No Recife, o tema da redação do Enem deste ano “Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil” dividiu opiniões, mas, no geral, as provas foram consideradas de nível mediano pelos estudantes entrevistados pelo Diario. José Valdisnei Nascimento, 23 anos, que pretende cursar direito, acredita que faltam investimentos do governo para dar igualdade de oportunidades aos deficientes auditivos, o que tornou o tema interessante de ser abordado. “Eu consegui desenrolar”, disse.

A estudante Helena Aparecida Teixeira, 21 anos, contou que cursa administração, mas fez o exame novamente para tentar trocar de faculdade. Ela achou a prova muito cansativa, com textos longos e interpretativos, especialmente para serem lidos após uma redação. Helena contou que, no início do ano, escreveu sobre o assunto abordado pelo Enem, durante um exercício, mas teve que “quebrar um pouco a cabeça para a redação engrenar”.

Para Edna Regina, 25 anos, o tema da redação surpreendeu. Edna pretende cursar gastronomia e afirmou nunca ter imaginado que o assunto tão específico seria alvo de debate. “Nunca passou pela minha cabeça”. Ela contou ter perdido muito tempo ao escrever o texto, mas acredita que fez bem as outras provas.

Valéria Louise, 17 anos, participou dos exames só para ter experiência. Ela está no segundo ano colegial e seu ano decisivo será em 2018, no qual ela pretende apostar todas as fichas e estudar bem mais. “Estou animada para o próximo domingo (12), mas acredito que, no próximo ano, terei que estudar bem mais, porque as provas têm muito conteúdo”.