Polícia só agirá contra lanterna elétrica em caso de lesão

Apesar do alerta de especialistas de que as lanternas elétricas vendidas livremente no Centro do Recife representam risco de morte, a Secretaria de Defesa Social afirmou ontem que só agirá após eventuais casos de lesão corporal provocados pelo equipamento. Segundo a SDS, quem aplicar o choque em outra pessoa responderá criminalmente. O Código Penal Brasileiro prevê pena de três meses a um ano de prisão por lesão corporal grave, e de quatro a 12 anos se o ato resultar em morte.

Produto pode ser comprado em lojas do bairro de São José. Foto: Paulo Paiva/DP/D.A Press

Produto pode ser comprado em lojas do bairro de São José. Foto: Paulo Paiva/DP/D.A Press

A venda do equipamento foi denunciada ontem pelo Diario. A secretaria argumentou, através de nota, que não pode coibir a venda do artigo porque ele não é proibido pela legislação brasileira. “Não há vedação legal à comercialização desses produtos no território nacional, não estando classificados como produtos controlados pela legislação aplicável (Decreto Presidencial n. 3.665, de 20/11/2000, e portarias regulatórias expedidas pelo Exército Brasileiro)”, comunicou a SDS.

 

O Exército também afirmou que não pode fiscalizar, pois o produto não faz parte dos itens sob controle das Forças Armadas. O tenente-coronel Helder de Barros, chefe do Serviço de Fiscalização de Produtos Controlados da 7ª Região, disse, porém, que se as lanternas provocam choques, não deveriam estar sendo vendidas.

Fabricada na China, a lantaser tem manual em inglês e poucas informações sobre o funcionamento. O diretor da Sociedade Brasileira de Cardiologia, Nabil Ghorayeb, afirmou à Agência Estado que o choque pode causar parada cardíaca e morte.

Policiais trabalharão com câmeras nas blitze da Lei Seca

Câmeras de filmagens são as mais novas armas dos policiais que trabalham nas blitze da Operação Lei Seca em Pernambuco para comprovar que condutores estão dirigindo sob efeito de álcool. Doze equipamentos estão sendo testados pela Secretaria Estadual de Saúde (SES) durante um prazo de 30 dias. As imagens servirão como provas em processos caso os condutores se neguem a fazer o teste de alcoolemia.

Equipamentos estão acoplados em óculos dos policiais. Fotos: Rodrigo Silva/Esp.DP/D.A Press

Equipamentos estão acoplados em óculos dos policiais. Fotos: Rodrigo Silva/Esp.DP/D.A Press

De acordo com o coordenador da Lei Seca, coronel André Cavalcanti, os equipamentos estão sendo utilizados nas fiscalizações desde o último final de semana. “Ainda não há previsão de quando iremos começar a operar com os equipamentos efetivamente, mas posso adiantar que os resultados são excelentes”, ressaltou Cavalcanti.

Ainda segundo o coordenador da Lei Seca, dois modelos de câmeras estão sendo testados nas abordagens. Os equipamentos têm alcance de até três metros de distância, conseguem captar som e áudio e possuem capacidade para gravar até 12 horas de filmagens seguidas.

Câmeras já são testadas em operações em todo o estado

Câmeras já são testadas em operações em todo o estado

“É uma forma de ampliar a possibilidade da prova. As formas clássicas se tornam apenas um dos meios de se comprovar a embriaguez ao volante. A comprovação também pode ser feita por meio de imagens, vídeos, prova testemunhal e constatação de sinais que indiquem alteração da capacidade psicomotora do motorista. Dirigir sob influência de álcool é infração gravíssima, com a suspensão do direito de dirigir por 12 meses e multa no valor de R$ 1.915,40”, explicou André Cavalcanti.

Um levantamento feito pela SES junto com a Polícia Militar e o Departamento de Trânsito de Pernambuco (Detran-PE) mostrou que apenas um em cada sete motoristas flagrados na Lei Seca no estado perdeu, de fato, o direito de dirigir de dezembro de 2011 até o mês de abril. A pesquisa apontou o recolhimento de mais de 25 mil habilitações por infração de alcoolemia.

Desse total, segundo o Detran, apenas 15% tiveram o processo finalizado. Isso significa que quase 22 mil condutores infratores, autuados desde o início da operação, continuaram dirigindo impunemente, sem nenhuma preocupação com a suspensão por um ano da Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

No início deste mês, dois agentes do Detran e dois despachantes foram presos por suspeitas de fraudar documentos para retirar multas aplicadas na fiscalização das blitze da Lei Seca na Região Metropolitana do Recife. Pelo menos 50 documentos com assinaturas falsas foram encontrados no sistema de cadastro das multas do Detran, todos referentes a recurso por multas de alcoolemia.

“Os policiais estão avisando a todos os condutores abordados que a ação está sendo filmada. Isso vai ajudar a deixar as blitze mais transparentes para todo mundo e o motorista pode solicitar as filmagens, caso tenha necessidade para apresentar em algum processo. As câmeras não oferecem opção de edição das imagens. Tudo o que foi filmado pode ser visto na íntegra”, aponta o coordenador da Lei Seca.

Sobre as câmeras

12 equipamentos estão sendo testados

30 dias é o prazo para o teste das câmeras

20 delas devem ser adquiridas pelo governo do estado

3 metros é o raio de alcance do equipamento

12 horas é o tempo para gravação de cada câmera

Onde as câmeras estão intaladas

Óculos dos policiais

Bonés dos policiais

Capacetes (p/ policiais motociclistas)

Coletes (na altura do peito)

Como é funcionamento

As câmeras gravam som e imagem

O conteúdo é armazenado pela SES

Os motoristas são avisados que a abordagem está sendo filmada

Comerciantes reclamam de assaltos perto da Praça da Independência

Comerciantes e frequentadores das imediações da Praça da Independência, no bairro de Santo Antônio, no Centro do Recife, estão assustados com a onda de violência no local. Na semana passada, uma loja de revenda de telefones celulares foi assaltada e teve um prejuízo de mais de 30 mil. Os assaltantes fugiram levando vários aparelhos.

Segundo as pessoas que trabalham na área, o policiamento na praça é praticamente inexistente. A Polícia Militar desativou um Posto de Policiamento que havia no local, o que deixou as imediações ainda mais vulneráveis. Segundo o empresário João Bosco, a PM só chegou à loja duas horas após o assalto. Ele faz um apelo ao governo do estado por mais segurança no local.

Confira matéria da TV Clube/Record

Mãe de Alice Seabra fala com a imprensa pela 1ª vez sobre o crime

Após acompanhar na imprensa as últimas informações sobre as investigações da morte da sua filha Maria Alice Seabra, 19, a dona de casa Maria José de Arruda, 46, esteve na manhã desta terça-feira na sede do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) para saber da polícia se havia alguma possibilidade do ex-companheiro, o servente de pedreiro Gildo Xavier, 34, conseguir escapar da prisão. Gildo está preso desde o dia 23 de junho. No dia seguinte, ele confessou ter estuprado e matado a enteada e deixado o corpo em um canavial em Itapissuma.

Maria José de Arruda falou com a imprensa no DHPP. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

Maria José de Arruda falou com a imprensa no DHPP. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

Ainda abalada com a perda da filha, Maria José conversou com o blog na saída do DHPP e disse que pretende ver o suspeito na cadeia por muitos anos. Apesar de não ter conseguido falar com a delegada Gleide Ângelo, Maria José disse que conversou com a equipe da delegada que a tranquilizou sobre a prisão de Gildo. “Eu queria que ele ficasse na prisão para sempre, mas como isso não é possível no Brasil, quero que ele fique preso o maior tempo possível. Nunca mais quero ver a cara dele. Ele se mostrou um monstro”, desabafou.

Durante a conversa com o blog, Maria José de Arruda revelou que mudou de endereço e que sente muita falta da filha a quem se referiu como uma pessoa maravilhosa. “Maria Alice era uma ótima pessoa. Todo mundo gostava dela e ela tinha muitos amigos. Não tem sido fácil para mim seguir a vida sem ela. Estou morando em São Lourenço da Mata perto da minha filha mais velha. Agora estou sozinha com minha filha mais nova. Até as comidas que Alice gostava eu não estou conseguindo fazer, pois fico me lembrando dela”, desabafou a dona de casa.

Veja entrevista de Gleide Ângelo sobre a confissão do padrasto de Alice Seabra

Após três horas de depoimento nesta quinta-feira, Gildo Xavier, 34 anos, padrasto da jovem Alice Seabra, 19, encontrada morta na tarde dessa quarta-feira num canavial em Itapissuma, contou detalhes do crime. À tarde, a delegada Gleide Ângelo, responsável pelo caso, deu entrevista coletiva e falou como tudo aconteceu. Na conversa com os jornalistas, a delegada voltou a chamar Gildo de monstro e se emocionou ao contar detalhes do crime. Confira a entrevista abaixo gravada pelo blog:

Polícia vai punir quem difamou Vaniela nas redes sociais

Após esclarecer onde a estudante de direito Vaniela Oliveira Varela, 25 anos, estava durante os quatro dias em que ficou sumida, a delegada Gleide Ângelo, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), anunciou que internautas que estiverem cometendo calúnia ou difamação contra Vaniela poderão ser punidos.

Gleide Ângelo falou sobre o desfecho da história. Foto: Paulo Paiva/DP/D.A Press

Gleide Ângelo falou sobre o desfecho da história. Foto: Paulo Paiva/DP/D.A Press

Segundo Gleide, Vaniela viajou para João Pessoa na quarta-feira passada após sair do Fórum de Jaboatão, onde foi vista pela última vez, e decidiu retornar no sábado ao sentir saudades da avó. Durante a estadia na Paraíba, Vaniela se hospedou numa pousada na praia de Tambaú. Um funcionário da pousada confirmou à TV Clube/Record que a universitária ficou no estabelecimento durante o período em que esteve sumida, sozinha e estudando.

Durante uma semana, o público acompanhou o drama da família. A repercussão também incluiu comentários e mensagens ofensivas na web. A delegada disse que comentários estão sendo analisados. Familiares e amigos estão tirando prints e a Delegacia de Repressão aos Crimes Cibernéticos foi acionada. “É bom todo mundo ter cuidado com o que diz. Se postarem qualquer mensagem caluniando ou difamando, vão responder criminalmente”, disse Gleide.

O crime de calúnia, punível com pena de seis meses a dois anos, se configura quando alguém imputa a outro um crime, falsamente. A difamação, ato de imputar algo ofensivo à reputação, pode render três meses a um ano.

Vaniela Oliveira contou à polícia onde esteve por quatro dias. Foto: Brenda Alcantara/Esp DP/D.A Pres

Vaniela Oliveira contou à polícia onde esteve por quatro dias. Foto: Brenda Alcantara/Esp DP/D.A Pres

A delegada revelou que Vaniela será indiciada por falsificação de documento. Ela colocou a foto em uma carteira de identidade que achou no ano passado e usou o documento para comprar a passagem para João Pessoa. Seu objetivo era não ser localizada.

“Há um mês Vaniela pensava em fugir. Ela nos contou que estava passando por problemas e resolveu que não voltaria”, explicou Gleide. Vaniela voltou exatamente para o lugar de onde partiu, nas imediações do fórum, onde foi encontrada chorando e acabou acolhida por populares. Para não ser identificada, só fez pagamentos em dinheiro.

 

Sobre a falsificação, Gleide disse que não houve flagrante e Vaniela não preenche requisito para ser presa. Ela responderá em liberdade. O crime tem pena de dois a seis anos em caso de condenação.

Avó surpresa
A avó de Vaniela, Maria José Silva, 61 anos, que a criou desde pequena, ficou supresa. “Depois que ela voltou da delegacia, não me contou nada do que havia acontecido. Fiquei sabendo pela televisão. Hoje pela manhã ela foi passar uns dias na casa da minha irmã no interior”, disse.

Dupla de assaltantes é reconhecida por 82 vítimas após prisão

Uma dupla de assaltantes que agia em 16 bairros das zonas Norte e Oeste, além de São Lourenço da Mata, Camaragibe, Paulista e Jaboatão, foi reconhecida por 82 vítimas após ter sido presa na semana passada. O número de pessoas que procuraram a Delegacia da Várzea para registrar queixa contra Alisson Martins da Silva, 23 anos, e Klaidson Fernandes da Silva Fonseca, 20, aumentou após a divulgação das imagens deles pela Polícia Civil.

Alisson Martins, 23 anos, e Klaidson Fernandes, 20 foram presos na semana passada. Foto: Reprodução TV Clube

Alisson Martins, 23 anos, e Klaidson Fernandes, 20 foram presos na semana passada. Foto: Reprodução TV Clube

Segundo a polícia, a dupla utilizava uma moto de cor verde e um dos suspeitos abordava as vítimas com um revólver. Alisson e Cleidson estão no Cotel. Os assaltos estavam sendo praticados pelos suspeitos há três anos. Eles roubavam principalmente relógios, dinheiro e aparelhos celulares. A dupla foi presa no dia 19 em Vila Rica, Jaboatão, após investigação da Delegacia da Várzea. Com os suspeitos, que costumavam agir de maneira agressiva, foram apreendidos relógios, celulares, cartões e chips de telefone.

 

“Eles realizaram dois assaltos numa mesma rua em 20 minutos. Estamos agora tentando identificar o receptador”, detalhou o delegado Joel Venâncio. A dupla chegava a faturar R$ 5 mil por mês. Joel Venâncio ressaltou a importância de as vítimas registrarem ocorrência quando forem assaltadas. “Muitas vítimas não tinham feito BO. Com esse documento nós observamos o modus operandi e o veículo que é utilizado no crime, o que ajuda muito na identificação dos suspeitos.”

Polícia Militar de Pernambuco tenta melhorar trato com a sociedade

A abordagem policial supostamente agressiva a um casal gay que se beijava em Olinda, no dia 11 de fevereiro, teve grande repercussão nas redes sociais e trouxe à tona a qualidade da formação dos profissionais de segurança pública do estado. Os turistas chegaram a ser levados à delegacia por policiais militares que trabalhavam no Sítio Histórico. Os jovens alegaram que foram desrespeitados e denunciaram o caso à Corregedoria Geral da Secretaria de Defesa Social (SDS).

Treinamento dos novos PMs acontece em dois centros de formação. Fotos: Allan Torres/DP/D.A Press

Treinamento dos novos PMs acontece em dois centros de formação. Fotos: Allan Torres/DP/D.A Press

Para evitar casos como esses e outras situações de violação de direitos humanos, a Polícia Militar de Pernambuco mudou a grade de disciplinas do Curso de Formação de Soldados, que treina os novos militares antes deles irem para as ruas. Entre as novidades do curso está a matéria de comunicação social voltada ao trato com o cidadão e com a imprensa.

Alunos estarão no policiamento das ruas a partir de 1º de agosto

Alunos estarão no policiamento das ruas a partir de 1º de agosto

Atualmente, 1,1 mil novos alunos estão sendo formados nos Campus de Ensino Metropolitanos do Curado, em Jaboatão, e de Maranguape, em Paulista. De acordo com o comandante do Cemet I, major Ely Lira Leite, do total de formandos, 207 são de sexo feminino. “Aqui os alunos têm aulas práticas e teóricas e são orientados quanto ao respeito aos direitos humanos. Também estamos ressaltando bastante o tratamento dos policiais com a sociedade”, ressaltou o major.

Entre as disciplinas ministradas no curso estão direitos humanos, abordagem, comunicação social, uso diferenciado da força, resolução de problemas e tomadas de decisão, prevenção, mediação e resolução de conflitos, diversidade étnico socio-cultural e relações interpessoais. Segundo o gerente de Articulação Integração Institucional e Comunitária da SDS, Manoel Caetano Cysneiros, todas as disciplinas são ministradas por pessoas especialistas nas respectivas áreas.

Instrutores especializados dão aulas aos novos militares

Instrutores especializados dão aulas aos novos militares

Os novos soldados Cristiano Souza, 28, e Maria Angélica Tenório, 25, eram namorados quando fizeram o concurso para a PM em 2009. Integrantes da última turma convocada e agora casados, estão se preparando juntos para iniciar o trabalho nas ruas em agosto. “Minha mãe é policial militar há 29 anos. Sempre tive o exemplo do que é ser um bom policial dentro de casa e me espelhei nela para escolher minha carreira”, ressaltou Angélica. “Queremos mostrar à sociedade que não estaremos na rua para oprimir, e sim, para ajudar a todos”, frisou Cristiano.

Angélica e Cristiano escolheram a PM seguindo a carreira dos pais

Angélica e Cristiano escolheram a PM seguindo a carreira dos pais

O corregedor geral da SDS, Sidney Lemos, afirmou que o número de denúncias feitas à Corregedoria em relação à violação de direitos humanos é baixo. “Estamos em apuração no caso do casal de Olinda e este ano só recebemos essa e mais uma denúncia parecida”, disse.

Depoimentos:

“Quero ajudar a acabar com a guerra entre a sociedade e a polícia. Estaremos nas ruas para ajudar e não para oprimir”
Ronan Rodrigues da Silva, 31 anos

“Estamos aprendendo a tratar o cidadão com respeito. Para isso estamos tendo aulas de direitos humanos e relação com o público”
Bruno Santos de Araújo, 28 anos

“Desde criança eu sonhava em ser policial militar. A partir de agora, vou lutar para levar segurança para as comunidades”
Welbson Izidorio da Silva, 31 anos

Polícia fará reconstituição do crime no estádio do Arruda nesta segunda-feira

A reconstituição do crime que vitimou o soldador naval Paulo Ricardo Gomes da Silva, 26 anos, que acontecerá na próxima segunda-feira, vai ajudar a polícia a comprovar tudo o que foi dito em depoimento pelos três presos até o momento.

Polícia quer comprovar depoimentos dos suspeitos. Foto: Paulo Paiva/DP/D.A Press

Polícia quer comprovar depoimentos dos suspeitos. Foto: Paulo Paiva/DP/D.A Press

A reprodução simulada será feita por volta das 18h. Mesmo na prisão, Everton Filipe Santiago, 23, Luiz Cabral de Araújo Neto, 30, e Waldir Pessoa Firmo, 34, deverão comparecer ao estádio do Arruda, de onde lançaram os dois vasos sanitários que causaram uma morte e feriram mais três pessoas para refazer os passos do ato brutal que praticaram.

 

Os advogados de Everton, Luiz Cabral e de Waldir já receberam as notificações para que seus clientes compareçam à reprodução simulada. Os pedidos também já foram encaminhados à Justiça. Para encerrar as investigações, o DHPP aguarda ainda os laudos do IC e do Instituto de Identificação Tavares Buril.

Leia matéria completa sobre o assunto na edição do Superesportes do Diario de Pernambuco deste sábado.