Três vidas forjadas na violência

Leonardo, Ronaldo e Leandro. Três jovens. Três Silvas. Três vidas marcadas pela violência. Os irmãos procurados pela polícia por incendiar dois ônibus na Estrada do Barbalho, na Iputinga, também podem ser os responsáveis por cometer assassinatos na comunidade do Detran, onde moram. Essa vida de crimes teria começado após um outro ato bárbaro: os irmãos vieram para o Recife depois que sua mãe foi estuprada e assassinada em Bom Jardim, a 104km da capital.

Policiais militares estarão de prontidão durante 24 horas. Foto: Julio Jacobina/DP/D.A Press

Policiais militares estarão de prontidão durante 24 horas. Fotos: Julio Jacobina/DP/D.A Press

Ontem, enquanto a polícia procurava os suspeitos, a circulação de duas linhas, que tinha sido suspensa após os incêndios da noite da segunda-feira e na manhã da terça, foi retomada mediante reforço policial com 18 viaturas, três motos e 41 policiais militares.

Segundo a polícia, Leonardo Santos da Silva, 28; Ronaldo Adriano dos Santos da Silva, 27; e Leandro Lucas da Silva, 25, são irmãos de Romário Lucas da Silva, 21, preso por policiais militares, na última segunda-feira, juntamente com sua esposa de 17 anos, com 48 pedras de crack.

Dois coletivos foram incendiados na Estrada do Barbalho nesta semana

Dois coletivos foram incendiados na Estrada do Barbalho nesta semana

Os quatro fariam parte de uma quadrilha de tráfico e são considerados perigosos. Os incêndios aos coletivos seriam uma retaliação à prisão de Romário e da adolescente. Todos têm passagem pela polícia por tráfico de drogas. Contra Leonardo há ainda um mandado de prisão preventiva decretado em março, por uma tentativa de homicídio em outubro de 2014. A polícia acredita que ele seja responsável também por três mortes na comunidade do Detran e investiga os outros irmãos por envolvimento nesses assassinatos.

De acordo com o comandante do 13º Batalhão, tenente-coronel Carlos José, alguns policiais estão em pontos fixos. “Além do reforço no número de viaturas, aumentamos a quantidade de policiamento motorizado. Esse esquema será mantido até a situação ser normalizada”, garantiu o oficial. Ontem, várias viaturas foram vistas na comunidade.

Fuga a nado
Segundo o delegado Ricardo Cysneiros, os suspeitos conseguiram escapar do cerco policial nadando pelo Rio Capibaribe até a Ilha do Babanal, no Monteiro. “Abrimos dois inquéritos para investigar os casos separadamente. Até agora, temos as identificações desses três irmãos, mas pode haver mais envolvidos.”

A polícia pede que a população colabore repassando informações sobre o paradeiro dos suspeitos ou revelando nomes de outros envolvidos. “Vamos ouvir alguns passageiros que estavam nos coletivos e ver se as câmeras dos ônibus conseguiram registrar as imagens dos suspeitos”, acrescentou o delegado.