Ettore diz nada ter contra FBC e avisa que apoia quem Eduardo indicar

DP

DP

Nada contra o ministro Fernando Bezerra Coelho. Também nada de campanha a favor de Tadeu Alencar para o governo do estado.

Éttore Labanca, prefeito de São Lourenço, garante que as críticas  feitas por ele a FBC na semana passada foram motivadas pelas perdas no Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

E diz que apoiará a quem o governador Eduardo Campos indicar. Seja Tadeu, José Múcio Monteiro, Paulo Câmara ou FBC.

Tudo bem, tudo certo, mas o que se comenta na Assembleia é que o prefeito está atuando pró Tadeu.

Para quem não se lembra, FBC foi acusado por Labanca de estar fazendo jogo para minar a candidatura de Eduardo Campos (PSB) à Presidência da República e, assim fazer com que o governador poie a reeleição de Dilma.

Afirmou ainda que o ministro estaria trabalhando para se viabilizar como postulante ao governo do estado como apoio da presidente.

“Ninguém aguenta mais o PT!”. O mote terá força em nível nacional?

...

Ou o PT nacional está com muito medo da candidatura de Eduardo Campos a presidente da República, a ponto de direcionar todos os esforços para minar o projeto do governador, ou então os petistas, a despeito do excelente momento vivido pela presidente Dilma, candidata à reeleição, podem ter análises de que mais pra frente este quadro vai reverter.

Previsões semelhantes também devem estar alimentando a ousadia de Eduardo, que não para de fustigar o governo federal. E quando não diz, manda dizer: “Ninguém aguenta mais o PT. Assim como no Recife, que as pessoas não aguentavam mais o PT, vai ser no governo federal”.

A nota é também da coluna Diario Político desta quinta. E, jogando luz sobre a frase de Ettore, observa-se que há uma reedição nacionalizada do slogan informal utilizado por socialistas em 2012 na capital pernambucana.

Na época, o mote “ninguém aguenta mais o PT” alicerçou a candidatura própria do PSB e contribuiu para agravar a já complicada gestão de João da Costa, o último petista a ocupar o cargo de prefeito do Recife, entre 2009 e 2012.

Agora, se vê que o “ninguém aguenta” começa a ser repetido em relação a Dilma, que aliás, assim como João da Costa, comanda um terceiro governo consecutivo do seu partido.

Mas, as coincidências encerram aí.

Primeiro, as esferas de atuação são bem distintas.

Segundo, o governo de Dilma é muito bem aprovado, diferentemente da realidade vivida pelo ex-prefeito, cuja gestão foi sofrível.

Só para recordar, é bom rever os números da última pesquisa (de março) sobre a avaliação do governo federal:

Aprovação de Dilma teve maior crescimento no Nordeste: 85%

Pois bem, há ainda um terceiro aspecto, também relacionado a percentuais favoráveis a Dilma. Trata-se de pesquisa sobre simpatia do eleitor em relação aos partidos.

Um levantamento Ibope, publicado em janeiro jornal Estado de S. Paulo, mostra o PT como a sigla mais querida dos brasileiros, com larga margem de vantagem.

Segundo o levantamento, 24% dos eleitores declaram ter preferência pelo PT. Depois disso, vem o PMDB, com 6%, e o PSDB, com 5%.

Pode não ter relação direta com o voto, mas se trata de um patrimônio que, como se vê, nenhuma outra legenda tem no país.

Prefeito de São Lourenço põe na conta de Dilma a demissão de 250 mil em prefeituras do Norte-Nordeste

ettoreAliado de primeira hora do governador Eduardo Campos, o prefeito reeleito de São Lourenço, Ettore Labanca, renova, no ano novo, os ataques desferidos contra Dilma em 2012.

Desta vez, porém, faz um balanço, segundo ele, nocivo ao municipalismo.

Diz que a insensibilidade da presidente, ao fazer generosas concessões ao setor automobilístico às custas do arrocho dos cofres dos municípios, provocou a demissão de 250 mil pessoas em prefeituras do Norte e Nordeste – cargos comissionados.

Aliás, o principal debate da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado em 2013 deve girar em torno do pacto federativo.

A avaliação é do petista Delcídio do Amaral, senador por Mato Grosso do Sul e presidente da CAE.

“A questão dos incentivos, a renegociação da dívida e o fundo de participação dos estados serão assuntos fundamentais para o ano”, disse nesta quinta-feira ao site do PT nacional.

Seca – Voltando a Ettore, ele aponta descaso da presidente em relação à seca. Afirma que Dilma ignorou o Nordeste, não se deu ao trabalho de vir ver de perto os estragos da estiagem, tomando apenas medidas paliativas.