O jogo internacional mais importante do Sport em 8 anos. Desde São Marcos…

Sport x Junior (COL), pelas quartas da Sul-Americana 2017. Crédito: Sport/twitter

O confronto contra o Palmeiras, pelas oitavas de final da Taça Libertadores de 2009, foi, sem dúvida, o ponto alto do Sport no cenário internacional. Nas mãos de Marcos, que pegou três pênaltis, o leão parou ali. Desde então, o time voltou cinco vezes às disputas da Conmebol, sempre na Copa Sul-Americana. Após desempenhos bem modestos, enfim uma boa campanha, alcançando as quartas de final. Diante do Junior Barranquilla, torna-se o primeiro nordestino entre os oito melhores da Sula. Vai por mais.

Historicamente, como mandante, o rendimento é bom diante de adversários estrangeiros: 70%. Com média de 15 mil pessoas, foram 5 vitórias em 8 jogos.

Assista ao vídeo do Sport sobre a convocação para o jogo de 26/10…

O leão como mandante contra os gringos nas copas internacionais
16/08/1988 – Sport 5 x 0 Alianza (Peru) – Libertadores (15.213)
23/08/1988 – Sport 0 x 0 Universitario (Peru) – Libertadores (22.628)
04/03/2009 – Sport 2 x 0 LDU (Equador) – Libertadores (20.184)
22/04/2009 – Sport 2 x 1 Colo Colo (Chile) – Libertadores (20.050)
23/10/2013 – Sport 1 x 2 Libertad (Paraguai) – Sul-Americana (17.575)
23/09/2015 – Sport 1 x 1 Huracán (Argentina) – Sul-Americana (7.726)
06/04/2017 – Sport 3 x 0 Danubio (Uruguai) – Sul-Americana (13.582)
06/07/2017 – Sport 2 x 0 Arsenal (Argentina) – Sul-Americana (7.694)
26/10/2017 – Sport x Junior (Colômbia) – Sul-Americana (a disputar)

8 jogos; 5V, 2E e 1D; 16 GP e 4 GC. Público médio de 15.581

Sorteio da Sul-Americana com 2 potes dividindo 32 clubes. Fórmula secreta

Os 2 potes do sorteio ad Copa Sul-Americana de 2017. Crédito: Conmebol/divulgação

Faltando 24 horas para o sorteio da segunda fase da Copa Sul-Americana, em Luque, finalmente a Conmebol detalhou o formato, através do diretor de competições, Hugo Figueredo. Ao contrário da Libertadores, não havia qualquer critério no regulamento oficial da Sula 2017, conforme observado no blog. Pra variar, pois na primeira fase ocorreu o mesmo. Ou seja, a tal renovação na entidade é mais na embalagem que no conteúdo.

Dos 32 clubes, 22 se classificaram na 1ª fase, incluindo o Sport, e 10 vieram da Libertadores, com os terceiros colocados da fase de grupos e os melhores entre os eliminados na fase Pré. Para a formação do chaveamento definitivo do torneio, com cinco fases até a decisão, foram criados dois potes. No primeiro, os times da Liberta e os seis de melhor campanha no primeiro mata-mata da própria Sul-Americana. No segundo, os 16 restantes da Sula.

Aí, entra um problema grave sobre a não divulgação. O Sport, por exemplo, atuou em Montevidéu com um time reserva, imaginando a administração do 3 x 0 aplicado na Ilha. No sufoco, passou nos pênaltis. Contudo, ninguém sabia que uma eventual vitória lá (com Ronaldo Alves, Rithely e Diego Souza poupados) deixaria o time no pote 1. Fica o recado para 2018…

Pote 1
Estudiantes, Tucumán, Flamengo, Chapecoense, Iquique, Independiente Medellín, Santa Fe, Junior, Libertad, Olimpia, Sol de América, Arsenal, Universidad Católica (Equador), Corinthians, Boston River e LDU

Pote 2
Cerro Porteño, Racing, Independiente, Oriente Petrolero, Potosí, Huracán, Fluminense, Fuerza Amarilla, Sport, Nacional (Paraguai), Deportivo Cali, Bolívar, Palestino, Patriotas, Ponte Preta e Defensa y Justicia.

Os clubes dos pote 1 definem o confronto em casa nesta fase. No entanto, no sorteio dos 16 confrontos serão definidas as nomenclaturas de cada duelo, de O1 até 016. Os vencedores irão “levar” a numeração até a decisão, pois o menor número em cada chave definirá a vantagem do mando de campo.

Ex. Embora na 2ª fase já seja certo que o Sport jogará a volta como visitante, o Sport poderia ser “O1″ e definir as fases seguintes sempre em casa.

Os 32 clubes classificados à segunda fase da Copa Sul-Americana de 2017

Os 32 clubes classificados à 2ª fase da Copa Sul-Americana 2017. Crédito: Conmebol/site oficial

A Copa Sul-Americana foi reformulada em 2017. Com a ampliação, o torneio passou a integrar nada menos que dez clubes oriundos da Libertadores da mesma temporada. No caso, os dois melhores colocados entre os eliminados na fase pré (Junior e Olimpia) e os oito terceiros lugares na fase de grupos (Tucumán, Estudiantes, Chape, Fla, Independiente Medellín, Santa Fé, Iquique e Libertad). Juntaram-se aos 22 classificados da primeira fase da Sula, entre eles o Sport, que avançou nos pênaltis diante do Danubio.

O sorteio da segunda fase está marcado para 14 de junho, em Luque, no Paraguai, na sede da Conmebol. Entretanto, mais uma vez, a confederação não é clara quanto ao formato do sorteio (pote único ou dirigido?). Tampouco o regulamento. Já havia sido assim nos últimos dois sorteios do torneio, com a regra detalhada somente na véspera – abaixo, a íntegra do capítulo referente a esta etapa. Somente a partir das oitavas de final haverá a definição do chaveamento até a decisão, como na Taça Libertadores.

O regulamento da Sula 2017 sobre o sorteio das chaves. Crédito: Conmebol/reprodução

Voltando aos 32 participantes, nomes de peso seguem na disputa, incluindo sete campeões da Liberta e cinco campeões da Sula, com Independiente de Avellaneda e LDU de Quito erguendo taças nas duas frentes.

Campeões da Libertadores: Independiente (7 títulos), Estudiantes (4), Olimpia (3), Racing (1), Flamengo (1), LDU (1) e Corinthians (1)

Campeões da Sul-Americana: Arsenal (1 título), Independiente (1), Chapecoense (1), Santa Fé (1) e LDU (1)

Os 32 clubes classificados à segunda fase da Sula representam oito países, com a armada argentina sendo a maior. Peru e Venezuela já estão fora…

Argentina (7): Estudiantes, Atlético Tucumán, Independiente, Racing, Huracán, Arsenal e Defensa y Justicia 

Brasil (6): Chapecoense, Flamengo, Corinthians, Fluminense, Sport e Ponte Preta 

Colômbia (5): Junior, Deportivo Cali, Independiente Medellín, Patriotas e Santa Fé 

Paraguai (5): Cerro Porteño, Libertad, Nacional, Olimpia e Sol de América 

Bolívia (3): Bolívar, Nacional Potosí, Oriente Petrolero 

Equador (3): Fuerza Amarilla, LDU e Universidad Católica 

Chile (2): Deportes Iquique e Palestino 

Uruguai (1): Boston River

Os públicos internacionais no Recife, com 19 partidas oficiais entre 1968 e 2016

Sul-Americana 2016, oitavas: Santa Cruz 3 x 1 Independiente Medellín. Foto: Wellington Araújo/CBN Recife 105.7 FM

Com a participação do Santa Cruz na Sul-Americana de 2016, o Trio de Ferro completou o ciclo de disputas internacionais, com ao menos uma para cada rival pernambucano. Entretanto, até hoje, uma série de campanhas fracas, com um brilhareco em 2009. Com isso, a ocupação nas arquibancadas seguiu o mesmo ritmo, como comprova o primeiro jogo de um torneio interclubes da Conmebol no Arruda. O retrospecto no Grande Recife conta com 19 jogos, incluindo quatro clássicos, mas nenhum borderô chegou sequer a 30 mil espectadores. No geral, uma média de 13 mil pessoas, que cai consideravelmente no recorte da Sula, com times locais presentes em quatro temporadas consecutivas.

Eis os públicos oficiais de todos os jogos internacionais oficiais no Recife

Taça Libertadores da América (3 participações)
21/01/1968 – Náutico 1 x 3 Palmeiras – 8.004 (Ilha)
11/02/1968 – Náutico 1 x 0 Deportivo Gailicia (VEN) – 7.302 (Ilha)
14/02/1968 – Náutico 3 x 2 Deportivo Portugués (VEN) – 6.513 (Ilha)
02/07/1988 – Sport 0 x 1 Guarani – 27.860 (Ilha)
16/08/1988 – Sport 5 x 0 Alianza (PER) – 15.213 (Ilha)
23/08/1988 – Sport 0 x 0 Universitario (PER) – 22.628 (Ilha)
04/04/2009 – Sport 2 x 0 LDU (EQU) – 20.184 (Ilha)
08/04/2009 – Sport 0 x 2 Palmeiras – 19.386 (Ilha)
22/04/2009 – Sport 2 x 1 Colo Colo (CHI) – 20.050 (Ilha)
12/05/2009 – Sport (1) 1 x 0 (3) Palmeiras – 28.487 (Ilha)

Total – 175.627 torcedores em 10 jogos (média de 17.562)
Sport – 153.808 pessoas em 7 jogos (21.972)
Náutico – 21.819 pessoas em 3 jogos (7.273)

Copa Sul-Americana (6 participações)
20/08/2013 – Sport 2 x 0 Náutico – 16.125 (Ilha)
28/08/2013 – Náutico (1) 2 x 0 (3) Sport – 8.320 (Arena PE)
23/10/2013 – Sport 1 x 2 Libertad (PAR) – 17.575 (Arena PE)
28/08/2014 – Sport 0 x 1 Vitória – 6.025 (Ilha)
27/08/2015 – Sport 4 x 1 Bahia – 8.201 (Ilha)
23/09/2015 – Sport 1 x 1 Huracán (ARG) – 7.726 (Ilha)
24/08/2016 – Santa Cruz 0 x 0 Sport – 5.517 (Arena PE)
31/08/2016 – Sport 0 x 1 Santa Cruz – 6.570 (Arena PE)
28/09/2016 – Santa Cruz 3 x 1 Independiente (COL) – 5.474 (Arruda)

Total – 81.533 torcedores em 9 jogos (média de 9.059)
Sport – 62.222 pessoas em 6 jogos (10.370)
Santa – 10.991 pessoas em 2 jogos (5.495)
Náutico – 8.320 pessoas em 1 jogo (8.320)

Libertadores + Sul-Americana (9 participações)
Total – 257.160 torcedores em 19 jogos (média de 13.534)

Sport – 216.030 pessoas em 13 jogos (16.617)
Náutico – 30.139 pessoas em 4 jogos (7.534)
Santa – 10.991 pessoas em 2 jogos (5.495)

Os jogos no exterior de Santa Cruz, Sport e Náutico em torneios da Conmebol

A partida entre Santa e Independiente, em Medellín, completou o ciclo de jogos no exterior do Trio de Ferro. Agora, todos têm experiências em competições oficiais da Conmebol. Um histórico iniciado em 1968, com o Náutico, representando o Brasil como vice da Taça Brasil. Em nove partidas, visitas a Venezuela, Peru, Chile, Equador, Paraguai, Argentina e Colômbia, com 3 vitórias, 1 empate e 5 derrotas, considerando apresentações na Libertadores (1968, 1988 e 2009) e na Sul-Americana (2013-2016). Abaixo, registros de agências fotográficas que cederam imagens ao Diario de Pernambuco ao longo dos anos. Por sinal, nota-se o avanço das imagens, da dificuldade em jogos noturnos, impressões em preto e branco e, enfim, câmeras digitais.

Em relação aos demais países filiados da Conmebol, faltam viagens pernambucanas a Uruguai e Bolívia. Esperamos em breve…

21/09/2016 – Independiente (COL) 2 x 0 Santa Cruz (Sul-Americana, Medellín)
O duelo entre o campeão colombiano e o campeão nordestino foi transmitido para toda a América Latina pelo canal Fox Sports. Em campo, os corais jogaram sem três titulares, sofrendo o segundo gol no finzinho, dificultando bastante o jogo de volta, no Arruda.

Sul-Americana 2016, oitavas de final: Independiente Medellín 2 x 0 Santa Cruz. Foto: Conmebol/twitter (@conmebol)

30/09/2015 – Huracán (ARG) 3 x 0 Sport (Sul-Americana, Buenos Aires)
Após o empate no Recife, com André marcando para o rubro-negro, a igualdade permaneceu durante todo o primeiro tempo em Buenos Aires. Nos 45 minutos finais, porém, três gols do mandante, que posteriormente seria vice na Sula 

Sul-Americana 2015, oitavas de final: Huracán 3x0 Sport

25/09/2013 – Libertad (PAR) 2 x 0 Sport (Sul-Americana, Luque)
O primeiro jogo internacional de um clube do estado pela Sul-Americana inicialmente ocorreria na casa do Libertad, em Assunção, mas mudou de palco porque rubro-negro exigiu o cumprimento do regulamento, que demandava uma capacidade mínima de 10 mil. A Conmebol atendeu. Em campo, não adiantou. Na volta, reservas e outro revés.

Sul-Americana 2013, oitavas de final: Libertad 2 x 0 Sport

29/04/2009 – LDU (EQU) 2 x 3 Sport (Libertadores, Quito)
Com dois gols de Andrade, o Leão virou o jogo sobre o atual campeão continental e terminou na liderança do “grupo da morte”. Foi a primeira vitória de um clube brasileiro no estádio Casa Blanca em jogos na Libertadores.

Libertadores 2009, LDU 2x3 Sport

18/02/2009 – Colo Colo (CHI) 1 x 2 Sport (Libertadores, Santiago)
O jogo (e estreia) teve a presença de 1.800 torcedores rubro-negros no estádio David Arellano, o recorde de uma torcida estrangeira no local até então, superando o Boca Juniors. A vitória veio com gols dos atacantes Ciro e Wilson.

Libertadores 2009, fase de grupos: Colo Colo 1x2 Sport

22/07/1988 – Alianza (PER) 0 x 1 Sport (Libertadores, Lima)
De muito longe, o lateral-direito Betão marcou o solitário gol da vitória leonina, num jogo transmitido ao vivo para o Recife, pela Globo Nordeste. O resultado deu sobrevida à primeira campanha internacional do rubro-negro.

Libertadores 1988, fase de grupos: Alianza 0x1 Sport

18/07/1988 – Universitario (PER) 1 x 0 Sport (Libertadores, Lima)
Foi a segunda derrota seguida do time pernambucano na competição, pressionando bastante o jogo seguinte. No fim daquela campanha, perderia a vaga justamente para o Universitario, com um empate sem gols em casa.

Libertadores 1988, fase de grupos: Universitario 1x0 Sport

31/01/1968 – Deportivo Galicia (VEN) 2 x 1 Náutico (Libertadores, Caracas)
O segundo gol do Galicia foi irregular, segundo relato do jornal na época. Com status de vice-campeão brasileiro, o Timbu decepcionou em solo venezuelano, com críticas da crônica esportiva recifense pelos dois jogos sem vitória por lá.

Libertadores 1968: Deportivo Galicia 2 x 1 Náutico. Foto: Arquivo/DP

27/01/1968 – Deportivo Portugués (VEN) 1 x 1 Náutico (Libertadores, Caracas)
O meia Ivan Brondi, atual presidente do clube alvirrubro, empatou o jogo, garantindo o primeiro ponto do clube no grupo 5 da Liberta.

Libertadores 1968: Deportivo Portugués 1 x 1 Náutico. Foto: Arquivo/DP

O necessário intercâmbio do Huracán para o cenário internacional no Recife

Delegação do Huracán recebida por representantes do governo de Pernambuco em 2015. Foto: Emiliano Villa/Huracán

Pela primeira vez o Huracán vem ao Recife. Atual campeão da Copa Argentina, o time desembarcou no Aeroporto dos Guararapes para enfrentar o Sport nas oitavas de final da Copa Sul-Americana de 2015. Apesar da curta estadia, a delegação se mostrou surpresa com a recepção. Começou com as lembranças por parte da Secretaria de Turismo, Esportes e Lazer, no hotel da delegação, em Boa Viagem. No dia seguinte, a delegação chefiada pelo diretor de futebol do Globo, Fernando Salces, foi recepcionada no Arruda pelo vice-presidente do Santa, Constantino Júnior, que cedeu o Arruda para o treino.

E olhe que o Náutico também liberou o seu centro de treinamento, mas a distância até a Guabiraba foi determinante na escolha. Ou seja, ainda que o jogo propriamente dito seja contra os rubro-negros, indiretamente a passagem dos hermanos atingiu outras três frentes, mostrando a importância de partidas internacionais, um cenário ainda raro no futebol local, sobretudo em torneios oficiais. A gentileza foi até reconhecida na página oficial do Huracán.

Time do Huracán treinando no Arruda, em 2015. Foto: Emiliano Villa/Huracá

“Al llegar a la ciudad fueron recibidos por integrantes del Gobierno de la provincia de Pernambuco y ayuntamiento de Recife quienes entregaron presentes a la delegación. Hoy su máximo rival en la ciudad, Santa Cruz, cedió gentilmente las instalaciones de su estadio para que el conjunto conducido por Eduardo Domínguez entrene por la mañana.” 

Paralelamente a isso, as informações sobre o Huracán, o Recife e o adversário (Sport), chegam aos veículos de Buenos Aires, numa exposição gratuita. Contudo, neste século, esta é apenas a 4ª partida oficial de um clube estrangeiro na capital do estado: LDU (2009), Colo Colo (2009), Libertad (2013) e Huracán (2015), todos contra o Leão, pela Libertadores e Sul-Americana. Número muito baixo, deixando claro o quão importante é a troca de experiências do tipo.

Tininho com diretor do Huracán no Arruda, em 2015. Foto: Emiliano Villa/Huracá

A fase internacional da Copa Sul-Americana 2015

Copa Sul-Americana 2015. Crédito: facebook.com/CopaSudamericanaConmebol

A chamada “fase internacional” da Copa Sul-Americana de 2015 está definida. Após duas fases preliminares, com direito a duelos regionais, restaram 16 clubes. Atual campeão, o River Plate, que desde então também ganhou a Recopa e a Libertadores, já tinha passe livre até as oitavas de final. Finalmente irá estrear, contra a LDU, campeã da Sula em 2009.

Do lado brazuca, quatro clubes seguem na disputa, incluindo o Sport, que despachou o Bahia. Nas oitavas, o Leão irá à Buenos Aires pela primeira vez em sua história, onde enfrentará o Huracán (ida na Ilha do Retiro e volta no El Palacio). Caso avance às quartas de final, ficará entre Buenos Aires (Lanús) ou Montevidéu (Defensor). Numa hipotética semi, pode cruzar com adversários tradicionalíssimos como Independiente ou Olimpia.

Essa é a segunda vez que o Rubro-negro alcança esta etapa do torneio. Em 2013 caiu logo nas oitavas, na disputa contra o Libertad, do Paraguai.

Confira o chaveamento final da Sula numa resolução maior aqui.

Em relação à premiação, eis as cotas pela participação em cada fase:
Fase brasileira: US$ 150 mil
Oitavas: US$ 225 mil
Quartas: US$ 300 mil
Semifinal: US$ 360 mil
Vice: US$ 550 mil
Campeão: US$ 1,2 milhão

Técnica e financeiramente, a Copa Sul-Americana mostra o seu valor…

Da Libertadores 1988 à Sul-Americana 2014, os públicos com mando do Sport

Copa Sul-Americana, 2ª fase: Sport x Vitória. Foto: Thais Lima/DP/D.A Press

O clássico entre os rubro-negros nordestinos foi o 10º jogo do Sport como mandante em jogos internacionais oficiais. Considerando as duas participações na Libertadores e as duas na Sul-Americana, o clube pernambucano levou 193.533 torcedores aos seus jogos, com uma média acima de 19 mil pessoas.

O índice caiu justamente na estreia da Sula de 2014, em outro fato negativo, além do placar. Foi o pior público do Leão em seu histórico internacional, com apenas 6.025 pessoas no borderô oficial (falta do TCN? horário?). Até então, a menor assistência na arquibancada havia sido 16 de agosto de 1988, quando o time vinha de uma situação ruim no grupo 3 da Liberta. Foram 15.213 pagantes.

Pelo menos, aquela torcida presente há 26 anos viu a maior goleada do Sport em jogos internacionais: 5 a 0, com dois gols de Robertinho, dois de Nando e um de Edson. Bem diferente da frustrante estreia na Sula de 2014. Ao todo, foram nove apresentações na Ilha do Retiro e um na Arena Pernambuco.

Taça Libertadores da América
02/07/1988 – Sport 0 x 1 Guarani – 27.860
16/08/1988 – Sport 5 x 0 Alianza (PER) – 15.213
23/08/1988 – Sport 0 x 0 Universitario (PER) – 22.628
04/04/2009 – Sport 2 x 0 LDU (EQU) – 20.184
08/04/2009 – Sport 0 x 2 Palmeiras – 19.386
22/04/2009 – Sport 2 x 1 Colo Colo (CHI) – 20.050
12/05/2009 – Sport (1) 1 x 0 (3) Palmeiras – 28.487

Copa Sul-Americana
20/08/2013 – Sport 2 x 0 Náutico – 16.125
23/10/2013 – Sport 1 x 2 Libertad (PAR) – 17.575
28/08/2014 – Sport 0 x 1 Vitória – 6.025

Todas as imagens do Sport em torneios internacionais

O Sport disputará um torneio internacional pela 4ª vez em sua história. Como ocorreu no ano passado, o Leão está presente mais uma vez na Copa Sul-Americana. Soma ao seu histórico duas campanhas na Libertadores. Todas as competições foram organizadas pela Conmebol.

Até o confronto contra o Vitória, na Ilha e em Salvador, vale dar uma volta ao passado.

Abaixo, imagens e detalhes dos 18 jogos internacionais oficiais da história do Rubro-negro, incluindo uma presença nas oiatavas da Liberta e um Clássico dos Clássicos na Sula. São 17 fotos e uma reprodução da tevê. Confira mais fotos aqui.

Taça Libertadores da América de 1988

1ª fase (grupo 3)

02/07 – Sport 0 x 1 Guarani – A estreia leonina contou com 27.860 torcedores na Ilha do Retiro. Apesar da empolgação com o título brasileiro e o debut continental, o Leão amargou um revés, num gol contra do zagueiro Wagner Basílio aos 16 minutos de jogo.

Libertadores de 1988, 1ª fase: Sport 0x1 Guarani. Foto: Mauricio Coutinho/DP/D.A Press

18/07 – Universitario (PER) 1 x 0 Sport – Naquela época, as chaves da Libertadores eram divididas entre países. No caso, Brasil x Peru. Assim, o Leão foi até Lima para dois jogos. No primeiro, perdeu por 1 x 0, gol de Rey Muñoz.

Libertadores de 1988, 1ª fase: Universitario (PER) 1x0 Sport. Foto: Edvaldo Rodrigues/DP/D.A Press

22/07 – Alianza (PER) 0 x 1 Sport – Com o apoio de 30 torcedores, que passaram por uma odisseia paa chegar até o Peru, o Rubro-negro venceu com um golaço do lateral Betão, quase do meio de campo. O resultado deu sobrevida ao time.

Libertadores de 1988, 1ª fase: Alianza 0x1 Sport. Foto: Edvaldo Rodrigues/DP/D.A Press

03/08 – Guarani 4 x 1 Sport – A partida no Brinco de Ouro é a única sem fotos*. Os pernambucanos abriram o placar com Robertinho, aos 28 minutos, mas não seguraram o placar, sofrendo sua única goleada em jogos internacionais.

Libertadores de 1988, 1ª fase: Guarani 4x1 Sport. Crédito: Rede Globo/reprodução

16/08 – Sport 5 x 0 Alianza (PER) – Com dois gols de Robertinho, dois de Nando e um de Edson, na maior goleada já aplicada por um time do estado em disputas internacionais. Na ocasião, a Ilha recebeu 15.213 pagantes.

Libertadores de 1988, 1ª fase: Sport 5x0 Alianza (PER). Foto: Carlos Teixeira/DP/D.A Press

23/08 – Sport 0 x 0 Universitario (PER) – Uma vitória teria deixado o time em condições de avançar às oitavas de final. A torcida compareceu, com 22.628 presentes. O centroavante Nando perdeu um gol feito, embaixo da barra. Eliminação consumada.

Libertadores de 1988, 1ª fase: Sport 0x0 Universitario (PER). Foto: Arquivo/DP

Taça Libertadores da América de 2009

2ª fase (grupo 1)

18/02 – Colo Colo (CHI) 1 x 2 Sport – Numa noite histórica, com 1.800 torcedores do Sport no estádio David Arellano, o Leão venceu o tradicional clube chileno com gols de Ciro e Wilson. Naquele dia, o Diario circulou em Santiago com 7 mil exemplares.

Libertadores de 2009, fase de grupos: Colo Colo (CHI) 1x2 Sport. Foto: EFE/Ian Salas

04/04 – Sport 2 x 0 LDU (EQU) – A Liga de Quito era a atual campeã da América, mas caiu na Ilha. O volante Daniel Paulista marcou um golaço na vitória na Ilha com Paulo Baier fechando o placar numa cobrança de pênalti. Era a largada dos sonhos.

Libertadores de 2009, fase de grupos: Sport 2x0 LDU (EQU). Foto: Heitor Cunha/DP/D.A Press

08/04 – Sport 0 x 2 Palmeiras – Era o jogo para o Leão terminar o turno 100%. Com ingressos caros, a Ilha recebeu um público aquém do esperado. Numa grande atuação de Diego Souza, o Verdão venceu com autoridade.

Libertadores de 2009, fase de grupos: Sport 0x2 Palmeiras. Foto: Helder Tavares/DP/D.A Press

15/04 – Palmeiras 1 x 1 Sport – Magrão salvou o Sport em pelo menos quatro oportunidades cara a cara. O Rubro-nego saiu atrás, mas conseguiu o empate com  Wilson, que acabou expulso na comemoração, ao tirar a camisa.

Libertadores de 2009, fase de grupos: Palmeiras 1x1 Sport. Foto: EFE/Sebastião Moreira

22/04 – Sport 2 x 1 Colo Colo (CHI) – De virada, com gols de Moacir e Vandinho, num tenso segundo tempo, o Leão venceu novamente o Colo Colo e sacramentou a classificação às oitavas. No fim, foguetório na Ilha do Retiro.

Libertadores de 2009, fase de grupos: Sport 2x1 Colo Colo (CHI). Foto: Heitor Cunha/DP/D.A Press

29/04 – LDU (EQU) 2 x 3 Sport – Diante de um rival eliminado, o Leão se impôs. Foi a primeira derrota da LDU para um time brasileiro em seu estádio. O Sport dominou a altitude e virou com gols de Igor e Andrade, duas vezes (o segundo foi um golaço).

Libertadores de 2009, fase de grupos: LDU (EQU) 2x3 Sport. Foto: EFE/José Jácome

Oitavas de final

05/05 – Palmeiras 1 x 0 Sport – O técnico Nelsinho armou um ferrolho para o jogo no Palestra Itália. A equipe pernambucana segurou o quanto pôde, mas Ortigoza marcou o gol paulista. Nos descontos, o Verdão ainda acertou a trave.

Libertadores de 2009, oitavas de final: Palmeiras 1x0 Sport. Foto: EFE/Sebastião Moreira.

12/05 – Sport (1) 1 x 0 (3) Palmeiras – O badalado Paulo Baier perdeu três gols cara a cara no primeiro tempo. Acabou substituído. A sete minutos do fim, Wilson marcou. A esperança acabou no goleiro Marcos, que defendeu três pênaltis no desempate.

Libertadores de 2009, oitavas de final: Sport (1) 1x0 (3) Palmeiras. Foto: Alexandre Gondim/DP/D.A Press

Copa Sul-Americana de 2013

2ª fase

20/08 – Sport 2 x 0 Náutico – O improvável confronto só aconteceu após uma combinação de resultados que deu a vaga ao Leão. No inédito clássico em um torneio internacional, Patric e Felipe Azevedo deixaram o Sport com boa vantagem.

Copa Sul-Americana 2013, 2ª fase: Sport 2x0 Náutico. Foto: Paulo Paiva/DP/D.A Press

28/08 – Náutico (1) 2 x 0 (3) Sport – A vantagem era boa, mas o Náutico foi buscar, com direito a um golaço de Oliveira (tento que seria finalista do Prêmio Puskas). Nos pênaltis, coube a Magrão classificar o Rubro-negro, espalmando três bolas.

Copa Sul-Americana 2013, 2ª fase: Náutico (1) 2x0 (3) Sport. Foto: Bernardo Dantas/DP/D.A Press

Oitavas de final

25/09 – Libertad (PAR) 2 x 0 Sport – Inicialmente, o jogo seria na cancha do Libertad, mas como o local não tinha nem 20 mil lugares (o mínimo), o Leão exigiu o cumprimento da regra. A Conmebol remarcou para Luque. Em campo, não adiantou.

Copa Sul-Americana 2013, oitavas de final: Libertad (PAR) 2x0 Sport. Foto: EFE/Andrés Cristaldo

23/10 – Sport 1 x 2 Libertad (PAR) – Com o resultado adverso, o a diretoria praticamente abdicou do torneio, focando no acesso na Série B. Ainda assim, 18 mil torcedores foram à Arena Pernambuco assistir a um time misto. Nova derrota para os paraguaios.

Copa Sul-Americana 2013, oitavas de final: Sport 1x2 Libertad (PAR). Foto: Ricardo Fernandes/DP/D.A Press

* O blog procurou registros fotográficos nos jornais Diario de Pernambuco, Folha de S.Paulo, Estado de São Paulo e na revista Placar, mas nenhum trouxe fotos de Guarani 4 x 1 Sport, em 1988. Apenas textos.

Metamorfose

Internacional 3x0 Chivas, na final da Libertadores, e Estudiantes 0x0 LDU, na final da Recopa. Fotos: Internacionale  Conmebol (divulgação)

Internacional e LDU. Campeões continentais em 2010.

Até 2006, os dois clubes não tinham títulos internacionais em seus currículos. Para o Colorado, o tabu era motivo de gozação. O rival o chamava de “Inter-regional”.

A Liga Deportiva Universitaria de Quito, por sua vez, era uma digna representante do futebol equatoriano. Difícil de ser batida na altitude. E só.

Naquele ano, os times se enfrentaram nas quartas de final da Taça Libertadores da América. O time brasileiro avançou e acabou faturando o seu primeiro título além das fronteiras. A glória desencadeou uma sequência de taças para os dois clubes.

2006 – Libertadores e Mundial (ambos com o Inter)
2007 – Recopa (Inter)
2008 – Libertadores (LDU) e Copa Sul-americana (Inter)
2009 – Copa Sul-americana e Recopa (ambas com a LDU)
2010 – Libertadores (Inter) e Recopa (LDU)

Ao todo, 9 títulos em cinco temporadas! E ainda falta a disputa do Mudial de 2010…

Cinco temporadas e a história reescrita, com a entrada noo “clube dos copeiros.” Uma motivação a mais para outros emergentes de plantão.

O que esses dois times têm em comum? Belos estádios, força jogando em casa, equipes estruturadas, sem tantas mudanças. E uma boa dose de poder de decisão, é claro.

Organização, planejamento e, consequentemente, dinheiro.

Aos emergentes, o sonho de viver um dia de LDU. Ou de Internacional…