Por Marina Fabrício

O preparo psicológico para enfrentar as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que será realizado em novembro, é tão importante quanto a dedicação aos estudos. O abalo emocional provocado pela ansiedade por conseguir uma aprovação ou corresponder à expectativa familiar pode comprometer o desempenho dos candidatos depois de um ano de esforço. Por isso, o apoio dos pais e da escola se torna essencial para que o estudante possa driblar o nervosismo e manter o foco na reta final.

O fera de direto Dino Braga (foto), 17, abriu mão das partidas de futebol semanais para ter mais tempos de estudo nesses três meses que faltam para o Enem. Com a mudança na rotina, ele percebeu alterações no sono e na alimentação. “Comecei a ter um pouco de insônia porque fico estudando até tarde. Mas com o tempo me acostumei e já consigo dormir melhor. Conto muito com a força da minha família. Divido o quarto com meu irmão mais novo e, sempre que preciso de silêncio, ele ajuda. Gosta de participar lendo minhas redações ou fazendo perguntas”, disse.

A pressão pessoal para conquistar o sonho de chegar à faculdade é o que mais preocupa o vestibulando. Para relaxar, ele procura dedicar algumas horas no fim de semana saindo com os amigos ou indo ao cinema com a namorada. “Na medida em que vai se aproximando a gente percebe que um ano todo de muita dedicação está em jogo. Procuro ficar tranquilo me concentrando na minha preparação”, revela.

Para a mãe de Dino, a professora Adriana Braga, 38, a convivência com o adolescente tem sido de apoio e companheirismo. “Tivemos uma experiência no ano passado com a irmã dele que prestou vestibular. Mais uma vez estamos todos participando desse momento com união procurando acolher sempre. O momento de estudo influencia na nossa rotina. Dentro de casa, estamos vivendo a vida dele. É preciso manter o emocional regulado para conseguir se concentrar e fazer uma boa prova”.

De acordo com a psicóloga do Colégio Damas, Alcida Bezerra, que acompanha os alunos do terceiro ano do ensino médio, o principal aliado do vestibulando deve ser o gerenciamento do pensamento. “Durante esse período de preparação, o essencial é pensar positivo. O pensamento pode tanto ser aliado ou inimigo. Imaginar que vai esquecer ou não está preparado reforça o sentimento de autocobrança. Para manter a estabilidade é preciso focar nas potencialidades”, aconselha.

Para muitos jovens, o fim do ensino médio é um momento decisivo e o medo de ter que passar mais um ano estudando atormenta a maioria deles. “A principal questão levantada é o medo da competição por causa da ampla concorrência. Nesse período tão delicado, a figura do adulto entra como mediadora, já que tanto os professores quanto os pais já passaram por essa situação. As pessoas que cercam esse estudante não devem se tornar mais um fator de pressão e sim passar segurança”, ressalta.

Algumas reações servem de alerta. Mudança repentina de humor, irritação, náuseas, choro ou alteração no peso e sistema digestivo indicam estresse e abalo psicológico. “Vários fatores contribuem para uma maior pressão, aumentando o potencial do que pode ocasionar uma somatização”, revelou a psicóloga.

Para ajudar aos adolescentes, o Colégio Damas oferece momentos recreativos com atividades de relaxamento. Profissionais da saúde ensinam técnicas de controle da respiração e ioga. “O trabalho precisa ser feito em conjunto com a família”, conta a diretora pedagógica, irmã Marcela Sarmento.

O que fazer

Dicas para os alunos, antes da prova

Acreditar que é capaz
Focar nas potencialidades
Manter a credibilidade em si mesmo
Evitar estudar exaustivamente pelo menos 15 dias antes da prova
Montar estratégia de resolução com antecedência
Tentar minimizar o medo para não comprometer o desempenho

No dia da prova

Seguir a estratégia de resolução
Levar lanches e descansar a vista após a redação ou prova cansativa
Não passar mais de 3 minutos em uma mesma questão para não gerar ansiedade
Fazer exercícios rápidos de alongamento e respiração entre as provas

Dicas para os pais

Demonstrar apoio
Participar da preparação junto com o fera
Colaborar com a rotina de estudos
Evitar cobranças desnecessárias
Não fazer comparações ou avaliações infrutíferas
Evitar situações que demonstrem pressão de corresponder à expectativa familiar