três clubes são de médio porte, com maior destaque ao Paio.

Observação (**): O Fortaleza foi vice-campeão da extinta Taça Brasil em 1960 e 1968, enquanto o Ceará foi finalista da Copa do Brasil de 1994.

Sobre Coxinha, eis algumas frases clássicas:
‘Você é uma autarquia’
‘Você é mei quilo de farinha d’água’
‘Você é um caminhão chei de eleitor comprado’
‘Você é um celular que bate foto’
‘Você é um curso pra garçom no Senai’
‘Você é mei metro de corda’

Abaixo, assista a um episódio de Coxinha e Doquinha.