Os brasileiros campeões no Grand Slam

Brasileiros campeões de Grand Slam: Maria Esther Bueno, Gustavo Kuerten e Bruno Soares e Marcelo Melo; Thomaz Koch, Tiago Fernandes, Marcelo Zormann e Orlando Luz

Na história do Grand Slam, composto pelos quatro grandes torneios do tênis, oito brasileiros já conseguiram o título, considerando todas as categorias. Do simples ao juvenil. De Maria Esther Bueno, no US Open de 1959, a Bruno Soares, nas duplas da Austrália, em 2016. Ao todo são 31 conquistas. Eis a lista de títulos brazucas.

Post atualizado em 31 de janeiro de 2016

Maria Esther Bueno (19)
4 – US Open (simples – 1959, 1963, 1964 e 1966)
3 – Wimbledon (simples – 1959, 1960 e 1964)
5 – Wimbledon (duplas – 1958, 1960, 1963, 1965, 1966)
4 – US Open (duplas – 1960, 1962, 1966 e 1968)
1 – Australian Open (duplas – 1960)
1 – Rolando Garros (duplas – 1960)
1 – Roland Garros (duplas mistas – 1960)

Gustavo Kuerten (4)
3 – Roland Garros (simples – 1997, 2000 e 2001)
1 – Roland Garros (dupla juvenil – 1994)

Bruno Soares (4)
1 – Australian Open (duplas – 2016)
2 – US Open (duplas mistas – 2012 e 2014)
1 – Australian Open (duplas mistas – 2016)

Marcelo Melo
1 – Roland Garros (duplas – 2015)

Thomaz Koch
1 – Roland Garros (duplas mistas – 1975)

Tiago Fernandes
1 – Australian Open (simples juvenil – 2010)

Marcelo Zormann
1 – Wimbledon (dupla juvenil – 2014)

Orlando Luz
1 – Wimbledon (dupla juvenil – 2014)

Dono do saibro, Rafael Nadal se torna o maior da história em um Grand Slam

Rafael Nadal, campeão de Roland Garros 2013. Foto: ATP/Getty Images

Tetracampeão de 2005 a 2008, tetracampeão de 2010 a 2013.

Em nove campanhas no saibro parisiense foram 60 jogos disputados.

Arrasador, conquistou 59 vitórias e perdeu apenas 1 vez.

O cartel é impressionante, daqueles que você busca um defeito, mas parece não haver, num esquema de jogo detalhadíssimo, com afinco. Rafael Nadal, aos 27 anos, é, sim, o maior tenista da história no piso vermelho.

Indo mais além, até mesmo para dimensionar o que isso significa em um esporte tão técnico, o espanhol é o maior vencedor em um Grand Slam.

Amadorismo ou profissionalismo, tanto faz.

Maiores campeões do Grand Slam. Crédito: ATP

Considerando todas as taças desde 1877, quando Wimbledon, o primeiro dos quatro grandes torneios foi criado, Rafa alcançou uma marca uma inédita.

Venceu sem maiores dificuldades o compatriota David Ferrer por 3 sets a 0 e reafirmou a soberania na temporada do saibro (veja aqui).

Tornou-se oito vezes campeão em Roland Garros.

Deixou para trás mitos da era romântica como Richar Sears, Bill Larned e Bill Tilden, todos no US Open, e William Renshaw, o primeiro rei de Wimbledon. Além deles, os gigantes da era profissional Pete Sampras e Roger Federer, ambos heptacampeões na grama londrina.

Já foi dito há pouco, mas vale repetir. Nadal tem apenas 27 anos…

Rafael Nadal, campeão de Roland Garros 2013. Foto: Roland Garros/FFT

A queda da última dinastia de Björn Borg

Bjorn Borg em Roland Garros. Foto: Diadora

Dono de uma concentração impressionante, o sueco Björn Borg foi o primeiro superstar do tênis, popularizando o circuito. Entre 1974 e 1981, ele combinou um domínio incrível, no saibro de Paris e na grama de Londres, com a dinastia “Iceborg”.

Foi hexacampeão na quadra Philippe Chatrier, em Roland Garros, e penta no All England Lawn Tennis and Croquet Club, em Wimbledon. Marcas insuperáveis, disseram muitos.

Com apenas 25 anos o tenista bon vivant havia conquistado a maior série de vitórias nas duas competições mais tradicionais da modalidade na open era.

Se tornou o primeiro a ganhar US$ 1 milhão em prêmios em um mesmo ano, 1979. Mas se existe algo óbvio no esporte é que recordes existem para ser quebrados.

O primeiro caiu na Inglaterra. Com os títulos de 1981, batendo o próprio Borg na decisão, 1983 e 1984, o norte-americano John McEnroe ensaiou a caminhada. Parou por aí. Coube ao seu compatriota Pete Sampras estabelecer um novo reinado.

Campeão sete vezes entre 1993 e 2000, perdendo apenas uma edição, em 1996, Sampras transformou a arte do saque e voleio. Definitivo? O suíço Roger Federer, em plena atividade, já ganhou seis taças depois disso…

Se a coroa britânica já está bem no passado, na terra batida a sua dinastia durou mais tempo. O jogo mais cadenciado visto no saibro é uma especialidade de poucos.

Talvez por ter acompanhado o mito de perto, o sueco Mats Wilander até aprendeu direitinho. Foi tri em 1988. De origem plebeia no tênis, o brasileiro Gustavo Kuerten atravessou o Atlântico, desbravou Paris e também triunfou três vezes na quadra central. Reinados curtos. Até a garra inabalável do espanhol Rafael Nadal.

Nadal é praticamente imbatível em Roland Garros. Em 53 partidas, venceu 52. O único revés ocorreu diante de Robin Söderling, sueco. Discípulo de Borg…

O sétimo título de Nadal, conquistado nesta temporada, evitou o career grand slam de Novak Djokovic e o colocou com o maior tenista da história do saibro. Com 35 títulos, segue atrás do austríaco Thomas Muster (40) e do argentino Guilhermo Villas (45).

Essa estatística, considerando todos os torneios, não o diminui em nada. Como também não fez a menor diferença para Björn Borg, unanimidade no piso vermelho até este 11 de junho de 2012, quando perdeu a sua segunda coroa.

Virou uma lenda eterna, até por ter encerrado a carreira de forma inesperada em janeiro de 1983, com apenas 26 anos, 64 títulos e 608 vitórias em 735 jogos…

Björn Borg em Wimbledon

A bela e vencedora história de Sharapova no Grand Slam

Maria Sharapova vence o torneio de Roland Garros de tênis de 2012. Foto: Roland Garros/divulgação

Musa do esporte, a russa Maria Sharapova cravou de vez o seu nome no tênis.

Ao conquistar o título de Roland Garros de 2012, a loura se tornou a 10ª mulher a completar o Grand Slam, com vitórias nos quatro maiores torneios da modalidade.

O triunfo em Paris era o que faltava desde 2008, quando conquistou o Aberto da Austrália. Ali, já havia vencido também Wimbledon (2004) e o US Open (2006).

A busca foi enorme. Desde que Sharapova entrou no circuto das grandes competições, em 2003, Roland Garros foi o único Grand Slam em que ele esteve sempre presente.

Neste sábado, de forma incontestável, Maria venceu a italiana Sara Errani por 2 sets a 0, com parciais de 6/3 e 6/2 (veja aqui).

Abaixo, a lista de mulheres que conquistaram o Grand Slam e as respectivas idades.

Jogadoras de tênis que já completaram o Grand Slam. Imagem: Wikipedia

Com a 27ª taça em sua galeria, levando em consideração todos os torneios, a russa soma agora mais de 13 milhões de dólares apenas em premiação na WTA.

Confira mais detalhes da carreira da tenista clicando aqui.

Aos 25 anos, Sharapova se junta a nomes como Martina Navratilova, Steffi Graf. Esta última é, também, a única que ganhou a medalha de ouro na Olimpíada.

Eis a nova missão para Sharapova? Antes, vale a festa na capital francesa. E para completar o feito, a 448ª vitória da bela devolveu a liderança no ranking mundial.

Como se ela já não fosse a número 1…

Maria Sharapova vence o torneio de Roland Garros de tênis de 2012. Foto: Roland Garros/divulgação

Há 15 anos, Gustavo Kuerten acordava o Brasil no domingo

Gustavo Kuerten ergue o troféu de Roland Garros de 1997

Por mais que a lembrança das raquetadas no saibro sigam recentes, o ano era 1997…

O Brasil já não acordava com a mesma empolgação esportiva na manhã de domingo.

A Fórmula 1 sem um ídolo não era a mesma coisa. Não é até hoje, diga-se.

Foi quando surgiu um catarinense de 21 anos, com uma camisa berrante nas cores azul e amarelo, bem diferente do tom sóbrio que marcava o circuito de tênis.

Como um cometa no esporte, Guga foi derrubando todos os adversários na mais improvável das caminhadas em Paris.

Estreia contra Slava Dosedel (3 a 0). Na sequência, só feras. Jonas Bjokman (3 a 1), Thomas Muster (3 a 2), Andrei Medvedev (3 a 2), Yevgeny Kafelnikov (3 a 2) e Filip Dewulf (3 a 1), na semifinal.

Durante duas semanas, Roland Garros se curvou àquele talento. Ainda mais pela origem, pois não havia brasileiro algum com um desempenho tão espetacular.

Na final, o embate contra o espanhol Sergi Burguera, bicampeão do Aberto da França em 1993 e 1994. Experiente e vencedor. A última barreira para a história.

Ali, o sonho de Guga já parecia realizado. Mas era apenas o primeiro de muitos.

O seu destino reservava inúmeras glórias a partir dali.

Em 8 de junho 1997, há exatamente 15 anos, Kuerten tornava-se campeão de Roland Garros pela primeira vez ao cravar 3 sets a 0 (6/4, 6/3, 6/2).

Naquela quadra central, de terra batida, ele seria rei, com o tricampeonato. Também com o status de número 1 do mundo, que chegaria em 3 de dezembro de 2000.

Abaixo, o registro histórico do dia em que o torcedor brasileiro voltou acordar feliz numa manhã de domingo…

O salto no saibro

Final do Roland Garros 2011: Rafael Nadal x Roger Federer. Foto: Roland Garros/divulgação

Aos 25 anos, o espanhol Rafael Nadal é o maior tenista da história do saibro.

Neste domingo, na decisão de Roland Garros, ele venceu o suíço Roger Federer por 3 sets 1 (7/5, 7/6, 5/7, 6/1). Federer, é sempre bom lembrar, já é apontado pela crítica e pelos números como o maior jogador de tênis de todos os tempos…

Mas na terra batida não tem para ninguém. Nadal surpreende a cada jogada, pela força, pela técnica e, sobretudo, na garra. É quase imbatível neste feudo do tênis.

Nadal, garantido como número 1 do mundo, alcançou o seu sexto título no Grand Slam do saibro. Campeão em 2005, 2006, 2007, 2008, 2010 e 2011.

Assim, Nadal igualou o recorde do sueco Björn Borg, hexacampeão em Paris em 1974, 1975, 1978, 1979, 1980 e 1981. Na ocasião, também com 25 anos, Borg conquistou o seu 11º e último título do Grand Slam (veja um vídeo sobre Borg AQUI).

De forma inesperada, porém, o sueco abandonou a carreira em 1983, aos 26 anos…

Nadal chegou ao 10º Grand Slam. Mas não há qualquer indício de que o canhoto das Ilhas Baleares vai parar de reinar nas quadras de saibro. Ou abandonar a carreira…

Considerando todos os torneios no saibro, Rafael Nadal está atrás apenas do argentino Guillermo Vilas (45 títulos) e do austríaco Thomas Muster (40). O espanhol soma 32.

Veja todos os campeões de Roland Garros clicando AQUI.

Final do Roland Garros 2011: Rafael Nadal. Foto: Roland Garros/divulgação

Roland Garros no iPad. Pense além, bem além…

Aplicativo do Roland Garros 2011 para o iPad

Segundo Grand Slam da temporada profissional do tênis, o Roland Garros traz como novidade o seu aplicativo oficial para o iPad, compatível com iPhone e iPod touch.

Para quem já tiver o tablet, basta baixar o programa AQUI.

O aplicativo disponibiliza o acompanhamento ao vivo de todos os jogos nas quadras de saibro em Paris, com vídeo dos melhores duelos, ranking e estatísticas atualizadas.

Mais do que o “lance a lance” do famoso torneio de tênis, o post visa mostrar as inovações que se aproximam a cada dia do meio esportivo.

Restrito a eletrônicos de última geração, aplicativos como esse devem se popularizar bastante nos próximos anos. Imagine além, até a Copa do Mundo de 2014.

Esporte e entretenimento integrados na mais alta tecnologia.

Veja o site oficial de Roland Garros clicando AQUI.

A construção de um mito

Roger Federer comemora a vaga na final do Aberto da França de 2009O tenista suíço Roger Federer se classificou para a final do torneio de Roland Garros nesta sexta-feira. Ele venceu o argentino Juan Martin Del Potro por 3 sets a 2, em Paris.

Uma vitória emblemática. Foi mais um tijolo na construção do mito de maior vitorioso de todos os tempos no tênis.

19, o total de finais de Grand Slam na carreira, igualando o recorde de Ivan Lendl

tenista a vencer os 4 Grand Slams (mesmo em anos diferentes), caso seja campeão no domingo (é o atual tri-vice)

14, o número de títulos somando os Abertos dos EUA, da Austrália, Roland Garros e Wimbledon, caso seja campeão no domingo. Igualaria o recordista Pete Sampras

27, a idade de Federer… 8-O

Independentemente do resultado diante do sueco Robin Soderling, neste domingo, a construção do mito continuará…. Tem tempo demais pra colocar novos tijolos.

Foto: site oficial de Roland Garros

Atualização às 13h (07/06): Federer venceu a final por 3 sets a 0 e conseguiu aumentar o mito. Fechou o Grand Slam, com 14 titulos e 19 finais. Monstro!

Na terra batida era fácil…

Roland Garros

No final da última década, o Brasil vivia uma febre no tênis devido ao fenômeno Gustavo Kuerten. Tudo por causa do inesquecível título de Guga nas quadras de saibro de Roland Garros. Paris nunca mais seria a mesma após a passagem daquele franzino catarinense e sua camisa azul e amarela.

O tempo do brasileiro, que chegou a ser o número 1 do ranking da ATP, infelizmente passou. O interesse pelo tênis no país diminuiu, tanto que já não é tão comum ver matérias a cada a nova atualização do ranking mundial. Mesmo assim, o nível das competições continua altíssimo. E empolgante.

Quem manda na terra batida agora é o espanhol Rafael Nadal, atual tetracampeão em Roland Garros. Por sinal, o 2° Grand Slam da temporada está na sua primeira semana. O espanhol segue a sua caminhada rumo ao penta, enquanto Roger Federer – atual trivice – tenta o seu primeiro título, o único que falta na sua galeria. 8-)

Entre as mulheres, destaque para a russa Dinara Safina, líder do ranking e vice-campeã em 2008.

A briga pelo título promete ser acirrada… Afinal, o Aberto da França distribui nada menos que R$ 20,6 milhões em premiações! 8-O

A competição – que vai até o dia 31 – está sendo transmitida ao vivo pela ESPN.

Abaixo, um vídeo com os 12 últimos vencedores em Roland Garros. Guga teve a honra em 3 oportunidades (1997, 2000 e 2001).