Adolescentes e mulheres cada vez mais vítimas do ciúme dos homens

Quanto mais se fala em campanha contra a violência doméstica, mas vemos explodir na imprensa casos de mulheres agredidas e assassinadas pelos seus namorados e companheiros. O motivo das brigas e dos crimes são sempre os mesmos. Ciúmes ou a recusa da mulher para reatar o relacionamento. Nesse final de semana, a vítima foi uma jovem de 16 anos com a vida inteira pela frente. O suspeito, o namorado da garota, fugiu após o disparo que ele afirmou ter sido acidental.

Acompanhe os detalhes desse caso.

Uma adolescente de 16 anos foi morta com um tiro na cabeça em Aguazinha, bairro de Olinda, e o principal suspeito de ter disparado o revólver calibre 38 é o namorado dela, G.B.C, cuja idade não foi revelada pela polícia. O crime aconteceu na noite do último sábado em um depósito de materiais recicláveis, onde o suspeito morava há cerca de uma semana. A polícia está investigando se o crime foi acidental ou motivado por ciúmes.

Logo após o crime, testemunhas contaram à polícia que ouviram o barulho do disparo e logo em seguida presenciaram a fuga do suspeito em uma moto. Nesse momento, G. teria afirmado que o tiro tinha sido acidental. Familiares e amigos de Claudijane Maria do Nascimento, no entanto, discordam dessa versão e garantem que o assassinato foi motivado pelo ciúme excessivo de G.

No sepultamento, na tarde desse domingo, no Cemitério de Beberibe, familiares e amigos da vítima informaram que Claudijane namorava há pouco tempo com G. e que pretendia acabar o relacionamento por conta dos ciúmes dele. O casal, inclusive, teria discutido, na mesma tarde do dia do crime, porque a adolescente foi ao dentista com uma amiga e não atendeu às ligações do namorado. A atitude teria levado ele a imaginar que estava sendo traído. Além disso, ela era muito bonita e costumava chamar a atenção de outros homens.

Leia matéria completa na edição desta segunda-feira do Diario de Pernambuco

 

Caso Serrambi pode ter novo julgamento

Até o final deste mês, o procurador de Justiça Gilson Barbosa deve emitir o seu parecer sobre o pedido de apelação dos promotores do Ministério Público de Pernambuco (MPPE) para anular o júri popular que absolveu os kombeiros Marcelo e Valfrido Lira da acusação das mortes das adolescentes Maria Eduarda Dourado e Tarsila Gusmão. Após o pronunciamento do MPPE, estará nas mãos dos desembargadores do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) a decisão de realizar ou não outro julgamento do Caso Serrambi, como ficou conhecido o assassinato das duas jovens.

Adolescentes foram fotografadas por um amigo na praia. Crédito: Divulgação

Adolescentes foram fotografadas por um amigo na praia. Crédito: Divulgação

Hoje, completa dez anos que as garotas, então com 16 anos, desapareceram após um passaeio de lancha da praia de Serrambi até Maracaípe, no Litoral Sul. Os corpos foram encontrados dez dias depois, num canavial, em Camela, Ipojuca. Os irmãos Marcelo e Valfrido Lira, que chegaram a ser presos sob a acusação de ter matado as jovens, foram absolvidos durante júri polular realizado em 2010. Os promotores do caso alegam que o corpo de jurados foi contrário às provas dos autos e, por isso, querem outro júri popular. Caso a anulação seja autorizada, o MPPE entrará ainda com o pedido de desaforamento do caso para o Recife.

Marcelo Lira quando foi preso em 2003. Crédito: Alcione Ferreira/DP/D.A Press.

Marcelo Lira quando foi preso em 2003. Crédito: Alcione Ferreira/DP/D.A Press.

Valfrido Lira também foi preso. Ambos passaram 60 dias no GOE. Crédito: Alcione Ferreira/DP/D.A Press.

Valfrido Lira também foi preso. Ambos passaram 60 dias no GOE. Crédito: Alcione Ferreira/DP/D.A Press.

Na opinião do promotor de Justiça Ricardo Lapenda, não restam dúvidas de que os irmãos Lira foram os autores do duplo assassinato das jovens, que acabou se tornando o caso policial mais emblemático da última década em Pernambuco. “Fizemos o pedido ao TJPE para que o júri popular feito em Ipojuca fosse cancelado e que seja realizado um novo julgamento. Nós entendemos que o corpo de jurados de Ipojuca foi contrário às provas constantes nos autos do processo. Se o desembargador decidir pela anulação do julgamento, vamos pedir ainda que o segundo seja realizado no Recife”, ponderou o promotor.

A novela em torno do Caso Serrambi se arrastou por sete anos devido às divergências que existiram entre o então promotor de Ipojuca, Miguel Sales, e a Polícia Civil. O caso foi investigado cinco vezes, duas delas pela Polícia Federal, e em todas as conclusões os irmãos Marcelo e Valfrido foram apontados como autores do crime.

Leia a matéria completa na edição impressa do Diario de Pernambuco desta sexta-feira

 

Tragédia no trabalho por causa do fim de um romance

A triste história se repete. Mudam os endereços e os personagens e a tragédia logo causa revolta. Na manhã deste sábado, um vigilante matou uma mulher de 29 anos com a qual manteve uma relação amorosa porque ela resolveu terminar o relacionamento. Um dia depois do Dia Internacional da Mulher, mais um crime para engrossar as estatísticas que insestem em crescer. Um homem casado, que não aceita o fim do caso amoroso com a colega de trabalho, tirou a vida de uma mulher que deixou duas filhas pequenas. Durante toda a manhã, dezenas de curiosos estiveram no local acompanhando o trabalho da polícia.

Funcionários do Sesc ficaram chocados. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A.Press

Funcionários do Sesc ficaram chocados. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A.Press

O vigilante Fábio Mateus, segundo a polícia, assassinou a jovem Claudiane Ferreira da Silva, 29 anos, mais conhecida como Cláudia, com três tiros na cabeça. De acordo com o delegado Josedite Ferreira, do plantão da Força-Tarefa do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), após efetuar os disparos contra a mulher, Fábio colocou o revólver calibre 38 na boca e disparou. Os corpos dos dois foram encontrados no vestiário do Sesc Piedade, em Jaboatão dos Guararapes, por volta das 8h15 deste sábado.

IML foi recolher os dois corpos. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A.Press

IML foi recolher os dois corpos. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A.Press

Colegas de trabalho e familiares de Claudiane estavam incoformados com o crime. De acordo com a polícia, o vigilante cometeu o assassinato e suicídio porque não aceitava o fim do relacionamento. O casal teria passado dois anos mantendo uma relação. Claudiane, que trabalhava como ajudante de copa e cozinha do Sesc, deixou duas filhas pequenas. Fábio, segundo colegas de trabalho, era casado. Os corpos dos dois foram periciados pelo Instituto de Criminalística (IC) e encaminhados para o Instituto de Medicina Legal (IML).

Várias pessoas foram até o local. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A.Press

Várias pessoas foram até o local. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A.Press

Pena maior para quem matar agentes da área de segurança pública

Tramita na Câmara o Projeto de Lei 4629/12, do deputado Alexandre Leite (DEM-SP), que prevê pena de até 30 anos de reclusão para quem matar agentes públicos da área de segurança, como policiais, agentes penitenciários, oficiais de justiça, bombeiros militares, guardas civis, promotores e juízes. Atualmente, o crime de homicídio é punido pelo Código Penal com pena de reclusão de 6 a 20 anos.

“Os meios de comunicação têm mostrado a escalada da violência contra os funcionários públicos da segurança. A Nação tornou-se refém dos criminosos, de delinquentes, e o cidadão esconde-se, atemorizado, ameaçado, diminuído”, diz o deputado.

Conforme o projeto, cometer atentado contra qualquer autoridade da segurança pública, bem como contra repartição da área de segurança pública, é um crime punível com reclusão de 4 a 8 anos. Se o atentado resultar em morte de agente público, a pena passa a ser de reclusão de 15 a 30 anos. Na mesma pena incorre quem cometer atentado contra o cônjuge, companheiro ou parente consanguíneo até terceiro grau de agente de segurança pública.

Da Agência Câmara

Projeto quer implantar equipe multidisciplinar em delegacias antidrogas

Tramita na Câmara o Projeto de Lei 4604/12, do deputado Major Fábio (DEM-PB), que torna obrigatória a existência de equipe multidisciplinar nas delegacias especializadas no combate às drogas.

De acordo com a proposta, a equipe será formada, pelo menos, por um psicólogo e um assistente social. Os profissionais deverão atender aos usuários na hora de preencher o boletim de ocorrência na delegacia.

O autor do texto argumenta que, atualmente, muitos usuários chegam a delegacias apenas para registrar a ocorrência. “Se houver um atendimento adequado, pensamos que é possível aumentar a chance de adesão desses cidadãos ao devido tratamento”, afirma.

Tramitação
A proposta, que tramita em caráter conclusivo, será analisada pelas comissões de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Da Agência Câmara

Mulheres mortas pela fúria dos companheiros

Na edição impressa do Diario de Pernambuco desta quinta-feira, o repórter Glynner Brandão escreveu matéria mostrando que o ano de 2013 iniciou com muita violência contra a mulher. Nos dois primeiros dias, foram duas mortes. Uma na Mata Sul e outra na Região Metropolitana do Recife. Esperamos que esse número não continue aumentando ao decorrer do ano.

 

Leia parte da reportagem publicada no caderno de Vida Urbana

O ano começou com um doloroso alerta sobre a violência contra a mulher. Crimes passionais fizeram duas vítimas nos dois primeiros dias de 2013 em Pernambuco. Um dia após o assassinato da dona de casa Rosineide de Souza, 48 anos, morta a facadas pelo genro ao tentar defender a filha em Vitória de Santo Antão, outra crise de ciúme fez uma nova vítima ontem: a comerciante Yana Coelho, 28, foi morta a tiros no Janga, Paulista, pelo companheiro Dario da Silva, 39, capitão da PM e chefe de policiamento militar de Exu, no Sertão. Ele confessou o homicídio e foi levado ao Centro de Reeducação da Polícia Militar (Creed), em Paratibe, Paulista.

Oficial foi autuado no DHPP e seguiu ao Creed. Foto: Maria Eduarda Bione/DP/D.A.Press

O caso é investigado pela Polícia Civil e a PM também abriu sindicância. O oficial pode ser expulso da corporação. Os dois crimes foram cometidos dentro de casa, como acontece na maior parte dos casos, e reacenderam o debate sobre a violência domésticas no estado, onde 192 mulheres foram mortas de janeiro a novembro de 2012, segundo dados da Secretaria de Defesa Social (SDS).

O acesso de fúria do PM teria sido motivado por uma frase dita pela vítima durante uma discussão na casa da mãe dele, na madrugada de ontem. “No quarto, ela teria falado algo que ele não gostou, coisa íntima do casal, e ele fez os disparos”, disse o delegado que investiga o caso, Izaías Novaes.

Crime aconteceu num apartamento no Janga. Foto: Roberto Ramos/DP/D.A.Press

Em depoimento, ele negou ter recebido ligação denunciando uma suposta traição da mulher, contrariando informação que surgiu após o crime. “Ele disse que os detalhes da vida dele só interessam a ele”, acrescentou o delegado. O capitão estava em Paulista para as festas de fim de ano. “A mãe dele escutou os tiros, saiu do quarto e ouviu ele dizer: ‘acabei de matar Yana’”, relatou Izaías Novaes. A comerciante levou dois tiros de pistola .40 no rosto.

Casos de violência podem ser denunciados nas delegacias da Mulher do Recife, Jaboatão, Paulista, Cabo de Santo Agostinho, Surubim, Garanhuns, Caruaru, Petrolina e Goiana. A Ouvidoria da Mulher atende pelo 3183-2963. De janeiro a novembro de 2012, as delegacias especializadas registraram 9.404 ocorrências no estado.

Do Diario de Pernambuco

 

 

Acusados de matar turista alemã Jennifer Kloker voltam ao banco dos réus

 

Jennifer Kloker foi morta em fevereiro de 2010. Foto: RomagnaNoi/Divulgacao

Em maio de 2011, estive de frente aos cinco acusados de participar da morte da turista alemã Jennifer Kloker. Depois de vários meses acompanhando as investigações sobre o caso era chegada a hora dos culpados apontados pela polícia pagarem pelo que fizeram. No entanto, uma manobra da defesa da mentora do crime conseguiu adiar por mais um ano um novo julgamento. Nessa terça-feira, o Tribunal de Justiça de Pernambuco anunciou que os réus Delma Freire de Medeiros, Pablo Richardson Tonelli, Ferdinando Tonelli, Alexsandro Neves dos Santos e Dinarte Dantas de Medeiros serão julgados entre os dias 10 e 13 de dezembro próximo. Eles irão a júri popular no Fórum de São Lourenço, comarca onde ocorreu o crime, em fevereiro de 2010.

Delma Freire foi apontada como mandante do crime. Foto: Teresa Maia/DP/D.A/Press

O crime, motivado por conta do seguro de vida da vítima, teve repercussão internacional e chocou os pernambucanos quando foi comprovado que a sogra, o sogro e o próprio marido da alemã estavam por trás do assassinato. O Diario de Pernambuco apostou todas as suas fichas na cobertura deste crime a colaborou muito com o trabalho da polícia descobrindo fatos novos. Com exceção de Dinarte, que é irmão de Delma e que colaborou com as investigações, todos os outros acusados estão presos.

Alexsandro e Pablo tiveram participação no assassinato. Foto: Teresa Maia/DP/D.A/Press

Veja matéria publicada no portald do Diariodepernambuco.com.br nesta terça-feira:

O júri popular envolvendo os cinco acusados pelo homicídio da alemã Jennifer Marion Nadja Kloker será realizado entre os dias 10 e 13 de dezembro. Delma Freire de Medeiros, Pablo Richardson Tonelli, Ferdinando Tonelli, Alexsandro Neves dos Santos e Dinarte Dantas de Medeiros serão julgados a partir das 8h, no Fórum de São Lourenço da Mata. A sessão será presidida pela juíza da 1ª Vara Cível da comarca, acumulando a Vara Criminal, Marinês Marques Viana.

Ferdinando Tonelli era sogro da vítima. Foto: Teresa Maia/DP/D.A/Press

As testemunhas de acusação convocadas pelo Ministério Público de Pernambuco (MPPE) são os delegados responsáveis pelo inquérito, Alfredo Jorge e Gleide Ângelo, do Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP). A defesa dos acusados não arrolou testemunhas.
Acusação
A alemã Jennifer kloker foi assassinada por volta das 22h15 do dia 16 de fevereiro de 2010, na altura do km 97 da BR-408, no município de São Lourenço da Mata. Os acusados serão julgados por formação de quadrilha e homicídio duplamente qualificado (por motivo torpe e uso de recurso que impossibilitou a defesa da vítima). Circunstâncias agravantes serão levadas em consideração, devido ao grau de parentesco e convivência entre a alemã e três dos acusados (Delma, Ferdinando e Pablo). Delma Freire também será julgada por fraude processual, sob a acusação de tentar modificar os rumos da investigação ao indicar um falso autor do assassinato.
Adiamentos
O tribunal do júri sobre o assassinato da alemã já foi adiado duas vezes. A primeira foi no dia 24 de maio de 2011, devido ao deferimento do exame de sanidade mental da acusada Delma Freire. A perícia não foi realizada no tempo previsto e o julgamento não pôde ser realizado no dia 27 de julho, quando foi novamente adiado, sem data prevista.
O laudo pericial referente ao exame de Delma Freire foi homologado no dia 01 de novembro de 2012. A ré foi considerada imputável (quando o indivíduo, sem limitações de entendimento e/ou mental, possui a capacidade de entender o fato como ílicito e agir de acordo com este entendimento, podendo receber acusação por meio de queixa, crime ou denúncia do órgão público pela prática de um delito).
Julgamento
Vinte e cinco pessoas compõem o corpo de jurados. Primeiro, serão ouvidas as testemunhas arroladas pela acusação. Como não há testemunhas de defesa, será realizado o interrogatório dos réus. Ao final dos depoimentos, o júri entra na fase do debate, quando acusação e defesa apresentam suas conclusões.