As “mulheres-caranguejo” do bairro de Santo Amaro

Uma ferida exposta aos olhos de todos mas que ninguém se preocupa em curar. A situação das mulheres que fazem sexo em troca de pouco dinheiro para manter o vício das drogas está descrita na edição impressa do Diario de Pernambuco desta terça-feira a partir do depoimento das garotas que vivem no mangue. Chamadas pela repórter Marcionila Teixeira de “mulheres-caranguejo”, essas jovens contam como é a vida dentro da área de lama da Avenida Artur Lima Cavalcanti, no bairro de Santo Amaro.

Fotos: Allan Tores/Esp DP/D.A Press

Mulheres recebem clientes a qualquer hora. Fotos: Allan Tores/Esp DP/D.A Press

São relatos que, de tão fortes, chegam a ser chocantes. Elas contam que são vítimas de agressões e torturas e que também recebem um dinheiro extra caso atendam ao desejo dos clientes. Quem anda pelo centro do Recife e costuma se dirigir a Olinda a partir da Ponte do Limoeiro ou da Rua da Aurora, certamente já percebeu a movimentação da prostituição. Carros, motos, bicicletas e pedestres não escolhem dia nem hora para procurar o serviço das mulheres que perambulam de um lado a outro da via.

Dklajdkasjlas

Jovens mostram seus corpos e dizem fazer sexo para comprar drogas

Nem mesmo as câmeras de monitoramento instaladas ao longo da via e as rondas policiais realizadas na área são capazes de inibir a procura pelo sexo barato no conhecido ponto dentro da lama. Veja no vídeo abaixo os depoimentos de algumas dessas mulheres que trocam o sexo pela droga.

Polícia Federal faz palestras em escolas sobre pedofilia e outros crimes pela internet

A Polícia Federal em Pernambuco tem promovido palestras em escolas das redes pública e particular, igrejas, clubes, empresas e associações, para orientar pais e filhos em como se proteger de ataques de pedófilos e outros crimes utilizando a rede mundial de computadores.

As atividades são desenvolvidas ao longo de todo o ano pela Polícia Federal e para solicitar as palestras basta manter contato através do fone (81) 2137.4076 e fazer sua solicitação. As palestras são gratuitas.

Entidades temem que exploração aumente na Copa do Mundo. Foto: Blenda Souto Maior/DP/D.A Press

De acordo com a polícia, crianças e adolescentes com idades entre 2 e 16 anos são as maiores vítimas. Foto: Blenda Souto Maior/DP/D.A Press

Nessas palestras pais são orientados por especialistas da polícia federal em como devem identificar possíveis sinais de ataques de pedófilos através do comportamento da criança, vigilância no acesso à internet e os filhos recebem informações de segurança ao utilizar páginas de relacionamento, bem como as estratégias utilizadas por pedófilos para atraí-los. Dentre algumas dicas que são repassadas para os pais e alunos em como utilizar sua página de relacionamento estão:

PARA OS PAIS:

  • Os pais devem supervisionar os acessos dos filhos de uma forma discreta;
  • A vida moderna exige que os pais tenham pelo menos conhecimento básico de internet e redes sociais para que eles possam instruir seus filhos – não conhecendo tais tecnologias eles estarão em desvantagem porque não saberão como devem proceder para ajudar seus filhos.
  • Os pais devem atrair a confiança dos filhos através de um diálogo aberto e sincero sem qualquer tipo de repressão, acusação ou condenação para que ao primeiro sinal de perigo a criança possa sentir-se a vontade e procurar a sua ajuda e nunca a de um desconhecido;
  • Diariamente os pais devem falar com seus filhos acerca de como foi a sua rotina com perguntas:

1) Como foi o seu dia hoje?

2)  Percebeu algo estranho, algum tipo de conversa inapropriada ou fotos com conteúdo adulto ao acessar a internet?

3) Conheceu alguma pessoa nova na escola ou na rede social? Alguém conhece essa pessoa?

PARA OS FILHOS:

  • Evitar postar informação pessoal em demasia. (Os criminosos podem utilizá-las para conhecer as preferências, aspirações, anseios e gostos particulares para se passar por alguém da mesma idade e que tem as mesmas características);
  • Evitar postar fotos em excesso: com pessoas (grupos de amigos), carros (a placa localiza o endereço), casa (mostra onde a pessoa mora); Vete o acesso de suas fotos para o público em geral.
  • Só adicione em seu perfil pessoas que você tem certeza que conhece pessoalmente. Nunca inclua desconhecidos nos contatos;
  • Há tempo para tudo. Nunca se exponha por muitas horas na internet.

O Brasil possui o quarto lugar no consumo de pedofilia no mundo. Não existe um perfil definido para se reconhecer um pedófilo, porém dentre as possíveis causas que levam uma pessoa á prática da pedofilia estão à sexualidade reprimida, perversão sexual, abuso na infância e transtornos de origem psicológica.

Suas estratégias para atrair crianças e adolescentes pela internet pode ser facilmente detectadas, suas vítimas geralmente são crianças e adolescentes entre 2 e 16 anos que foram abusadas sexualmente e tiveram suas imagens distribuídas na internet para consumo da rede criminosa que se estende pelo mundo.

Pioneira nesta área de investigação no Brasil a PF investiga tais casos através de iniciativa própria ou de denúncias feitas através do site www.pf.gov.br e sendo comprovada a existência do crime é instaurado inquérito policial e daí para frente passa-se a investigar os possíveis suspeitos com o objetivo de encontrar provas que identifique-o para realização de sua prisão.

Além dos sites já mencionados acima outros números também poderão ser acionados para fazer denúncias tais como: O nº 100, 3421-9595, além do 190 da Polícia Militar, o sigilo da informação e o anonimato são garantidos.

Com informações da assessoria de comunicação da PF

Gedalya Tauber chega ao Recife e já está preso no Cotel

O israelense Gedalya Tauber, 78 anos, que chefiou um esquema internacional de tráfico de órgãos com atuação no Recife, já está no Centro de Triagem, em Abreu e Lima. Após mais de cinco anos fora do Brasil, Gedalya agora deverá ficar preso novamente até março de 2018, quando termina sua pena. Acompanhado do delegado da Polícia Federal Alexandre Lucena e de um agente, o israelense desembarcou no Recife às 15h de ontem, fez exame de corpo de delito no IML e depois seguiu para o Cotel. Tauber foi preso pela primeira vez em dezembro de 2003.

Israelense veio escoltado por policiais federais. Foto: PF/Divulgação

Israelense veio escoltado por policiais federais. Fotos: PF/Divulgação

Segundo o delegado Alexandre Lucena, o israelense não precisou vir algemado. “Não sabemos o que ele fez esse tempo em que passou fora do Brasil. Ele contou apenas que esteve no Canadá, Israel e nos Estados Unidos visitando filhos e netos, mas não deu detalhes de onde morou nem o que fez”, explicou o delegado. Ainda segundo Lucena, para que Gedalya embarcasse foi preciso tirar um novo passaporte, pois o dele ficou retido na polícia italiana. Tauber chegou a passar mal durante o voo internacional e recebeu cuidados médicos no Aeroporto de Guarulhos.

Gedalya Tauber foi preso em junho do ano passado na Itália

Gedalya Tauber foi preso em junho do ano passado na Itália

O juiz da 1ª Vara Regional de Execução Penal, Luiz Rocha, afirmou que Gedalya ficará detido no Cotel até que a Justiça decida em qual unidade prisional ele irá terminar de cumprir sua pena. “Ele ficará no regime fechado, a princípio. Além disso, perde o benefício de ter um novo livramento condicional. Há informações não confirmadas de que Gedalya teria outras condenações por crimes na Itália e em Israel, mas isso precisa ser averiguado”, ponderou o magistrado.

Ex-oficial do Exército de Israel, Gedalya foi condenado a 11 anos e nove meses e depois conseguiu redução para oito anos, nove meses e 22 dias. Após cumprir parte da pena, conseguiu o livramento condicional mas não poderia deixar o país. No entanto, em janeiro de 2009, com autorização judicial para uma viagem de 30 dias a Israel, aproveitou para fugir e passou a ser considerado foragido em 2010. As pessoas que venderam órgãos ao israelense receberam valores entre R$ 5 mil e R$ 30 mil.

Homem é morto dentro de ônibus no Terminal Joana Bezerra

Passageiros de um ônibus que fazia a linha PE-15 Joana Bezerra tiveram um grande susto no início da noite deste sábado quando um homem foi morto com um tiro na cabeça dentro do coletivo.

Crime aconteceu por volta das 18h. Fotos: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

Crime aconteceu por volta das 18h. Fotos: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

Segundo a polícia, três rapazes subiram no ônibus uma parada antes do terminal. Um deles, que estava armado, entrou pela porta da frente e rendeu o motorista. Enquanto isso, outros dois suspeitos recolhiam pertences dos passageiros. O homem morto foi identificado pela polícia como Jaderson Rodrigues dos Santos, 24 anos, que segundo a polícia, era um dos assaltantes.

Policiais civis da Força-tarefa do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) estiveram no local para registrar a ocorrência, assim como também peritos do Instituto de Criminalística (IC). A pessoa que atirou não foi identificada.

Muitos passageiros que chegavam e saíam da Estação do Metrô Joana Bezerra ficaram assustados com a movimentação no local. Após o término da perícia, o corpo da vítima foi encaminhado para o Instituto de Medicina Legal (IML), no bairro de Santo Amaro.

Moradores de favelas do Rio disputam “olimpíadas” de rua

Da Agência Brasil

Nos próximos dois meses, mais de 5 mil atletas competirão em modalidades lúdicas e esportivas nos Jogos da Rua, um evento que, em sua primeira edição, reúne delegações de 32 complexos de favelas da região metropolitana do Rio. Com esportes como o futebol e o basquete e brincadeiras como amarelinha, pau na lata e peteca, a competição busca integrar as comunidades e aumentar a autoestima dos moradores.

“Eles não estão aqui defendendo uma competição, estão aqui defendendo a bandeira da favela deles. Já que eles moram lá, e já que a favela existe, precisamos valorizar esse território que sempre foi estigmatizado”, disse Celso Athayde, integrante do conselho da Central Única de Favelas (Cufa), que organiza os jogos. “As favelas são territórios que não podem conviver por barreiras historicamente construídas. Então, a gente cria formas de integração e alguns símbolos para que possamos ir eliminando essas barreiras. Os jogos são mais um salto neste pensamento”.

A escolha das 21 modalidades lúdicas procurou valorizar atividades que fazem parte do cotidiano e do lazer dos moradores das comunidades. Dentre os jogos que terão premiação com medalhas de ouro, prata e bronze estão dominó, sinuca, queimada, pião, pipa, sueca, totó, golzinho de rua, estilingue e futebol de botão. Até a batalha do passinho (uma competição de dança), nova moda nas comunidades, foi contemplada.

Comunidades do Rio participam dos jogos de rua
Nos próximos dois meses, mais de 5 mil jovens participarão dos Jogos da Rua, evento que reúne delegações de 32 complexos de favelas da região metropolitana do RioTânia Rêgo/Agência Brasil

“Não existe na favela espaço físico em que a gente possa praticar atividades de alta perfomance, de alto rendimento. A gente resolveu valorizar o que a favela já faz, fazendo com que eles produzam o evento também”, disse Celso, que acrescentou que os jogos levam aos moradores das comunidades o espírito dos grandes eventos esportivos, dos quais são excluídos. “Eles não participam nem como voluntários, porque têm que saber inglês, então, como participar desse processo de alguma maneira e ter algum sentimento de pertencimento?”

Na cerimônia de abertura, sob o Viaduto Negrão de Lima, espaço cultural de grande importância em Madureira, na zona norte do Rio, o atleta olímpico do taekwondo Diogo Silva acendeu a pira que representa o início dos jogos. Amanhã (3), a competição começa com a primeira fase das disputas de amarelinha, com dois representantes de cada favela por gênero. Os jogos ocorrerão apenas nos fins de semana e um quadro atualizado de medalhas vai ser mantido no site da Cufa.