Viúva de Artur Eugênio espera que a Justiça seja feita

“Agora espero que a Justiça seja feita. Quero que ele seja julgado, condenado e pague por tudo que fez.” O desabafo é da médica Carla Azevedo, viúva de Artur, em relação à participação de Cláudio Amaro Gomes na morte. De acordo com o delegado, mesmo os suspeitos da morte não tendo confessado participação, uma testemunha viu o momento em que o médico Cláudio Amaro entregou um pacote de dinheiro para o filho Cláudio Amaro Júnior, que repassou para os executores.

Carla Azevedo contou que o marido e Cláudio Gomes tinham divergências. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

A médica Carla Azevedo espera que os suspeitos do crime sejam punidos. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

De acordo com o advogado Bruno Lacerda, que defende o médico Cláudio Gomes, seu cliente negou em depoimento que participasse de qualquer esquema ilícito de pedido de materiais. “Doutor Cláudio disse que jamais fez nada ilegal nem participou de esquema fraudulento. Ele contou que toda movimentação de pedido de materiais é controlada pelo hospital e que era impossível haver alguma fraude”, afirmou Lacerda.

O advogado disse que não vê necessidade do médico ficar na prisão. “Ele não oferece perigo à sociedade. Caso a prisão preventiva seja acatada pela Justiça, vamos entrar com um pedido de habeas corpus”, adiantou.

Médico Cláudio Gomes suspeito de superfaturar operações

O superfaturamento de cirurgias e o recebimento de percentuais do valor pago por convênios pela internação de pacientes na UTI estão entre as novas acusações contra o cirurgião torácico Cláudio Amaro Gomes, 57 anos, preso por tramar a morte do colega Artur Eugênio Azevedo, 36. Segundo a polícia, a descoberta desses desvios por Artur levou Cláudio a planejar o crime.

 (FOTOS: REPRODUÇÃO TV CLUBE)

A vítima foi encontrada morta a tiros em 12 de maio, às margens da BR-101, em Jaboatão. A conclusão do inquérito foi apresentada ontem pelo delegado Guilherme Caraciolo. Uma das testemunhas ouvidas pela polícia disse que escutou de Artur que Cláudio fazia pedidos excessivos de materias para procedimentos cirúrgicos.

Segundo Caraciolo, um dos exemplos do superfaturamento dos pedidos feitos aos convênios foi constatado numa cirurgia de lobectomia pulmonar. A testemunha soube através de um convênio que o custo com material seria de cerca de R$ 30 mil caso a cirurgia fosse realizada em João Pessoa, mas que chegava a R$ 120 mil se feita por Cláudio Amaro no Recife.


Jailson e Flávio ainda não foram presos pelo crime que vitimou Artur Eugênio

“A testemunha disse que o principal custo desses materiais é um tipo de cola que nem era utilizada nas cirurgias, mas que era socilitada. Artur era um arquivo ambulante das coisas erradas que Cláudio fazia no decorrer da sua vida profissional”, afirmou o delegado.

Caraciolo explicou que Artur desfez a sociedade com Cláudio por não aceitar as “falcatruas” praticadas pelo médido. “Antes de Artur, vários médicos já tinham desistido de trabalhar com ele”, comentou Caraciolo. As desavenças entre a vítima e Cláudio Gomes motivaram a abertura de um processo administrativo no Hospital das Clínicas, onde Artur foi reprovado na avaliação de Cláudio.

“Artur comentou com colegas que era perseguido por Cláudio e que iria processá-lo por assédio moral. Ele disse isso duas semanas antes de ser morto”, ressaltou o delegado.

Para a polícia, não restam dúvidas sobre o crime. Além do médico Cláudio Amaro Gomes e do filho dele, o bacharel em direito Cláudio Amaro Gomes Júnior, 32, os mandantes, outras três pessoas foram indiciadas.

A polícia também pediu as prisões preventivas de Lyferson Barboza da Silva, 26, Flávio Braz de Souza, 32, Jailson Duarte Cesar, 29. Flávio teria atirado em Artur. Jailson apresentou Lyferson e Flávio a Cláudio Amaro Júnior. O valor acertado para e execução da vítima pode ter chegado a até R$ 100 mil.

Passo a passo

Imagens do Hospital de Câncer mostram Cláudio Amaro Júnior no dia 12 de maio. Ele entra no ambulatório, confere se Artur está no local e volta às 18h26 para o estacionamento, onde Flávio Braz o aguarda num Celta.

Artur Eugênio deixa o ambulatório às 19h56. Cláudio Júnior e Flávio tentam ligar o carro para segui-lo. Eles empurram o Celta e esperam o cirurgião do lado de fora do hospital, antes de segui-lo ao Hospital Português

Os últimos registros feitos da vítima e dos suspeitos mostram o Celta com os suspeitos emparelhando o Golf de Artur na porta do prédio do médico. Flávio e Lyferson entram no carro de Artur e o levam ao local da execução