A MEGALOMANIA QUE DISTANCIA O VIVER DO EXISTIR

Por Ed Wanderley | Fotos: Paulo Paiva

Moradia é, desde sempre, um dos indicativos mais imediatos do desenvolvimento de uma região, da economia à organização social. O lugar em que se vive se faz reflexo e algo tão fundamental para o ser nela habitante que constitui a base da pirâmide de necessidades proposta pelo psicólogo norte-americano Abraham Maslow, ao lado de alimentação ou sexo, por exemplo, em teoria estudada em todo o mundo. Em Pernambuco, alguns desses imóveis assumem traços medievais. Há pouco mais de meia dúzia de castelos espalhados pelo estado, cujas construções são tocadas por pessoas consideradas heróis, uns pelos outros, ou loucos, por parte de familiares. A maioria é utilizada como residência e 100% deles esconde sonhos de cunho privado, materializados em pedra ou argila e cimentados por uma insistência desacreditada por quase todos, ao longo das últimas três décadas.

Culturalmente megalomaníaco, o esteriótipo pernambucano busca os títulos de “maiores”, mesmo que em linha reta, sobre tudo – o que de certo serviu de combustível para os projetos superlativos. No enredo, protagonistas comuns, que no circuito social corriqueiro atendem como professor, empresário, encanador, advogada, abriram os portões de seus reinos, sempre em reforma, retoques ou expansão – como rege a medida do desejo.

Espalhados do litoral ao Sertão do Salgueiro, os castelos do estado representaram um desafio de 1,2 mil km percorridos pela reportagem e a rara oportunidade dos proprietários abrirem mais que as portas, mas o livro de memórias, em que registram-se também inúmeras dificuldades em busca da conclusão de uma obra deslocada, no mínimo, cinco séculos no tempo e, ainda assim, tão moderna quanto globalizada.

Sem cortes ou poderes políticos – mas, em um dos casos, com direito a trono, cetro e coroa -, esta é uma narrativa de desafios, lógicas que funcionam apenas no âmbito particular e até doses de arrependimentos, retalhos essenciais para reproduzir as histórias de majestades, súditas de seus próprios ideais.

Design e desenvolvimento: Bosco
Edição de vídeos: Eduardo Travassos e Roberta Cardoso
Som e finalização: Rafael Marinho e Jaíne Cintra
Artes e ilustrações: Jarbas e Silvino
Edição executiva: Paulo Goethe
Direção de redação: Vera Ogando

O reino de pedra que Ariano não viu

Por dentro do reino das almas

Um império de saudade

Arrependimento talhado em concreto

Sonhos com preço e data marcada

O retrato medieval de um Recife imaginado

Armorial

Filosofia de reino mítico sertanejo é reconhecido na literatura, música e cinema, mas também norteou arquitetura local

Odisseia

Segundo profissionais, materialização de grandes construções bebem na mesma fonte que desejos de realização social corriqueiros

Herança

Detalhes construtivos comuns em cidades como o Recife têm origem na busca da nobreza medieval