Policiais militares tentam impedir assaltos na Agamenon Magalhães

Policiais militares de motos e viaturas da Patrulha do Bairro de dois batalhões estão atuando das 6h às 23h ao longo da Avenida Agamenon Magalhães para tentar coibir os assaltos que têm ocorrido há cerca de três meses.

De acordo com o tenente-coronel Ebenezer Machado, comandante do 13º BPM, a operação está sendo realizada em parceria com o 16º Batalhão. “Policiais das duas unidades estão atuando nos dois sentidos da via. Depois que começaram esses assaltos, aumentamos a fiscalização. O problema é que muitas vezes os adolescentes ou adultos que fazem os assaltos não estão com armas de verdade”, explicou o oficial.

Investidas têm deixado a população assustada. Foto: Edvaldo Rodrigues/DP/D.A Press

Crimes têm deixado a população assustada. Foto: Edvaldo Rodrigues/DP/D.A Press

Segundo Machado, muitos assaltos são feitos por pessoas que ameaçam estar armadas. “As vítimas são mais mulheres e muitas ficam nervosas nas abordagens. Recomendamos que elas não deixem as bolsas à mostra, nem usem o telefone celular. Além disso, devem evitar parar nas laterais da via. Procurar a faixa do centro e estar sempre com os vidros fechados”, alertou o tenente-coronel.

As câmeras de segurança instaladas na avenida têm ajudado a polícia a identificar os pontos mais críticos. O pior deles é no cruzamento da Agamenon Magalhães com a Rua do Paissandú.

Os constantes assaltos têm prejudicado as pessoas que tiram o sustento trabalhando na avenida. O vendedor de pipocas Everaldo Silva, 42 anos, disse que os crimes praticados por alguns “falsos vendedores” estão deixando os clientes assustados. “Esses meninos estão por aqui no horário da manhã e no final da tarde, quando o trânsito está mais lento. Eles abordam as mulheres, pedem os celulares, fogem correndo e depois voltam para o mesmo lugar. São todos conhecidos e agem com muita violência”, apontou o vendedor.

Motoristas são vítimas de assaltos na Avenida Agamenon Magalhães

A fisioterapeuta Letícia Pereira, 26 anos, por pouco não se tornou mais uma vítima dos constantes assaltos que estão acontecendo na Avenida Agamenon Magalhães, uma das principais artérias do Recife. Na semana passada, Letícia voltava da Zona Norte para Boa Viagem quando foi abordada por assaltantes ao parar o carro no semáforo nas proximidades da Rua do Paissandú.

Ponto mais pirigoso é o cruzamento com a Rua do Paissandú. Foto: Edvaldo Rodrigues/DP/D.A Press

Ponto mais pirigoso é o cruzamento com a Rua do Paissandú. Foto: Edvaldo Rodrigues/DP/D.A Press

Os casos de investidas a motoristas ao longo da via têm aumentado nos últimos meses, o que chamou a atenção da Polícia Militar, que afirmou ter reforçado o policiamento na localidade. As vítimas, em sua maioria, são mulheres.

Os assaltos acontecem nos dois sentidos da avenida e a qualquer hora do dia. Em menos de um mês, a Polícia Civil registrou dez casos do tipo. A Delegacia de Joana Bezerra, responsável pelas investigações na área, apreendeu, recentemente, dois adolescentes e um homem envolvidos em atos infracionais e assaltos, respectivamente, ao longo da Avenida Agamenon Magalhães. “Muitos assaltos acontecem no sentido para a Zona Sul, o que faz as pessoas prestarem queixa na Delegacia de Boa Viagem”, ressaltou o delegado de Joana Bezerra, Darley Timóteo.

Assaltantes usaram uma arma de brinquedo para roubar bolsa. Fotos: Divulgação

Assaltantes usaram uma arma de brinquedo para roubar bolsa. Fotos: Divulgação

Letícia seguia para casa, por volta 16h30, quando foi abordada por dois garotos, um deles armado, segundo a fisioterapeuta. “Quando estava me aproximando do sinal, vi que havia alguns meninos à beira do canal, mas achei que eram apenas vendedores. No momento em que parei o carro, dois deles foram até a minha porta e bateram no vidro. Um deles estava com dois sacos de pipocas e me mostrou uma arma, que pensei ser de brinquedo”, contou.

O assalto a Letícia não foi consumado porque um homem percebeu a movimentação e perguntou aos garotos o que estava acontecendo. “Eles estavam pedindo o meu celular, mas aí apareceu um ‘anjo’ que fez com que os garotos fossem embora. Fiquei muito nervosa e chorei bastante depois”, lembrou.

Dois adolescentes e um adulto foram pegos pela polícia por assaltos na área

Dois adolescentes e um adulto foram pegos pela polícia por assaltos na área

A empresária Lorena Gouveia, 30, não teve a mesma sorte de Letícia. No dia 22 de maio Lorena voltava de Boa Viagem quando foi assaltada na Agamenon Magalhães, nas proximidades do Derby. “Estava com meu filho pequeno no carro e os assaltantes foram muito violentos. Pediram meu celular e ainda ameaçaram atirar na minha cabeça. Lembro que eram três garotos e que um deles estava com vários sacos de pipoca nas mãos. Foi horrível. Mudei de endereço para não ter que passar pela Agamenon novamente para buscar meu filho na escola”, ressaltou Lorena.

Os assaltos na avenida acontecem com tamanha frequência que a médica Márcia Pereira, 55, já presenciou pelo menos cinco no trajeto de casa para o trabalho. “Presenciei assaltos em todos os horários e os assaltantes escolhem como alvo principal as mulheres. Eles abordam pessoas que estão com os vidros dos carros abertos ou pedem para os motoristas abrirem aqueles que estão fechados. Está muito perigoso transitar pela Agamenon Magalhães”, ressaltou.

Assaltos a bancos podem passar a ser investigados pela Polícia Federal

A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado aprovou proposta que inclui entre as responsabilidades da Polícia Federal (PF) investigar assaltos a banco. A atuação da PF, no entanto, será exigida apenas quando o crime envolver quadrilha ou bando e houver indícios de atuação interestadual.

A ação criminosa aconteceu por volta das 2h30 da madrugada deste sábado. Foto: PF/ Divulgação  </p>
<p>

Essa exigência de que o crime envolva agentes de mais de um estado foi prevista pelo relator, deputado Guilherme Campos (PSD-SP), no substitutivo aprovado. Pela proposta original (PL 6648/13), do deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), a PF seria sempre responsável pela investigação desses casos. O texto original também torna assalto a banco crime contra o sistema financeiro nacional.

Para Campos, “as polícias dos estados, de forma isolada, não dispõem das melhores condições de investigar crimes praticados por quadrilhas ou bandos que atuam em diversos estados da federação”.

O relator também modificou a legislação a ser alterada pelo projeto. Para ele, o mais adequado é modificar a Lei 10.446/02, que dispõe sobre infrações penais de repercussão interestadual ou internacional que exigem repressão uniforme. No projeto original, a alteração seria na Lei de Crimes contra o Sistema Financeiro (7.492/86).

Tramitação
Em caráter conclusivo, o projeto segue para análise da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, inclusive quanto ao mérito.

Da Agência Câmara

Ciclistas são novo alvo dos assaltantes

A Polícia Civil já começou a investigar o assalto que vitimou o músico Jurin Senna, 50 anos, que teve a bicicleta roubada nas proximidades do Fórum Rodolfo Aureliano, na Ilha Joana Bezerra, no Recife, na manhã da última quinta-feira. O delegado Darley Timóteo, da Delegacia da Joana Bezerra, informou ao blog que irá ouvir o depoimento da vítima nesta segunda-feira. A polícia irá com o músico até o local do assalto para verificar se existem câmeras de segurança por perto e se as mesmas registraram a ação.

Muitos frequentadores estão com medo. Foto: Ricardo Fernandes/DP/D.A Press

Muitos frequentadores estão com medo. Foto: Ricardo Fernandes/DP/D.A Press

Segundo relatos de quem utiliza Ciclofaixa Móvel de Turismo e Lazer no Recife aos domingos e feriados, nos últimos meses os assaltos se tornaram rotina em alguns pontos do trajeto e ainda nas proximidades. Muitos ciclistas dizem que o bairro do Cabanga seria ponto mais crítico no quesito segurança.

Uma das vítimas foi a auxiliar-administrativa Suellen Cabral, 21. Enquanto pedalava, ela teve a bicicleta e o celular roubados. A violenta abordagem, que também rendeu a Suellen um braço quebrado e sessões de fisioterapia, teria sido o sexto ocorrido em apenas uma manhã, no Cabanga, em janeiro, segundo os ciclistas, informação não confirmada pela polícia.

Leia matéria completa na edição impressa do Diario deste sábado

Novas denúncias de assaltos no Pina

Clientes que saíram do Shopping RioMar, na Zona Sul do Recife, viveram momentos de pânico no último final de semana. Na noite do sábado, bandidos tentaram assaltar um motorista nas proximidades da entrada no centro de compras. Houve troca de tiros e a dupla de assaltantes foi presa. No domingo, na saída do shopping, um homem afirmou ter sido vítima de um arrastão, mas nenhum criminoso foi capturado.

A comandante do 19º Batalhão da PM, tenente-coronel Conceição Antero, negou que houve assaltos em série, mas admitiu que o policiamento na localidade estava menor, porque o efetivo ainda estava voltado para acompanhar os últimos blocos carnavalescos.

Abordagens acontecem na região do Túnel do Pina (ROBERTO RAMOS/DP/D.A PRESS)

O engenheiro Bernardo Lopes, 25 anos, foi uma das vítimas no domingo. Por volta das 19h30, ele e a namorada deixaram o centro de compras e ficaram com o carro parado num engarrafamento. Foi nesse momento, segundo ele, que quatro homens começaram a bater nos vidros no veículo. “Um deles meteu a mão em mim e disse que iria dar um tiro. Entreguei relógio, carteira, bolsa”, contou.

Os criminosos não usavam capuz. “Vi outros homens assaltarem mais quatro carros. Quando consegui chegar no Túnel do Pina, onde tinha uma viatura da PM, havia vários motoristas denunciando os assaltos”, disse Lopes.

A comandante do 19º BPM afirmou que só tomou conhecimento do caso de uma senhora assaltada no domingo. “O que acontece é que muita gente sai do shopping e acaba entrando na favela, por isso é assaltada.” Sobre o registro do sábado, Conceição Antero pontuou que a troca de tiros aconteceu porque a vítima reagiu à abordagem. “Logo depois os assaltantes foram presos. Eles são da comunidade da Joana Bezerra”, contou. O caso foi registrado pela Central de Flagrantes da Polícia Civil.

Já o delegado de Boa Viagem, Erivaldo Guerra, afirmou que nenhuma queixa foi registrada pela delegacia, mas pontuou que os boletins de ocorrência registrados na internet, como o feito por Bernardo Lopes, demoram a ser encaminhados para investigação. A assessoria de imprensa do RioMar informou que não iria se pronunciar sobre os assaltos.

Por Raphael Guerra, do Diario de Pernambuco

Justiça suspende entregas dos Correios em áreas com risco de assalto em SP

A 10ª Vara do Trabalho de Campinas determinou que os Correios suspendam as entregas de cartas e encomendas em 73 áreas com grande número de assaltos em Campinas, Jundiaí e Sumaré, interior paulista. A liminar concedida pela juíza Camila Ceroni Scarabelli diz que os carteiros retomarão o trabalho nas regiões somente quando for comprovada, em juízo, a adoção de medidas para garantir a segurança dos trabalhadores. A decisão estipula ainda multa de R$ 1 milhão em caso de descumprimento.

Na ação, o Ministério Público do Trabalho (MPT) anexou diversos boletins de ocorrência sobre casos de carteiros que sofreram roubos e sequestros nas áreas citadas. Segundo balanço do Sindicato dos Trabalhadores em Correios de Campinas e Região (Sintecas), que consta no processo, foram registrados 187 roubos a carteiros nas três cidades.

A decisão também obriga os Correios a prestar assistência jurídica e psicológica aos funcionários vítimas de assaltos, além de manter adicional de risco de 30% para os empregados que forem remanejados das áreas de risco.

Por meio de nota, os Correios informaram que vão recorrer da decisão. A empresa argumenta que firmou em São Paulo um acordo de cooperação com a Polícia Federal, que resultou na queda de 36% no número de roubos a carteiros no estado e na prisão de quadrilhas especializadas nesse tipo de crime. De acordo com a estatal, R$ 240 milhões estão sendo investidos em serviços de segurança, como escolta armada e rastreadores de veículos e encomendas.

Da Agência Brasil

Um coisa me deixa intrigado em relação a essa notícia. A Justiça está cobrando dos Correios a responsabilidade pela segurança dos seus funcionários. Ótimo. Mas onde fica o papel do governo em oferecer segurança às pessoas? Será que agora as autoridades de segurança pública não têm mais essa atribuição? Se acontecem roubos e sequestros nas ruas do interior de São Paulo, isso é problema para a polícia resolver e não os Correios. O que vocês acham?

Polícia nega assaltos no túnel do Pina

Uma onda de mensagens compartilhadas nas redes sociais denunciam que os motoristas que frequentam o Shopping RioMar, na Zona Sul do Recife, estariam sendo alvo de supostos assaltos e até arrastões. As investidas criminosas teriam acontecido nas noites do domingo e da última segunda-feira, em vias no entorno do estabelecimento, incluindo o túnel do Pina. Textos via WhatsApp também alertam para a atenção redobrada que as pessoas devem ter.

Supostas vítimas afirmam que investidas teriam acontecido no túnel do Pina e em ruas próximas (ROBERTO RAMOS/DP/D.A PRESS)

Diante da repercussão negativa, a comandante do 19º Batalhão da Polícia Militar, tenente-coronel Conceição Antero, responsável pela segurança da área, decidiu usar o mesmo meio para difundir uma mensagem negando os assaltos. Em sua página pessoal do Facebook, ela garantiu que todas as informações não passaram de boatos.

Os usuários da internet relatam que as abordagens acontecem nos horários de congestionamento. “Estava com minha esposa e meu filho e, antes de entrarmos na rua (do Atacado dos Presentes), minha esposa comentou sobre pedestres bem suspeitos andando. Visualizei três caras indo em direção a um dos carros à minha frente e comentei com minha esposa que os caras estavam assaltando. Foi o tempo de engatar a ré e tentar nos afastar. Um dos caras sacou uma arma (sabe-se lá se de verdade ou não) e já foi em direção ao carro de trás”, relatou um usuário do Facebook, que afirmou ter presenciado as abordagens no último domingo.

“Estão fazendo divulgações inverídicas acerca de arrastões na saída do Shopping RioMar. (…) Fico incomodada com essa falta de responsabilidade nessas divulgações. Deixo bem claro que na saída do dito shopping existem câmeras instaladas. Existem também nas ruas de acesso câmeras da Secretaria de Defesa Social que fazem a cobertura de toda área. Incrível que não existem registros de assaltos e arrastões”, rebateu a postagem da tenente-coronel, também no Facebook.

Por telefone, a comandante do 19º BPM relatou ao Diario que as imagens das câmeras foram analisadas e nenhum indício de assalto foi registrado. “Soubemos apenas de uma tentativa no domingo, na altura da Ponte do Pina. O resto é mera especulação”.

Segundo a tenente-coronel Conceição Antero, neste mês de dezembro, por conta das compras de Natal, há reforço de policiamento motorizado. No entanto, a quantidade de policiais militares que realizam as rondas, em sistema de rodízio na localidade, não foi informada por ela, que justificou não dar esse número para evitar questionamentos. O Diario também entrou em contato com o delegado de Boa Viagem, Erivaldo Guerra, para saber se algum boletim de ocorrência relacionado a assaltos no entorno do Shopping RioMar foi registrado nos últimos dias. Ele garantiu que não havia nenhum BO.

Comerciantes e moradores do Espinheiro pedem câmeras da SDS

Comerciantes e moradores do bairro do Espinheiro, no Recife, enviaram nota ao blog junto com pedido a ser feita à Secretaria de Defesa Social (SDS). Eles cobram a implantação de câmeras de monitoramento na Rua do Hora, no cruzamento com a Rua Barão de Itamaracá, e com a Rua Amélia, além de um equipamento na esquina da Rua do Espinheiro com a Rua Barão de Itamaracá, na Zona Norte da cidade.

Nando Chiappetta DP/D.A Press

Frequentadores do bairro estão assustados. Foto: Nando Chiappetta DP/D.A Press

Eles alegam que estão acontecendo constantes arrombamentos de carros, assaltos a bancos e roubos a transeuntes na localidade, que é um conhecido polo gastronômico do Recife. “Não temos nenhum respaldo da polícia, talvez, a presença das câmeras da SDS possa coibir esses delitos. Sei que temos uma delegacia e Patrulha do Bairro, mas isso também é pouco”, afirmou o comerciante Beto Lopes.

Leia mais sobre o assunto em:

Pernambuco terá mais 47 câmeras de monitoramento até o final deste mês

População de Cupira e Solidão pede mais atenção para segurança

Nesta semana estive viajando por vários municípios do interior de Pernambuco produzindo uma matéria para o Diario de Pernambuco. Passei por cidades do Sertão, do Agreste e das matas Norte e Sul do estado. Nas conversas com os moradores, muitos deles relataram a falta de policiamento e os constantes assaltos que estão acontecendo nas regiões.

No município de Solidão, por exemplo, segundo os moradores, falta efetivo policial. Em Cupira, também no Agreste, muita violência e a falta de policiais amedrontam famílias e comerciantes, que dizem já não ter mais para quem apelar. A população relata que as delegacias ficam fechadas à noite e nos finais de semana.

“No sertão e em várias regiões do estado, a situação não é diferente. Enfim, peço que as autoridades saibam que não é só a capital que precisa de segurança pública, o interior também clama por ela urgentemente”, disse uma moradora de Cupira, que preferiu o anonimato. Fica, então, o alerta para a Secretaria de Defesa Social (SDS), para verificar os problemas relatados pela população nas referidas cidades.

Proibido entrar de capacete

Como diz o ditado que “gato escaldado tem medo de água fria”, um comerciante de um bairro de Jaboatão dos Guararapes tomou a providência de deixar bem claro que pessoas usando capacetes na cabeça não sao bem-vindas em seu estabelecimento. Depois de sucessivos assaltos, o homem que preferiu não ter o nome publicado no blog, mandou confeccionar uma placa com o aviso de que era proibida a entrada de pessoas usando capacetes.

Placa fica na entrada do estabelecimento. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

Placa fica na entrada do estabelecimento. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

Nos registros policiais, é comum o relato de suspeitos de crimes de assassinatos e assaltos estarem com capacetes na cabeça no momento da ação criminosa. Segundo o delegado de Repressão ao Roubo e Furto, Mauro Cabral, não existem estatísticas de crimes praticados por pessoas que estivessem usando capacete ao cometer crimes, no entanto, ele ressaltou que o instrumento é bastante utilizado para ações criminosas. “Os capacetes costumam ser usados pelos criminosos porque dificultam a sua identificação”, ponderou o delegado Mauro Cabral.