Um dia depois de Marina passar Dilma em PE e de Paulo avançar 18 pontos, campanha de Armando anuncia vinda Lula e Dilma

Erik Molgora/Divulgacao

Erik Molgora/Divulgacao

Um dia depois de pesquisas apontarem o crrescimento de Marina Silva (PSB), inclusive ultrapassando Dilma Rousseff (PT) em Pernambuco (está 41% contra 37%), é anunciada a vinda do o ex-presidente Lula e da presidente ao estado.

Na quinta-feira da próxima semana (04.09), eles vêm movimentar a campanha dela, que tenta a reeleição, e a do senador licenciado Arrmando Monteiro (PTB).

Candidato ao governo pela oposição com apoio do PT, Armando segue na frente nas pequisas, com 38%, mas o candidato governista, Paulo Câmara avançou de 11% (Datafolha de 14.08) para 29% (Ibope).

Lula e Dilma comandarão eventos em Petrolina, onde o petebista conta com apoio do prefeito Julio Lossio (PMDB), e no Recife.

facebook-reprodução

facebook-reprodução

O ex-presidente e a sua afilhada chegam num momento em que as campanhas dela e de Armando precisam do seu peso de cabo eleitoral privilegiado.

As agendas foram divulgadas pela assessorias da campanha de Armando e do prefeito de Petrolina.

Razão x emoção: Armando alerta eleitor para que não faça do voto mero instrumento de homenagem

...

O comentário foi feito pelo senador licenciado Armando Monteiro (PTB), na última segunda-feira (25), mas merece ser trazido de volta.

Em entrevista à Rádio Globo 720 AM, ao responder pergunta que tratava do desânimo da população com a política e com os políticos, ele respondeu o seguinte:

“Nosso sistema tem um deficit de representatividade e problemas de fadiga sérios. Agora, há um calendário, e há que se votar e fazer uma escolha. É preciso transmitir isso ao eleitor que vota sem fazer avaliações.

É preciso que ele acompanhe o desempenho daquele representantes e expressar sua posição no sentido de mudar de voto que ache melhor, de não votar porque um amigo pediu, de não fazer do voto um instrumento de mera homenagem a algumas pessoas.

tse

tse

É preciso dar um sentido ao voto, um sentido de escolha, um sentido de responsabilidade.”

Reparem que, “perdido” no meio do raciocínio, existe o alerta para que o eleitor não vote em homenagem a ninguém.

Ainda que indiretamente, o petebista chamou a atenção para que o eleitor não se deixe levar pela emoção que tanto a campanha de Paulo Câmara (PSB) – seu oponente governista – explora.

Nesta terça-feira (26), pesquisa Ibope mostrou o crescimento acelerado de Paulo depois da morte do seu padrinho Eduardo Campos. Saiu de 11% e chegou a 29%.

A campanha socialista, como é visto desde o dia do velório e enterro, busca o “voto-memória”, aquele que será dado em reverência ao tal legado de Eduardo.

E, ao se observar os números do Ibope, a tática deu certo.

Armando, que ficou com 38% das intenções, terá de reforçar o discurso contra o voto-homenagem que começou a ser elaborado na Rádio Globo, ainda antes da pesquisa ser conhecida.

Paulo Câmara cresce 18 pontos e vai a 29%, contra 38% de Armando. Para o Senado, Joao Paulo tem 35% e Fernando, 22%

faceboook

faceboook

Quinze dias após a morte do ex-governador Eduardo Campos, Paulo Câmara, candidato do PSB ao governo do estado, deu um salto de 18 pontos percentuais, segundo o Ibope.

Na segunda rodada da pesquisa feita em parceria com a TV Globo, ele aparece com 29% contra os 11% que apresentou no dia 14.

Teresa Maia/DP/D.A Press

Teresa Maia/DP/D.A Press

O senador licenciado Armando Monteiro (PTB) tem 38%, contra 43% do levantamento anterior. Os números foram divulgados nesta terça-feira (26).

Jair Pedro (PSTU), Miguel Anacleto (PCB), Pantaleão (PCO) e Zé Gomes (PSol) aparecem com 1% cada.

De acordo com o levantamento, 13% dos eleitores votariam em branco ou nulo e 13% não sabem ou não responderam.

dp

dp

SENADO – O Ibope também ouviu os eleitores sobre a disputa para o Senado. O candidato João Paulo (PT) tem 35% das intenções de voto e o seu principal adversário, Fernando Bezerra Coelho (PSB), 22%.

Em relação aos números da primeira rodada de pesquisas do Ibope, o socialista também apresentou um crescimento. Antes, ele tinha 16% e o petista, 37%.

...

Ag. Senado

O Ibope ouviu 1.512 eleitores no estado entre os dias 23 e 26 deste mês. A margem de erro máxima é de três pontos para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%. A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) como PE-00019/2014.

Armando diz que Marina não tem identidade com eleitor de PE e que falta lastro político a Paulo Câmara

Alcione Ferreira/DP/D.A Press

Alcione Ferreira/DP/D.A Press

Ao avaliar o impacto, no estado, da chegada de Marina Silva na cabeça da chapa presidencial do PSB, o senador Armando Monteiro (PTB) observou que o povo pernambucano não se identifica com a ex-senadora.

“Marina não tem conhecimento das realidades locais. Ela não é alguém próximo de Pernambuco”, disse durante entrevista ao programa Em Foco com Aldo Vilela na rádio Globo AM 720.

Candidato ao governo estadual pela oposoção, Armando argumentou que Marina não deve ter liga com o eleitor do estado, mesmo tendo desempenho superior ao alcançado por Eduardo Campos nas pesquisas.

“Ela tem a memória das suas raízes (no Norte), mas tem muito mais articulação em São Paulo”, respondeu.

Para ele, o advento da ex-senadora na campanha não deve alterar o curso da disputa pelo governo do estado.

Vale lembrar que o seu principal concorrente do PSB, Paulo Câmara, vinha contando com o prestígio do padrinho, o ex-governador Eduardo Campos, para alavancar sua candidatura.

Alcione Ferreira/DP/D.A Press

Alcione Ferreira/DP/D.A Press

Após a morte do líder socialista, ocorrida em acidente aéreo no dia 13 deste mês,  a expectativa é que Marina consiga contribuir para elevar a aceitação de Paulo, que está bem atrás do petebista nas pesquisas de intenção de voto.

Aliás, a falta de identidade com o estado também foi apontada por Armando petebista como falha no perfil de Paulo Câmara.

Ao explicar as adesões que continuam a acontecer à sua candidatura, Armando diz que a sua relação com prefeitos e lideranças do estado foi construída ao longo de mandatos legislativos. E que, por isso, veem nele alguém com experiência para conduzir o estado

“Há candidaturas postas (no estado) que não têm identidade. Não se impõe uma candidatura. Lastro político se constrói ao longo do tempo e falta ao oponente esse lastro”.

Para Armando, é exigir muito do candidato que ele se apresente e se comporte como se tivesse esse lastro, quando se sabe que ele não tem.

CAMPANHA COM LULA – O candidado do PTB negou que o ex-presidente Lula tenha desistido de vir fazer campanha em Pernambuco após a morte de Eduardo por achar que seria um esforço desnecessário.

Ele contou que, na quinta-feira da semana passada (21), Lula lhe ligou para informar que visitará Pernambuco duas vezes até o dia da eleição. Tratou, inclusive, de adiantar que planeja eventos no Recife e no interior.

“Quando tínhamos Eduardo tinha algumas coisas que podiam inibir a presença de Lula. A boa relação dos dois, o fato dele ele poder ser um aliado no segundo turno…. Agora com Marina tudo muda. Por que Lula não viria agora?”.

Antes destinada apenas a Wolney, fachada do PDT amplia e democratiza espaço para propaganda eleitoral

dp

dp

A fachada do PDT estadual não é mais área exclusiva de propaganda do deputado Wolney Queiroz.

Após o Blog de Política mostrar que ele ocupava, com sete fotos, um painel montado como outdoor em frente à sede, o espaço da publicidade foi democratizado.

Agora, aparecem Rinaldo Júnior (estadual) e até mesmo da majoritária da oposição, com Armando Monteiro (governo, PTB), Paulo Rubem (vice, PDT) e João Paulo (Senado, PT).

O PDT, vale destacar, dá apoio informal ao candidato governista Paulo Câmara (PSB). Já Wolney, como se sabe, é filho do presidente do PDT, José Queiroz, prefeito de Caruaru.

Em resposta ao post públicado na semana passada, a assessoria de imprensa da Campanha do deputado Wolney Queiroz informa:

Sobre a publicação do blog referente à propaganda eleitoral do candidato Wolney Queiroz, informamos que o deputado pertence ao PDT desde 1992 e é o único deputado federal do partido candidato à reeleição.

Nada mais natural que use a fachada da sede do seu partido para sua propaganda eleitoral. A placa publicitária, citada na matéria, mede 3m X 1m, ou seja, tem uma área total de 3m².

Como o limite imposto pela Justiça Eleitoral é 4m², o deputado Wolney Queiroz ainda poderia aumentar sua placa em 25% e ainda assim estaria dentro do que faculta a lei. A placa de Wolney é quase dez vezes menor que um outdoor, que mede 27m².

Esclarecemos ainda que, desde junho, o PDT de Pernambuco é presidido pelo ex-Ministro, Carlos Lupi.

Está informado.

Datafolha: Armando (PTB) aparece com 47% das intenções de voto. Paulo Câmara (PSB) tem 13% e Zé Gomes (PSOL) 2%

faceboook

faceboook

Pesquisa Datafolha divulgada nesta sexta (15) aponta o candidato Armando Monteiro (PTB) com 47% das intenções de voto para governador de Pernambuco.

Em seguida, aparecem Paulo Câmara (PSB) (PSB) com 13% e Zé Gomes (PSOL) com 2%. Já Jair Pedro (PSTU), Miguel Anacleto (PCB) e Pantaleão (PCO) estão empatados com 1%.

Encomendada pela TV Globo e pelo jornal Folha de São Paulo, esta é a primeira pesquisa Datafolha após o registro das candidaturas.

A pesquisa foi realizada nos dias 13 e 14 de agosto.Quer dizer, com os pernambucanos já sob o impacto da morte do ex-governador Eduardo Campos.

Blenda Souto Maior/DP/D.A Press

Blenda Souto Maior/DP/D.A Press

Foram entrevistados 1.198 eleitores, com 16 anos ou mais, em 42 municípios do estado. A margem de erro é de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos.

O nível de confiança é de 95%. O que quer dizer que, se levarmos em conta a margem de erro de 3 pontos para mais ou para menos, a  probabilidade do resultado retratar a realidade é de 95%.

A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE) sob o número 00017/2014, e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número 00360/2014.

Rejeição – A pesquisa também mediu a taxa de rejeição de cada um dos candidatos, isto é, aquele em quem o eleitor diz que não votará de jeito nenhum.

Veja os números: Zé Gomes: 24%; Pantaleão: 23; Jair Pedro: 18%; Paulo Câmara: 17%; Miguel Anacleto: 13%; Armando Monteiro: 9%; Não rejeitariam nenhum dos candidatos: 9%; e Não souberam responder: 22%. Do G1.

Júlio Lossio: “tenho me especializado em vencer o PSB. Se depender de mim, Dilma, Armando e João Paulo vencem”

facebook/reprodução

facebook/reprodução

Prefeito de Petrolina, maior município do Sertão pernambucano, Júlio Lossio (PMDB) reassumiu o mandato no dia 30 após ficar mais de um mês afastado do cargo para se tratar de acidente vascular cerebral (AVC).

Nesta retomada, enfrentou julgamento – e foi inocentado – de processos que pediam sua cassação no Tribunal Superior Eleitoral.

Ainda em recuperação, começa a se movimentar para contribuir com a campanha do senador Armando Monteiro (PTB) ao governo do estado.

Lossio e  Michel Temer - foto: PMDB

Lossio e Michel Temer – foto: PMDB

Um dos poucos prefeitos a manter-se na oposição ao ex-governador Eduardo Campos (PSB), Lossio é responsável por impor duas derrotas consecutivas à Frente Popular no segundo maior colégio eleitoral do interior (e o maior dos sertões).

As vitórias significaram reveses não apenas para a liderança de Eduardo, hoje candidato ao Planalto, mas também para o grupo de Fernando Bezerra Coelho, ex-ministro da Integração Nacional, ex-prefeito de Petrolina e atualmente candidato ao Senado na chapa governista.

E, mesmo afirmando está ainda limitado para se envolver fisicamente na campanha, avisa: “tenho me especializado em vencer o PSB. Se depender de mim, e dos que nos acompanhar, teremos uma vitória de Dilma, Armando e João (Paulo, candidato ao Senado)”.

PMDB-divulgação

PMDB-divulgação

Aliás, embora ele tenha evitado comentar sobre um eventual ato pró Armando em Petrolina, o que se comenta é que Lossio estaria preparando um evento para reunir, na cidade, toda a chapa majoritária estadual e também presidente Dilma. Ainda não foi definida a data.

Vale lembrar que o presidenciável do PSDB, senador Aécio Neves, está com visita marcada para Petrolina no próximo dia 16 (não confirmada por correligionários).

Lossio diz que pretende se integrar logo ao time de Armandol Conta que está sendo  gratificante fazer campanha para homem reto como o senador e que tem aprendido com a serenidade e humildade de João Paulo.

O prefeito não se furtou a fazer uma análise crítica ao presidenciável socialista.

www.petrolina.pe.gov.br

www.petrolina.pe.gov.br

Diz que Eduardo se superestimou e subestimou Armando e acrescenta que a performance ruim do ex-governador na corrida presidencial puxa para baixo a campanha de Paulo.

Por fim, destaca que embora tenha se transformado num quadro importante da política nacional, o líder do PSB segue com um discurso ambíguo. A seguir, a entrevista (por e-mail).

A judicialização que veio após sua reeleição mostra o quanto a disputa política se mantém acirrada em Petrolina. O senhor acabou, no entanto, saindo vitorioso também na Justiça Eleitoral. Como o senhor avalia as suas vitórias no TSE?

Veja, há uma clara sinalização de que o ex-ministro Fernando Bezerra ficou inconformado com resultado das urnas.

Considera que a derrota do grupo político adversário no TSE mostra que houve excessos do outro lado? Foi uma tentativa de ganhar no tapetão? O resultado significou que seus oponentes foram desmoralizados com a decisão do TSE?

Prefeitura de Petrolina

Prefeitura de Petrolina

O PSB buscou contrariar,  na Justiça, a vontade das urnas. Tivemos a nosso favor pareceres do Ministério Público (Eleitoral) e dos relatores do processo em todas as instâncias. A votação do Tribunal Superior Eleitoral por sete a zero só mostra que o PSB quis ganhar no tapetão que as urnas negou. O TSE, me parece, seguiu o caminho já consolidado de respeitar as urnas. Petrolina, Pernambuco, e, agora o Brasil, sabem quem tem hábito de abusar do poder econômico nas eleições.

O senhor é aliado de Armando Monteiro e Paulo Rubem e João Paulo. Está preparando algum evento político-eleitoral para receber a chapa em Petrolina? Quando vai ser? E como vai ser (comício, carreata, caminhada)?

Estou ainda limitado fisicamente para fazer, aqui, o que mais gosto na política, que é abraçar as pessoas na rua. Mas temos um time que já está em campo e logo quero me integrar. Está sendo muito gratificante fazer campanha para homem reto como Armando. Tenho ainda aprendido muito com a serenidade e humildade de João Paulo.

Como principal liderança política de Petrolina, acha que virá por aí mais uma derrota para a Frente Popular (Eduardo/PSB)?

Tenho me especializado em vencer o PSB. Se depender de mim, e dos que nos acompanhar, teremos uma vitória de Dilma, Armando e João.

Como avalia o atual momento da campanha, em que Paulo Câmara aparece estagnado, assim como Eduardo?

Acho que Eduardo subestimou Armando e se superestimou. Assim, a performance ruim de Eduardo nacional puxa para baixo a campanha de Paulo. Eduardo é, sem dúvida, um quadro importante da política nacional, mas faz discurso ambíguo. Critica a política energética de Dilma e parece esquecer que o PSB sempre esteve à frente da Chesf. Fala de afastar velhas raposas, mas em Pernambuco tem o apoio daquilo que ele classifica como raposas da política. Fala em reduzir ministérios, mas em Pernambuco governou acomodando partidos políticos que vão do PC do B ao PSDB em várias secretarias. Promete carreira federal para médicos, mas em Pernambuco valorizou a administração da rede de Saúde por organizações sociais. Promete o passe-livre, mas em oito anos de governo não teve esta iniciativa. Penso que precisa ter coerência no discurso para se fazer entender pelo país afora. Admiro Eduardo pela coragem da disputa. Gosto pessoas corajosas. Contudo, precisamos falar e fazer. O povo parece cheio de fala sem prática.

O senhor esteve esta semana com Michel Temer (vice-presidente da República e presidente emérito do PMDB) em Brasília, em busca de apoio para a liberação de recursos federais. Obteve garantia de que o dinheiro será liberado? Os recursos serão aplicados em quê?

De fato, o vice-presidente Michel Temer tem sido grande amigo de Petrolina. Além da ampliação do programa habitacional, de creches, está nós ajudando na liberação do projeto do VLT (veículo leve sob trilhos) e de pavimentações, que somam mais de R$ 100 milhões.

Ao explicar adesões a Armando, petebista diz que lideranças se cansaram do autoritarismo do PSB

psb

psb

Nesta terça-feira (05), na esteira da adesão do ex-prefeito de Carpina Manoel Botafogo (PDT) à campanha de Armando Monteiro ao governo do estado, o Blog trouxe a informação de que a candidatura do petebista estava sendo procurada por novos dissidentes da coligação de Paulo Câmara.

Pois bem. Por trás dos palcos e palanques, a movimentação pró-Armando segue adiante.

Principalmente entre aqueles que deram um tempo nas rivalidades locais e aderiram à aliança liderada pelo PSB juntamente com advesários históricos.

Em algumas localidades, dois, três ou mesmo quatros grupos diferentes estavam abrigados na Frente Popular.

http://www.paulistaem1lugar.com/

http://www.paulistaem1lugar.com/

Mas esse samba de uma nota só começou a cansar muita gente, segundo comenta um petebista, em reserva.

“Em campanhas passadas, o governo privilegiou um lado em detrimento de outro. Além disso, alianças e apoios, mesmo em municípios pequenos, eram decididas no Palácio do Campo das Princesas”, comenta a fonte da coligação de Armando.

“Muitos estão cansados de fazer apenas o que decidem por eles. Há quem reclame de falta de autonomia e de ter sido colocado em segundo plano. Agora, estão se libertando”, diz.

O aliado do petebista diz ainda que a dificuldade de Paulo crescer em Pernambuco, mesmo com Eduardo vindo para a campanha, é sintomática.

Alexandre Albuquerque/Divulgacao

Alexandre Albuquerque/Divulgacao

Para a fonte, embora o ex-governador tenha uma boa avaliação de governo, há uma resistência a ele, Eduardo.

“As pessoas estão se cansando dele, da forma autoritária de fazer política, impondo regras e fazendo ameças. Tanto que em Pernambuco ele está caindo nas pequisas em relação a Dilma na disputa pelo Palácio do Planalto”, diz.

“Então, além do fato de Paulo não ser um nome com trânsito no partido e no estado, há uma insatisfação com o próprio Eduardo. Isso ninguém está conseguindo ler nas pesquisas, mas as pesquisas já apontam para essa realidade”, destaca.

Rodrigo Lobo/Divulgacao

Rodrigo Lobo/Divulgacao

“A falta de oposição resultante da prática adotada por Eduardo fez a democracia minguar e isso é nocivo pro estado”, arremata.

Aguardemos novos fatos para acompanhar se o quadro pintado pela fonte armandista se confirma (e aguça a crise entre os socialistas e aliados) ou se a Frente Popular consegue avançar.

Por enquanto, se vê, de fato, dificuldades na postulação de Câmara – estagnação nas pesquisas, troca de comando na campanha, socorro constante de Eduardo nas atividades de rua.

Aliás, o ex-governador e presidenciável retorna ao estado sexta-feira (08.08) e sábado (09) para cumprir agenda conjunta com o afilhado. Irão a Garanhuns, Bom Conselho e Ouricuri.

Apoio de Botafogo vai estimular novas adesões, diz Armando. Nos bastidores, comenta-se que mais lideranças farão o mesmo

 Leo Caldas/Divulgação

Leo Caldas/Divulgação

Armando Monteiro comemorou assim a adesão, oficializada nesta terça (05.08), do ex-prefeito de Carpina Manoel Botafogo (PDT) à sua candidatura:

“O ex-prefeito é um homem firme e de decisões claras. O apoio dele vem a reforçar o nosso projeto em toda a região da Mata Norte”.

Armando disse esperar outros apoios vindos daquela área.

“Ciclo não se fecha em política. Pelo contrário, se abre: o apoio de Botafogo vai estimular novas adesões”.

Curiosamente, no último fim de semana conversas com gente que circula pelos bastidores da campanha ao governo do estado apontaram para adesões iminentes ao petebista.

Muitos nomes estariam desembarcando da candidatura de Paulo Câmara e aguardando o momento “inevitável” para anunciar publicamente a subida ao palanque de Armando.

Comandantes da aliança Pernambuco Vai Mais Longe estariam sendo procurados por prefeitos, vereadores e outras lideranças para comunicar a decisão de apoiar a postulação do senador.

Além de Botafogo aderiram à candidatura petebista o deputado estadual Botafogo Filho (PDT), a vice-prefeita de Tracunhaém, Nicinha Botafogo (PSDB), a ex-prefeita de Lagoa do Carro Judite Botafogo (PSDB) e a vereadora de Lagoa do Carro, Maria Fogo (PSDC).

O PTB comemora as adesões destacando que, na eleição de 2010, Botafogo Filho obteve 38,1 mil votos.

O ex-prefeito de Carpina, há que se destacar, estava no grupo do PDT que apoiava a candidatura de Paulo Câmara.

O partido integra, oficialmente, a aliança de Armando. O vice é o deputado federal Paulo Rubem. No entanto, a maior parte dos membros está mesmo com o candidato da Frente Popular.

Campanhas em PE administram disparidades entre realidade e discurso. Ordem é minimizar as dificuldades

Aluisio Moreira/Divulgacao

Aluisio Moreira/Divulgacao

A campanha para governador em Pernambuco chegou a um momento em que a realidade dos bastidores vive em disparidade com os discursos.

Se a notícia é negativa, então, as defesas são preparadas para que se dissipe qualquer indício de prejuízo para os candidatos.

As dificuldades de gestão da Frente Popular, por exemplo, vêm sendo postas na conta da necessária renovação de quadros.

Do mesmo modo, a troca de comando de alguns setores é vista como medida natural para um partido que toca duas campanhas majoritárias simultaneamente.

Já as queixas sobre equívocos são atribuídas a aliados que estariam observando o rumo do vento para, mais adiante, decidir o caminho a seguir.

Alexandre Albuquerque/Divulgacao

Alexandre Albuquerque/Divulgação

Se Paulo Câmara crescer, ficam onde estão. Do contrário, poderão partir para outra. Enfim, tudo é visto como efeito dessa fase da corrida eleitoral.

Não há tempo ou clima para mea culpa ou reflexões sobre os fatores que, somados, podem explicar obstáculos: candidato desconhecido, ausência de Eduardo Campos, nomes com vivência eleitoral cuidando das suas candidaturas proporcionais e etc.

Do outro lado, na campanha da aliança Pernambuco Vai Mais Longe, comandada por Armando Monteiro, os rumores da falta de recursos ressurgem.

Já há inclusive especulação sobre insatisfações expressas por candidatos diante da pouca estrutura.

Dentro da coligação, todavia, a informação é que tudo o que foi contratado foi pago.

E que se há uma sensação de escassez é decorrência da comparação que se faz com a punjança financeira da Frente.

Quer dizer, da porta pra dentro, casa desarrumada; da porta pra fora, bela fachada.