Em manifesto, Edilson Silva cita Papa Francisco como exemplo e diz que Assembleia é submissa a interesses do Palácio

facebook

facebook

A seis dias de tomar posse como deputado estadual eleito, Edilson Silva (PSOL) lança manifesto informando os eixos que guiará sua atuação e reafirmando as razões pelas quais se candidatará à presidência da Assembleia Legislativa.

Pelo Facebook ele publicou na tarde desta segunda-feira (26) o seguinte:

Amigos/as, durante esta semana estaremos construindo coletivamente nossa proposta detalhada para a Presidência da ALEPE. Lançamos aqui um primeiro manifesto, definindo quatro eixos programáticos de nossa plataforma. Peço que leiam e divulguem, compartilhem, pois nossa candidatura tem um caráter diferente das demais, visto que queremos, de fato, fazer um gesto para a sociedade, para a opinião pública, chamando a atenção para o que entendemos como graves problemas existentes no poder legislativo de nosso Estado. Conto com o apoio da sociedade em mais esta batalhar. Obrigado! Edilson Silva.

Nossa candidatura à Presidência da ALEPE.
“Porque a Assembleia Legislativa é a casa do povo!”

Definimos nossa candidatura à presidência da ALEPE. As razões que nos impulsionam nesta caminhada tem a ver com a defesa da República, sobretudo no quesito da independência dos Poderes e da nossa Constituição Estadual; com a defesa da transparência na gestão da Casa de Joaquim Nabuco e a defesa da máxima horizontalidade na relação da Mesa Diretora com o conjunto dos parlamentares; com a defesa de uma Assembleia Legislativa forte, dotada de quadros de carreira, concursados, capazes de agir como servidores públicos do Estado, subordinados aos interesses maiores da sociedade; e tem também a ver com a defesa de uma Assembleia Legislativa permeável à verdadeira participação popular, que convide e convoque a população a se pronunciar diante de temas que lhe são caros.

Essas razões, portanto, definem quatro eixos ordenadores de nossa candidatura: mudança na relação do Legislativo com o Executivo; mudança na relação dos deputados com a Mesa Diretora; mudança da relação servidores do legislativo com a instituição ALEPE; e mudança da relação ALEPE com a sociedade.

Elencamos estes eixos e razões porque fazemos uma avaliação critica do funcionamento da ALEPE exatamente nesses pontos. A Casa de Joaquim Nabuco tem se transformado numa extensão submissa dos interesses do Palácio do Campo das Princesas, com a presidência da Mesa Diretora se colocando publicamente como leal a tais interesses.

A Constituição Estadual vem sendo violada ao sabor de casuísmos e interesses privados. A Assembleia Legislativa está em flagrante ilegalidade quando não possui um portal de transparência que permita à sociedade acompanha-la e fiscaliza-la.

Existe uma assimetria injustificável entre os deputados no interior da ALEPE, quando determinadas funções e cargos geram abismos entre as estruturas de trabalho disponibilizadas para uns e para outros no trabalho parlamentar. Acreditamos que é necessário que cada parlamentar tenha sim uma cota de funcionários comissionados para servir ao seu mandato, mas cremos mais ainda que o excesso de comissionados em relação aos servidores efetivos e concursados da Casa não atende a princípios republicanos, o que é o caso concreto hoje na Assembleia.

Vemos a ALEPE hoje distante da sociedade, com a população afastando-se cada vez mais desta Casa, o que só faz aumentar a ojeriza desta sociedade em relação aos políticos, à política e, perigosamente, à democracia. O processo eleitoral e seu ritual democrático não conferem, por si sós, garantias de legitimidade para uma democracia. Em tempos de rebeldias populares por mais direitos, é de bom alvitre que se perceba que a participação popular no fazer político do dia a dia é também um direito de todos os cidadãos e cidadãs.

Mas será comum encontrar nesta nossa caminhada aqueles que se apresentarão incrédulos diante do que colocamos. A estes, sobretudo, lhes convidamos para mirarem-se nos exemplos do Papa Francisco. Francisco nos inspira e nos ensina – segue ensinando, e que siga por longa data a fazê-lo – sobre a força que tem os atos de coragem e a transformação que se concretiza nas pessoas que nos rodeiam quando a sinergia do que dissemos de bom e do bem se encaixa naquilo que praticamos.

facebook

facebook

O Papa Jesuíta, franciscanamente, tão rico nas palavras e nas ideias, foi dormir nos aposentos dos mais humildes. Dispensou sua copa rica e foi comer com estes mesmos humildes. Abriu mão de carros de luxo e se desloca em carros populares. Abriu sua igreja para temas difíceis, como o casamento entre pessoas do mesmo sexo e o aborto. Combateu o assédio moral no Vaticano. Enfrentou e enfrenta na claridade do dia a questão da pedofilia na sua Igreja. Foi rígido com as sabidas ingerências no Banco do Vaticano. Pregou e praticou o ecumenismo, aproximando religiões. Sim, o Papa Francisco nos serve de inspiração e para nos mostrar que mesmo instituições milenares são permeáveis às necessárias mudanças. Vejo nele um exemplo concreto a ser seguido na política. Um exemplo que transformou a face de sua igreja frente à sociedade mundial quase que como da água para o vinho, quase que do dia para a noite.

Estamos muito convictos que com estas inspirações e motivados por estas razões e objetivos, nossa candidatura já nasce vitoriosa. É com este arcabouço que vamos dialogar com a sociedade e com os nossos colegas parlamentares, pedindo não só o seus votos para a nossa postulação, mas antes de tudo para que reflitam sobre o que estamos levantando, pois independente do resultado da eleição para a Mesa Diretora, devemos continuar, sempre, perseguindo ideais que fortaleçam a democracia, a liberdade, os princípios republicanos e o papel insubstituível que cumpre a nossa Assembleia Legislativa de Pernambuco.

Edilson Silva – Deputado Estadual (PSOL)

Operação Lava Jato: Dilma e Gabrielli são arrolados como testemunhas de Defesa de Cerveró

www.correiobraziliense.com.br

www.correiobraziliense.com.br

O ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró, preso durante a Operação Lava Jato, arrolou nesta segunda-feira (26) oito testemunhas de defesa na ação penal em que é acusado de receber propina para facilitar a compra de sondas de perfuração, entre elas a presidenta Dilma Rousseff e o ex-presidente da estatal José Sergio Gabrielli.

Por iniciativa do advogado Edson Ribeiro, que defende o ex-diretor, Dilma e Gabrielli foram indicados para depor a favor de Cerveró por terem ocupado os cargos de presidenta do Conselho de Administração e de presidente da Petrobras, respectivamente. De acordo com Código de Processo Penal, o acusado tem direito de arrolar testemunhas e requerer sua indicação, quando necessário, mas todas as testemunhas podem se recusar a comparecer.

Na resposta à abertura da ação penal, a defesa também pediu a absolvição sumária do ex-diretor da Petrobras, por entender  que não há provas contra ele. Cerveró está preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, mas por outro motivo. Segundo a Justiça, ele tentou se desfazer de bens para evitar o confisco.

www.seplan.ba.gov.br

www.seplan.ba.gov.br

De acordo com o advogado, os depoimentos de delação premiada que incriminaram Cerveró não são válidos. “A expectativa de uma prisão em razão da prática de diversas condutas delituosas o colocou em condições de pressão extrema, fazendo com que suas declarações não possam ser consideradas voluntárias, espontâneas, livres de constrangimento, como determina a lei. Portanto, a obtenção de sua colaboração, nessas condições de constrangimento, não se coaduna com os preceitos constitucionais, sendo nula de pleno direito”, argumentou Ribeiro, referindo-se a depoimento de Júlio Camargo, executivo da Toyo Setal. As informações são da Agência Brasil.

Na ação penal, além de Cerveró, foram denunciados o doleiro Alberto Youssef, o empresário Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, e Júlio Camargo, um dos delatores do esquema de corrupção. Na denúncia, o Ministério Público (MP) afirma que Cerveró, Soares e Júlio Camargo acertaram o pagamento de propina em contratos com a Petrobras.

De acordo com o MP, houve pagamento de US$ 15 milhões, em 2008, para que a Petrobras contratasse um navio-sonda a ser usado na perfuração de petróleo em águas profundas na África. O valor do contrato era US$ 586 milhões. Segundo a denúncia, após a confirmação de que a propina seria paga, Cerveró atuou para fechar o negócio com o estaleiro Samsung Heavy. Após o acerto, Fernando Soares recebeu os valores indevidos e repassou parte para Cerveró.

Agência Brasil

Acidente de Eduardo: Aeronáutica descarta choque com drone, mas não apresenta qualquer conclusão

Reprodução/TV

Reprodução/TV

A Aeronáutica não apontou motivo da queda do avião que matou o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB) e outras seis pessoas em agosto de 2014, durante a campanha em que o socialista concorria à Presidência da República.

Ao apresentar relatório sobre o acidente, na tarde desta segunda-feira (26), a Aeronáutica descartou as hipóteses: colisão com animais; choque com um veículo aéreo não tripulado (Vant) que estava a 20 km do local; aeronave no dorso, ou seja, de cabeça para baixo; fogo em voo; colisão com obstáculo em voo.

A investigação conduzida pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) ainda não tem conclusões sobre causas do acidente.

A fase de coleta de dados sobre o episódio foi finalizada e, segundo o chefe do Cenipa, brigadeiro do Ar Dilton José Schuck, “não há qualquer conclusão factível” sobre as causas do acidente ainda. “Nenhuma hipótese foi concluída”, afirmou Schuck.

A Aeonáutica informou que a investigação não tem por objetivo apontar culpados, mas apenas prevenir acidentes e emitir recomendações de segurança.

A comissão de investigação foi composta por 18 pessoas, liderada pelo tenente-coronel aviador Raul de Souza.

Também compuseram a comissão: piloto de ensaio em voo, pilotos de inspeção em voo, meteorologista, controlador de tráfego aéreo, mecânico de aeronaves, médico, psicólogo, engenheiro aeronáutico, engenheiro mecânico, engenheiro de materiais, assessores técnicos consultivos, e especialistas da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Com informações da Gazeta do Povo, O Globo e Estadão

Paulo Câmara volta a ter agenda externa no pós-crise dos presídios: será recebido nesta segunda (26) pelo ministro da Saúde

Everson Verdiao/Esp.DP/D.A.Press

Everson Verdiao/Esp.DP/D.A.Press

Após uma semana envolvido diretamente em reuniões internas para tratar da crise no Complexo Prisional do Curado, o governador Paulo Câmara retoma sua agenda externa.

Nesta segunda-feira (26), vai se reunir com o ministro da Saúde, Arthur Chioro. Na pauta, possíveis parcerias na área de saúde entre o governo de Pernambuco e o governo federal.

Segundo a assessoria de comunicação do Palácio do Campo das Princesas, o encontro ocorrerá na sede do ministério, em Brasília, às 18h (horário local).

Entre os assuntos que serão discutidos está a formulação de políticas públicas nas áreas materno-infantil e de urgência e emergência.

No último dia 13, o chefe do Executivo estadual esteve com os ministros Gilberto Kassab (Cidades) e Antônio Carlos Rodrigues (Transportes) debatendo investimentos no estado.

A agenda de Paulo Câmara acontece menos de uma semana depois de o prefeito do Recife, Geraldo Julio, também do PSB ter sido recebido em Brasília por Arthur Chioro.

Na quarta-feira (21), o prefeito esteve com ministro para acertar o compromisso de repasse de recursos para as obras do Hospital da Mulher do Recife.

Uma decisão definitiva deve ser tomada em fevereiro, quando o Congresso Nacional deve aprovar o Orçamento da União.

Se tem uma queixa que o PSB não pode fazer é de falta atenção dos ministros em Brasília.

Mesmo na oposição, os gestores socialistas, pelo menos os dois principais de Pernambuco, têm encontrados as portas abertas para apresentar seus pleitos. Já a abertura de torneiras – recursos – são outros quinhentos.

Rodrigo Novaes anuncia que oficializará candidatura à presidência da Assembleia na próxima terça (27)

Rinaldo Marques/Divulgacao

Rinaldo Marques/Divulgacao

A assessoria do deputado estadual Rodrigo Novaes (PSD) informou, neste domingo (25), que nesa terça-feira (27), ele oficializará sua  candidatura à presidência da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa de Pernambuco.

O anúncio será feito por meio de carta aberta à sociedade e aos demais deputados.

De acordo com a assessoria do deputado, a decisão da oficialização surgiu depois de Novaes ouvir ex-governadores, ex-parlamentares, deputados federais e estaduais, senadores, presidentes de partidos, além de professores, magistrados, juristas, profissionais liberais, estudantes, representantes da sociedade organizada.

O documento, informa a assessoria, apresentará propostas de aproximação do Parlamento com a sociedade, além de modernização e valorização da Casa.

A eleição para a Mesa da Assembleia Legislativa acontecerá no próximo domingo (02.02). Além de Novaes, estão no páreo o deputado eleito Edilson Silva e o atual presidente da Assembleia, Guilherme Uchoa (PDT), que tentará o quinto mandato consecutivo.

Neste domingo (25), o Diario trouxe matéria indicando que a disputa por presidência pela presidência da Casa pode envolver sociedade.

O texto enfoca que os deputados Rodrigo Novaes e Alberto Feitosa (PR) querem abrir as discussões sobre a necessidade de alternância do poder na Assembleia. Veja:

Em reunião realizada entre parlamentares descontentes com a reeileção de Guilherme Uchoa (PDT) para a presidência da Assembleia Legislativa do estado, um grupo de deputados decidiu lançar, ontem (sábado, 24), um manifesto defendendo o princípio da alternância do poder na Casa.

À espera de cargos federais, PT-PE busca trincheira para defender governo Dilma e disputar Prefeitura do Recife em 2016

Blenda Souto Maior/DP/D.A Press

Blenda Souto Maior/DP/D.A Press

O PT de Pernambuco encerra janeiro à espera da nomeação de líderes do partido para espaços cargos federais no estado, ao mesmo tempo em que encara a disputa da Prefeitura do Recife em 2016 como projeto prioritário.

A expectativa e os planos eleitorais da legenda estão interligados. Afinal, para entrar na corrida em condições de sonhar com o retorno ao Executivo da capital, onde esteve por 12 anos, o PT precisa, dentre outros “atributos” dispor de nomes em cargos de visibilidade.

facebook

facebook

E o líder mais citado como possível concorrente, o deputado federal João Paulo, deixa a Câmara dos Deputados no dia 1º após ter sido derrotado na disputa do Senado em 2014. Ou seja, corre o risco de ficar sem trincheira e tribuna.

A presidente estadual do PT, deputada Teresa Leitão, salienta que o pleito existe, mas frisa que não se trata de simples busca por visibilidade. De acordo com ela, a mobilização tem sentido mais profundo.

Explica que, além da legítima intenção de participar da gestão, executando as políticas públicas desenvolvidas pela gestão da presidente Dilma, o partido, como nenhum outro, está apto a fazer a defesa do governo.

dp

dp

“Estamos ainda vivendo um processo de reconstrução dos problemas de 2012. Não temos mais o governo municipal (do Recife), não temos mais participação no governo do estado, do qual éramos aliados. Agora, temos Armando Monteiro no ministério, mas ele não é do PT. Do outro lado, há o PSB, com duas máquinas moendo contra a gente. A gente ficou sem ministério e estamos tratando de defender o governo do PT no estado”, disse.

As conversas dos petistas pernambucanos com a direção nacional da sigla vem acontecendo desde dezembro. O ex-ministro de Relações Institucionais Ricardo Berzoini e o atual, Pepe Vargas, também trataram do assunto com o PT estadual.

Segundo Teresa, o senador Humberto Costa já levou o pleito ao ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante. “Até o início de fevereiro a decisão sobre as nomeações deve sair”, informou.

...

A disputa de 2016 ainda não ocupa a pauta do partido, mas já é tratada publicamente. Humberto afirmou que é preciso dar a relevância devida à corrida da capital. Para ele, a executiva e o diretório estaduais devem tratar da questão entendendo que o PT segue com potencial para disputar a Prefeitura do Recife. (Texto publicado no Diario de Pernambuco neste domingo, 25.01)

Saiba mais

Espaços que o PT/PE pleitea

Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis)
DNOCs (Departamento Nacional de Obras Contra as Secas)
Incra (Instituto Nacional Colonização Reforma Agrária)
Delegacia do Ministério do Desenvolvimento Agrário
Codevasf (Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba)
Sudene (Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste)
Eletrobras (Centrais Elétricas Brasileiras S.A.)
CBTU (Companhia Brasileira de Trens Urbanos)

Indicações para os cargos:
Deputado federal João Paulo (derrotado na corrida pelo Senado)
Deputado federal Pedro Eugênio (derrotado na disputa da reeleição)
Deputado federal Fernando Ferro (derrotado na disputa da reeleição)
Ex-prefeito do Recife João da Costa (derrotado na disputa da Câmara)

Observação:

Espaços estaduais serão disputados pelo PT-PE e legendas da base do governo Dilma em Pernambuco.
Cargos regionais (a exemplo de Codevasf e Sudene) têm como concorrentes o PT-PE e o PT e partidos
aliados dos demais estados do Nordeste

Se em Pernambuco o governo do PSB conta com apoio do PSDB, na Bahia os socialistas reatam com o PT

...

Se em Pernambuco o governo do PSB conta com apoio e secretários do PSDB, na Bahia os socialistas reatam com o PT e vão ganhar cargos no governo de Rui Costa.

Cerca de um ano depois de ter rompido com o então governador Jaques Wagner (PT) para ter candidatura própria ao governo da Bahia, o PSB voltará à base aliada e vai assumir cargos na gestão do governador Rui Costa (PT).

O partido fechou acordo nesta sexta-feira (23) com o governador e vai assumir dois cargos do segundo escalão: a Junta Comercial da Bahia e a superintendência de Defesa Civil. Os nomes para os cargos não foram definidos.

A decisão vai no sentido contrário ao do diretório nacional do partido, que em novembro passado decidiu ficar numa posição de independência junto ao governo Dilma Rousseff (PT).

psdb

psdb

Na época, uma resolução do partido proibiu seus filiados de assumir cargos no governo federal. O documento, contudo, deixou em aberto a possibilidade de participação em governos do PT nos Estados.

A presidente do PSB na Bahia, senadora Lídice da Mata (PSB), diz que o retorno à base aliada foi um “movimento natural” do partido, histórico aliado do PT na Bahia.

“Foi uma decisão ideológica. Votamos em Dilma [Rousseff] no segundo turno e oferecemos este apoio sem pedir nada em troca”, disse a senadora, que ficou em terceiro lugar na disputa pelo governo baiano com 6,6% dos votos.

As informações são da Folha de S. Paulo.

Efeito da crise dos presídios: Paulo Câmara mantém agenda interna no fim de semana

Roberto Ramos/DP/D.A Press

Roberto Ramos/DP/D.A Press

A agenda do governador Paulo Câmara para o fim de semana será destinada exclusivamente a reuniões administrativas internas.

A informação foi divulgada pela assessoria do Palácio do Campo das Princesas.

Desde o início da semana, quando rebeliões no complexo de presídios do Curado culminaram com a morte de dois presidiários e um sargento e a consequente ameaça de greve pela Polícia Militar, Câmara mantém-se em reuniões na sede do Executivo estadual.

Allan Torres DP/D.A press.

Allan Torres DP/D.A press.

E, nestes sábado e domingo, não será diferente. Afinal, a crise no presídio pode até estar arrefecida, mas as complicações enraizadas nessa área são profundas e exigem, além de medidas imediatas, planejamento.

E, obviamente, um plano de ação a ser executado a longo prazo não será elaborado em uma semana. Retomar a construção de presídios é decisão que supre apenas uma das falhas da política destinada ao setor.

Educação em pauta: “vergonha nacional” carece de discussão que vá além do “sexo dos anjos”

brasillivreedemocrata.blogspot.com

brasillivreedemocrata.blogspot.com

O senador Cristóvão Buarque (PDT-DF), defensor ferrenho de melhores dias para a educação pública brasileira, sugeriu, via Facebook, nesta sexta (23), a leitura do artigo “Vergonha Nacional”, assinado pelo imortal Arnaldo Niskier na Folha de S. Paulo.

Niskier é doutor em educação e presidente do CIEE (Centro de Integração Empresa-Escola) no Rio de Janeiro. No mesmo post, o senador pede para que seus seguidores comentem sobre as impressões expostas .

O Blog, recomenda e reprduz o texto de Niskier, mas também apresenta um comentário de um leitor que questiona com bons argumentos o que pensa o imortal. Boas leitura e reflexões:

Vergonha nacional
Quando em um universo de 6 milhões de alunos só 250 tiveram nota máxima na redação, precisamos exigir do Estado providências urgentes

Estamos vivendo em nosso país tempos sombrios em matéria de qualidade do ensino, especialmente se considerarmos a educação pública. Os resultados do Enem são catastróficos. Houve uma queda de 7,3% no desempenho médio em matemática. Na redação foi pior ainda: 9,7%. Vamos caminhando para o fundo do poço.

Dos 5,9 milhões de candidatos, 529 mil tiraram nota zero na redação sobre publicidade infantil. Ou seja, são estudantes que concluíram o ensino médio, sabe-se lá Deus como, mas padecem dos males do analfabetismo funcional. São incapazes de raciocínios elementares. O que esperar dessa geração?

dp

dp

Quando em um universo de quase 6 milhões de alunos só 250 tiraram a nota máxima (mil) na indispensável redação, pode-se inferir que estamos diante de uma fase caótica, a exigir providências que não podem mais tardar. Só o discurso bonito não produz efeitos práticos.

O argumento de que houve um suave aumento nas notas em ciências humanas, ciências da natureza e linguagens não convence. Na média, de um ano para o outro, houve uma diminuição de 1% na nota geral. É com esse quadro que vamos oferecer competentes recursos humanos para ampliar o atendimento ao ensino superior? Todos dizem que poderíamos estar com 10 milhões de universitários (temos 7 milhões), mas de que vale crescer o número com pessoas literalmente incompetentes?

A análise do fenômeno da redação enseja curiosas observações. Metade dos que tiraram zero receberam essa nota porque houve fuga do tema. Ou seja, embromação. Cerca de 13 mil copiaram o texto motivador e ainda houve 955 que ofenderam direitos humanos. Não se pode culpar a escolha do tema pelo resultado, pois se os alunos tivessem sido bem preparados com uma boa base de leitura, isso não teria ocorrido.

Em uma conversa de horas com o ex-ministro da Fazenda Ernane Galvêas, um profundo conhecedor do nosso vernáculo, ouvimos também críticas ao enunciado das questões. Foi taxativo: “Nem eu, com a minha experiência, seria capaz de responder a todas as perguntas sobre língua portuguesa. Fiquei abismado com a falta de objetividade. Aliás, fiquei abismado também com a mania da pegadinha, que empolgou os examinadores”.

Como se vê, há problemas em todas as frentes. A educação básica cresceu em números, é certo, mas não corresponde às expectativas no que tange à qualidade. Enquanto se discute o sexo dos anjos, os resultados concretos estão aí, diante de todos, mostrando que há um longo caminho a ser percorrido.

O curioso é que, em todo esse processo, pouco se fala na formação e no aperfeiçoamento dos professores. Temos quase 3 milhões deles no Brasil inteiro, mas é sabido que a qualidade do que se ministra nos cursos de magistério deixa muito a desejar. Para acabar com essa vergonha, só uma ampla reforma.

ARNALDO NISKIER, 79, doutor em educação, é membro da Academia Brasileira de Letras e presidente do CIEE (Centro de Integração Empresa-Escola) no Rio de Janeiro.

Comentário do Facebook:

Adilson Mendes Ricardo Particularmente não gosto destes textos apocaliptísticos, que exageram no uso de termos como “sombrios”, “catastrófico”, “vergonha”, “fundo do poço”… Reforçam uma visão crítica, mas não colaboram na busca por soluções.

Os números são ruins e isto é fato notório. Portanto, devem ser discutidos como dados e não como conclusão pois, a permanecer assim, ficaremos eternamente discutindo a constatação do óbvio.

Acredito que são outras questões que não aparecem nestes debates é que deveriam conduzir as discussões, pois daí teríamos resultados relevantes: Qual é a solução?

Enquanto profissionais e doutores da área de educação, quais as soluções viáveis podemos propor? Educação é uma responsabilidade só do governo? E as milhares de instituições particulares que também estão com um desempenho pífio? Quais são de fato as responsabilidades de família, escola e governo? Transferir a responsabilidade só para um dos pilares irá colaborar com a busca da solução? Os milhares de mestres, doutores e doutores da área de educação têm propostas? Quais são estas propostas?

Federalização da educação em todos níveis é uma solução plausível por parte do governo? As prefeituras iriam concordar com a federalização, considerando a verba que perderiam (e que é de fácil desvio)? Quais medidas concretas e plausíveis para a valorização dos professores? Como as famílias devem ser cobradas? Como os alunos devem ser cobrados? Como os profissionais de ensino devem ser cobrados? Como o poder público será cobrado (prefeitos, governadores, MEC, etc)?

Enfim, acredito que discussões assim terão retorno. Caso contrário é discussão sobre o “sexo dos anjos”…

Nem vermelho nem amarelo. Fafá vai de salmão e laranja a encontro que fez Paulo Câmara dar pausa na “questão” do presídios

facebook / divulgação /governo do estado

facebook / divulgação /governo do estado

De blusa salmão e lenço laranja, a cantora Fafá de Belém esteve no Palácio do Campo das Princesas, virando, nem que seja momentaneamente, a pauta do governador Paulo Câmara (PSB).

Se ao longo da semana, ele se viu mergulhado em reuniões pautadas pelas rebeliões e os infindáveis problemas do Complexo do Curado, nesta sexta-feira (23) cumpriu uma agenda, digamos assim, mais lúdica, descontraída.

No Facebook, além da foto acima, a página de Paulo Câmara publicou o seguinte texto:

“Hoje recebemos a cantora Fafá de Belém, no Palácio do Campo das Princesas. Fafá adora nosso estado e sempre defende e divulga nossa cultura, daí ter sido agraciada com o título de cidadã pernambucana anos atrás. Fafá é convidada de Naná Vasconcelos para a abertura do Carnaval do Recife. Está chegando a hora, vamos fazer novamente uma linda festa”.

A citada festa de abertura do carnaval motivou especulações de que o governo do PSB na Prefeitura do Recife teria proibido a cantora de apresentar o sucesso “Vermelho”, música que esteve associada a campanhas eleitorais (e vitoriosas) do PT estadual.

A própria Fafá, entretanto, teria se pronunciado por meio das redes sociais para informar que não há censura alguma e que incluirá Vermelho no set list.

De todo modo, escolada em politica como é, a artista paraense tratou de optar por salmão, laranja, além do branco (calça) na visita ao Palácio. Nem vermelho nem amarelo, a cor oficial do PSB.