PF faz operação contra aplicadores do Enem

PF faz operação contra aplicadores do Enem

Por Estadão Conteúdo

A Polícia Federal deflagrou ontem, 9, uma operação para recolher provas nas casas de aplicadoras suspeitas de fraude durante a aplicação da primeira fase do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que aconteceu no último domingo, 3. Foram cumpridos, em Fortaleza, dois mandados de busca e apreensão nas casas das aplicadoras, que tiveram os celulares levados pela PF. Os mandados foram expedidos pela 12ª Vara Federal de Fortaleza.

Em nota, a PF informou que atua em parceria com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) para apurar fraudes semelhantes na Bahia e no Rio de Janeiro. No último domingo, minutos após o início do Enem, circulava nas redes sociais a imagem da página com a proposta da Redação, que abordou a democratização do acesso ao cinema. Logo após o vazamento, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, afirmou que o vazamento teria partido de um aplicador e que iria “escangalhar ao máximo a vida dele”. “A gente vai atrás de absolutamente tudo para que essa pessoa pague pela má-fé e falsidade”, disse, no dia do episódio.

Proibição

Após o vazamento, o Inep proibiu os aplicadores das provas do Enem de entrar com celulares nas salas onde será realizada a prova hoje. Segundo a assessoria do Inep, até o fim de semana passado, os aplicadores eram orientados a guardar os celulares em envelopes ou porta-objetos – assim como ocorre com aqueles que vão participar da prova. Agora, neste domingo, os celulares não poderão ficar nas salas, nem mesmo dentro dos envelopes fechados.

Para os estudantes, o uso dos celulares segue proibido. Os candidatos têm de colocar os aparelhos dentro de envelope porta-objetos entregue antes do início da prova. Os aparelhos devem estar desligados e, se possível, deve-se remover a bateria – caso emitam algum som, mesmo dentro do envelope, o candidato será eliminado.

No domingo passado, 376 candidatos foram eliminados, segundo o Inep, por uso de equipamentos eletrônicos.

Segundo domingo

Hoje, os alunos realizam as provas de Matemática e Ciências da Natureza. Os candidatos terão cinco horas para fazer as questões. Os portões serão abertos ao meio-dia, pelo horário de Brasília, e fechados às 13 horas. Os alunos devem levar caneta esferográfica de tinta preta, de material transparente, e documento de identificação original com foto. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Começa hoje o prazo para instituições de ensino aderirem ao ProUni

Começa hoje o prazo para instituições de ensino aderirem ao ProUni

Por Agência Brasil

Instituições de ensino superior privadas têm até o dia 25 para manifestar o interesse em participar do Programa Universidade Para Todos (ProUni) do primeiro semestre de 2020. O prazo para a adesão começa hoje (7). Para as universidades que ainda não participaram do programa, o prazo é mais curto, vai até o dia 14.

O ProUni oferece bolsas de estudos integrais e parciais (50%) em instituições particulares de ensino superior, com base no desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e em critérios de renda.

No primeiro semestre deste ano foram ofertadas cerca de 244 mil bolsas de estudo em 1,2 mil instituições particulares de ensino. No segundo semestre, o total de bolsas foi 169 mil, em 1,1 mil instituições em todo o país.

Todos os procedimentos operacionais referentes ao Prouni serão efetuados exclusivamente por meio do Sistema Informatizado do Prouni (Sisprouni).

O edital que torna público o cronograma e os procedimentos para emissões de termos de adesão e aditivo ao processo seletivo do ProUni, do primeiro semestre de 2020, está disponível na página do programa.

 

Unifesp abre vagas para campus na zona leste de São Paulo

Unifesp abre vagas para campus na zona leste de São Paulo

A Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) aprovou a criação do curso de Geografia, a primeira graduação aberta no campus da zona leste da capital paulista. A partir do próximo ano, serão ofertadas 60 vagas e a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) será usada para o ingresso de alunos.

Prometida pelo Ministério da Educação (MEC) ainda em 2005, essa unidade, chamada de Instituto das Cidades, só foi criada em 2014 e começou a funcionar há menos de dois anos. Até agora, lá têm sido oferecidas apenas atividades de extensão e a oferta de algumas disciplinas para estudantes de outros campus da universidade, mas esse instituto não tinha alunos próprios.

Após a inauguração do campus da Universidade de São Paulo (USP), em 2005, era reivindicada a abertura de uma unidade da Unifesp na região, uma das mais populosas da cidade e carente de oferta de ensino superior público. As restrições de verba e um imbróglio para a descontaminação do terreno – a faculdade vai funcionar onde antes operava uma fábrica – atrasaram o início das atividades.

“É uma conquista muito importante, tendo em vista a quantidade de dificuldades que enfrentamos. Tivemos questões ambientais, já que havia uma contaminação no terreno e, quando houve a liberação do espaço físico, não tínhamos orçamento para as reformas que eram necessárias no prédio; nem a liberação para a contratação de docentes”, comenta Isabel Hartmann de Quadros, pró-reitora de Graduação da Unifesp. Desde 2014, toda a rede de instituições de ensino federal tem enfrentado uma série de reduções orçamentárias pelo MEC.

O Instituto das Cidades foi criado com o objetivo de formar profissionais com foco na resolução de problemas ligados ao desenvolvimento urbano. Além de Geografia, está prevista a oferta dos cursos de Administração Pública, Arquitetura e Urbanismo, Engenharia Ambiental e Sanitária e Engenharia Civil.

Nenhum dos outros tem previsão para começar, uma vez que dependem, principalmente, da liberação pelo Ministério da Casa Civil da contratação de novos professores e de orçamento para finalizar a reforma do prédio para que possa receber mais alunos.

Projeto de expansão

A Unifesp abriga a Escola Paulista de Medicina, uma das mais tradicionais do País na área. Em 2005, o projeto do governo federal era aumentar o tamanho da instituição e criar um Anel Universitário, que englobava as cidades de São Paulo, Guarulhos, Diadema, Embu das Artes e Osasco.

Naquele ano, o MEC constatou que o Estado de São Paulo era o que tinha a menor proporção entre o número de vagas no ensino superior público e população. Por meio do projeto, foram criadas a Federal do ABC (UFABC) e os campus da Unifesp na região metropolitana.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fies pode ser renovado até 30 de novembro

Fies pode ser renovado até 30 de novembro

Por Agência Brasil

Estudantes que têm contratos do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) firmados até o segundo semestre de 2017 têm até o dia 30 de novembro para renovar o financiamento. O prazo, que terminaria no último dia 31, foi prorrogado pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

Os contratos do Fies devem ser renovados a cada semestre. O pedido de aditamento é feito inicialmente pelas instituições de ensino e, em seguida, os estudantes devem validar as informações inseridas pelas faculdades no SisFies.

No caso dos chamados aditamentos simplificados, sem alterações no contrato, a renovação é formalizada a partir da validação do estudante no sistema.

Quando há, no entanto, mudanças nas cláusulas do contrato, como mudança de fiador, por exemplo, o aluno precisa levar a documentação comprobatória ao agente financeiro, que é o Banco do Brasil ou a Caixa Econômica Federal, para finalizar a renovação.

Os contratos do Novo Fies, firmados a partir de 2018, têm prazos definidos pela Caixa.

MEC levará internet a 24,5 mil escolas públicas

MEC levará internet a 24,5 mil escolas públicas

O Ministério da Educação (MEC) levará internet a 24,5 mil escolas públicas urbanas pelo programa Educação Conectada. De acordo com a pasta, isso significa que 56% das escolas públicas passarão a estar conectadas no país. A medida deverá beneficiar 11,6 milhões de estudantes.

Para viabilizar o programa, a pasta repassará R$ 82,6 milhões. Esse dinheiro chegará por meio do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE), administrado pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). A expectativa, de acordo com o ministro da Educação, Abraham Weintraub, é que as escolas já tenham acesso à internet no primeiro semestre de 2020.

“O ensino hoje no mundo sem estar conectado à internet é um absurdo”, disse Weintraub. Além de repassar recursos para conectar novas escolas, a pasta repassará também R$ 32 milhões para a manutenção do programa em 9,9 mil escolas já atendidas.

O objetivo do programa, de acordo com o secretário de Educação Básica do MEC, Janio Macedo, é “tornar a educação mais atrativa tanto para o ensino fundamental quanto para o médio, colaborando dessa forma para reduzir a evasão dos nossos alunos e por via de consequência, a melhoria no nosso ensino e aprendizagem dos alunos”.

O acesso à internet possibilitará, segundo a pasta, a formação de professores por meio do ambiente virtual de aprendizagem do MEC, chamado de Avamec. Em 2019, mais de 100 mil docentes concluíram cursos pela plataforma.

A previsão do MEC é que cerca de 9,7 mil escolas sejam beneficiadas em 1,4 mil municípios na Região Sudeste; 7 mil escolas em 1,5 mil municípios na Região Nordeste; 1,7 mil escolas em 257 municípios na Região Norte; 1,8 mil escolas em 319 municípios na Região Centro-Oeste; e 4,2 mil escolas em 1 mil municípios da Região Sul.

Segundo Weintraub, a menor quantidade de escolas a serem atendidas na Região Norte deve-se à dificuldade de acesso por terra. As escolas na região são mais beneficiadas por internet via satélite, que não é o foco do programa.

Adesão

Os gestores estaduais e municipais de educação têm até a próxima sexta-feira (8) para confirmar as escolas a receber conexão. A escolha deve ser realizada pelo Sistema Integrado de Monitoramento Execução e Controle do Ministério da Educação (Simec – Módulo Educação Conectada), e pelo PDDE Interativo (módulo Educação Conectada), ferramenta de apoio à gestão escolar, ambos do MEC.

A velocidade da internet, segundo a pasta, depende da velocidade ofertada na região, mas o MEC disse que garante a melhor oferta disponível.

O Educação Conectada tem o objetivo de apoiar a universalização do acesso à internet em alta velocidade e fomentar o uso pedagógico de tecnologias digitais na educação básica.

Para receber a conexão de internet, as instituições públicas precisam ter número de matrículas maior que 14 alunos; ter, no mínimo, três computadores para uso pelos alunos; e, ter, no mínimo, um computador para uso administrativo e pelo menos uma sala de aula em funcionamento.

AGU atua em 63 ações para evitar que Enem seja questionado na Justiça

AGU atua em 63 ações para evitar que Enem seja questionado na Justiça

Por AE

A força-tarefa da Advocacia-Geral da União para evitar que o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) seja questionado na Justiça após sua realização já atuou em 63 ações judiciais até este domingo (3). A equipe de 130 procuradores iniciou os trabalhos em regime de plantão nas Cortes do País nesta sexta-feira, 25. Segundo informações da AGU, o grupo “foi municiado por um conjunto de informações e teses jurídicas para serem utilizadas de forma ágil em eventuais ações judiciais”.

“Os subsídios foram discutidos e repassados por meio de videoconferências realizadas nos últimos dias com dirigentes da Procuradoria-Geral Federal e da Procuradoria Federal do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), unidade da AGU na instituição encarregada da organização da prova”, afirma o órgão.
A Advocacia-Geral da União tem movido ações contra eventos que possam provocar barulho, ou que venham, de qualquer outra forma, atrapalhar a realização da prova. Também pode atuar em ações judiciais que questionem o Enem.
Em São Paulo, os procuradores federais obtiveram um acordo judicial com realizadores da prova IronMan, que envolve 1,9 km de natação, 90,1 km de ciclismo e 21,1 km de corrida, e tem, em sua rota, a Marginal Pinheiros e o campus da USP.
O termo assinado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira, a Prefeitura de São Paulo, e as empresas organizadoras prevê que a prova de ciclismo acabasse 10h, e que agentes da CET garantam, junto à Polícia, a chegada das provas do Enem nos pontos de aplicação, e também a liberação das ruas assim que os atletas deixarem o local.
No Rio de Janeiro, a Justiça acolheu pedido da AGU e determinou que o evento “Aquela Feijoada”, com show do cantor Tiee neste domingo, às 13h, no Royal Sport Club, em Barra do Piraí, não fosse realizado neste horário. O magistrado impôs multa de R$ 100 mil em caso de descumprimento da decisão, que autoriza o show somente após as 20h. Nesta ação, a AGU afirmou que o evento ocorreria próximo a três locais onde a prova seria aplicada.
“Ora, diante dessa constatação, considero que a probabilidade de haver um ruído excessivo capaz de quebrar a isonomia na aplicação da prova, em desfavor daqueles que a fizerem nos locais indicados na inicial é grande e efetiva, principalmente se considerada a perspectiva de comparecimento de público indicada pelo Autor, não apenas no evento propriamente dito (feijoada+show musical), mas também no entorno, inclusive mediante a utilização de dispositivos móveis de emissão musical” anotou o juiz federal Renato Cesar Pessanha de Souza, em plantão neste sábado, 2.
A reportagem apurou que há ações também em que a Justiça não acolheu os pedidos do governo federal, e que, em razão da hora em que a decisão foi tomada, a eventual interposição de um recurso ficaria prejudicada. Até 15h45 deste domingo, não havia um balanço sobre quantas decisões foram proferidas no sentido de acolher ou rejeitas os argumentos do governo contra eventos que poderiam gerar transtornos e empecilhos ao Enem.