Nada decidido: Armando e Paulo Câmara estão empatados em 33%, aponta pesquisa Ipespe

facebook

facebook

Com um cenário de forte polarização, em Pernambuco o segundo turno da disputa para o governo do estado na prática já está acontecendo. É o que revela a primeira pesquisa Ipespe publicada com exclusividade pelos Diários Associados.

De acordo com o levantamento, tanto o candidato do PSB, Paulo Câmara, quanto o candidato do PTB, Armando Monteiro Neto, têm 33% das intenções de votos na pesquisa estimulada, na qual os nomes dos concorrentes são apresentados para o entrevistado.

Os outros candidatos não chegaram a pontuar 1%; a soma dos eleitores que pretendem votar nulo, branco ou em nenhuma das opções disponíveis ficou em 9% e os indecisos representam 24% – percentual considerado baixo por especialistas.

Para essa pesquisa foram entrevistadas 2 mil pessoas entre os dias 9 e 11 de setembro. Os resultados têm margem de erro de 2,2 pontos percentuais para mais ou para menos.

facebook

facebook

A pesquisa Ipespe retrata o quadro sucessório antes do 30º dia da morte do ex-governador e presidenciável Eduardo Campos (PSB). Eduardo foi vítima de um acidente aéreo no dia 13 de agosto e o episódio deu uma guinada na campanha local.

“A soma dos eleitores de Paulo Câmara e Armando revelam uma forte polarização. Caso algum desses candidatos consiga livrar uma pequena diferença para o outro poderá decidir a eleição no primeiro turno”, diz Adriano Cerqueira, cientista político, professor do Departamento de Gestão Pública da Universidade Federal de Ouro Preto e analista de pesquisa dos Diários Associados.

Se forem considerados apenas os válidos, contabilizando-se dessa forma só as intenções de votos nominais, Paulo aparece com 50% e Armando  com 49% (não fecha em 100% em decorrência dos decimais).

Na pesquisa espontânea, Paulo aparece com 25% e Armando com 20%. A diferença supera a margem de erro. Na espontânea, o entrevistado precisa lembrar sozinho do nome do seu candidato.

Efeito eduardo – Nesta primeira pesquisa Ipespe, ficou claro o efeito da morte de Eduardo sobre a campanha de Paulo. “Ele foi o candidato que o eleitor de Pernambuco identificou como o de Eduardo e isso impulsionou sua candidatura, se levarmos em conta como comparação a pesquisa do Instituto Datafolha no dia 15 de agosto deste ano”.

No Datafolha, Armando estava com 47% e era o favorito; Paulo tinha 13%. O Ipespe perguntou “Quem o senhor acha que seria o candidato de Eduardo Campos para o governo?” e 47% dos eleitores disseram que viam Paulo Câmara como candidato. Apenas 8% apontaram Armando Monteiro. Dentro desse grupo, nota-se que os homens ainda têm mais clareza sobre a vinculação entre Eduardo e Paulo.

No quadro geral, outro dado que chama a atenção: a maioria do eleitor demonstra querer um candidato de continuidade (41%) para governar o estado; 32% querem um candidato de oposição.

Informações do Diario de Pernambuco

Datafolha: se não fez crescer, vinda de Lula e Dilma não tirou pontos de João Paulo para o Senado. Tem 34% X 25% de FBC

facebook

facebook

Se não fez efeito para a performance de Armando Monteiro nas pesquisas, a presença do ex-presidente Lula e presidente Dilma Rousseff em Pernambuco, também não comprometeu o desempenho de João Paulo na corrida ao Senado.

Pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira (11) aponta que o petista tem 34% das intenções de voto para o Senado.

twitter

twitter

Fernando Bezerra Coelho (PSB) aparece em seguida, com 25%; Simone Fontana (PSTU) tem 2%, Albanise Pires (PSOL), 1% e Oxis (PCB), 1%.

Indecisos somam 23% e os que declararam que vão votar branco ou nulo chegam a 15%.

No dia 4, data do comício de Lula e Dilma em Brasília Teimosa, a Datafolha apontava João Paulo com 35% e Fernando com 24%.

O quadro comprova que a campanha dos dois líderes petistas por aqui não influenciou na briga pela Casa Alta. João Paulo segue em vantagem.

facebook

facebook

Situação diferente da verificada na disputa pelo governo do estado. A campanha do ex e da presidente por aqui não conseguiu evitar que Armando fosse ultrapassado pelo candidato do PSB, Paulo Câmara. Veja:

Datafolha: campanha de Lula e Dilma em Pernambuco não impede que Paulo Câmara (39%) ultrapasse Armando (33%)

O levantamento foi realizado entre os dias 8 e 9 de setembro, sob encomenda da TV Globo, e contou com entrevistas de 1.211 entrevistas em 43 municípios.

A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levada em conta a margem de erro de dois pontos para mais ou para menos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%.

A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) sob o protocolo número PE-00023/2014 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob protocolo número BR-00584/2014.

Informações do G1

Avião na pauta: “rato parido” pela “montanha” de Armando vai incomodando campanha de Paulo Câmara. Vem revide por aí?

Reprodução/TV

Reprodução/TV

Num primeiro momento, a Frente Popular, do candidato Paulo Câmara, considerou que o “fato relevante” anunciado na última terça-feira pelo oponente Armando Monteiro (PTB), poderia ser resumido a “muito barulho por nada”.

Mas, desde aquele dia a campanha socialista vem engolindo a corda sobre tudo o que diz respeito a névoa que paira sobre o jato que matou o ex-governador Eduardo Campos, há um mês.

O petebista concedeu a coletiva para tentar jogar no colo do adversário socialista pedido de explicações sobre suspeitas de irregularidades relacionadas à propriedade do avião.

Cobrou, inicialmente, explicações de Câmara sobre o aumento de incentivos fiscais, concedido pelo estado, à Bandeirante Pneus, uma das empresas citadas como compradora do avião – que, inclusive, está envolvida em denúncias de sonegação.

Everson Verdiao/Esp.DP/D.A.Press

Everson Verdiao/Esp.DP/D.A.Press

Armando destacou que o candidato do PSB, ex-secretário estadual da Fazenda, precisava explicar se sabia da situação legal da aeronave quando foi transportado por ela.

Na própria terça-feira, Paulo Câmara reiterou ao Blog ter voado na aeronave de Serra Talhada (Sertão) ao Recife e acrescentou não ter nada a esconder.

E atribuiu a atitude de Armando ao desespero por saber que vai ser derrotado.

Mas, na tarde daquele dia, a Frente Popular começou a dar sinais de que, embora tentasse minimizar a postura do petebista, o tema “avião” é, sim, um incômodo.

Tanto que, em nota, afirmou que as cobranças eram “uma pantomima da pior qualidade”, orquestrada pelo candidato a governador da coligação “Pernambuco vai mais longe” (Armando Monteiro).

A nota salientou ainda que a coletiva do petebista se tratava de um “factoide” e que “a montanha pariu um rato”.

E prosseguiu insistindo em descredenciar a atitude de Armando ao afirmar que o candidato do PTB fez uma “sucessão de denúncias vazias, irresponsáveis, indignas de qualquer credibilidade, expondo à sociedade uma face lamentável, que merece nossa indignação e pronto repúdio”.

 

ALLAN TORRES ESP DP/D.A PRESS

ALLAN TORRES ESP DP/D.A PRESS

Por fim, a Frente afirmou que “os fatos citados pelo candidato já tiveram ampla cobertura da imprensa nacional e foram publicamente esclarecidos, na forma da lei, pela direção do Partido Socialista Brasileiro”.

Pois bem. No mesmo dia da coletiva circulou a informação de Armando agira amparado por pesquisas que revelam descontentamento do eleitor de Pernambuco com as dúvidas que permanecem sobre a idoneidade do avião.

Tanto, que além de responder com veemência ao petebista, o PSB recorreu ao TRE para impedir a veiculação de propaganda que associa Paulo Câmara à nebulosidade que cerca o avião e à sua eventual participação na concessão de incentivos à Bandeirante.

Na noite desta quarta-feira (10), a reprise de trecho do programa que a coligação PE Vai Mais Longe havia exibido no começo da tarde foi proibida.

Rapha Oliveira/ESP DP/D.A Press

Rapha Oliveira/ESP DP/D.A Press

Além disso, o tema tem levado as duas coligações a trocarem acusações.

Nas ruas, o assunto começa a aparecer. Na noite desta quarta-feira, Câmara voltou a tratar da questão.

Em caminhada no Coque, o socialista explicou, mais uma vez, como se deu a concessão de benefício à Bandeirante.

Quer dizer, os fatos vão apontando que o rato parido pela montanha vai incomodando a Frente, obrigando Paulo Câmara a seguir apresentando explicações, e, aos poucos, ocupando a pauta da campanha.

Se o tema será capaz de desencantar eleitores do socialista e atrair votos para Armando (inclusive dos 25% de brancos/nulos/indecisos), veremos logo adiante.

Por enquanto, conclui-se que, mesmo Câmara tendo ultrapassado Armando na pesquisa Datafolha desta quarta-feira, a Frente Popular optou por não ignorar as cobranças do opositor.

Até mesmo porque o cenário vantajoso não esconde que existe um empate no limite da margem de erro.

Ou seja, a indefinição prossegue. E ainda restam mais de três semanas para a eleição.

Há, portanto, muito tempo para que o tal rato seja explorado e incomode a Frente.

Não se deve achar porém, que a aliança de Paulo Câmara está acomodada. O PSB e seus aliados costumam reagir a investidas do gênero. Um revide à altura certamente está sendo preparando.

Datafolha: campanha de Lula e Dilma em Pernambuco não impede que Paulo Câmara (39%) ultrapasse Armando (33%)

facebook

facebook

A visita de Lula e Dilma a Pernambuco para reforçar a candidatura de Armando Monteiro (PTB) não fez o efeito que certamente a campanha petebista esperava.

A pesquisa do Datafolha encomendada pela TV e divulgada na noite desta quarta-feira (10), mostra Paulo Câmara, do PSB, seis pontos à frente do petebista.

O socialista aparece com 39% e Armando, com 33%. Na semana passada, os dois estavam empatados em 36%.

Desta vez, os 36% voltam a aparecer com percentual que delimita os desempenhos dos concorrentes. Isso porque a margem de erro é de 3% para mais ou para menos.

facebook/reprodução

facebook/reprodução

Assim sendo, Paulo pode ter de 36% a 42% e Armando, de 30% a 36%. A situação é, portanto, de empate ténico, mas no limite da margem de erro.

Lula esteve campanha no Recife na última quinta-feira (04).

Fez comício, ao lado da presidente Dilma, de Armando, do candidato a vice-governador, Paulo Rubem (PDT), e do concorrente ao Senado, João Paulo (PT).

O evento ocorreu em Brasília Teimosa e reuniu para milhares de pessoas.

Mais cedo, o ex-presidente tinha estado em Petrolina onde caminhou na orla do São Francisco ao lado da chapa majoritária completa.

Pois passados seis dias, observa-se que Paulo Câmara, que vinha numa linha ascendente nas pesquisas, consegue se distanciar de Armando.

Vale destacar que o levantamento ouviu 1.211 eleitores em 43 municípios, entre segunda-feira (08) e terça-feira (09) desta semana. Ou seja, já depois da passagem de Lula e Dilma por aqui.

Há que se ressaltar também que os comerciais de TV com o ex-presidente pedindo voto para Armando já estão sendo veiculados.

A influência de Lula pode não estar sendo páreo para o potencial eleitoral que a ausência do ex-governador Eduardo Campos tem demonstrado ter.

Após a morte do socialista – e da exploração da tragédia e do adeus ao líder pelo PSB – Câmara saiu de 11%, foi a 36% e agora chega a 39%.

Além disso, o peso de Marina Silva na corrida presidencial, associado ao posto de “substituta de Eduardo” – aspecto que conta, e muito, para os pernambucanos – deve estar fazendo frente à performance de cabo eleitoral de Lula.

Em suma, Armando deve partir para novas estratégias, além de investir na associação da sua campanha a Lula.

Aliás, ele já tratou de trazer para o debate as suspeitas de irregularidades sobre a propriedade do avião que era usado por Eduardo Campos na campanha.

Quer explicações de Câmara sobre o aumento de incentivos fiscais à Bandeirante Pneus, uma das empresas citadas como compradora do avião.

E enfatiza que o candidato do PSB precisa explicar se sabia da situação legal da aeronave quando foi transportado por ela.

Os demais candidatos aparecem assim: Zé Gomes (PSol) tem 1%; Miguel Anacleto (PCB) também tem 1%. Pantaleão (PCO) e Jair Pedro (PSTU) não pontuaram.

Brancos e nulos somam 9% e não souberam responder chega a 16%.

Armando cobra de Paulo Câmara explicações sobre incentivos a Bandeirantes. E o socialista diz que senador está desesperado

ALLAN TORRES ESP DP/D.A PRESS

ALLAN TORRES ESP DP/D.A PRESS

A cobrança pública feita, nesta terça-feira (09), em coletiva, por Armando Monteiro ao oponente Paulo Câmara (PSB) para que este explique a concessão de incentivos fiscais do governo do estado à empresa Bandeirantes Pneus foi respondida pelo socialista de pronto.

Na entrevista concedida à Rádio Globo Recife 720 AM, ocorrida no exato momento em que Armando passava o seu recado, Paulo Câmara falou:

“Já tive oportunidade de me pronunciar sobre isso. Pernambuco divulga todos os benefícios fiscais para centenas de empresas. Pernambuco teve a coragem de fazer uma política que gerou 560 mil empregos nos últimos anos. A concessão de incentivos fiscais é feita num processo transparente com a participação de qualquer pessoa.

Nosso adversário sabe como é difícil ter certidão negativa em várias áreas. Essa reunião que decidiu pela concessão do o benefício fiscal (para a Bandeirante Pneus) ocorreu em dezembro de 2010, quando eu ainda não era secretário da Fazenda.

As renovações ocorreram de maneira transparente, isso vinha desde o governo anterior, de Jarbas Vasconcelos. As pessoas que tem benefício sabem que tem que ter um protocolo.

Não tenho que responder ao meu adversário quanto a isso. Ele tinha assento lá (no conselho que concedia os benefícios), através da Fiepe (Federação das Indústrias de Pernambuco, da qual Armando foi presidente) e agora vem cobrar por um benefício quando ele participou (da concessão).

É mais uma controvérsia, isso é desespero de quem sabe quem vai perder as eleições”.

Armando, vale lembrar, não mais presidia a Fiepe em 2010.  A entidade estava sob comando do deputado federal Jorge Corte Real (PTB), nome próximo do senador.

A Bandeirantes é empresa citada como uma das possíveis compradoras do avião que caiu no dia 13 de agosto Santos (SP) matando o ex-governador Eduardo Campos e mais seis pessoas.

Em maio deste ano, um grupo de empresários pernambucanos assinou compromisso de compra da aeronave de um grupo econômico do interior de São Paulo.

A empresa Bandeirantes assumiria as dívidas junto à Cessna – fabricante do avião que tinha sido vendido ao grupo paulista.

Armando pediu também que Câmara explique se quando viajou nessa aeronave sabia que ela havia sido comprada com contribuição financeira da Bandeirantes.

Armando e Câmara disputam o governo do estado. De acordo com as últimas pesquisas, eles estão empatados em 36% (Datafolha).

Armando anuncia, para esta terça-feira (09), coletiva para falar sobre “fato relevante” do processo político

facebook/reprodução

facebook/reprodução

Por meio de nota a campanha de Armando Monteiro anuncia coletiva para esta terça. Eles os companheiros de chapa majoritária falarão sobre “fato revelante”. A nota:

A Coligação Pernambuco Vai Mais Longe convoca uma coletiva de imprensa para esta terça-feira (09) sobre fato relevante do processo político.

Estarão presentes o candidato ao governo, Armando Monteiro (PTB), os candidatos a vice, Paulo Rubem (PDT), e ao Senado, João Paulo (PT), além dos candidatos a deputado estadual e federal, e os presidentes dos partidos que compõem a coligação (PTB, PT, PDT, PSC, PRB e PTdoB), além de parlamentares e lideranças da coligação.

A coletiva acontece a partir das 10h, no auditório do comitê de campanha de Armando Monteiro, na avenida Rosa e Silva, 839, Aflitos, Recife.

Nesta terça, no mesmo horário, o candidato ao governo Paulo Câmara (PSB) concede entrevista ao programa Em foco com Aldo Vilela, na Rádio Globo Recife 720 AM.

Será sabatinado por jornalistas do Diario de Pernambuco. O programa vai ao ar sempre as segundas e terças-feiras às 10h.

Lula diz que não investiu tanto em PE por simpatia de prefeito ou governador, mas para atender à população

twiitter

twiitter

O comício comandado pelo ex-presidente Lula e a presidente Dilma Rousseff ao lado da chapa da coligação Pernambuco Vai Mais Longe, de Armando Monteiro (PE), nesta quinta-feira no Recife, se deu em clima de reação ao crescimento dos candidatos do PSB à Presidência da República, Marina Silva e ao governo estadual, Paulo Câmara.

O tom dos discursos ouvidos em Brasília Teimosa, na Zona Sul do Recife, foi de “casamento” nos projetos de Dilma e Armando. Citou-se ainda a gratidão do povo de Pernambuco, que, segundo senador Humberto Costa, saberá, mais uma vez, agradecer votando na presidente e nos candidatos da coligação PT/PTB.

João Paulo, que concorre ao Senado, destacou que quiseram transformar uma tragédia em fato eleitoral, referindo-se ao uso da morte do ex-governador Eduardo Campos.

twitter

twitter

Sobre o mesmo tema, Armando afirmou que o povo sabe “reverenciar a memória de muitos”, mas disse que é importante ter compromisso em olhar para frente, em busca conquistas e reponder os interesses da população.

Já o deputado Paulo Rubem, que é candidato a vice-governador, observou que o povo é livre para votar e saberá fazê-lo

“Pernambuco não é curral, latifúndio e propriedade privada. O povo em tudo junto, feito corda de caranguejo”.

Lula voltou a lembrar que “nunca antes na história desse país Pernambuco recebeu tantos investimento quanto nos 12 anos que correspondem ao seu governo e ao de Dilma.

E disse que a dedicação do governo com o estado não foi por simpatia a prefeitos ou governador, mas sim para melhorar a vida do povo

Lula destacou ainda o domínio histórico da elite, que discorda dos avanços disponibilizados para os mais pobres.

Afirmou ainda que tem consciência de que os seus governos permitiu que as classes baixas subissem alguns degraus, mas que é preciso que se suba mais degraus na ascensão social. “Essa essa mulher é que pode fazer o povo subir”.

Lembrou que os filhos dos pobres conseguem hoje estudar mais, inclusive fora do país.

Sobre Dilma, disse que não conhece ninguém tão preocupada quanto ela com o controle da inflação. Lembrou que a presidente não deixou a crise econômica estourar no bolso no trabalhador.

Lula diz que investiu no NE para deixar o Brasil mais igual. E que é preciso eleger Armando para PE avançar

Twitter/reprodução

Twitter/reprodução

O ex-presidente Lula afirmou, em discurso em Petrolina, que “o que está em jogo é o futuro de Pernambuco”.

E acrescentou: “Conheço Armando e precisamos eleger ele para governador”.

Lula disse que estava ali orgulhoso de poder falar para os sertanejos que, além de reeleger a presidente Dilma, era preciso eleger o petebista.

“Nós temos uma oportunidade ímpar para fazer com que Pernambuco continue avançando, é assegurar a eleição do companheiro Armando”.

O ex-presidente afirmou ainda que o nordestino não nasceu para ser tratado como pessoa de segunda categoria.

“Quando investimos no Nordeste foi para deixar o Brasil mais igual”, disse. “Eu tenho orgulho de ter sido o primeiro presidente a botar um tijolo em uma universidade no Vale do São Francisco”, destacou, segundo informa o Twitter do candidato ao governo.

Mais cedo, João Paulo, candidato ao Senado, enfatizou os feitos de Lula e salientou que “estão tentando roubar os créditos de quem realmente mudou o nNrdeste, que foram Lula e a presidente Dilma”.

A declaração é uma resposta à propaganda eleitoral da Frente Popular, que tem utilizado muitas conquistas de Pernambuco – principalmente a atração de grandes investimentos – como se fosse, exclusivamente, resultado da gestão do ex-governador Eduardo Campos.

PT de Pernambuco informa que, além de cumprir agenda em Petrolina e Recife, Lula foi convocado a voltar para evento em Caruaru

Miguel Angelo/Divulgacao. So

Miguel Angelo/Divulgacao. So

Presidente do PT-PE, a deputada Teresa Leitão informa que, além de cumprir agenda nesta quinta-feira (04) no Recife e em Petrolina, Lula já foi convocado a voltar para evento em Caruaru.

Diz que a solicitação já está na lista de viagens do ex-presidente e a expectativa é que ele retorne nos próximos dias.

A deputada destaca que o comício que reúne o Lula e a presidente Dilma logo mais em Brasília Teimosa, já estava previsto antes do “advento” Marina.

Porém, há de se convir que agora, com as pesquisas apontando empates entre a socialista e Dilma e entre o candidato apoiado pelo PT em Pernambuco, Armando Monteiro (PTB), e o socialista Paulo Câmara, o evento passa a ter outro peso.

Se o PSB recorre ao legado de quem se foi para pedir votos, PT e PTB tentam atrair apoio utilizando os feitos de quem segue nos palanques

memoria.ebc.com.br

memoria.ebc.com.br

Na última vez que esteve em Pernambuco, Lula (PT) veio se despedir do ex-governador Eduardo Campos.

Passados 18 dias do sepultamento e a um mês da eleição, ele retorna amanhã para lutar contra as candidaturas de Paulo Câmara (PSB) e Marina Silva (PSB), ambas infladas a partir da comoção causada pela morte do líder socialista.

O ex-presidente vem pedir votos para Dilma Rousseff (PT) e Armando Monteiro (PT) num momento em que começa a engrossar por aqui o coro contra o uso eleitoral da consternação.

memoria.ebc.com.br

memoria.ebc.com.br

Nesta terça-feira (02), ao solicitar empenho da militância na reta final, o petebista e aliados enfatizaram que “homenagem não se faz com voto”, mas com flor ou reza.

Lembraram também que voto é um instrumento que deve ser usado para a superação de problemas e construção de um futuro melhor e não para se reverenciar o passado.

Não se sabe se Lula vai assumir o mesmo tom, mas é certo que a busca pelo voto-memória pautará o evento desta quinta-feira. Não sem razão, Brasília Teimosa foi escolhido para receber o comício no Recife.

Nascido da resistência de pescadores, o bairro é símbolo da “era Lula” para os pernambucanos.

www.luizberto.com

www.luizberto.com

Foi lá que o ex-presidente, acompanhado dos ministros, desembarcou no início do governo, em janeiro de 2003, com a promessa de retirar palafita, construir moradias e pavimentar o que um dia tinha sido invasão.

Circulou pelos casebres, beijou moradores, fez gente chorar. Agora, dez anos após as melhorias terem sido concluídas, ele vem discursar sobre a área que urbanizou e rever beneficiados.

DP

DP

Alguém duvida que a emoção marcará o reencontro? É isso: enquanto socialistas recorrem ao legado de quem se foi para pedir votos, petistas e petebistas tentam atrair apoio utilizando os feitos de quem segue nos palanques. C’est la vie!

OBS: O texto está no comentário da coluna Diario Político, que assino nesta quarta-feira (02) no Diario.