Em jogo ruim, Sport perde do São Paulo e chega a 9 jogos de jejum. Na porta do Z4

Série A 2017, 26ª rodada: São Paulo 1 x 0 Sport. Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net

Era um confronto de dois times desesperados na briga contra o rebaixamento. O São Paulo, que jamais caiu, não consegue se encontrar em campo, engatando jogos ruins, mesmo com a chegada de Hernanes, que voltou bem ao futebol brasileiro. Já o Sport é um time que se perdeu na competição, com um crescente jejum de vitórias e erros de Luxemburgo, cuja grife não esconde escolhas tão controversas no time. No Morumbi, com 43 mil torcedores, mantendo a ótima média de assistência do tricolor paulista, a partida foi bem fraca. Diria até que o mandante foi bem pior. Marcou mal e atacou mal.

No segundo tempo, talvez consciente da má apresentação, deu a bola ao Sport, que chegou a 70% de posse na reta final. Acertou na escolha, pois deu a bola a uma equipe que não consegue produzir nada de forma efetiva. O jogo do Sport é extremamente lento, passando por Wesley, cuja titularidade é injustificável. Na recomposição, deixou buracos. Na armação, viu os companheiros perdendo a paciência, com Rithely subindo e André voltando. Só assim a bola parecia seguir à frente, até a meta de Sidão.

Série A 2017, 26ª rodada: São Paulo 1 x 0 Sport. Foto: Fred Figueiroa/DP

É verdade que o Sport até começou bem, pressionando a saída de bola do São Paulo. E ainda acertou o travessão, com Anselmo batendo de fora da área. Essa imposição não durou muito. Primeiro pela questão física. Segundo porque psicologicamente o time se perde ao tomar um golpe, como foi o gol do domingo, com a zaga batendo cabeça. Aos 35/1T, num cruzamento sem tanto perigo, Henríquez cortou mal de cabeça, acertando Ronaldo Alves. A bola sobrou limpa para Marcos Guilherme marcar, 1 x 0.

Durante o jogo, Luxa fez três mudanças. Sander por Osvaldo, tentativa válida. Anselmo por Thallyson, incompreensível, uma vez que o volante era o melhor do time. Rogério por Thomás, a aposta perdida. Da torcida, pois a última troca manteve Wesley em campo. Desde a sua estreia, já foram cinco partidas. Enquanto esteve em campo, o leão não marcou um gol sequer – contra o Vasco, já havia sido substituído. No abafa, indo até os 50, o visitante ainda teve duas chances, em cabeçadas de Thomás e Henríquez, com o goleiro Sidão defendendo. Mais uma derrota na conta, a sexta no jejum de nove jogos. Dois meses sem vencer? A proximidade do Z4 não é acaso.

O jejum de vitórias do rubro-negro na Série A

02/08 – Sport 2 x 2 Fluminense (Ilha do Retiro)
05/08 – Sport 1 x 3 Corinthians (Arena Corinthians, SP)
13/08 – Sport 0 x 0 Ponte Preta (Ilha do Retiro)
20/08 – Sport 0 x 2 Cruzeiro (Mineirão, MG)
02/09 – Sport 0 x 5 Grêmio (Arena do Grêmio, RS)
10/09 – Sport 0 x 1 Avaí (Ilha do Retiro)
17/09 – Sport 0 x 2 Flamengo (Luso Brasileiro, RJ)
25/09 – Sport 1 x 1 Vasco (Ilha do Retiro)
01/10 – Sport 0 x 1 São Paulo (Morumbi, SP)

9 jogos; 3 empates e 6 derrotas, 4 GP e 17 GC; -13 SG

Série A 2017, 26ª rodada: São Paulo 1 x 0 Sport. Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net

Catálogo da CBF com 790 estádios de futebol, incluindo 39 em Pernambuco

O cadastro nacional de estádios da CBF em 2016. Crédito: CBF/reprodução

A sexta atualização do Cadastro Nacional de Estádios foi divulgada pela CBF, desta vez com 790 palcos registrados, oito a mais que a última publicação oficial. De acordo com o documento de 97 páginas, 420 estádios têm lotação máxima de 5 mil espectadores, enquanto 11 podem receber mais de 50 mil. Considerando as praças esportivas listadas nas 27 unidades da federação, 241 estão no Nordeste, sendo 39 particulares, 3 federais, 17 estaduais e 182 municipais. Na região, 162 palcos têm iluminação, o que corresponde a 67%.

Estatísticas dos estádios brasileiros:
Capacidade de público, iluminação, propriedade e regiões.

Em Pernambuco (lista abaixo) são 39 estádios reconhecidos, sendo a Arena Pernambuco o mais recente – o 40º deveria ser o Grito da República, em Olinda, cuja obra está atrasada há dois anos. São 36 locais com refletores e 3 sem sistema de iluminação, mesmo número da última atualização.

Dos doze estádios inscritos no Campeonato Pernambucano de 2016, apenas três têm a mesma capacidade de público tanto no catálogo da confederação quanto nos quatro laudos exigidos e cadastrados pela FPF (engenharia, vigilância sanitária, segurança e bombeiros). Arruda, Ilha e Carneirão vivem uma situação inversa, pois poderiam receber mais gente segundo a CBF.

A diferença na capacidade do catálogo em relação aos laudos do Estadual:
+9.462 – Arruda (Recife)
-1.545 – Arena Pernambuco (São Lourenço)
+5.548 – Ilha do Retiro (Recife)
-518 – Lacerdão (Caruaru)
-500 – Ademir Cunha (Paulista)
zero – Cornélio de Barros (Salgueiro)
+911 – Carneirão (Vitória)
-1.307 – Antônio Inácio (Caruaru)
zero – Mendonção (Belo Jardim)
zero – Nildo Pereira (Serra Talhada)
-100 – Paulo Petribú (Carpina)
-1.661 – Joaquim de Britto (Pesqueira)

Os 39 estádios pernambucanos cadastrados segundo a CBF

Gigante encurralado

São Paulo

Mais “Copa do Mundo de 2014″ no blog.

O assunto é inesgotável! Principalmente quando o tema é a infraestrutura do Mundial…

O Corinthians anunciou, finalmente, o projeto do seu estádio. Um sonho antigo do segundo clube mais popular do país, que chega ao seu centenário nesta temporada.

O estádio ficará a 1,8 km de sua sede, em Parque São Jorge, no início do município de Guarulhos. A nova arena, orçada em R$ 300 milhões, terá capacidade para 56 mil torcedores. Confira no vídeo abaixo (saiba mais AQUI).

Agora, o “X” da questão.

A capacidade mínima para a abertura do Mundial do Brasil é de 65 mil lugares.

Na Grande São Paulo, apenas o Morumbi poderia atender essa demanda, mas o local foi vetado pela Fifa por não atender ao catálogo de exigências da entidade. O Palestra Itália, do Palmeiras, será modernizado, mas a sua capacidade será de 45 mil lugares.

Já o projeto alvinegro, além da capacidade inferior, não terá o “Padrão Fifa” nos demais setores. Segundo os dirigentes corintianos, a Arena Corinthians S.A. terá o “Padrão Libertadores”. Além disso, o governo paulista não aceita a ideia de construir um novo em Pirituba (com 80 mil lugares) e também não tem interesse em reformar o Pacaembu.

Ou seja… A maior cidade do país segue encurralada. Tic-tac.

O Timão tenta há décadas construir o seu estádio. Veja esse vídeo de 25/01/1980!