Vidas que valem mais e vidas que valem menos. Uma reflexão

Já havia comentado aqui no blog sobre a diferença de tratamento dada aos casos de mortes de dois servidores do Estado ligados à segurança pública. O primeiro a ter vida interrompida foi o promotor Thiago Faria Soares. O segundo, foi o soldado da Polícia Militar Alisson Ribeiro. O que muita gente questiona é o destaque dado a um e a outro caso. Abaixo, segue um texto do delegado Igor Leite sobre esse tema. Com a licença dele, estou reproduzindo para a análise de vocês.

Igor Leite escreveu sobre o caso em sua página no Facebook. Foto: Reprodução/Facebook

Igor Leite escreveu sobre o caso em sua página no Facebook. Foto: Reprodução/Facebook

Confira o texto do delegado:

Um Policial Militar do 6º BPM voltava para casa de motocicleta, quando foi emboscado por um veículo com homens armados, que efetuaram diversos disparos de arma de fogo e ceifaram a vida do policial, que não teve qualquer oportunidade de defesa. Crime relacionado ao trabalho? É bem possível. Mas ninguém ouviu falar do caso e, se ouviu, foi certamente muito pouco.

Infelizmente, não foi montada equipe especial para apurar o feito. Não foram designados diversos delegados, equipes multidisciplinares com dezenas de policiais e peritos, nem surgiu apoio do Ministério Público, OAB ou coisa alguma. Não existiu alarde, mas silêncio. Alguns poucos colegas trabalharam na hora de folga para tentar solucionar o caso. E só! Em contrapartida, há dias um promotor de Justiça foi assassinado de modo similar e todos sabem o que aconteceu. Pelo menos uma centena de funcionários públicos trabalharam no caso e a mobilização foi hercúlea, com repercussão até internacional.

Ao que me parece, ainda que sejam todos funcionários públicos que trabalham pela justiça, há vidas que valem mais e vidas que valem menos. Talvez seja importante refletir sobre isso, antes de enfiar a cara na próxima boca de fumo…

Igor Leite – Delegado da Polícia Civil de Pernambuco

Leia mais sobre o assunto em:

Parentes e amigos do PM assassinado pedem mais empenho nas investigações

Após ter redução de homicídios, Cavaleiro recebe nova equipe de CVLI

Depois de reduzir em 40% o número de homicídios e elucidar cerca de 60% dessas mortes em 41 meses, no então violento bairro de Cavaleiro, em Jaboatão dos Guararapes, a equipe de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs) da delegacia do bairro deixará de trabalhar na circunscrição. O delegado Ramon Teixeira fez um breve balanço do resultado do trabalho de toda a equipe.

Cavaleiro sempre foi conhecido pela violência. Foto: Inês Campelo/DP.D.A Press

Cavaleiro sempre foi conhecido pela violência. Foto: Inês Campelo/DP.D.A Press

Segundo Teixeira, cerca de 200 crimes violentos letais intencionais foram esclarecidos na localidade que sempre foi conhecida pela atuação indiscriminada de grupos de extermínio. Comunidades como o Alto da Besta, Alto da Colina e Alto do Cristo sempre figuraram como pontos de constantes assassinatos. Ainda de acordo com o delegado, foi alcançada uma redução acumulada de 40% no número de homicídios no período. Em 2013, nenhum crime de assassinato foi registrado no bairro.

Ramon Teixeira e sua equipe de CVLI passarão agora a trabalhar no bairro de Piedade, também em Jaboatão dos Guararapes. Para a equipe de CVLI de Cavaleiro, seguirá a delegada Andréa Bush, que passará a trabalhar com Beatriz Leite, que é a delegada titular da circunscrição.

Projeto Resgate quer tirar jovens do mundo das drogas

O Combate às drogas no município do Cabo de Santo Agostinho ganhou um aliado. O Projeto Resgate, que surgiu da iniciativa do delegado Antônio Resende, e que busca  prevenir e resgatar os jovens nas escolas, está mundando a realidade de muitos adolescentes através de um trabalho que almeja combater as causas e não somente as consequências. “Se não agirmos assim, estaremos enxugando gelo, sendo imprescindível otimizar o contato com usuários e pessoas que vivem em áreas de influência dos centros de distribuição e das bocas de fumo”, contou Resende.

Garotada assiste atenta às palestras. Foto: Divulgação

Garotada assiste atenta às palestras. Foto: Divulgação

“Esse trabalho visa evitar o ingresso e o recrutamento do jovem pelos traficantes, assim como resgatar aquele que já foi envolvido pelo tráfico, seja como soldado, olheiro, gerente ou usuário. Consiste em mostrar o que é a droga, o que é o crack, qual a sua composição, aonde vai levar, o sofrimento da família com o vício, a morte de parentes na guerra do tráfico e revela casos de usuários que foram a óbito no cenário nacional e internacional por conta das drogas”, complementou o delegado.

São visitadas, em média, três escolas durante a semana, sendo elas municipais, estaduais ou particulares. O resultado já está sendo tão positivo que o Projeto está ultrapassando as barreiras do Cabo, pois já teve palestra em escolas nas cidades de Jaboatão dos Guararapes e Camaragibe. No último dia 15, participaram as escolas: Carmecita Ramos, Reginaldo Loreto e Professora Lúcia da Sapucaia.

 

Delegacia de Jaboatão cria espaço infantil para filhos de usuários

Para deixar a presença de crianças nas delegacias menos traumáticas, a Delegacia de Jaboatão inaugurou recentemente uma área infantil onde os pequenos podem ficar esperando os pais ou responsáveis prestarem depoimento ou serem atendidos. A iniciativa do delegado Igor Leite, titular da unidade, está mudando a realidade de funcionários e da população da cidade. No ambiente, estão mesas e cadeiras coloridas, brinquedos diversos, jogos, livros, revistas, folhas de colorir e ainda são realizados concursos de pintura.

Crianças podem brincar enquanto adultos são atendidos. Foto: Igor Leite/Divulgação

Crianças podem brincar enquanto adultos são atendidos. Foto: Igor Leite/Divulgação

Segundo o delegado Igor Leite, “a delegacia de polícia, na maior parte das vezes, é o primeiro contato da sociedade com o Estado, sendo geralmente ambiente com clima pesado, em razão da própria função de investigação de ilícitos e atendimento de indivíduos vitimados pela violência. Quando se fornece um pouco de magia a uma criança, o mundo parece brilhar de volta em encantamento”, afirmou o delegado.

Desenhos feitos pelas crianças. Foto: Igor Leite/Divulgação

Desenhos feitos pelas crianças. Foto: Igor Leite/Divulgação

Outra unidade policial que também tem um espaço destinado às crianças é a Delegacia de Piedade, também no município de Jaboatão dos Guararapes. Espaços reservados para os pequenos também existem nas unidades da Gerência de Polícia da Criança e do Adolescente (GPCA) especializadas em atender crianças e adolescentes vítimas e infratores.

 

 

Polícia está investigando origem e destino de explosivos apreendidos

A Delegacia de Repressão ao Roubo está investigando se existe ligação entre os explosivos apreendidos no bairro de Socorro, em Jaboatão, com os crimes de explosões de caixas eletrônicos registrados no estado. De acordo com o delegado Mauro Cabral, titular da especializada, ainda é preciso cautela para afirmar que os explosivos apreendidos seriam utilizados para explodir caixas eletrônicos. “Vamos investigar de que forma estava sendo feito o repasse do resto desse explosivo apreendido”, ponderou. Após a prisão dos suspeitos, funcionários e familiares fizeram um protesto em frente à delegacia.

Material apreendido estava enterrado num quintal. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A.Press

Material apreendido estava enterrado num quintal. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A.Press

Após 15 dias de investigação, agentes da Delegacia de Jaboatão prenderam, na manhã da última segunda-feira, dois homens com 270 quilos de explosivos. Segundo o delegado Igor Leite, responsável pela apreensão e pelas prisões dos suspeitos, o material apreendido poderia estar sendo repassado às quadrilhas especializadas em explosões de caixas eletrônicos. Com os suspeitos foram encontrados ainda 25 bananas de dinamite, 70 quilos de pólvora, cinco rolos de cordel (fio), mil espoletas e duas espingardas. De acordo com a polícia, o material apreendido e que estava escondido no quintal da casa do comerciante Jerônimo Augusto dos Santos, 57 anos dono de uma pedreira, no bairro de Socorro, seria suficiente para destruir, caso fosse explodido, três quarteirões inteiros ou um campo de futebol e meio.

Parentes e funcionários de um dos suspeitos protestaram. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A.Press

Funcionários de um dos suspeitos protestaram. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A.Press

O segundo homem preso em Jaboatão, José Plácido de Melo Filho, 52, seria o responsável pelo transporte do material explosivo. “Esse material que foi apreendido  está muito acima da quantidade para ser utilizado em uma pedreira. Descobrimos que o produto era desviado de um paiol regulado pelo Exército. Os comerciantes conseguiam alterar as quantidades explosivos para mais e acabavam desviando a sobra para armazenar de forma irregular”, afirmou o delegado.

 

Suspeitos de participar de assalto a delegado aposentado são procurados

As polícias Civil e Militar continuam fazendo buscas para prender dois criminosos envolvidos na tentativa de assalto a um delegado aposentado, que reagiu e matou um terceiro suspeito. O caso aconteceu na noite da última quinta-feira, quando o delegado chegava em casa com a esposa e dois filhos no Barro, Zona Oeste do Recife. A família, que ocupava um Civic, foi abordada por três homens que estavam em um Corsa.

O policial disparou vários tiros contra os suspeitos. Um deles, Jerônimo Fabiano de Souza Galdino, 19 anos, foi atingido por seis balas e morreu na hora. O assaltante, que dirigia o Corsa, havia deixado uma unidade da Funase uma semana antes.

O delegado Paulo Furtado assumiu as investigações. Segundo ele, o aposentado agiu em legítima defesa. O inquérito segue aberto. Em entrevista à TV Clube/Record, a vítima contou como foi a reação. “Tirei a arma da pochete e botei no colo. Um deles desceu e disse: ‘Perdeu! Perdeu! Desça!’. Efetuei diversos disparos”. Denúncias sobre os bandidos podem ser feitas pelo telefone (81) 3183-5392.

Três pessoas estão presas por conta do incêndio na boate Kiss, em Santa Maria

Da Agência Brasil

Três pessoas envolvidas no incêndio da Boate Kiss, em Santa Maria (RS), foram presas na manhã desta segunda-feira em caráter temporário. A informação foi confirmada pelo delegado da 1ª Delegacia de Polícia (DP) do município, Marcos Viana. Segundo o delegado, os pedidos de prisão temporária de cinco dias foram decretados em razão de boatos de que eles poderiam deixar a cidade sem prestar depoimentos à polícia.

“Em razão disso, concluímos pela necessidade de pedir a prisão temporária, já que acreditamos que os depoimentos deles são necessários para nos ajudar a esclarecer o episódio”, declarou o delegado à Agência Brasil. As três pessoas, cujos nomes ainda não foram confirmados pela Polícia Civil, estão detidas na 1ª DP de Santa Maria e serão ouvidas ainda hoje (28). “Temos muito trabalho pela frente para esclarecer o que de fato aconteceu e identificar eventuais responsáveis”, acrescentou o delegado. Ao menos 231 pessoas morreram e outras 80 fericam feridas no incêndio.

 

Delegado da Polícia Civil do estado vence prêmio literário com romance policial

O delegado da Polícia Civil de Pernambuco Pablo de Carvalho, que está na função há mais de 12 anos, foi um dos vencedores do programa Bolsa Funarte de Criação Literária, promovido pelo Ministério da Cultura. Pablo conseguiu a boa colocação com a publicação do livro Catracas púrpuras, e foi o único representante do Nordeste a obter a premiação.

O delegado escritor passou um bom tempo trabalhando no setor de inteligência do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e agora irá a assumir a Delegacia da Mustardinha. Catracas púrpuras é um romance policial com linguagem lírica, que mescla as técnicas investigativas da polícia com a literatura.

O lançamento do livro aconteceu no mês de novembro do ano passado, no Rio de Janeiro, na sede da Funarte, no Centro Cultural. Pablo de Carvalho mora no Recife há cinco anos. Alagoano de Maceió, o escritor também é autor do romance Iulana (2006), publicado pela Universidade Federal de Alagoas, e dos livros O Eunuco (2002) e O Canteiro de Quimeras (2000).

Superintendente da Polícia Federal do estado é exonerado

Depois de um ano e seis meses à frente da Polícia Federal (PF) de Pernambuco, o superintendente regional Marlon Jefferson de Almeida foi exonerado do cargo. O ato da exoneração foi publicado no Diário Oficial da União desta quinta-feira. Marlon, que não gostava muito de proximidade com a imprensa para falar sobre as operações da PF deverá retornar para o Ceará, seu estado de origem. O delegado tomou posse na PF-PE em julho de 2011.

Marlon Jefferson não gostava de dar entrevistas. Foto: Roberto Ramos/DP/D.A.Press

Fontes do blog revelam que a saída do cargo foi um pedido do próprio Marlon. A cadeira deixada por ele, pelo menos por enquanto, será ocupada pelo chefe da Delegacia Regional Executiva, o delegado Renato Casarini Muzi. A substituição será essa até que seja feita a indicação, nomeação e posse de um novo superintendente. A data para a nova escolha ainda não está definida.

Veja a publicação do Diário Oficial:

 

SDS afasta delegado suspeito de corrupção

Foi publicado no Diário Oficial dessa segunda-feira o afastamento das funções pelo artigo 14 da Lei 11.929/01 do delegado Carlos Gilberto Freire de Oliveira, 61 anos. Em portaria da Secretaria de Defesa Social, o titular da pasta resolve também dispensar o policial da chefia da 4ª Equipe de Plantão da Delegacia da Várzea, com efeito retroativo ao dia 17 de novembro.

Carlos Gilberto foi preso no último dia 16 suspeito de cobrar R$ 700 de propina para liberar um caminhão que estava apreendido na delegacia. Considerando os fatos em apuração nos autos do processo administrativo disciplinar especial e  considerando o despacho da Corregedoria onde entendeu evidente a prática delituosa seguida da prisão em flagrante, o que denota incompatibilidade com a função policial, o  secretário resolveu afastar o policial.

O afastamento do delegado persistirá pelo prazo de 120 dias e ele terá recolhido imediatamente a identificação funcional, armas e utensílios funcionais e entregues à Gerência de Recursos Humanos da Polícia Civil, até enquanto durar o afastamento. O  policial estava internado desde o dia da sua prisão, mas deixou o hospital na última sexta-feira após pagar uma fiança de mais de R$ 8 mil. Ele irá responder  ao processo em liberdade.

Leia mais sobre o prisão do delegado em:

Equipe de delegado também será investigada