Preço como aliado da qualidade do produto

Há um esforço para se trabalhar essa dobradinha e assim conquistar mais facilmente os consumidores

Para que um produto ou serviço seja considerado preferido pelos consumidores, três aspectos são fundamentais: qualidade, boa apresentação e preço justo. Nem sempre equacionar esses três elementos, especialmente a qualidade e o preço final, é fácil. Por isso, o fator preço se torna primordial para as marcas que queiram conquistar o público, e as empresas têm se esforçado para oferecer cada vez mais produtos com bons atributos a um preço acessível.

Presidente do Sindicato das Agências de Propaganda de Pernambuco e presidente da Arcos, Antônio Carlos Vieira afirma que há um grande esforço das empresas de fazer ações promocionais. “As marcas criam uma promoção ou premiação, que na verdade é uma oportunidade para despertar o cliente, no sentido de que além de adquirir um produto ou serviço de qualidade, o público poderá ser beneficiado, seja através de um sorteio ou com uma vantagem de oferta”, diz, citando as famosas promoções “leve dois pague um”, comuns no mercado.

“Então, é algo que não é fácil. É uma equação complicada para as indústrias, já que, para não perder mercado, elas adotam um preço competitivo, que seja atraente, mas que a marca possa se sustentar”, afirma, acrescentando que a estratégia é adotada por diversos segmentos. “No setor de automóveis, as marcas dão um jeito de oferecer juros zero ou de dar algo a mais que compense o preço, já que não é possível baixar tanto. No varejo também existem ações promocionais.”

“Para ter uma marca preferida, precisa ter primeiro qualidade, depois boa apresentação e também um preço justo”, afirma Alfrízio Melo, diretor da Italo Bianchi e presidente da Associação Brasileira de Agências de Publicidade (Abap-PE), ressaltando que as empresas sempre vão fazer um produto para atingir determinado grupo de consumidor.

Vice-presidente da BG9, Giovanni Di Carli lembra que existe uma diferença entre o valor de um produto e o preço dele. “Quando você consegue agregar valor aos produtos e marcas, o preço é avaliado de forma diferente, porque quando o consumidor percebe um valor que preencha suas expectativas e agrega aspectos como benefícios sensoriais ou status, o valor acaba justificando o preço” diz, ressaltando que o grande desafio do mercado publicitário é justamente o da construção de valores agregados.

Valor agregado no mercado

Com uma grande presença no mercado brasileiro e argentino, equipando mais de 50% dos carros produzidos nos dois países, as Baterias Moura acreditam que a questão do preço não é uma matemática simples. “Nosso preço é adequado à nossa entrega: um produto que leva a nossa marca assegura aos nossos consumidores a qualidade e segurança que ele busca. Isso tem dado certo ao longo dos anos”, comenta Andréa Lyra, gerente de marketing da empresa.

Andrea: orgulho em dizer que a marca preferida do consumidor é daqui de Pernambuco - Foto: Divulgação

Andrea: orgulho em dizer que a marca preferida do consumidor é daqui de Pernambuco – Foto: Divulgação

Ainda de acordo com ela, a continuidade de investir na marca é fundamental para o seu fortalecimento. “Outro ponto importante é a parceria com as montadoras e estar ao lado de outras marcas de boa reputação. Nós equipamos 50% da frota produzida no Brasil e Argentina, isso ajuda a nossa venda no momento da troca: o consumidor nos conhece através da nossa história consolidada e dos nossos investimentos em comunicação e somado a isso vê nossa bateria equipando originalmente os veículos”, diz.

Rigoroso controle de custos

Para oferecer produtos de qualidade com um preço acessível, a Camponesa adota uma série de fatores.“O trabalho começa desde a captação de leite, através de projetos de fomento realizados junto ao produtor rural.Oferecemos todo o suporte técnico e apoio”, disse Ricardo Passos, diretor de vendas da Embaré, ressaltando que o nível de captação de leite tem sido mantido.

“Contamos também com recursos alternativos de transporte de nosso produto final, ocasionando em um frete mais em conta e, além disso,possuímos um rigoroso controle de custos,para que o consumidor tenha um produto de qualidade por um preço acessível”,destaca. Ainda de acordo com ele, o consumidor pode perceber o comprometimento da marca através das ações diretas nos pontos de venda,que possuem mais de 300 colaboradores espalhados nos supermercados do Nordeste.

Estratégia na linha de produção

Detentora de várias marcas que já se consolidaram no mercado pernambucano e na preferência dos consumidores, a exemplo da Palmeiron, Vitamilho e do sabão em pó Bem-Te-Vi, a ASA trabalha estrategicamente para alinhar a qualidade de seus produtos com o preço competitivo. “A área de marketing da empresa é responsável pela estratégia de negócios, isso vai desde a concepção de criação de um produto, seus benefícios e atributos, qualidade oferecida e posicionamento adequado no mercado, buscando ser bem competitivos no momento de comprar e produzir, isso permite que consigamos chegar no ponto de venda com uma precificação correta”, diz Wagner Mendes, diretor de marketing e trade da empresa.

De acordo com ele, a estratégia tem dado certo, e a ASA tem registrado crescimento nas vendas. “Os consumidores têm procurado nossos produtos com muita frequência e ganhamos, assim, mais mercados. A resposta à nossa estratégia tem sido produtiva”, reforça.

“Quando você consegue agregar valor aos produtos e marcas, o preço é avaliado de forma diferente”

Giovanni Di Carli

vice-presidente da BG9

“Para ter uma marca preferida, precisa ter primeiro qualidade, depois boa apresentação e também um preço justo”

Alfrízio Melo

diretor da Italo Bianchi

“É uma equação complicada para as indústrias, já que, para não perder mercado, elas adotam um preço competitivo, que seja atraente, mas que a marca possa se sustentar”

Antônio Carlos Vieira

presidente da Arcos