Caso Betinho: inquérito é concluído

O Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil vai apresentar nesta quarta-feira, às 10h, a conclusão do inquérito que apurou a morte do professor José Bernardino da Silva Filho, 49 anos, encontrado morto dentro do seu apartamento no último dia 16 de maio. Segundo a polícia, os dois suspeitos do crime são dois alunos do Colégio Agnes, onde a vítima trabalhou durante dez anos. Os estudantes têm 19 e 17 anos. Eles deverão ser indiciados por homicídio. Em dois depoimentos prestados ao delegado Alfredo Jorge, responsável pelo caso, ambos negaram participação no crime.

Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

Caso foi investigado pelo delegado Alfredo Jorge. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

Para tentar evitar a possível prisão do estudante de 19 anos, que é filho do diretor do Agnes, seus advogados deram entrada num pedido de habeas corpus preventivo na Justiça. O pleito foi negado pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE). Segundo a polícia, as impressões digitais dos dois estudantes foram encontradas em objetos usados para matar Betinho, como a vítima era conhecida, e em um móvel no apartamento do professor. O habeas corpus foi negado pelo juiz Alfredo Hermes Barbosa de Aguiar Neto, da 12ª Vara Criminal da Capital, que alegou que o estudante “não foi indiciado ainda pelo crime pelo qual alega estar sendo injustamente acusado.”

Crime está sendo investigado pelo delegado Alfredo Jorge do DHPP. Foto: Roberto Ramos/DP/D.A Press

Crime aconteceu no Edifício Módulo. Foto: Roberto Ramos/DP/D.A Press

O corpo de Betinho foi encontrado despido da cintura para baixo, na noite do dia 16 de maio, com as pernas amarradas por um fio de ventilador e com um fio de ferro elétrico enrolado ao pescoço. Segundo a polícia, o ferro elétrico foi utilizado para dar pancadas na cabeça da vítima. As digitais do adolescente estavam no ferro e no ventilador. Já as digitais do jovem de 19 anos estavam em uma cômoda do apartamento que fica no Edifício Módulo, na Avenida Conde da Boa Vista. Além do Agnes, Betinho também trabalhava na Escola Municipal Moacir de Albuquerque, no bairro de Nova Descoberta, de onde havia pedido transferência uma semana antes de ser assassinado.

Polícia fará acareação no caso Betinho nesta sexta-feira

Nesta sexta-feira (21), o delegado Alfredo Jorge, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), fará uma acareação entre cinco pessoas referente às investigações da morte do professor José Bernardino da Silva Filho, 49 anos. O inquérito que apura esse crime dever ser concluído no final deste mês.

Crime está sendo investigado pelo delegado Alfredo Jorge do DHPP. Foto: Roberto Ramos/DP/D.A Press

Betinho foi encontrado morto no dia 16 de maio. Foto: Roberto Ramos/DP/D.A Press

Fontes do blog revelaram que os advogados do estudante de 19 anos suspeito de envolvimento na morte de Betinho, como a vítima era conhecida, apresentaram duas testemunhas ao delegado afirmando que as mesmas teriam ouvido a confissão dos dois primeiros rapazes que foram apontados como suspeitos do crime. Os dois homens chegaram a prestar depoimento, negaram participação na morte e foram liberados.

Professor trabalhava no Agnes e na rede municipal de ensino. Foto: Arquivo Pessoal

Professor trabalhava no Agnes e na rede municipal de ensino. Foto: Arquivo Pessoal

Após receber a petição da defesa do aluno do Colégio Agnes, o delegado Alfredo Jorge chamou as duas testemunhas, que são mãe e filha, para prestar depoimento. Ambas negaram que tivessem ouvido tal confissão dos rapazes. Após esse episódio, os advogados apresentaram agora uma mulher que disse ter ouvido de uma colega de trabalho que os dois primeiros rapazes que foram à delegacia teriam confessado o crime para sua mãe, uma cambista de jogo de bicho que trabalha no bairro do Prado.

Diante de tantos desencontros, o delegado resolveu fazer uma acareação entre essas três mulheres e os dois jovens que costumavam frenquentar o apartamento de Betinho para saber quem está falando a verdade. O encontro será as 10h na sede do DHPP, no bairro do Cordeiro.

Delegado Alfredo Jorge espera que suspeitos confessem o crime. Foto: Paulo Paiva/DP/D.A Press

O caso é investigado pelo delegado Alfredo Jorge. Foto: Paulo Paiva/DP/D.A Press

Para a polícia, os dois alunos do Agnes, que não participarão desta acareação, são os principais suspeitos da morte do pedagogo. Betinho foi encontrado morto dentro do seu apartamento, no Edifício Módulo, na Avenida Conde da Boa Vista, no Centro do Recife, em 16 de maio deste ano.

O jovem de 19 anos, filho do diretor do colégio, e o adolescente de 17 foram ouvidos duas vezes, mas negaram envolvimento no assassinato. No entanto, a polícia tem como provas contras eles as impressões digitais encontradas nos objetos utilizados para matar a vítima e num móvel do apartamento.

A análise das digitais realizada pelos peritos papiloscopistas do Instituto de Identificação Tavares Buril (IITB) não deixa dúvida quanto à presença dos dois suspeitos no local. Betinho foi encontrado despido da cintura para baixo, com as pernas amarradas por um fio de ventilador e com um fio de ferro elétrico enrolado no pescoço. As digitais foram encontradas no ventilador e no ferro.

A polícia disse ainda que o ferro foi usado para dar pancadas na cabeça da vítima que morava sozinha no imóvel. Apesar de ter sido encontrado sem vida por um amigo no dia 16 de maio, a polícia suspeita que Betinho tenha sido assassinado no dia 14 de maio, quando foi visto pela última vez entrando no edifício.

O que a polícia ainda não conseguiu descobrir foi a motivação do assassinato que chocou familiares da vítima, amigos, funcionários, alunos, ex-alunos do Agnes e da Escola Moacir de Albuquerque, em Nova Descoberta, onde Betinho também trabalhava. Uma semana antes de ser morto, o pedagogo havia pedido transferência de local de trabalho devido a um problema envolvendo ele e um aluno adolescente.

Caso Betinho: inquérito será fechado até o final deste mês

Até o final deste mês, a Polícia Civil deve concluir o inquérito que apura a morte do pedagogo José Bernardino da Silva Filho, 49 anos. Neste domingo (16) completa três meses que Betinho, como era conhecido, foi encontrado morto dentro do seu apartamento, no Edifício Módulo, na Avenida Conde da Boa Vista, no Centro do Recife. Dois alunos do Colégio Agnes, onde a vítima trabalhava como coordenador pedagógico, são apontados pela polícia como suspeitos do crime.

Crime está sendo investigado pelo delegado Alfredo Jorge do DHPP. Foto: Roberto Ramos/DP/D.A Press

Crime aconteceu no Edifício Módulo, na Boa Vista. Foto: Roberto Ramos/DP/D.A Press

O jovem de 19 anos, filho do diretor do colégio, e o adolescente de 17 foram ouvidos duas vezes, mas negaram envolvimento no assassinato. No entanto, a polícia tem como provas contras eles as impressões digitais encontradas nos objetos utilizados para matar a vítima e num móvel do apartamento.

A análise das digitais realizada pelos peritos papiloscopistas do Instituto de Identificação Tavares Buril (IITB) não deixa dúvida quanto à presença dos dois suspeitos no local. Betinho foi encontrado despido da cintura para baixo, com as pernas amarradas por um fio de ventilador e com um fio de ferro elétrico enrolado no pescoço. As digitais foram encontradas no ventilador e no ferro.

A polícia disse ainda que o ferro foi usado para dar pancadas na cabeça da vítima que morava sozinha no imóvel. Apesar de ter sido encontrado sem vida por um amigo no dia 16 de maio, a polícia suspeita que Betinho tenha sido assassinado no dia 14 de maio, quando foi visto pela última vez entrando no edifício.

Professor trabalhava no Agnes e na rede municipal de ensino. Foto: Arquivo Pessoal

Professor trabalhava no Agnes e na rede municipal de ensino. Foto: Arquivo Pessoal

Antes da polícia revelar que os dois alunos do Colégio Agnes estariam envolvidos no crime, dois rapazes que costumavam frequentar o apartamento da vítima chegaram a prestar depoimentos na sede do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), onde o caso está sendo investigado. Um deles foi a pessoa que encontrou Betinho morto e o outro é um homem que teria mantido um relacionamento com a vítima.

Ambos negaram participação no assassinato. E afirmaram que frequentavam o apartamento para consumir drogas com a vítima. Na casa do pedagogo foram encontrados latas e cachimbos para fumar crack. Procurado pelo blog, o delegado responsável pelo caso, Alfredo Jorge, disse que não poderia falar sobre o caso.

Silvio Pereira disse que a família recebeu as chaves do apartamento. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

Silvio Pereira disse que a família recebeu as chaves do apartamento. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

O que a polícia ainda não conseguiu descobrir foi a motivação do assassinato que chocou familiares da vítima, amigos, funcionários, alunos, ex-alunos do Agnes e da Escola Moacir de Albuquerque, em Nova Descoberta, onde Betinho também trabalhava. Uma semana antes de ser morto, o pedagogo havia pedido transferência de local de trabalho devido a um problema envolvendo ele e um aluno adolescente.

De acordo com Silvio Pereira, um dos irmãos de Betinho, a família recebeu as chaves do apartamento, que estavam com a polícia, no início dessa semana. “Já está fazendo três meses da morte do meu irmão e ainda não temos uma resposta definitiva. Toda a família espera que o caso seja concluído e que os culpados pagem pelo que fizeram”, destacou Silvio.

Caso Betinho: suspeito de 19 anos é filho do diretor do Colégio Agnes

Após deixar o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) na manhã desta quinta-feira o advogado Marcos Antônio da Silva confirmou que o jovem de 19 anos suspeito de participação na morte do pedagogo José Bernardino da Silva Filho, 49 anos, é filho do diretor do Colégio Agnes.

A informação de que o rapaz era filho de um integrante da administração do colégio havia sido publicada com exclusividade pelo Diario de Pernambuco e pelo blog na última terça-feira. O outro suspeito, um adolescente de 17 anos, também é estudante do colégio particular da Zona Norte do Recife. Ambos cursam o terceiro ano e negaram participação no crime no primeiro depoimento à polícia. Os jovens deverão prestar depoimento novamente na próxima semana.

Delegado esteve no DHPP nesta quinta-feira. Foto: Reprodução/TV Clube

Delegado esteve no DHPP nesta quinta-feira. Foto: Reprodução/TV Clube

Segundo o advogado Marcos Antônio, o seu cliente está mantendo sua rotina normal de atividades, estaria inclusive frequentando a escola, e a família está acompanhando as investigações da polícia e esperando o resultado do inquérito. “Estamos analisando todas as provas que estão nos autos e nesse momento não podemos fazer juízo de valor sobre o que está no inquérito”, ressaltou Marcos Antônio.

As digitais do adolescente estavam no ferro de passar roupas usado para matar a vítima, no ventilador cujo fio serviu para amarrar as pernas do pedagogo e ainda na geladeira da residência. Já as do estudante de 19 anos foram colhidas na cômoda do apartamento de Betinho. A identificação deles foi possível graças ao trabalho dos peritos papiloscopistas do Instituto de Identificação Tavares Buril que trabalham no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Leia mais sobre o assunto em:

Estudante de 17 anos foi o executor do professor Betinho do Agnes

Digitais de alunos do Agnes estavam em ferro, ventilador, geladeira e móvel de Betinho

As impressões digitais dos dois estudantes do Colégio Agnes suspeitos de assassinar o pedagogo José Bernardino da Silva Filho, 49 anos, foram encontradas no ferro usado para dar pancadas na cabeça do professor e também no ventilador, cujos fios estavam enrolados nas pernas de Betinho, como era conhecido, quando o corpo foi encontrado, segundo a polícia. O professor foi achado morto em seu apartamento, na Avenida Conde da Boa Vista, no dia 16 de maio.

Delegado Alfredo Jorge confirmou informações do Diario nesta quarta-feira. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

Delegado Alfredo Jorge, do DHPP, confirmou informações do Diario nesta quarta-feira. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

Em depoimento no dia 21 do mês passado, uma semana após a data provável da morte do professor, os dois estudantes negaram participação no crime. A coleta das impressões pelo Instituto de Identificação Tavares Buril (IITB) foi fundamental para contradizer a versão deles e estabelecer um elo com o assassinato.

Os alunos deverão prestar depoimento de novo, em data a ser marcada. Em reserva, uma fonte do IITB revelou que uma impressão digital deixada em uma superfície lisa pode ser identificada com sucesso por vários dias depois do crime. “A durabilidade depende de alguns fatores. Se a pele é seca ou oleosa demais, pode atrapalhar a coleta”, contou.

Fontes da polícia revelaram que um dos suspeitos da morte do pedagogo é filho de um integrante da administração do Colégio Agnes. Procurados pela reportagem, os responsáveis pelo colégio informaram através de funcionários que não iriam se pronunciar sobre o assunto. Em entrevista à TV Clube/Record, uma vizinha de Betinho, no Edifício Módulo, disse que o professor costumava levar jovens ao seu apartamento. “Ele dizia que eram alunos.”

A Polícia Civil deve se pronunciar hoje sobre as investigações. Ontem pela manhã, o advogado Marcos Antônio da Silva esteve na sede do DHPP para falar com o delegado Alfredo Jorge, responsável pelas investigações, mas não o encontrou.

“Estou assumindo a defesa de um dos jovens apontado como suspeito a partir de hoje e vim me habilitar para ter acesso ao inquérito policial. Deixei o requerimento e se a cópia estiver pronta irei pegar nesta quarta-feira para começar a trabalhar no caso”, revelou o advogado.

O delegado Alfredo Jorge não foi localizado ontem para falar sobre o caso. Até o momento, cerca de 25 pessoas foram ouvidas pela polícia no inquérito. A vítima também trabalhava na Escola Municipal Moacir de Albuquerque, no bairro de Nova Descoberta, de onde havia pedido transferência uma semana antes de ser assassinada. A motivação ainda é um mistério. As possibilidades de latrocínio ou ligação com tráfico ou dívida de drogas foram descartadas pelos investigadores.

Alunos do Agnes são suspeitos da morte do professor Betinho

Dois alunos do Colégio Agnes são os suspeitos de assassinar o pedagogo José Bernardino da Silva Filho, 49 anos. A investigação conduzida pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e a análise das impressões digitais feitas por peritos papiloscopistas do Instituto de Identificação Tavares Buril (IITB) levaram a polícia aos nomes dos suspeitos.

Crime está sendo investigado pelo delegado Alfredo Jorge do DHPP. Foto: Roberto Ramos/DP/D.A Press

Professor morava no Edifício Módulo. Foto: Roberto Ramos/DP/D.A Press

O corpo do professor foi encontrado em seu apartamento, no Edifício Módulo, na Conde da Boa Vista, em 16 de maio. Ele estava despido da cintura para baixo, com as pernas amarradas por um fio de ventilador e com um fio de ferro elétrico enrolado no pescoço. A polícia disse ainda que o ferro foi usado para dar pancadas na cabeça da vítima que morava sozinha no imóvel.

As digitais dos estudantes foram encontradas nos instrumentos utilizados para matar o professor, provavelmente, no dia 14 de maio. Os jovens já prestaram depoimento e negaram envolvimento com o crime. Segundo fontes da cúpula da Polícia Civil, os estudantes serão intimados novamente a prestar depoimentos ao delegado Alfredo Jorge, responsável pelas investigações.

Professor trabalhava no Agnes e na rede municipal de ensino. Foto: Arquivo Pessoal

Betinho trabalhava no Agnes e na rede municipal de ensino. Foto: Arquivo Pessoal

Aproximadamente 25 pessoas já foram ouvidas pela polícia no inquérito que apura a morte de Betinho do Agnes, como a vítima era conhecida. Além do colégio particular, o pedagogo também trabalhava na Escola Municipal Moacir de Albuquerque, no bairro de Nova Descoberta, de onde havia pedido transferência uma semana antes de ser assassinado por ter sido flagrado em um banheiro dos professores, em situação constrangedora.

Apesar da polícia já saber quem matou Betinho e ter provas de autoria contra os suspeitos, o caso ainda não foi concluído porque os investigadores não conseguiram descobrir o que motivou o crime. Na semana passada, o delegado Alfredo Jorge descartou a possibilidade de latrocínio ou ligação com tráfico ou dívida de drogas.

Entre os depoimentos colhidos pela polícia até o momento estão ainda os de moradores e funcionários do Edifício Módulo, alunos e funcionários do Colégio Agnes e da Escola Moacir de Albuquerque, dois rapazes que frequentavam o apartamento do professor e ainda vários familiares da vítima.

Nas ouvidas, a polícia descobriu que Betinho costumava receber visitas em casa e que ele consumia drogas em sua residência. Cachimbos e latas usados para fumar crack foram encontrados no apartamento de Betinho. Os familiares da vítima afirmaram desconhecer o envolvimento do professor com drogas e também não sabiam se ele recebia pessoas em casa. A polícia também não revelou se conseguiu obter novas informações a partir da análise das imagens da câmera de monitoramento do edifício.