Sombrinhas de frevo nas ilhas do Taiti

Taiti recebendo presentes dos voluntários pernambucanos. Foto: Fifa/divulgação

Último dia de trabalho na Arena Pernambuco.

Jogadores, voluntários e uma interação incomum nos dias anteriores.

Compenetrados na função durante duas semanas, os voluntários enfim tiveram uma folga, podendo sair um pouco da rigidez do programa da Fifa.

A troca de lembranças com as delegações foi algo comum.

A seleção do Taiti saiu do estádio de malas quase vazias. Deixaram camisas, colares e até uma bandeira.

Mas também levaram lembranças bem pernambucanas.

As sombrinhas de frevo.

Um pouquinho de Pernambuco na Polinésia Francesa…

104.241 torcedores e 18 gols na Arena Pernambuco na Copa das Confederações

Arena Pernambuco após o jogo Uruguai 8x0 Taiti, pela Copa das Confederações. Foto: Cassio Zirpoli/DP/D.A Press

Uma lua cheia na despedida…

Encerrada a participação pernambucana na Copa das Confederações.

Passagem com a classe do toque de bola espanhol, a emoção do duelo entre italianos e japoneses, a supergoleada uruguaia e a despedida taitiana.

Em uma semana, foram três jogos no novo estádio em São Lourenço da Mata, com cinco países diferentes, sérios problemas de mobilidade, soluções emergenciais, melhora e ótimos públicos na Arena Pernambuco.

Nessas três partidas, com 84,5% do borderô composto por torcedores do estado, o palco recebeu ao todo 104.241 pessoas.

41.705 – Espanha 2 x 1 Uruguai
40.489 – Itália 4 x 3 Japão
22.047 – Uruguai 8 x 0 Taiti

Como contrapartida, o público presente viu vários craques e seleções tradicionais, com todo respeito aos taitianos, e muitos gols.

A média foi de 34.747 torcedores, excelente. Com 18 gols no campo, o índice de bolas na rede foi de incríveis 6 tentos a cada noventa minutos.

Você assistiu a algum jogo na arena nesta Copa? Qual será a maior lembrança?

Esse clima diferente em torneios da Fifa voltará ao estado apenas em 2014, numa escala ainda maior, com cinco jogos, numa tal de Copa do Mundo.

Com show de bola, o Brasil conquistou o tetra no 3 x 0 sobre a Espanha.

Arena Pernambuco no jogo Itália 4x3 Japão. Foto: Fifa/divulgação

Taiti leva na bagagem a pior defesa da história e lembranças eternas

Taiti agradece ao torcedor brasileiro na Arena Pernambuco. Foto: Nando Chiappetta/DP/D.A Press

Nunca uma seleção sofreu tantos gols em um torneio senior da Fifa.

Em três partidas, atuando no Mineirão, Maracanã e Arena Pernambuco, o Taiti levou nada menos que 24 tentos de nigerianos, espanhóis e uruguaios.

O recorde durava exatos 60 anos, com a campanha da Coreia do Sul no Mundial de 1954. Na ocasião, em dois jogos, os asiáticos foram vazados 16 vezes.

Assim, segundo a fria estatística, o pequeno país da Oceania entrou na história pela porta dos fundos. Contudo, o Taiti deixa uma imagem muito mais grandiosa, através do fair play. Esbanjando carisma, o time foi abraçado pelo público brasileiro, numa paixão curiosa. De tão frágil, virou atração por onde jogou.

Aos jogadores amadores da equipe do pequeno arquipélago a campanha neste torneio era um verdadeiro sonho, desejando não acordar nunca.

Taiti agradece ao torcedor brasileiro na Arena Pernambuco. Foto: Gil Vicente/DP/D.A Press

Sonho que chega ao fim neste domingo, com mais uma goleada daquelas…

Até esta tarde, esses humildes desconhecidos defendiam o Taiti em uma Copa das Confederações, com partidas exibidas para todo o mundo.

Após o apito final do árbitro português Pedro Proença, nomes como Tehau, Meriel, Caroine, Hnanyine e Chong Hue tiveram um gesto emocionante.

Agradecimento ao carinho recebido em todos os jogos, eles deram uma verdadeira volta olímpica com a bandeira do Brasil. O público aplaudiu de pé.

A viagem de volta será longa, até o outro lado do mundo. Lá, deverão cair no esquecimento. Voltam à pacata rotina no Taiti, como estudantes, contadores, entregadores, vendedores de celulares, alpinistas e até desempregados…

O padrão vermelho e branco na competição de 2013 é a prova viva para sempre de uma viagem inacreditável proporcionada pelo futebol. Obrigado, Taiti.

Vestiário do Taiti na Arena Pernambuco. Foto: Fifa/divulgação

A história celeste de Abel Hernández em 90 minutos na Arena

Abel Hernández comemora um de seus gols na Copa das Confederações de 2013 na Arena Pernambuco. Foto: Fifa/divulgação

O atacante Abel Hernández foi revelado pelo Central Español de Montevidéu em 2007, ainda adolescente. Tinha apenas 17 anos.

No ano seguinte, o forte centroavante de 1,86m foi contratado pelo tradicional Peñarol, onde ficou apenas uma temporada.

Tempo suficiente para assinar com o Palermo da Itália, onde atua até hoje. Na Celeste, porém, é quase desconhecido. Até este domingo eram apenas 9 jogos.

Também pudera, pois o ataque charrúa dirigido pelo maestro Oscar Tabárez conta com Cavani e Luis Suárez, além do veterano Diego Forlán. Qualidade.

Diante do fraco Taiti, neste domingo, o Uruguai precisava de uma vitória simples. O treinador, sem medo e consciente o abismo técnico, escalou um time reserva.

Chance para Hernández. O atleta de 22 anos, nascido em Pando, na região metropolitana da capital nacional, aproveitou bem a chance…

Marcou quatro gols, metade do placar estabelecido pela Celeste, 8 x 0.

La Joya, como é conhecido, só havia anotado 3 gols pela seleção, cuja estreia ocorreu em agosto de 2010. Turbinou sua estatística para 7 gols em 10 jogos.

Se tem alguém que vai sair bem feliz desta Copa, esse é o agora menos desconhecido Abel Hernández…

Copa das Confederações 2013, 1ª fase: Uruguai 8x0 Taiti. Foto: Heitor Cunha/DP/D.A Press

LED na Arena, só no Mundial. Até lá, manutenção na cobertura

Cobertura da Arena Pernambuco. Foto: Cassio Zirpoli/DP/D.A Press

A Arena Pernambuco foi selecionada para receber três jogos na Copa das Confederações de 2013. A contrapartida para isso seria antecipar a obra em oito meses, o que aconteceu.

Contudo, ainda há trabalhar a fazer no empreendimento, sobretudo no acabamento. Para o público, uma lacuna perceptível foi a iluminação da cobertura lateral do estádio, inspirada na Allianz Arena de Munique.

As membranas da fachada, com 25 mil metros quadrados, são formadas de almofadas de etileno tetrafluoretileno. Já no evento teste algumas dessas almofadas apresentaram desgaste

Além disso, a fachada de 12 milhões de euros deveria, ser combinada com LED, proporcionando uma iluminação especial – a cor fica a critério dos organizadores a cada partida.

Ao todo são quatro quilômetros de componentes de LED. Mas a instalação ainda não foi sequer iniciada. Ou seja, a versão final da Arena Pernambuco será conhecida apenas na Copa 2014…

A pior seleção, o pior time e o título de campeão de simpatia aos taitianos

Jogador do Taiti e torcedores do Íbis. Foto: Celso Ishigami/DP/D.A Press

Um time amador, o Taiti.

Saiu do outro lado do mundo para disputar o seu primeiro torneio senior da Fifa.

No arquipélago, costumava jogar com 200 espectadores. Sim, 200.

O choque de realidade seria gigantesco aqui no Brasil. Do tamanho do Mineirão e do Maracanã, onde atuou duas vezes nesta Copa das Confederações.

Sem surpresa alguma, o campeão da Oceania foi goleado duas vezes.

Sofreu 16 gols. Marcou 1 e comemorou demais.

Apesar do saldo, a matemática e os deuses do futebol fizeram com que o time desembarcasse no Recife com uma chance ínfima de classificação.

Taiti treinando na Praia de Boa Viagem. Foto: Celso Ishigami/DP/D.A Press

Mas a tendência é ser goleado novamente, desta vez pelo Uruguai.

Ainda assim, sorrisos para a torcida. É a seleção mais simpática do torneio.

Jogadores comuns, quase peladeiros, que se enturmam fácil, saindo do protocolar aceno a caminho do ônibus visto nos demais países.

Partiram para o abraço já na chegada ao hotel em Boa Viagem e na praia…

E ganharam a surreal do torcida do Íbis, logo apresentado à delegação estrangeira como o pior time do mundo, com Mauro Shampoo e tudo.

Pois é, o Taitíbis está na área. Representando todos aqueles peladeiros de fim de semana que já sonharam um dia enfrentar os melhores do mundo…

Jogador do Taiti e torcedores do Íbis. Foto: Nando Chiappetta/DP/D.A Press

Volví, Recife

Jornal Ovacion, do Uruguai. Crédito: reprodução/internet

Nos três jogos agendados no Recife, pela Copa das Confederações, apenas uma seleção foi sortetada para atuar duas vezes por aqui.

O Uruguai. Na primeira passagem, o caos tomou conta da delegação celeste.

Começou pela falta de campo para treinar. Era para ser no Arruda, mas o estado do gramado coral e o corredor alagado inviabilizaram os treinamentos.

Partiu, então, para o centro de treinamento do Sport, no limite da cidade.

Com um acesso através de uma encharcada estrada vicinal, após um congestionamento daqueles na rodovia BR-101, o treino acabou cancelado.

Teve que se contentar numa academia. As imagens correram o mundo…

Uma pavimentação meia boca e enfim o ônibus chegou ao CT. No percurso, 1h30 para ir e 1h30 para voltar. Desgastante, sobretudo no Padrão Fifa.

No domingo, perderam da Espanha. Na quinta, se recuperaram com uma vitória sobre os nigerianos, em Salvador. Ficaram a uma vitória simples sobre o fraquíssimo Taiti para alcançar a semifinal do evento teste.

E voltaram para a capital do estado. No dia 23, de novo a Arena Pernambuco. No primeiro dia, novo cronograma no Arruda. E mais uma mudança…

Os uruguaios partiram para o CT Wilson Campos, do Náutico.

A manchete do jornal Ovación retrata a reação uruguaia sobre o retorno…

Dois dígitos no placar da Fifa, de El Salvador ao Taiti

Copa das Confederações 2013, 1ª fase: Espanha 10x0 Taiti. Foto: Laurence Griffiths/Fifa

No Maracanã a diferença técnica era abissal, inacreditável.

Espanha, campeã do mundo e bicampeã europeia. Número 1 no ranking mundial. Aula de futebol a cada apresentação.

Taiti, amadorismo num país minúsculo. Campeão da Oceania, mas em 138º no ranking. Ambos participantes da Copa das Confederações de 2013, no Brasil.

Nunca uma fase final de um torneio senior da Fifa havia colocado frente a frente em campo um contexto assim. A goleada no renovado Maracanã era absolutamente previsível. A dúvida era o resultado final. De quanto seria?

No bolão da redação do Diario de Pernambuco, por exemplo, o pitaco do blog foi um modesto “9 x 0″. Houve aposta com até doze gols espanhóis…

Copa das Confederações 2013, 1ª fase: Espanha 10x0 Taiti. Foto: Alex Livesey/Fifa e Copa do Mundo de 1982: Hungria 10x1 El Salvador

Mesmo atuando com o time reserva e sem pressa alguma para atacar, o time dirigido por Vicente Del Bosque goleou como se esperava, por 10 x 0.

Foi o maior placar já visto num torneio profissional de seleções da Fifa.

Superou o jogo Hungria 10 x 1 El Salvador, na Copa do Mundo de 1982.

Ordem dos tentos húngaros: 4, 11, 23, 50, 54, 69, 70, 72, 76 e 83.
Melhor arranque: 4 gols em 8 minutos.

Ordem dos tentos espanhóis: 5, 31, 33, 39, 49, 57, 64, 66, 78 e 89.
Melhor arranque: 3 gols em 9 minutos.

A diferença acabou sendo o gol salvadorenho anotado por Luis Ramirez…

Copa do Mundo de 1982: Hungria 10x1 El Salvador

O alternativo campeão da Oceania. A caminho do Brasil

Copa da Oceania 2012, final: Taiti 1 x 0 Nova Caledônia. Foto: Fifa/divulgação

Era quase uma certeza. A Nova Zelândia seria a representante da Oceania na Copa das Confederações de 2013, aqui no Brasil. Seria…

O time neo-zelandês, o único invicto do Mundial de 2010, domina o fraco futebol do continente desde que a Austrália, em busca de um melhor nível técnico, conseguiu junto à Fifa uma transferência para a federação asiática.

Numa zebra daquelas, o país sequer disputou a final da Copa da Oceania desde ano.

Eliminada na semifinal, a Nova Zelândia assistiu à alternativa decisão entre Taiti e Nova Caledônia. Duas pequenas ilhas no Oceano Pacífico sob domínio francês.

A primeira localizada na Polinésia e a segunda na Melanésia.

Juntos, os dois arquipélagos têm apenas 422 mil habitantes. Bem menos que a cidade de Jaboatão dos Guararapes, por exemplo.

Deste jogo no acanhado estádio Lawson Tama, nas Ilhas Salomão, sairia um campeão inédito. Foi o Taiti, que venceu por 1 x 0, gol de Steevy Chong Hue.

Sim, o Taiti. Filiado à Fifa há apenas oito anos. E amador como a Nova Caledônia.

Nem os jogadores pareciam acreditar no feito alcançado neste domingo, com uma bonita festa. Futebol e suas surpresas, algo vital para a paixão por esse esporte.

Será que essa seleção, em 179º lugar no ranking da Fifa, jogará na Arena Pernambuco?

Surfe e goleadas

Taiti

Taiti.

Reduto de surfistas do mundo todo. Paradisíaco.

O Taiti é a maior ilha da Polinésia Francesa. Mas o que não quer dizer muita coisa, pois a área total é de apenas 1.036 km2. Ao todo, uma população de 178 mil habitantes. Pouco mais que a população de Camaragibe (143 mil).

Isolada no Oceano Pacífico e oficialmente uma dependência francesa, o Taiti conseguiu se filiar junto à Fifa.

Em dezembro de 2008, o país voltou a ser sede do Campeonato Sub-20 da Oceania após 12 anos. Numa zebra daquelas, a selação ganhou o seu 2º titulo continental em sua capital, Papeete. Acabou com um jejum de 34 anos!

O título valeu a sua classificação para o Campeonato Mundial Sub-20, no Egito. A primeira participação do Taiti em um Mundial da Fifa.

“Vencer esse campeonato é incrível, não só para nós mas para todo o povo do Taiti. Eles sabem que podem agora ter fé na qualidade dos seus jogadores”, disse o treinador Lionel Charbonnier, em entrevista ao site da Fifa (veja AQUI).

E chegou o Mundial de 2009. O time já jogou duas vezes:

Taiti 0 x 8 Espanha
Taiti 0 x 8 Venezuela

Pelo menos valeu a viagem para conhecer o Egito. Na volta, a garantia de boas ondas no Taiti, para recepcionar os jogadores/surfistas. A foto acima foi no Taiti… 8-)