Ambulantes da Agamenon serão cadastrados pela Polícia Militar

A Polícia Militar vai passar a recolher os dados de vendedores ambulantes que circulam pela Avenida Agamenon Magalhães, no Centro do Recife, para ajudar a identificar suspeitos de assaltos na região. Na noite da última terça-feira, um adolescente de 13 anos que se passava por vendedor de pipocas para assaltar foi apreendido. A partir de segunda-feira, os policiais vão consultar vendedores, solicitando nome, telefone, endereço e identidade. O objetivo é criar uma rede para facilitar o direcionamento das rondas.
Medida pretende reduzir assaltos na avenida. Foto: Edvaldo Rodrigues/DP

Medida pretende reduzir assaltos na avenida. Foto: Edvaldo Rodrigues/DP

A medida vai começar pelo 16º Batalhão da PM, responsável por Santo Antônio, São José, Bairro do Recife, Joana Bezerra, Coelhos, Ilha do Leite, Paissandu, Boa Vista, Soledade e Santo Amaro. Com o levantamento de possíveis antecedentes criminais será mais fácil investigar aqueles que  roubam fingindo ser comerciantes.

“Vamos começar com uma pesquisa de campo e contamos com a colaboração dos ambulantes que desejam fornecer seus dados. Além de facilitar nosso trabalho, essa medida vai dar mais segurança a eles e aos transeuntes. Aqueles que se aproveitam vendendo água ou pipoca para assaltar não são assíduos na região. Com a identificação dos que exercem atividade econômica fica muito mais fácil de montar uma dinâmica na ronda e direcionar nosso trabalho”, explica o capitão Diogo Racticliff.

Será criado um grupo no WhatsApp com os ambulantes cadastrados e a polícia para repassar informações e ocorrências. Segundo Racticliff, a população deve colaborar informando sobre assaltos, inclusive na Delegacia interativa, através do site www.servicos.sds.pe.gov.br/delegacia, ou pelo 190.

A assessoria da PM informou que o policiamento na avenida é feito por uma viatura que fica em frente à Fábrica Tacaruna. Três duplas de policiais com cães também fazem o policiamento no trecho até o Viaduto Capitão Temudo e um trio da Companhia Independente de Policiamento com Motos realiza rondas. Outros reforços são a Plataforma de Observação Elevada em frente ao Hospital Português e as rondas da

Patrulhas do Bairro.

Ladrões de prédios de luxo tinham lista de apartamentos para furtar

A Polícia Civil está tentando identificar os dois fugitivos comparsas de uma dupla de assaltantes que foi detida furtando objetos de um apartamento do Edifício Akrópolis, na Avenida Boa Viagem. O crime aconteceu no início da tarde da quarta-feira. Segundo o delegado Carlos Couto, que investiga o caso, a quadrilha veio de São Paulo com uma lista de apartamentos para invadir e praticar furtos no Recife.

Edifício Akrópolis foi invadido na quarta-feira. Foto: Ricardo Fernandes/DP

Edifício Akrópolis foi invadido na quarta-feira. Foto: Ricardo Fernandes/DP

“Esses suspeitos usavam informações de bancos de dados da internet e imagens do Google Street View para escolher seus alvos”, explicou Couto. Ainda segundo a polícia, o grupo é especializado em ações em prédios de luxo e pode ter praticado outros dois furtos no Recife recentemente.

“Até agora, sabemos que quatro pessoas participaram do crime em Boa Viagem e estamos trabalhando na identificação dos dois que conseguiram escapar. A quadrilha costumava agir em outros estados do Brasil. Como em São Paulo esse tipo de crime já está ‘batido’, eles começaram a atuar em outros locais. Dois deles têm passagem pela polícia em Belo Horizonte e Rio de Janeiro, onde chegaram a ser presos”, ressaltou o delegado. Ainda de acordo com o Couto, o grupo estava no Recife desde o dia 12.

Há cerca de uma semana, eles monitoravam o Akrópolis. “Da orla eles acompanhavam as luzes do edifício para saber a rotina dos moradores. Aqueles que passavam dias sem ter as luzes acesas indicavam que não havia moradores. O grupo ainda telefonava várias vezes para os apartamentos. Eles descobriam que a moradora do Akrópolis estava viajando”, contou.

Para conseguir entrar no edifício considerado de luxo, os suspeitos se passaram por sobrinhos da moradora. Um dia antes, uma mulher, também integrante do grupo, telefonou para o prédio informando que dois sobrinhos dela estariam em seu apartamento. O porteiro do edifício acompanhou os passos dos dois rapazes e percebeu que estavam furtando o imóvel. Eles foram detidos por funcionários do edifício, que acionaram a polícia.

Com a dupla foram encontradas duas chaves de fenda e uma bolsa contendo todo o material furtado do apartamento. Na bolsa, estavam 22 relógios e várias joias. “Essa quadrilha tem foco também em apartamentos onde moram pessoas orientais”, destacou o delegado.