Militares brasileiros mergulhados nas drogas

 

Do jornal Estado de Minas

Com fardas imponentes e armas na cintura, eles são treinados para combater o crime, lutar na guerra, salvar pessoas em perigo. A missão nobre, o regime rigoroso de disciplina e uma legislação penal própria extremamente dura, porém, não têm livrado os militares do flagelo das drogas. É crescente o uso de bebida, maconha, pó e pedra nos quartéis. No ano passado, 161 denúncias contra integrantes das Forças Armadas chegaram à Justiça Militar — uma média de 14 por mês. De janeiro à primeira quinzena de junho, foram 56.

O serviço de saúde do Exército encaminhou, de 2010 para cá, 42 usuários graves de crack para internação prolongada. Na Marinha, seis receberam tratamento. A Aeronáutica se recusou a passar informações sobre o assunto. Na Polícia Militar e no Corpo de Bombeiros do Distrito Federal, o tema também é tratado com sigilo. Mas Paulo*, que é PM, e José*, bombeiro, aceitaram conversar com o Estado de Minas. Eles relataram o drama das drogas no mundo militar, as dificuldades e facilidades que a carteira diferenciada traz para um usuário e como estão tentando abandonar o vício.

Prestes a completar 20 anos de Justiça Militar, o ministro Olympio Pereira da Silva Junior, vice-presidente do Superior Tribunal Militar, é taxativo: “Os casos estão aumentando, principalmente com o crack. O que aparece no meio civil, aparece aqui dentro também, não tem jeito”. Ele lembra que, embora praticamente todos os processos sejam de militares com pequenas quantidades de drogas, no Código Penal Militar não existe a figura do usuário. “0,01 grama ou 30 quilos é tudo crime, com reclusão de até cinco anos, podendo haver desligamento da instituição”, explica.

*Nomes fictícios a pedido dos entrevistados

 

José – Bombeiro
“Já deixei minha arma por droga na boca”

Da cerveja socialmente aos porres com bebida destilada, ainda nos primeiros tempos de bombeiro, passaram-se não mais que cinco anos. “Quando vi tinha me tornado um alcoólatra. Levava vodca para o quartel. Faltava ao serviço, os colegas iam me buscar em casa bêbado porque senão era deserção”, conta José. A vontade de parar levou o brasiliense, hoje com 40 anos, a procurar ajuda. Mas, entre uma e outra recaída, ele conheceu a cocaína. Com ela, vieram as piores sensações. “Mania de perseguição, ciúme em excesso, alucinação, paranoia mesmo”, conta.

O medo que ainda havia de perder o emprego foi se dissipando. “Usava cocaína dentro do quartel. Chegou uma hora em que pensei: ‘Se quiserem me reformar, dane-se. Vou usar droga até morrer’.” Enquanto as perdas de José aumentavam — sem mulher, longe do filho, sem dinheiro —, sua noção de limite diminuía. “Já deixei minha arma por droga na boca. Vendi uma TV também. Guardava cocaína no carro, fui parado em blitz bêbado. Era só mostrar minha identificação militar que estava liberado”, lembra. “As pessoas veem a gente como um herói. Então, para os vizinhos e conhecidos, nunca fui o José. Sempre era o bombeiro. Passei a ser o bombeiro que chegava doidão, drogado, bêbado. É difícil pedir ajuda”, diz. Desde março sóbrio, o militar de músculos bem torneados e rosto bonito se mantém firme no tratamento. “Sou um bom profissional, sei que posso chegar a major”, aposta José, com 23 anos na corporação.

 

Paulo – Policial Militar
“Passava cinco, oito dias usando crack direto”

Aos 18 anos, quando vestiu a farda da Polícia Militar do DF pela primeira vez, Paulo combatia a droga por convicção. Somente aos 30, para acompanhar a então mulher, passou para o outro lado. “Foram 10 anos usando cocaína, sem grandes prejuízos. Quando experimentei o crack, vi o fundo do poço. Em cinco meses, estava acabado”, conta Paulo. Com faltas excessivas e sem condições de trabalhar, ele pediu ajuda ao comandante do quartel, que o encaminhou para o Centro de Assistência Social da PM do DF, chamado pela sigla Caso.

Hoje existem cerca de 70 policiais militares sendo tratados no Caso. A PM afirmou que 12% da corporação são dependentes de álcool, segundo estudo de 2008. “Novos levantamentos apontam para um percentual maior”, diz a nota. Paulo não arrisca levantamentos, mas a experiência o leva a uma conclusão grave: “A PM e os bombeiros estão doentes”.

Pai de cinco filhos, o maranhense de 45 anos se lembra com tristeza da época em que fumava a pedra. “Passava cinco, oito dias usando crack direto, sem querer saber de nada. É uma droga miserável. Foi preciso um baque grande, uma traição conjugal, para eu acordar”, afirma. Mais de cinco meses sem consumir, participando de terapia individual e em grupo, além de sessões de musculação para combater a ansiedade, Paulo não se importa com os cochichos e olhares atravessados dos colegas. “Comentam: ‘Esse aí foi internado por causa de crack’. Eu não ligo, o que importa é que estou limpo.”

Mução cai na pegadinha do próprio irmão

 

Depois de passar quase 48 horas preso pela Polícia Federal (PF), o radialista Rodrigo Vieira Emerenciano, 35 anos, o Mução, ganhou a liberdade após saber que, na verdade, estava respondendo por um crime cometido pelo seu irmão, segundo a PF. Muito famoso por seu programa de rádio e por passar trotes para pessoas de todo o Nordeste, Mução, desta vez, foi a vítima de uma grande pegadinha. E o pior, protagonizada pelo próprio irmão, que trabalhava com ele. O humorista chorou e ficou muito abalado, ao saber que estava preso porque seu irmão teria criado e-mails e perfis nas redes sociais em seu nome, de onde acessava e compartilhava imagens de bebê, crianças e adolescentes em cenas de sexo explícito. O que é crime. De acordo com os delegados da PF, depois da prisão de Mução, as diligências continuaram até que se chegou ao irmão dele, que é engenheiro da computação. O rapaz que não teve o nome revelado foi intimado a depor na PF de Fortaleza e lá confessou o crime que cometeu usando a identidade do irmão. Foi indiciado por isso, mas segue em liberdade. Ele poderá responder ainda por falsidade ideológica.

Delegados falaram sobre o caso nessa sexta-feira

Durante todo o dia dessa sexta-feira, a imprensa pernambucana ficou de plantão na PF do Recife à espera de notícias sobre o destino de Mução, que chegou ao Recife pouco antes das 9h escoltado por policiais. A PF iria mandá-lo para o Centro de Triagem, em Abreu e Lima, mas logo mudou de ideia após uma suposta ameaça dos presos daquela unidade prisional. Na noite dessa sexta-feira, os advogados de Mução chegaram à sede da PF e informaram que a prisão dele havia sido revogada. Pouco tempo depois, os delegados Nilson Antunes e Kilma Caminha concederam uma entrevista coletiva explicando os motivos pelos quais Mução estava sendo solto. O radialista deixou a PF sem falar com a imprensa e teria se comprometido a dar uma entrevista neste sábado, no entanto, segundo os advogados, Mução pode divulgar apenas uma nota sobre o que aconteceu. Mais informações no portal www.diariodepernambuco.com.br ou no twitter @wagner__oliver.

MPF denuncia policiais civis envolvidos no tiroteio com a PF

Como o blog já havia antecipado, o Ministério Público Federal (MPF) em Pernambuco denunciou à Justiça Federal os policiais civis Fabiano Ponciano da Silva e Leandro Barbosa de Souza pelo envolvimento no tiroteio que resultou na morte do agente da Polícia Federal (PF) Jorge Washington Cavalcanti de Albuquerque, ocorrida em 5 de janeiro de 2011, no Recife. A denúncia foi feita pelo procurador da República Anderson Vagner Gois dos Santos.

Procurador Anderson Vagner mudou indiciamento do delegado Renato Cintra

Na ação, o MPF requer à Justiça que ambos sejam julgados pelo Tribunal do Júri Federal. Fabiano da Silva é acusado de cometer o crime de homicídio culposo (sem intenção de matar) e Leandro de Souza, homicídio tentado. No inquérito investigado pelo delegado Renato Cintra, da PF, o policiail civil que fez o disparo havia sido indiciado por homicídio doloso (com intenção), no entanto, o procurador não aceitou o resultado e pediu que fosse feita uma reprodução simulada, que ele acompanhou de perto.

Reconstituição do tiroteio esclareceu as dúvidas do Ministério Público Federal

De acordo com as investigações, o policial Fabiano foi responsável pelo tiro que causou a morte do policial federal. Durante o episódio, Leandro de Souza disparou um tiro de pistola na direção de um motociclista que passava pelo local, sem, porém, conseguir atingi-lo. Os dois policiais são também acusados de cometer o crime de fraude processual qualificada, por terem retirado a arma do policial federal do local do conflito.

Presos do Cotel teriam ameaçado Mução

A Polícia Federal (PF) decidiu que não vai mais mandar o radialista Rodrigo Vieira Emerenciano, o Mução, para o Centro de Observação Criminológica e Triagem, Cotel, em Abreu e Lima. Segundo a PF, a delegada responsável pelo caso teria recebido uma informação de que os presos estariam esperando o humorista chegar à unidade prisional. Devido a isso, ele deve ser encaminhado para outro presídio, para um batalhão da PM ou até mesmo passar a noite na sede da PF, no Cais do Apolo.

Mução segue prestando depoimento e nega envolvimento no esquema criminoso. O advogado dele já adiantou que vai entrar com um pedido de habeas corpus em favor do radialista. Mução foi preso durante uma operação da PF que investiga uma quadrilha que praticava pedofilia pela internet. Familiares alegam que ele é inocente. O radialista pode ir fazer o exame de corpo de delito ainda nesta sexta-feira.

Informações direto da sede da Polícia Federal, no Cais do Apolo.

Mais notícias pelo twitter @wagner__oliver

Após ser ouvido, Mução deve ir para o presídio

A Polícia Federal já informou que o radialista Rodrigo Vieira Emereciano, 35 anos, o Mução, dever ser levado para o Centro de Observação Criminológica e Triagem, o Cotel, em Abreu e Lima. Mução está prestando depoimento na sede da Polícia Federal, no Cais do Apolo, enquanto isso, seus advogados tentam conseguir um habeas corpus para evitar que o radialista seja levado ao presídio. Como não tem curso superior, Mução deve ficar em cela comum na unidade prisional.

O depoimento do radialista deve terminar antes das 12h. Segundo a PF, depois do interrogatório, Mução será levado para fazer exame de corpo de delito no Instituto de Medicina Legal (IML). Até o momento, nenhum familiar do humorista chegou à sede da PF. Mução chegou ao Recife pouco depois das 9h, no voo 4207 da empresa Azul. Ele entrou no prédio da PF pela porta dos fundos, em um veículo Corolla.

Os familiares e advogados do artista dizem que ele é inocente e que tudo será esclarecido em breve. Mução está com a prisão temporária decretada por cinco dias, que pode ser prorrogada por mais cinco. No entanto, a PF pode pedir a prisão preventiva.

Com informações do repórter Glynner Brandão

Mução já está no Recife para depor na Polícia Federal

 

O humorista Mução já chegou ao Recife e está sendo recambiado neste momento para a sede da Polícia Federal (PF), no Cais do Apolo. Rodrigo Vieira Emereciano, 35 anos, foi detido nessa quinta-feira, em Fortaleza, suspeito de fazer parte de uma quadrilha de pedofilia através da internet. Familiares e advogados do artista afirmam que ele é inocente. Mução chegou ao Recife pouco antes das 9h, num voo da Azul. Ele vai ser ouvido por delegados pernambucanos.

Até o final da noite dessa quinta-feira, os advogados estavam aguardando que o pedido de habeas corpus em favor do radialista fosse julgado, o que não aconteceu. De acordo com o advogado Waldir Xavier, Mução não tem qualquer ligação com o grupo que está sendo investigado por disponibilizar e trocar imagens na internet de cenas de sexo explícito envolvendo bebês, crianças e adolescentes. Um total de 32 pessoas foram presas em nove estados do Brasil, como resultado da Operação Dirty Net (rede suja).

Mais informações em instantes.

 

Mução fez exame de corpo de delito e segue preso

 

O radialista Rodrigo Vieira Emereciano, 35 anos, mais conhecido como Mução, continua preso na Polícia Federal de Fortaleza. Na tarde desta quinta-feira, o humorista chegou a deixar o prédio da PF para fazer exame de corpo de delito no Instituto de Medicina Legal (IML) de Fortaleza, mas retornou à prisão. Mução foi ouvido pelos investigadores cearenses. Ele está acompanhado de uma advogada, dos produtores do seu programa, além dos familiares.

Os advogados do artista informaram que irão entram com o pedido de habeas corpus ainda hoje para tentar tirá-lo da prisão. “Ele está tranquilo porque não tem nada haver com essa situação. Mução disse que confia na Justiça e na lisura da investigação, que irá provar que ele não tem envolvimento com esses crimes”, disse o advogado Valdir Xavier.

Segundo a PF, o radialista seria suspeito de disponibilizar material de pornografia infantil na internet. A informação foi confirmada nesta manhã durante entrevista coletiva concedida pela Superintendência da Polícia Federal em Pernambuco sobre a operação DirtyNet.

 

Mulher presa com 2 kg de crack em ônibus

 

Policiais militares do serviço reservado do Comando Geral da Polícia Militar prenderam na tarde desta quinta-feira uma mulher com dois quilos e vinte gramas de crack dentro da bolsa. Luciana Soares dos Santos, 31 anos, estava dentro de um ônibus da empresa 1002, que vinha de Surubim para o Recife, quando foi abordada pelos policiais nas imediações do Caxangá Golfe Club, na Avenida Caxangá, no bairro da Várzea. Segundo a polícia, os dois quilos da droga dariam para produzir aproximadamente cinco mil pedras de crack. O caso e a suspeita estão seguindo para o Departamento de Repressão ao Narcotráfico (Denarc). Luciana disse que iria entregar a droga a um homem no Cabo de Santo Agostinho e que pelo serviço receberia a quantia de R$ 1 mil.

 

Leia mais sobre apreensão de drogas

Produção de Mução diz que ele é inocente

 

Os produtores do radialista Rodrigo Vieira Emereciano, 35 anos, mais conhecido como Mução, afirmam que ele é inocente. Mução está sendo ouvido neste momento pela Polícia Federal (PF) de Fortaleza, após ter sido preso temporariamente. Além dele, que está sendo acompanhado por uma advogada, funcionários do programa A hora do Mução, que está no ar há 16 anos, também estão sendo interrogados. Segundo a PF, o radialista seria suspeito de disponibilizar material de pornografia infantil na internet. A informação foi confirmada nesta manhã durante entrevista coletiva concedida pela Superintendência da Polícia Federal em Pernambuco sobre a operação DirtyNet.

Segundo o produtor de Mução, Rogério Emereciano, existem provas de que o humorista é inocente e que em breve será divulgada uma nota explicando o que teria acontecido. O programa A hora do Mução é transmitido para 45 rádios de todo o Nordeste. Mução foi detido na casa onde mora, no bairro de Meireles, em Fortaleza. De acordo com investigações realizadas pela PF, o radialista faria parte de um círculo fechado de 160 pessoas, 97 estrangeiras e 63 brasileiras, que trocavam conteúdo ilegal com imagens de adolescentes e crianças em situações pornográficas.

Além do mandado de prisão temporária contra Mução, os policiais federais também cumpriram mandados de busca e apreensão em imóveis do radialista no bairro da Imbiribeira, no Recife, em Fortaleza e em Natal e ainda na emissora de rádio onde ele atua, no bairro de São José, no Recife. Nos locais foram apreendidos materiais como computadores, Cds e DVDs. Ainda de acordo com a PF, caso os agentes encontrem entre o material recolhido conteúdo de pornografia infantil, será decretada a prisão preventiva, diante das provas de materialidade do crime.

 

 

Humorista Mução é preso em operação da Polícia Federal

 

O apresentador de rádio Mução foi um dos suspeitos presos na manhã desta quinta-feira pela Polícia Federal (PF) que está realizando uma operação de combate à pedofilia e pornografia infantil nos estados de Pernambuco, Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia, Ceará, Maranhão, Rio Grande do Norte e no Distrito Federal. O humorista que apresenta um programa diário numa rádio local foi detido em Fortaleza. A superintendência da PF em Pernambuco realiza nesta manhã uma entrevista coletiva para apresentar o balanço da ação.

mucao

Segundo a PF, pelo menos quatro dos 15 mandados de prisão expedidos pela Justiça já foram cumpridos. A operação DirtyNet (internet suja), como foi batizada, pretende cumprir ainda 50 mandados de busca e apreensão. O objetivo é desarticular uma quadrilha que compartilhava material de pornografia infantil pela internet. Os suspeitos vinham sendo investigados há cerca de seis meses. Durante esse período os integrantes do grupo foram flagrados trocando arquivos com cenas de adolescentes, crianças e bebês em contexto de abuso sexual. Os suspeitos também relatavam crimes de estupro cometidos contra os próprios filhos, além de sequestros, assassinatos e atos de canibalismo.