Da ‘turma do Leite’, bloco do PSB mais próximo de Câmara, só Aluísio Lessa não virou secretário. Será ele o presidente da Assembleia?

Nando Chiappetta/DP/ D. A Press

Nando Chiappetta/DP/ D. A Press

Após a informação de que o PSB estadual prepara um xeque-mate para tirar a “hegemonia” de Guilherme Uchoa da presidência da Assembleia Legislativa, surge a expectativa sobre quem o partido escolherá para ocupar o cargo.

Entre os cotados estão Waldemar Borges e Aluísio Lessa.

Nando Chiappetta/DP/D.A Press

Nando Chiappetta/DP/D.A Press

O primeiro já está escalado para seguir líder da bancada do governo. Mas nem por isso está descartado.

O segundo, que desde o início do processo de escolha do sucessor de Eduardo demarcou terreno em favor de Paulo Câmara, não foi ainda aquinhoado como os demais integrantes da tal “turma do Leite”.

Nando Chiappetta/DP/ D. A Press

Nando Chiappetta/DP/ D. A Press

Trata-se de um grupo de partidários de Câmara que, ainda na pré-campanha, se reuniu no restaurante Leite para minar as pré-candidaturas ao governo do então secretário da Casa Civil Tadeu Alencar e do governador João Lyra, que sonhava em disputar a reeleição.

Dos membros do grupo Danilo Cabral, Milton Coelho e Thiago Norões estão no secretariado. Ocuparão Planejamento, Administração e Desenvolvimento Econômico, respectivamente. Lessa, que foi reeleito para a Asssembleia está, pois, na fila. Ao que parrce, no primeiro lugar da fila.

PSDB-PE na base de Paulo Câmara, mas na oposição a Geraldo: “flexibilidade” aponta para disputa da Prefeitura do Recife em 2016

arte-DP

arte-DP

A questão tucana é o tema do comentário de Marisa Gibson, na coluna Diário Político desta quarta-feira (17).

Trata-se da divisão – inclusive de postura política – do PSDB pernambucano. Só para resumir a ópera:

O partido integrará a base do governo de Paulo Câmara, terá até mesmo secretaria, mas fará oposição ao governo de Geraldo Julio, na Prefeitura do Recife.

Câmara e Geraldo são do mesmo partido, o PSB. E os tucanos, que sempre se mostraram unidos em Pernambuco (quando tinham Sérgio Guerra como guia), revelam-se flexíveis. Vão moldando sua postura ao sabor das conveniências.

Confira a análise da coluna:

Os cargos que os tucanos vão ocupar no governo Paulo Câmara – Secretaria da Micro e Pequena Empresa e possivelmente Porto do Recife e Junta Comercial – serviram para acender uma fagulha no PSDB em torno da disputa pela Prefeitura em 2016.

Ontem (terça,16), o presidente estadual do partido no Recife, o vereador André Régis, adiantando-se a qualquer aceno do prefeito Geraldo Julio (PSB), afirmou que o posicionamento dos tucanos na Câmara Municial do Recife continua a mesma, de oposição ao prefeito, e que não há interesse em cargos no governo municipal.

Isso porque, embora não haja uma decisão a respeito de um candidato do PSDB a prefeito do Recife, que seria o deputado federal eleito Daniel Coelho, existe um projeto de candidatura própria, e os tucanos municipais acreditam que podem caminhar para um lado enquanto o PSDB estadual vai para outro:“São esferas diferentes, estado e município, com calendários eleitorais distintos”, argumenta-se.

Para evitar mal-entendidos, Régis adianta que, apesar de se manter na oposição, a bancada tucana na Câmara – ele próprio e Aline Mariano – não vai se juntar ao PT. 

Tudo bem, mas dá para imaginar o PSDB estadual ocupando cargos no governo Paulo Câmara, e os tucanos recifenses lançando candidato próprio em 2016 contra a projeto de reeleição de Geraldo Julio?

É possível que o PSDB pernambucano esteja seguindo o exemplo do PT estadual que, sem conseguir unidade em torno de um projeto majoritário, alimentou divergências internas durante décadas, até que perdeu praticamente todos os espaços conquistados. .

Uma semana depois: Uchoa pode até resistir, mas o PSB tem bancada, aliados e máquina. Não vai abrir mão da Presidência da Assembleia

Roberto Pereira/PSB

Roberto Pereira/PSB

O lugar reservado a Guilherme Uchoa na mesa em que Paulo Câmara anunciaria o secretariado foi sintomático.

Annaclarice Almeida/DP/D.A Press

Annaclarice Almeida/DP/D.A Press

Ficou à esquerda do governador separado por duas cadeiras, ocupadas pelo vice Raul Henry e esposa, Luiza Nogueira.

Há quatro anos, na apresentação do primeiro-escalão da segunda gestão de Eduardo Campos ficou à direita e apenas a uma cadeira do ex-governador.

Quatro anos e quatro mandatos consecutivos na presidência da Assembleia Legislativa depois, Uchoa começa a observar que o quinto começa a se tornar um projeto de difícil de vingar.

Dentro do PSB já há uma estratégia traçada para garantir que o partido ocupe o cargo mais alto da Casa.

Com 15 deputados eleitos, os socialistas querem que a proporcionalidades seja respeitada.

Ou seja, entendem que, naturalmente, a função deve ser ocupada por alguém do PSB.

Obviamente, Uchoa resistirá. Depois de anos de comando mantém a confiança em alta.

Aposta que os seus pares não lhe faltarão após anos de agrados, benesses e defesas do de aspectos indefensáveis.

Mas, de acordo a tática do PSB, a conta do pedetista vai dar errada. Se a opção for bater chapa, calculam os socialistas, Uchoa está fadado a sofrer um revés.

O PSB não tem dúvida do caminho que os aliados – já com cargos no novo governo estadual – tomarão.

As conversas do comando do partido com os presidentes das legendas da base já estão em curso.

Os cálculos também estão sendo feitos. Há soma dos votos da oposição, projeções de cenários diversos e o resultado previsto é um só: o presidente da Assembleia será socialista.

Por isso tudo, a expectativa é que Uchoa recue e entre em acordo. Quem sabe não garanta algum lugar na Mesa Diretora…

OBS: Na semana passada escrevi aqui:

O jogo da Mesa: PSB pode até resistir, mas Uchoa mantém prestígio junto aos colegas e pode ser essencial a Paulo Câmara   

Passados sete dias, a situação é completamente oposta. Após o anúncio do secretariado, pode-se dizer que as previsões viraram completamente.

Uchoa pode ate resitir, mas o PSB tem bancada, aliados e máquina na mão. Não vai abrir mão de ficar com o lugar mais alto na Mesa Diretora.

As fotos acima – e o plano já em execução no PSB – apontam para esse desfecho.

Sil Xucuru, vereador mais votado de Pesqueira em 2012, é o primeiro índio a presidir uma casa legislativa em Pernambuco

Foto: Francisco Mendes Galindo - pesqueirafuxico.com/

Foto: Francisco Mendes Galindo – pesqueirafuxico.com/

O vereador de Pesqueira Sil Xucuru (PT) é o primeiro índio a presidir uma casa Legislativa em Pernambuco (há quem afirme, na cidade, que se trata do pioneiro no país).

Ele foi eleito em sessão na noite dessa segunda-feira (15). Derrotou o atual presidente, Tito França (PSB), que concorria à reeleição. Venceu por 9 votos 6.

O bate-chapa manteve o preefeito da cidade, Evandro Maciel Chacon (PSB), neutro. Isso porque ambos os concorrentes integram a base do governo.

Sil, cujo nome é Jucenildo José Simplício Freire, tem 42 anos, está no primeiro mandato e foi o vereador mais votado de 2012. Recebeu 1.844 votos.

A posse no mais alto cargo da Casa acontece no dia 1º de janeiro. O mandato cobrirá o biênio 2015/2016.

Foto: Francisco Mendes Galindo - pesqueirafuxico.com/

Foto: Francisco Mendes Galindo – pesqueirafuxico.com/

De acordo com o vereador Wagner Cordeiro de Menezes (PV), integrante do grupo que apoiou Sil, a mobilização em torno da chapa vitoriosa se deu por conta do desejo de abrir a Câmara para a sociedade.

Segundo Cordeiro, que assumirá a 2 ª secretaria, os nove se comprometeram a debater com os cidadãos projetos voltados para o desenvolvimento de Pesqueira.

“Ele (o presidente eleito) não vai decidir sozinho sobre a situação da casa. Resolvemos nos juntar e lutar por projetos e investimentos para a cidade”, disse.

“Vamos atuar em conjunto na busca por respaldo de  deputados que têm base no município. Vamos trabalhar e tomar e decisões com unidade”, completou em entrevista por telefone.

De acordo com o Blog Pesqueira em Foco, “a disputa foi muito tensa, depois de adiamento da eleição, discussões calorosas em plenário e até acusações de impetrar ação na Justiça contra o presidente”.

Ainda conforme o blog, “tudo se resolveu na noite de ontem (segunda), onde, numa sessão lotada, houve a eleição do novo biênio. Após a divulgação do resultado, houve queima de fogos de artifício, anunciando a nova presidência”.

Por sua vez, o blog Pesqueira Fuxico, Sil é técnico agrícola e professor presidente da Associação Xucuru. Lecionou na escola Intermediaria Monsenhor Olímpios Torres, na Aldeia de Cimbres .

É filho de um agricultor e de uma professora, residentes na Aldeia São José.

Além dele, a Câmara de Pesqueira conta com outros dois índios. Relembre o que o Blog de Política escreveu sobre o assunto em 2012:

Câmara de Vereadores de Pesqueira terá três índios Xukuru

Ministério Público Federal denuncia Bolsonaro. O parlamentar, que aposta na impunidade, pode virar réu em processo no Supremo

camara.gov.br

camara.gov.br

O deputado que se porta como se não houvesse lei capaz de lhe impor alguma punição pode virar réu.

Nessa segunda-feira (15), o Ministério Público Federal (MPF) denunciou o deputado federal Jair Messias Bolsonaro (PP-RJ) por incitação pública ao crime de estupro.

A vice-procuradora-geral da República, Ela Wiecko, tomou a medida com base na declaração do parlamentar, dada no último dia 9, de que não estupraria a também deputada Maria do Rosário (PT-RS) “porque ela não merece”.

Casa de tolerância: Bolsonaro volta a quebrar decoro e Câmara se desmoraliza ainda mais. Vai esperar ele agredir fisicamente uma colega?

Fora Bolsonaro! Já assinou o pedido de cassação do deputado?

No dia seguinte à afirmação, realizada em plenário, Bolsonaro a repetiu em uma entrevista ao jornal Zero Hora.

“Ao dizer que não estupraria a deputada porque ela não ‘merece’, o denunciado instigou, com suas palavras, que um homem pode estuprar uma mulher que escolha e que ele entenda ser merecedora do estupro”, escreveu Wiecko na denúncia protocolada no Supremo Tribunal Federal (STF).

O relator do caso será o ministro Luiz Fux, que decidirá se abre ou não processo ao deputado. As informações são da Revista Fórum.

A iniciativa do MPF vem após diversas manifestações de repúdio à fala de Bolsonaro, tanto por parte de parlamentares, como por parte da sociedade civil. PT, PCdoB e Psol já haviam entrado com representação contra ele por quebra de decoro no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados.

PT estadual se movimenta em busca de espaço de expressão no segundo governo Dilma

dp

dp

O PT pernambucano espera ter espaço privilegiado no segundo governo da presidente Dilma Rousseff.

O senador Humberto Costa informou nesta segunda-feira, durante confraternização com a imprensa, que o partido vem trabalhando para que isso aconteça.

A expectativa é que um ministério seja destinado a um quadro local.

O fato de o senador Armando Monteiro já ter sido escolhido para Desenvolvimento Econômico pode complicar, porém, os planos petistas.

De todo modo, de acordo com Humberto, a demanda já foi comunicada ao presidente nacional do PT, Rui Falcão.

A estratégia da legenda não é fazer com as demais aliadas, que externam o seu interesse por meio de recados indiretos e ameaças de represálias no Congresso.

dp

dp

Segundo Humberto, o partido não irá bater na mesa, mas já está mobilizado para buscar um espaço considerável.

O PT estadual enfrenta período de crise desde que perdeu a hegemonia de 12 na Prefeitura do Recife.

Nas eleições deste ano não conseguiu eleger um único deputado federal e também viu o ex-prefeito João Paulo perder a corrida pelo Senado.

Humberto, por consequência, é o único petista pernambucano a seguir com mandato em Brasília a partir de 2015.

Especula-se que os deputados (derrotados) Pedro Eugênio e Fernando Ferro podem assumir cargos de direção no Banco do Nordeste e Companhia Hidro-Elétrica do São Francisco, respectivamente.

João Paulo poderia ser pensado para Cidades ou Integração Nacional, mas ambas as pastas estão no alvo de outros partidos da base.

O ministério da Integração Nacional, hoje ocupado pelo PROS e pode seguir com a sigla, atendendo a cota dos irmãos Ciro e Cid Gomes (este governador do Ceará).

Cidades deve ficar com o presidente nacional do PSD, ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab.

dp

dp

Oposição e 2016 – Humberto informou ainda que Armando já comunicou à presidente do PT pernambucano, deputada Teresa Leitão, que é hora de organizar uma oposição mais efetiva no Recife.

Com a proximidade de 2016 é hora de se articular para o enfrentamento do prefeito do Recife, Geraldo Julio, que concorrerá à releição. O PTB soma três vereadores e o PT, cinco.

Recuperar raízes – O senador do PT ainda salientou que o partido precisa rever, em âmbito nacional, os pilares da sua atuação.

Para ele, é hora de retomar bandeiras que estão nas raízes do partido, a exemplo da luta contra a corrupção, o fisiologismo e o assistencialismo.

Também é o momento de atualizar a agenda do partido com a sociedade que hoje, já com demandas básicas atendidas, apresentam novas necessidades. Ele cita a necessidade de se retomar a diálogo com os movimentos sociais.

Conservador e “partidarizado”: secretariado de Câmara segue script já escrito em gestões anteriores

: Bernardo Dantas/DP/D.A Press

: Bernardo Dantas/DP/D.A Press

O governador eleito Paulo Câmara (PSB) montou uma equipe repleta de nomes já conhecidos.

Grande parte esteve nas gestões do ex-governador Eduardo Campos.

Alguns trocaram de lugar, outros que haviam sido descartados no segundo governo, retornaram. Mesmo os novatos, saíram de indicações de veteranos.

dp

dp

Nomes do Tribunal de Contas do Estado seguem no primeiro-escalão. Deputados eleitos foram convocados para que suplentes assumam os mandatos.

Partidos aliados foram contemplados, mas o PSB segue dominando áreas estratégicas.

A Casa Civil, por exemplo, foi entregue ao ex-secretário de Saúde Antônio Figueira, mesmo ele tendo sido alvo de críticas sobre sua falta de habilidade com prefeitos durante a campanha, da qual foi coordenador.

Ou seja, a despeito do desgaste, Figueira dá mostras de que será o homem de confiança do novo governador.

Vale lembrar que os contratos de publicidade do governo passam pela Casa Civil. E, para o próximo ano, estão previstos mais de R$ 54 milhões para o setor.

No script não coube sobressaltos, tudo muito conservador – a novidade foi além da criação de pastas e fusão de outras.

Em suma, tudo seguiu os moldes já desenhados por Eduardo Campos.

Até mesmo a data foi a mesma escolhida pelo ex-governador para fazer os anúncios dos primeiro-escalão das duas suas gestões.

Durante o evento, o secretário de planejamento, Danilo Cabral, foi encarregado de fazer a apresentação da nova estrutura de governo.

Ele destacou a criação do gabinete de projetos estratégicos, coordenado por Renato Thièbaut.

“É uma unidade que vai monitorar mais de perto o conjunto das ações mais estratégicas do governo”, disse.

dp

dp

Também elencou as novas secretarias: Direitos Humanos, Habitação e Desenvolvimento Social, Criança e Juventude.

Cabral anunciou, também, que a pasta de Turismo passará a incorporar Esportes e Lazer, que antes eram de Educação.

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico, por sua vez, passará a incorporar questões relacionadas à distribuição de energia e ao abastecimento de água.

Confira a lista abaixo QUEM É QUEM:

PSDB opta por não desembarcar do governo e se contenta com secretaria do Trabalho. Costura foi feita pela direção nacional tucana

Roberto Ramos/DP/D.A Press

Roberto Ramos/DP/D.A Press

O PSDB estadual, que chegou a se manisfestar em favor do desembarque do governo, capitulou.

Manteve o suspense até a última hora, mas acabou por aceitar a secretaria que lhe foi ofertada (Micro Empresa, Qualificação e Trabalho).

Evandro Avelar, que ocupava a secretaria das Cidades, assumirá a pasta tucana.

Além de Cidades, o PSDB, desde janeiro, quando oficializou a adesão ao governo de Eduardo Campos, ocupava as secretaria do Trabalho e a direção do Detran.

O imbroglio colocou de lados opostos tucanos que queriam seguir no governo – aceitando o quinhão do PSB – e os que defendiam a saída da base, seguida de uma declaração de independência.

A corda foi esticada até minutos antes de a cerimônia de apresentação ser iniciada, às 16h, num hotel, no Pina.

Eduarda Bione/Esp.DP/D.A Press

Eduarda Bione/Esp.DP/D.A Press

A direção nacional foi acionada para intervir. Até o senador Aecio Neves, presidente nacional e presidenciável derrotado em outubro, teria entrado circuito.

Mesmo com a crise contornada, no momento do anúncio, a cara de Evandro não era das mais felizes.

Vale destacar que o PSDB é potencial concorrente à Prefeitura do Recife em 2016. Pode enfrentar o prefeito socialista Geraldo Julio, que disputará a reeleilção.

Se esse cenário de confirmar, a aliança entre os dois partidos só deve se estender à pré-campanha, no primeiro semestre de 2016.

Entenda o caso relendo:

Insatisfeito com espaço que teria no secretariado, PSDB deve se posicionar pouco antes do anúncio e testa habilidade de Câmara

Insatisfação de Fernando Bezerra com tratamento de Paulo Câmara é ponta de iceberg da desconfiança de grupos do PSB com senador

Annaclarice Almeida/DP/D.A Press

Annaclarice Almeida/DP/D.A Press

Quando se pensava que a crise da montagem do secretariado seria a insatisfação do PSDB com o latifúndio que lhe restou, o ex-ministro e senador eleito pelo PSB Fernando Bezerra Coelho se insurge.

Descontente com o tratamento que lhe deu Paulo Câmara, FBC adotou um tom de rompimento com o governo que se inicia em janeiro.

Em nota, revelou ter sido procurado tardiamente para debater o primeiro-escalão e, ainda assim, a indicação que lhe foi pedida, acabou descartada pelo novo governador.

O mais grave, segundo ele relata na nota, é que o comunicado sobre a rejeição se deu por “mensagem”.

Blenda Souto Maior/DP/D.A Press

Blenda Souto Maior/DP/D.A Press

Desde o início dos trabalhos da equipe de transição que irá governar Pernambuco mantive a expectativa de ser chamado, no momento oportuno, para opinar sobre a formação da nova gestão.

Acreditando que, com a experiência acumulada de quem já foi prefeito, secretário estadual em três gestões, deputado estadual, federal e ministro, teria colaborações a oferecer neste momento tão importante.

Uma conversa chegou a ser marcada para a última quinta-feira, depois remarcada para o sábado.

Nesta reunião, em que não me foi solicitada opinião sobre a nova estrutura de governo e a formação da sua equipe, o governador eleito Paulo Câmara me pediu que indicasse um nome de perfil técnico para liderar a secretaria de Desenvolvimento Econômico, no que foi prontamente atendido.

Na madrugada da segunda feira, porém, recebi mensagem do governador comunicando a sua escolha por um novo nome. Manifestei, também por mensagem, o meu desconforto.

Tomei a iniciativa de registrar as minhas opiniões ao prefeito Geraldo Júlio sobre este processo que hoje se encerra.

Guilherme Verissimo/Esp DP/DA Press

Guilherme Verissimo/Esp DP/DA Press

Como senador eleito de Pernambuco estou determinado a trabalhar pelos interesses do nosso Estado e me coloco à disposição, dentro da minha área de atuação parlamentar, para colaborar com o governo que se inicia, desejando todo o sucesso para a nova equipe.  .

Comentário meu:

A assessoria do senador eleito garante que a conduta de FBC não resulta de um somatório de mágoas acumuladas.

Seria mesmo consequência da desatenção – ou desinteresse – de Câmara com o aliado nesse momento de preparação para o novo governo.

No entanto, não faltam episódios a apontar desconfianças e estremecimentos entre parte do PSB e o senador eleito.

Ainda no final do ano passado, quando se especulava sobre a montagem da majoritária governista para 2014, setores socialistas faziam questão de afirmar que o partido não tinha razão para considerar a presença de FBC na chapa.

Na época, Fernando Bezerra acabara de deixar o ministério da Integração Nacional e era visto como alguém muito próximo da presidente Dilma Rousseff (PT).

Nando Chiappetta/DP/D.A Press

Nando Chiappetta/DP/D.A Press

A petista, então pré-candidata à reeleição, era a principal concorrente do ex-governador Eduardo Campos, que já havia rompido com governo federal para concorrer ao Planalto.

Já na campanha, logo a após a morte de Eduardo, surgiu a especulação de que FBC teria se movimentado junto à cúpula do PSB para que a chapa estadual, com Paulo Câmara na cabeça, fosse desfeita.

A articulação foi negada, mas, nos bastidores, somou para que o grau de desconforto na relação do senador e alguns socialistas fosse elevado. Aliás, em reserva, alguns não conseguem conviver com FBC.

O ex-ministro tem uma carreira sólida e uma desenvoltura que só os anos de estrada garante.

Além disso, assume posturas independentes que, às vezes, não coincidem com o que pensa – ou defende – o PSB pernambucano.

Por exemplo, na semana passada, ele afirmou que Pernambuco viverá seu melhor ano em 2015 e fez previsões positivas para a economia brasileira.

As “teses” não coincidem com o que vem sendo dito pelo PSB estadual, que prevê tempos obscuros.

Quer dizer, os pensamentos são bem divergentes e a relação que já era estremecida foi elevada à categoria de desentedimento.