Podcast – A análise da vitória do Náutico em Caruaru e da derrota do Santa no Sul

Série B 2017, 27ª rodada: Náutico 2x0 Boa (Léo Lemos/Náutico) e Inter 2x0 Santa (Ricardo Duarte/Internacional)

Os pernambucanos jogaram no sábado, em horários simultâneos, pela 27ª rodada da Série B. De volta ao Lacerdão, uma semana após a “estreia”, desta vez o alvirrubro alcançou o resultado positivo – e a sobrevida. Lá em Porto Alegre, o tricolor não foi páreo para o líder, voltando ao Z4. O 45 minutos comentou as duas partidas em gravações exclusivas, nas questões técnica e tática, além de análises individuais. Ao todo, 53 minutos de podcast.

Participei das duas gravações. Ouça!

30/09 – Náutico 2 x 0 Boa Esporte (29 min) 

30/09 – Internacional 2 x 0 Santa Cruz (24 min)

Atacantes correspondem, Jefferson pega pênalti e Náutico vence o Boa Esporte

Série B 2017, 27ª rodada: Náutico 2 x 0 Boa. Foto: Léo Lemos/Náutico

Há uma semana, o Lacerdão foi tomado por 13 mil torcedores, na estreia do Náutico no estádio nesta Série B. De lá para cá, a esperança foi arrefecida pela série de três derrotas seguidas, com apenas 2 mil alvirrubros na segunda apresentação em Caruaru. Na prática, era a última chance de seguir na briga. Fazer o dever de casa até o fim da competição é a matemática básica. Para isso, independe da dificuldade da partida. Como era o caso do Boa Esporte, há quatro jogos sem perder e na parte de cima da tabela.

Cabia ao Náutico fazer um jogo mais estudado e aproveitar as poucas oportunidades, entendendo a limitação (e condição) do time, que entrara ainda mais pressionado devido às vitórias de Figueirense e Goiás – idem com o Santa, que acabaria derrota em Porto Alegre. E para quem pegou a BR-232, desta vez, o sorriso se manteve até o apito final. O Náutico venceu por 2 x 0, com direito a um improvável e emocionante roteiro no finzinho.

Série B 2017, 27ª rodada: Náutico 2 x 0 Boa. Foto: Luís Prates/divulgação (@luisf_prates)

O alvirrubro começou tentando impor velocidade, mas o gramado logo deixou claro que não seria simples. O jogo só desafogou aos 19 minutos, quando o camisa 9 do visitante, Casagrande, cortou a bola com o braço. Pênalti. Novo camisa 9 do Náutico, Rafael Oliveira deslocou o goleiro e marcou o seu primeiro gol. Ainda no primeiro tempo ele foi substituído por Dico, também oriundo do Botafogo de João Pessoa. Rafael sofreu uma lesão no joelho direito e fará exame para avaliar a gravidade – reflexo direto do gramado duro.

No segundo tempo, o Boa foi mais organizado e dominou o jogo, com o timbu se restringindo a poucos contra-ataques. Num deles, aos 33, Gilmar perdeu grande chance. O castigo veio no minuto seguinte, num pênalti para o adversário, também por mão na bola. Destaque contra o Inter, mesmo na derrota, o jovem goleiro Jefferson transformou o bom rendimento em pontos ao espalmar a cobrança de Felipe. Aos 44, em novo contragolpe, Dico passou pelo marcador e bateu com muita força, golaço. Gol de quem não desiste…

Timbu como mandante sob o comando de Roberto Fernandes (4v-0e-1d)
19ª) Náutico 1 x 0 Luverdense (Arena PE)
21ª) Náutico 2 x 0 Figueirense (Arena PE)
23ª) Náutico 1 x 0 Brasil (Arena PE)
25ª) Náutico 0 x 1 Internacional (Lacerdão)
27ª) Náutico 2 x 0 Boa Esporte (Lacerdão)

Série B 2017, 27ª rodada: Náutico 2 x 0 Boa. Crédito: SporTV/reprodução

Náutico perde do Oeste em SP atuando com um a menos durante 53 minutos

Série B 2017, 24ª rodada: Oeste 1 x 0 Náutico. Foto: Marcos Bezerra/Futura Press/Estadão conteúdo

O Náutico perdeu o 3º jogo como visitante sob o comando de Roberto Fernandes, num rendimento inversamente proporcional à condição de mandante, com três vitórias. Longe de casa, o timbu vem tendo como pior característica a inoperância ofensiva, com o 1 x 0 cabalístico. Entretanto, os três jogos (América, Ceará e Oeste) tiveram outras nuances consideráveis.

O primeiro jogo foi simplesmente a maior disparidade possível, com o então líder diante do então lanterna. O excesso de precaução, jogando visivelmente pelo empate, não deu chance a uma reação após o gol bem tramado pelos mineiros. Depois, na capital cearense, um pênalti perdido e uma falha da defesa contra um adversário que jogou mal. Desta vez, na arena na região metropolitana de São Paulo, uma partida estudada pelas duas equipes, mas liquidada a partir de uma expulsão sem sentido do alvirrubro.

Série B 2017, 24ª rodada: Oeste 1 x 0 Náutico, com a torcida alvirrubra acompanhando num telão nos Aflitos. Foto: Náutico/instagram (@nauticope)

Após baixar de 8 para 5 pontos a diferença sobre o 16º colocado, a torcida alvirrubra se animou com a possibilidade voltar a vencer fora de casa, se reunindo para assistir ao jogo num telão nos Aflitos. Viram o Oeste abusar da bola aérea, levando bastante perigo, com Jefferson atento – desconsiderando um chute de média de distância, quando bateu roupa. Se o visitante não conseguia encaixar um contragolpe, ao menos ia segurando o empate.

Cenário desarmado no fim do primeiro tempo, numa irresponsabilidade tremenda do lateral-esquerdo Ávila. Tomou dois amarelos em sequência, aos 41 e aos 43. Um ao tentar retardar a reposição do goleiro. Outro ao cortar com a mão um lançamento. Comprometeu demais a atuação alvirrubra, com um a menos durante 53 minutos. O gol da vitória paulista, numa cabeça de Robert, aos 26/2T, saiu justamente no buraco deixado pelo ala. Enquanto o Oeste chegou a três vitórias seguidas, o Náutico volta para uma pedreira. Irá encarar o Inter em Caruaru necessitando manter o “perde/ganha”…

Timbu como visitante sob o comando de Roberto Fernandes
20ª) Náutico 0 x 1 América (Independência, Minas Gerais)
22ª) Náutico 0 x 1 Ceará (PV, Ceará)
24ª) Náutico 0 x 1 Oeste (Arena Barueri, São Paulo)

Série B 2017, 24ª rodada: Oeste 1 x 0 Náutico. Foto: Marcos Bezerra/Futura Press/Estadão conteúdo

Náutico toma gol bizarro, desperdiça penalidade e perde do Ceará no PV

Série B 2017, 22ª rodada: Ceará 1 x 0 Náutico. Crédito: Premiere/reprodução

Diante do América Mineiro, em BH, o Náutico perdeu pelo score mínimo, mas ofensivamente foi quase nulo. Era um duelo entre o líder e o lanterna. Duas semanas depois, no Presidente Vargas, o time pernambucano encarou outro jogo de disparidade técnica, também Z4 x G4. Perdeu novamente, de novo por 1 x 0. No entanto, a lamentação foi maior, pois havia a expectativa de um bom desempenho em Fortaleza, onde o time, no segundo tempo, criou mais.

O Ceará se manteve na zona de acesso com uma atuação fria. A mudança de estádio, para o acanhado palco, não surtiu efeito de pressão, com poucos torcedores presentes. Em campo, pouco fez, tanto no ataque quanto na defesa. Na verdade, o resultado passa diretamente pelo rendimento do Náutico. Começou no gol sofrido, numa sucessão de erros, desde a liberdade para o cruzamento à indefinição entre o goleiro Jefferson e o lateral Ávila, com a bola sobrando livrinha para Lima marcar logo aos 14 minutos de jogo.

Série B 2017, 22ª rodada: Ceará 1 x 0 Náutico. Crédito: Premiere/reprodução

No vozão, a vantagem bastou, mantendo uma postura precavida. Jogando sem Erick, com a negociação quase consumada, o visitante não se arriscou tanto, num duelo insosso. Na segunda etapa, o futebol do Náutico melhorou, com posse de bola e jogando no campo ofensivo. Mas desperdiçou todas as chances, como os chutes de Gilmar (sobra na área) e Iago (cruzado).

Além da grande oportunidade da noite, numa penalidade assinalada (corretamente) aos 11 minutos. O meia Giovanni telegrafou e bateu rasteiro, com o goleiro Éverson salvando o time alencarino. Foi o terceiro pênalti desperdiçado pelo Náutico neste Brasileiro. Curiosamente, o timbu também havia perdido uma cobrança contra o rival cearense no primeiro turno, através de Anselmo, já dispensado. Também acabou derrotado na ocasião. Com o resultado, mantendo a série 8 ou 80, o time se vê obrigado a vencer o próximo jogo, dentro de doze dias, na arena, contra o Brasil. Pressão onipresente.

Penalidades desperdiçadas pelo Náutico na Série B
27/05 – Náutico 0 x 2 Ceará (Anselmo)
20/06 – Náutico 2 x 3 Goiás (Gilmar)
25/08 – Ceará 1 x 0 Náutico (Giovanni)

Série B 2017, 22ª rodada: Ceará 1 x 0 Náutico. Crédito: Premiere/reprodução

O histórico de recuperação dos lanternas na Série B e a esperança timbu no returno

Série B 2017, 19ª rodada: Náutico 1 x 0 Luverdense. Foto: Ricardo Fernandes/DP

Com duas vitórias nas últimas duas rodadas do primeiro turno, o Náutico alimentou a esperança de permanência na Série B. Apesar de ter somado apenas 14 pontos, o time pernambucano tem exemplos de recuperação para poder se espelhar no returno. Na lanterna, precisaria, no mínimo, de quatro rodadas perfeitas para sair do Z4. A meta, portanto, é a longo prazo. Dos cinco times que somaram 14 pontos na primeira metade da segundona, na era dos pontos, dois deles escaparam do descenso, os rivais nordestinos ABC e Ceará. O primeiro era treinado pelo atual técnico timbu, Roberto Fernandes

Para isso, o Náutico precisará de pelo menos 31 pontos nos próximos 19 jogos, ou 54% de aproveitamento – abaixo disso, dependeria de combinações. Basicamente, trata-se do índice alcançado pelo Vila Nova, que encerrou o primeiro turno na 3ª colocação. Enquanto isso, o timbu teve 24%.

Projeção de campanha com 31 pontos no returno
10 vitórias, 1 empate e 8 derrotas
9 vitórias, 4 empates e 6 derrotas
8 vitórias, 7 empates e 4 derrotas

O lanterna da Série B após 19 rodadas (e a situação após a 38ª)
2006 – 15 pontos, Ceará (15º, 45 pts)
2007 – 17 pontos, Ituano (20º, 33 pts)
2008 – 12 pontos, CRB (20º, 24 pts)
2009 – 14 pontos, Campinense (19º, 37 pts)
2010 – 15 pontos, Ipatinga (19º, 41 pts)
2011 – 9 pontos, Duque de Caxias (20º, 17 pts)
2012 – 10 pontos, Barueri (20º, 30 pts)
2013 – 14 pontos, ABC (14º, 46 pts)
2014 – 14 pontos, Vila Nova (19º, 32 pts)
2015 – 14 pontos, Ceará (15º, 45 pts)
2016 – 13 pontos, Sampaio Corrêa (20º, 27 pts)
2017 – 14 pontos, Náutico

O desempenho do Náutico no 1º turno da Série B de 2017

Como mandante (7 pontos; 23,3% de aproveitamento)
10 jogos; 1 vitória, 4 empates e 5 derrotas
Venceu o Luverdense (1 x 0 )

Como visitante (7 pontos; 25,9% de aproveitamento)
9 jogos; 2 vitórias, 1 empate e 6 derrotas
Venceu ABC (0 x 1) e Vila Nova (0 x 1)

Aprendendo a mexer com cash

Bola de dinheiro

Ao todo, o Sport tem 72 jogadores com contrato assinado, de acordo com o Boletim Informativo Diário (BID) da CBF. Contratos profissionais, com atletas a partir das categorias juvenil e júnior (veja AQUI). De todos eles, o maior contrato vigente é justamente o do atacante Ciro, até 5 de agosto de 2013.

Não por acaso, o contrato dele tem a maior multa rescisória do Leão, com valores de R$ 20 milhões para clubes brasileiros e R$ 40 milhões para times estrangeiros. Algumas sondagens do exterior teriam chegado a R$ 10 mi no ano passado!

A multa, porém, é apenas um parâmetro para as negociações, que quase sempre são abaixo do valor estipulado. De qualquer forma, acredita-se que a possível venda dos direitos econômicos da revelação leonina chegue a pelo menos metade, se for no Brasil.

Como se sabe, o craque afirmou, em entrevista ao repórter André Albuquerque, do Diario de Pernambuco, que o Palmeiras o sondou recentemente (veja AQUI).

Independentemente do desfecho dessa negociação, a primeira dúvida é:

Será que o Sport vai conseguir vender o atacante Ciro por mais de R$ 3,5 milhões?

O valor pode parecer baixo para as pretensões rubro-negras. No entanto, o número já seria um recorde em Pernambuco. A maior transação aconteceu há 12 anos.

O país cresceu economicamente, a moeda ganhou força, as cotas de patrocínio dos clubes aumentaram, mas venda do meia Jackson, hoje no Santa Cruz, ainda é um marco. Curiosamente, aquela negociação foi justamente entre Sport e Palmeiras…

Segunda dúvida:

Os clubes do Recife não sabem negociar ou o nível dos atletas revelados é baixo?

Vendas milionárias de Pernambuco (valores em Reais, em vigor desde 1994)

  • Top 5

3.500.000 – Jackson (meia), do Sport para o Palmeiras, em 1998
2.200.000 – Bosco (goleiro), do Sport para o Cruzeiro, em 2001
2.100.000 – Gilmar (atacante), do Náutico para o Guingamp (França), em 2009
2.000.000 – Daniel Paulista (volante), do Sport para o Rapid (Romênia), em 2008
1.800.000 – Fumagalli (meia), do Sport para o Al-Rayyan (Catar), em 2007

  • Top 10

1.750.000 – Leonardo (atacante), do Sport para o Cruzeiro, em 2001
1.500.000 – Juninho Pernambucano (meia), do Sport para o Vasco, em 1995
1.500.000 – Juninho Petrolina (meia), do Sport para o Atlético-MG, em 1998
1.500.000 – Cleber Santana (meia), do Sport para o Vitória/BA, em 2004
1.300.000 – Pantera (atacante), do Santa Cruz para o Compostela (Espanha), em 1996

  • Top 20*

1.300.000 – Chiquinho (meia), do Sport para o Vitória/BA, em 1997
1.200.000 – Carlinhos Bala (atacante), do Santa Cruz para o Cruzeiro, em 2006
1.100.000 – Moacir (volante), do Sport para o Corinthians, em 2010
1.000.000 – Russo (lateral-direito), do Sport para o Vitória/BA, em 1997
1.000.000 – Edson (lateral-esquerdo), do Sport para o Corinthians, em 2000
1.000.000 – Grafite (atacante), do Santa Cruz para o Grêmio, em 2001
1.000.000 – Wellington (atacante), do Náutico para o TSG Hoffenheim, em 2008

*Nota-se que para completar o top 20 ainda faltam três negociações milionárias…

Enquete: Qual é a melhor formação para o ataque do Timbu?

Artilharia alvirrubraCom a contratação de Acosta, de 32 anos, o técnico Waldemar Lemos ganhou uma ótima opção para compor o ataque do Náutico.

Além do uruguaio, o Alvirrubro conta ainda com Gilmar, Bala, Adriano Magrão, Anderson Lessa e Kuki. 8-)

Será que o torcedor alvirrubro já tem alguma preferência? Opine na nova enquete do blog!

Qual é a melhor formação para o ataque do Náutico?

Última enquete: Você prefere um campeonato nacional apenas por pontos corridos ou com um mata-mata numa fase decisiva?

  • Apenas por pontos corridos (55%, 53 votos)
  • Com mata-mata na fase decisiva (45%, 44 votos)

Total de votos: 97

8 ou 80

Série-2008: Náutico 5 x 2 CruzeiroO Náutico irá enfrentar o Cruzeiro no próximo domingo, nos Aflitos, às 18h30. Será o 3° jogo no estádio alvirrubro desde o retorno do time à Série A.

E pelos resultados dos jogos anteriores, fica difícil imaginar algo para esse novo confonto. Tomara que seja algo parecido com o ano passado… 8-)

Seguindo a lógica dos últimos anos, esse não é um “confronto direto” na campanha do Náutico, mas os comandados de Waldemar Lemos podem surpreender novamente. Como no domingo passado. Você concorda, torcedor timbu?

Desce18 de julho de 2007

Com 1 minuto de jogo, Tales cobrou uma falta precisa… Náutico 1 x 0! Mas, diante de um time mais técnico, o Timbu tomou a virada. E que virada… Roni, Wágner, Araújo e Leandro Domingues. Náutico 1 x 4 Cruzeiro. 8-O

Sobe15 de novembro de 2008

Numa luta frenética contra o rebaixamento, precisando vencer todos os jogos em casa, o Náutico recebeu o Cruzeiro, que tinha cadeira fixa no G4 do Brasileiro. Mas dessa vez deu o troco. E com juros… :-D Náutico 5 x 2 Cruzeiro, com grandes atuações de Gilmar e Felipe. Cada um fez 2 gols.

Foto: Heitor Cunha/DP (15/11/08)

13 gols: 5 horas e 1 minuto de empate

Durante 5 horas, entre o gol do alvirrubro Gilmar, às 15h55 de quinta-feira, e o gol do centralino Fábio Silva, às 20h56 do mesmo dia, o Pernambucano chegou a ter um empate entre 4 atacantes na briga pela artilharia!

Todos com 13 gols, faltando apenas 3 rodadas… Representantes dos 3 times da capital e do maior clube do interior. Algo raríssimo. Tanto que nesse momento – quando estavam empatados – eu conversava sobre o assunto com o pesquisador Carlos Celso Cordeiro, próximo ao alambrado dos Aflitos, vendo a fácil vitória timbu.

Corrida de cavalos“Cassio… Essa pesquisa nem vai adiantar fazer dessa vez… Pois nunca tinha visto algo assim no Pernambucano!”

Para Carlos Celso dizer algo assim, é porque estamos diante de algo inédito mesmo… 8-O Fato que mereceu destaque no Blog de Lédio Carmona, do SportTV (veja AQUI)

A última vez que a artilharia ficou dividida foi em 2001, quando Kuki e Rodrigo Gral (ex-Sport) marcaram 14 vezes (confira a lista de artilheiros clicando AQUI). Nunca, porém, o status foi compartilhado por mais de 2 jogadores…

De qualquer forma, Fabio Silva fez o gol de empate do Central diante do Ypiranga, no Lacerdão, e deu um passo a mais que os rivais. Se no Santa, a artilharia de Marcelo Ramos é considerada “projeto do clube”, o mesmo ocorre na Patativa, que nunca teve o goleador máximo do Estadual.

Quem é o favorito na briga pela artilharia? Você acredita em um empate na disputa? Opine!

14 gols – Fábio Silva (Central)

13 gols – Marcelo Ramos (Santa Cruz)

13 gols – Ciro (Sport)

13 gols – Gilmar (Náutico)

Artilharia pesada

Após 17 jogos para cada clube no Pernambucano, a briga pela artilharia segue emocionante. Os três grandes do Recife e o maior time do interior estão representados na disputa. Na última rodada, o atacante tricolor Marcelo Ramos marcou 2 vezes e ficou na ponta dos goleadores do Estadual, com 12 gols. Na quinta-feira, o alvirrubro Gilmar marcou mais um e ficou ali pertinho, com 11 gols. A vice-liderança, por sinal,  é ocupada por 3 jogadores! 8-O

Em 2008, o meia Geraldo, então no Náutico, foi o artilheiro do campeonato, com 13 gols, seguido pelo companheiro de clube Wellington e pelo experiente Edmundo, do Ypiranga. Ambos com 12 gols. Essa marca do ano passado deverá ser superada logo. O próprio Marcelo Ramos acredita que o goleador desta temporada deverá marcar pelo menos 17 vezes.

Do jeito que está essa briga, poderemos até ver um empate no final do Pernambucano. A última vez que isso aconteceu foi em 2001, quando Kuki e Rodrigo Gral (ex-Sport) marcaram 14 vezes e dividiram o status de artilheiro (confira a lista de artilheiros clicando AQUI).

Pernambucano-2009: artilheirosQuem é o favorito na briga pela artilharia? Você acredita em um empate na disputa?

Opine!

12 gols – Marcelo Ramos (Santa Cruz)

11 gols – Ciro (Sport)

11 gols – Fábio Silva (Central)

11 gols – Gilmar (Náutico)

A pontaria dessa turma aí está calibrada…

Leia mais sobre o game “Frontline – Fields of Thunder” clicando AQUI.