Os clássicos mais alternativos da história do Recife

Camisas alternativas de Santa Cruz, Náutico e Sport

No Arruda, os alviazulianos receberiam o time verde-limão.
Nos Aflitos, o verde clara teria um embate contra os laranjas.
Na Ilha do Retiro, clássico entre alvinegros e laranjas.

Todos os jogos possíveis com Náutico, Santa Cruz e Sport.

Ação de marketing relativamente recente no mercado pernambucano, o lançamento de padrões alternativos, à parte das cores oficiais, é algo já tradicional na Europa. Há quem chegue a cinco versões numa mesma temporada.

Por aqui, o Santa Cruz já teve três versões azuis, entre 2009 e 2011, simbolizando a conquista da Fita Azul, em 1979. Pelo centenário em 2014, uma camisa alvinegra, resgatando o primeiro uniforme. Todas as versões  foram criadas pela Penalty.

Também através da Penalty, o Náutico teve a (ainda única) cor alternativa verde claro. Para isso, foi feita uma enquete oficial, em 2012. A definição era uma homenagem ao Rio Capibaribe.

O Sport é o recordista de camisas alternativas. Foram seis nos últimos cinco anos, desconsiderando o padrão preto, oficialmente o 3º do clube.

Vestindo a Lotto, o Leão lançou os padrões dourado (2009), amarelo (2011) e cinza com fotos de torcedores (2012. A estreia da Adidas foi com laranja (2014), sem esquecer as versões limitadas em homenagem às seleções que jogararam o Mundial no estado, como verde/México e verde-limão/Japão. Também houve o alvinegro/Alemanha, mas tal combinação já está prevista no clube.

Misturando todas as cores alternativas, à parte do alvirrubro, rubro-negro e tricolor, a possibilidade num clássico local é bem ampla…

“Felicidade é torcer pelo Sport”, de Ariano Suassuna para a eternidade

Ariano Suassuna na Ilha do Retiro, com Fumagalli, em 2007. Foto: Edvaldo Rodrigues/DP/D.A Press

“O Sport, pra mim, é – e sempre foi – uma das coisas mais importantes na minha vida.”

“Felicidade é torcer pelo Sport.”

As frases foram ditas há tempos por Ariano Suassuna, paraibano de nascimento e pernambucano de coração. Ambas tornaram-se inerentes ao escritor, um frequentador assíduo da Ilha do Retiro desde 1938, levado ainda criança pelo compositor tricolor Capiba, amigo da família.

Um rubro-negro na essência, sempre vestido de vermelho e preto, ou “Sport Fino” segundo a descrição do próprio, presente nas grandes conquistas do clube. Tamanha paixão pelo Sport lhe rendeu uma homenagem especial.

Em julho de 2013, as declarações foram gravadas no uniforme do Leão, numa linha inspirada nos traços armoriais, o estilo regional criado pelo autor.

“Agora estando ou não no estádio, estou sempre presente. Estarei lá por meio da camisa.”

Ali, já tratava-se de uma grande verdade.

Em 13 de maio deste ano, Ariano comemorou o último aniversário do clube, gravando um vídeo de parabéns destinado à torcida leonina.

Aos 87 anos, após resistir o quanto pôde, Ariano nos deixou, ficando na eternidade. Dono de uma personalidade com nuances na cultura, no esporte e na política, o escritor de O Auto da Compadecida está marcado na história.

Clubismo à parte, ficará na memória de rubro-negros, alvirrubros e tricolores.

Admiradores de um pernambucano nato.

Camisa especial do Sport para Ariano Suassuna. Foto: Alexandre Barbosa/DP/D.A Press

Antes de Adidas e Umbro, Sport e Náutico vão de Braziline e Garra na transição

Uniformes provisórios de Sport e Náutico em 2014. Fotos : Ricardo Fernandes/DP/D.A Press

Tradicionalmente, o novo padrão de um clube de futebol é substituído instantaneamente pela nova fabricante, também com status de patrocinadora.

Em 2014, Sport e Náutico viveram situações incomuns. Ambos trilharam um processo distinto até o lançamento da nova camisa oficial, com uma transição.

O contrato leonino de cinco com a Lotto acabou e não foi renovado.

Nos Aflitos, a direção fez um distrato com a Penalty, fornecedora desde 2011.

O Rubro-negro acertou com a Adidas, num acordo que começará a vigorar de fato em maio. Até lá, optou por um uniforme improvisado, adquirido junto à paulista Braziline. A marca não aparece na camisa – como foi anteriormente com a Malharia Terres (1977/1980) e MR Artigos Esportivos (1988).

Já o Alvirrubro, virtualmente acertado por duas temporadas com a Umbro, também com o novo padrão programado para maio, optou por um contrato provisório com a Garra, empresa pernambucana de menor porte, mas com vários clubes do interior em seu portfólio. A marca está estampada.

Além disso, ainda há uma outra curiosidades sobre rubro-negros e alvirrubros. Ambos seguem sem patrocinador master. Camisas lisas.

Abaixo, a lista de fornecedores de material dos três grandes clubes do estado.

Náutico
1981/1982 – Rainha
1983/1984 – Topper
1985/1987 – Dell’erba
1987/1991 – Finta
1991 – Campeã
1991/1995 – Kyalami
1996 – Finta
1997/2000 – Penalty
2001/2005 – Finta
2006/2008 – Wilson (EUA)
2009 – Champs
2009/2010 – Lupo
2011/2014 – Penalty
2014 – Garra
2014/2015 – Umbro (Inglaterra)

Santa Cruz
1981/1990 – Adidas (Alemanha)
1991/1994 – CCS
1994/1995 – Amddma
1995/1997 – Rhumell
1997/1998 – Diadora (Itália)
1998/2007 – Finta
2008 – Champs
2009/2014 – Penalty

Sport
1981/1982 – Adidas (Alemanha)
1983/1987 -  Le Coq Sportif (França)
1988 – Everest
1988/1990 – Topper
1991/1994 – Finta
1995/1998 – Rhumell
1999/2007 – Topper
2008/2013 – Lotto (Itália)
2014/2017 – Adidas (Alemanha)

Confira algumas camisas históricas dos clubes locais aqui.

Brazuca a caminho do Sport, com modelo personalizado na agulha

Bolas Brazucas de Flamengo, Fluminense e Palmeiras. Crédito: Adidas

O Sport terá um novo fabricante de material esportivo após seis temporadas.

Com o fim do contrato com a italiana Lotto, a Adidas assume a produção dos uniformes oficiais do clube a partir de 1º de janeiro de 2014 (veja aqui).

De cara, há a possibilidade de um lançamento à parte das camisas, calções e meias para ganhar o público rubro-negro.

Nos bastidores, a direção leonina já teria solicitado à empresa alemã a confecção de bolas personalizadas para o novo modelo Brazuca.

A recém-lançada pelota da Copa 2014 ganhou inúmeras versões. Entre elas, bolas estilizadas dos clubes e seleções patrocinados pela marca.

No Brasil, Flamengo, Fluminense e Palmeiras já garantiram as versões com pinturas inspiradas na Brazuca, sem os gomos originais. Disponíveis por R$ 69.

Ou seja, a Brazuca original será vendida nas lojas oficiais do Leão.

A chance de ter uma bola exclusiva para a torcida é considerável também…

Bola Brazuca de Alemanha, Argentina e Espanha. Crédito: Adidas

Uniformes alvirrubros, rubro-negros e tricolores cadastrados pela CBF

O cadastro nacional de uniformes de times, produzido pela CBF, apresenta nesta temporada 160 padrões oficiais dos 60 clubes envolvidos nas Séries A, B e C do Brasileiro – em 2012 haviam sido apenas as duas primeiras divisões.

Alguns times cadastraram três modelos no arquivo da entidade. Entre essas agremiações, os três representantes pernambucanos. No caso rubro-negro, porém, o terceiro modelo é uma composição mista dos dois primeiros padrões.

No arquivo, os modelos aparecem sem os patrocinadores, dando uma ideia de como seriam as camisas “limpas”. Confira o documento completo aqui.

Série A – Náutico/Penalty

Padrões do Náutico no cadastro nacional de uniformes de times (CNUT), da CBF, para a temporada 2013

Série B – Sport/Lotto

Padrões do Sport no cadastro nacional de uniformes de times (CNUT), da CBF, para a temporada 2013

Série C – Santa Cruz/Penalty

Padrões do Santa Cruz no cadastro nacional de uniformes de times (CNUT), da CBF, para a temporada 2013

Adidas pode sacudir o mercado de material esportivo no Recife

Camisa do Sport produzida pela Adidas, em 1981. Crédito: mercadolivre.com.br

Os primeiros contratos efetivos entre clubes pernambucanos e fabricantes de material esportivo datam do início da década de 1980. Até ali, apenas acordos esporádicos, com contrapartida baixa e quase sempre sem a marca na camisa. Com o tempo, as empresas se tornaram patrocinadoras, parceiras. Essenciais.

Numa disputa quase polarizada com a Nike, a gigante Adidas pode retornar ao futebol local, em 2014, após um hiato de mais de duas décadas. Curiosamente, a empresa alemã, que sob contratos milionários atualmente produz os uniformes de Real Madrid, Bayern de Munique e Milan, estampou a sua marca nas camisas leoninas e corais logo no boom local.

Camisa do Santa Cruz da década de 1980, produzida pela Adidas. Crédito: mercadolivre.com.brDurou mais tempo no Santa Cruz, até 1990, numa época em que a Adidas usava o seu velho logotipo, hoje chamado Originals. A entrada da fabricante mudaria bastante o já movimentado mercado de uniformes no Recife.

Se seguir a linha de outros centros econômicos, a entrada da Adidas deve atrair outras empresas de peso internacional para uma “disputa de visibilidade”.

Enquanto o Rubro-negro ainda depende de um anúncio (acerto) oficial, o Alvirrubro e o Tricolor têm contratos assinados com a Penalty até o fim de 2014, mas já abertos a futuros acordos.

Abaixo, a lista de fornecedores de material dos três grandes clubes pernambucanos. Alguns anos ainda carecem de fonte.

Fabricantes atualizadas até 21/09/2015:

Náutico
1983/1984 – Topper
1985/1991 – Finta
1991/1995 – Kyalami
1996 – Finta
1997/2000 – Penalty
2001/2005 – Finta
2006/2008 – Wilson (EUA)
2009 – Champs
2009/2010 – Lupo
2011/2014 – Penalty
2014 – Garra
2014/2015 – Umbro (Inglaterra)

Santa Cruz
1983/1990 – Adidas (Alemanha)
1991/1994 – CCS
1994/1995 – Amddma
1995/1996 – Rhumell
1997 – Diadora (Itália)
1998/2008 – Finta
2008 – Champs
2009/2015 – Penalty

Sport
1977/1980 – Malharia Terres
1981/1982 – Adidas (Alemanha)
1983/1987 -  Le Coq Sportif (França)
1988 – Everest
1988 – MR Artigos Esportivos
1988/1990 – Topper
1991/1994 – Finta
1995/1997 – Rhumell
1998/2007 – Topper
2008/2013 – Lotto (Itália)
2014/2017 – Adidas (Alemanha)

Confira algumas camisas históricas dos clubes locais aqui.

Ariano Suassuna eternizado na camisa do Sport, na despedida da Lotto

Camisa especial do Sport para Ariano Suassuna. Foto: Alexandre Barbosa/DP/D.A Press

Com um certo atraso, o Rubro-negro lançou os seus novos uniformes.

O padrão número 1 foi apresentado pelo voltante boliviano Chumacero. O uniforme é dedicado ao escritor Ariano Suassuna, torcedor do clube.

A criação da nova camisa do Leão foi pensada e estudada em homenagem ao paraibano de 86 anos, com o seu estilo “armorial”.

.Na camisa, textos de Ariano, além o estilo impresso nas letras e números.

Camisa especial do Sport para Ariano Suassuna. Foto: Alexandre Barbosa/DP/D.A Press

Nas costas, foi costurada a seguinte declaração de Ariano: “O Sport, pra mim, é – e sempre foi – uma das coisas mais importantes na minha vida”.

A coleção é a última do Sport com a Lotto. O contrato com a empresa italiana acaba no fim de 2013 e o clube já negocia com uma nova fabricante.

Qual será a nova fabricante? Além da marca, pesa sobretudo a receita, claro.

Lotto, Penalty, Adidas, Nike, Lupo, Rota do Mar, Champs… Opine.

Camisa especial do Sport para Ariano Suassuna. Crédito: Sport/Instagram

Uniforme com a cara do torcedor do Sport, literalmente

Camisa especial do Sport para a temporada 2012. Foto: Rafael Brasileiro/Diario de Pernambuco

São 300 fotos espalhadas na camisa, sendo 298 de torcedores que pagaram para estampar a sua imagem num 3×4 e mais dois símbolos do clube, Dona Maria e Magrão.

A camisa especial do Sport produzida pela Lotto terá a sua estreia na Série A diante do Flamengo, no Rio. A peça foi apresentada nesta terça, com o lateral Cicinho.

A renda de quase R$ 69 mil, obtida com a venda dos espaços, foi destinada para a compra de um ônibus para o departamento de base.

Não é o uniforme mais discreto da história leonina, mas vale pela jogada de marketing.

Saiba mais a produção desta camisa clicando aqui.

As chuteiras mais leves do mundo estão próximas do limite

Chuteiras Mercurial Superfly (Nike), V1.10 (Puma), AdiZero (Adidas) e Green Speed (Nike). Crédito: divulgação

As fabricantes de material esportivo têm um tino especial no futebol.

A cada ano volta a corrida pela chuteira mais leve do mercado.

São eventos cinematográficos para o lançamento de um novo modelo, dotado de extrema tecnologia e boas doses avanço renovável, atendendo a uma demanda atual.

Cada grama a menos é digno de comemoração pelos departamentos de marketing.

Em 2009 a Nike surpreendeu ao quebrar a barreira das 200 gramas, com a chuteira Mercurial Superfly, de apenas 185 gramas.

Com material sintético e direito a “raspagens” para cortar qualquer peso extra, a Puma lançou no ano seguinte a V1.10, de 150 gramas.

O dado assustou o mercado. Em 2011, cercada de expectativa, a Adidas, tendo Lionel Messi como garoto propaganda, colocou nas prateleiras a AdiZero.

Na balança, o modelo do craque do Barcelona ficou em 165 gramas. Agora, em 2012, a Nike tentou recuperar o posto, com a Green Speed. Chegou perto, com 158 gramas.

Assim como se discute até quando os recordes continuarão sendo batidos no esporte, como no atletismo e na natação, quanto mais pode cair o peso de uma chuteira?

Chegará a menos de 100 gramas? O atleta ficará quase descalço…

Essa corrida acelerou na década de 1970, com a produção focada no design e no peso.

A primeira chuteira específica para o futebol, de couro e madeira, foi desenvolvida pelos ingleses no final do século XIX, algumas décadas depois da criação da modalidade.

Pesava 500 gramas e ficava com o dobro do peso em jogos na chuva…

Chuteira antiga

Uniformes leoninos da possível despedida da Lotto

Uniforme titular do Sport para a temporada 2012/2013. Foto: Sport/divulgação

Revelado o uniforme 2012/2013 do Sport.

O Leão apresentou nesta terça-feira os derradeiros padrões produzidos pela Lotto. O contrato com a fabricante italiana, em vigor há quatro anos, vai até dezembro de 2013.

Assim como na participação na Libertadores de 2009, o elenco do Sport agora terá numeração fixa. Quem ficará com a camisa 10 até o fim do campeonato brasileiro?

Nesta versão, listras mais finas no uniforme principal, vermelho e preto. Na camisa reserva, destaque para a marca d’água com o primeiro escudo do clube, de 1905.

A camisa amarela será o padrão de treino deste ano, com listras horizontais.

Acima, os jogadores que participaram do lançamento na loja do clube. Henrique (camisa reserva), Magrão (goleiro), Felipe Azevedo (treino) e Felipe Menezes (camisa titular).

Confira mais imagens do novo uniforme clicando aqui, aqui, aqui e aqui.

Para o próximo ano, especula-se que o Leão possa assinar como uma nova marca.

Nike? Bastidores à parte, o torcedor já pode conferir o novo produto no mercado, confeccionado para a Série A, além do Nordestão e do Estadual da próxima temporada.

Torcedor rubro-negro, o que você achou do novo uniforme do Sport?

Uniformes do Sport para a temporada 2012/2013. Foto: Sport/divulgação