Motorista que atropelou oito pessoas no Pina não tinha habilitação

O motorista suspeito de avançar o sinal vermelho e atropelar oito pessoas na noite do último sábado no bairro do Pina estava dirigindo sem a Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Desde o ano de 2009, o administrador de empresas Felipe Medrano de Lima, 24 anos havia perdido o direito de dirigir e, mesmo assim, costumava trafegar pelas ruas do Grande Recife sem ser, aparentemente, parado pelas autoridades de trânsito.

Câmeras da CTTU mostram o momento da batida.

Câmeras da CTTU mostram o momento da batida.  Foto: Reprodução TV Clube

Felipe teve o documento apreendido depois de ter sido parado em uma blitz e se recusado a fazer o teste do bafômetro. Atualmente, o rapaz estava frequentado uma escola de formação de condutores do Departamento Estadual de Trânsito de Pernambuco (Detran-PE) para poder tirar uma nova carteira de motorista.

O suspeito prestou depoimento no início da tarde de ontem ao delegado Newson Motta, que está à frente das investigações. Felipe esteve na Delegacia de Delitos de Trânsito, em Dois Irmãos, acompanhado do advogado Fernando Beltrão, que atua em sua defesa. “O rapaz foi ouvido por cerca de uma hora e meia e depois foi liberado. Até o momento, nenhuma vítima do atropalemento ainda foi ouvida, mas a partir de amanhã (hoje) irei iniciar a tomada de depoimentos dessas pessoas”, adiantou o delegado.

O admistrador de empresas disse à polícia que era proprietário do veículo que estava dirigindo e negou que tivesse ingerido bebida alcoólica antes do acidente.

Veículo está na Delegacia de Delitos de Trânsito.

Veículo está na Delegacia de Delitos de Trânsito. Foto: Reprodução TV Clube

Em uma rede social do administrador de empresas, uma foto postada de um velocímetro de carro marcando 160km/h no último dia 13, dava sinais de que ele gostava de andar em altas velocidades. Na publicação, alguns amigos fizeram postagens pedindo para ele não correr tanto. A página foi retirada do ar ainda ontem. O Diario entrou em contato com o advogado Fernando Beltrão mas ele não quis falar sobre o assunto e disse que seu cliente também não iria se pronunciar sobre o acidente.

Segundo o diretor integrado especializado da Polícia Civil, Joselito Amaral, o suspeito contou ao delegado Newson Motta que o seu carro teria sido trancado por outro veículo na descida da Ponte Paulo Guerra. “Ele negou que tivesse ingerido bebida alcoólica e disse não ter visto o sinal vermelho por ter olhado pelo retrovisor para o veículo que o teria dado o tranca. Quanto à carteira, no momento do acidente, ele estava sem o documento, já que havia sofrido as punições administrativas e frequentava as aulas do Detran para poder tirar um novo documento”, explicou Joselito Amaral.

Agentes da CTTU estiveram no local logo após o acidente. Foto: Heitor Cunha/DP/D.A Press

Agentes da CTTU estiveram no local logo após o acidente. Foto: Heitor Cunha/DP/D.A Press

Segundo a polícia, Felipe provocou o acidente na Avenida Herculano Bandeira e fugiu sem prestar socorro. As câmeras de monitoramento da Companhia de Trânsito e Transporte (CTTU) registraram o momento em que o veículo Veloster de placa PFA-4916 bateu em dois motoqueiros e depois nas seis pessoas. O carro foi localizado na casa dos avós de Felipe, na Avenida Boa Viagem, na Zona Sul do Recife.

O veículo que está com a frente e lateral direitas amassadas, foi periciado e apreendido pela polícia. “O inquérito tem um prazo de 30 dias para ser concluído e, como não houve mortes, o rapaz deverá ser indiciado por lesão corporal e com o agravante de ter avançado o sinal vermelho”, explicou o delegado Newson Motta.

 

Medo e assaltos no bairro do Pina

Depois dos moradores de prédios e casas da Rua Ana Camelo da Silva, em Boa Viagem, denunciarem a onda de assaltos na localidade, agora é a vez  dos moradores da Rua Jeremias Bastos, no bairro do Pina, cobrarem mais atenção das autoridades de segurança pública. A situação da Rua Ana Camelo foi publicada no Diario de Pernambuco na edição do último dia 1º de março. No mesmo dia, a Polícia Militar e uma equipe da Operação Malhas da Lei apreenderam um adolescente de 17 anos suspeito de praticar atos infracionais correspondente ao crime de assalto.

Moradores da Rua Ana Camelo da Silva estavam assustados. Foto: Blenda Souto Maior/DP/D.A.Press

De acordo com as pessoas que moram na Rua Jeremias Bastos, onde está localizado o Teatro Municipal Barreto Junior, fazem um apelo para que a polícia tente conter a onda de insegurança no local. “Existem algumas casas e uma galeria desocupada na nossa rua e os criminosos aproveitaram para invadi-las. O resultado são assaltos à luz do dia aos transeuntes e roubos às residências”, relata um morador.

O leitor que fez a denúncia e cobra providências à polícia segue o desabafo afirmando que “em verdade, o trecho da rua entre o Teatro Barreto Junior até o nº 119, a Rua Jeremias Bastos transformou-se numa área desabitada, ocupada por bandidos. Eles ficam entocados nos imóveis desocupados, que diuturnamente aterrorizam e transtornam a vida dos moradores remanescentes, sem que qualquer providência seja tomada pelo Poder Público”.

Uma festa de Natal, uma arma e duas pessoas mortas

O massacre ocorrido nos Estados Unidos recentemente fez o país repensar a questão da comercialização de armas de fogo. Aqui no Brasil, não temos registros de crimes parecidos com esse, no entanto, estamos perdendo uma batalha a cada dia que pessoas são mortas em brigas onde existem gente portando uma arma de fogo. Dessa vez, segundo a polícia, o auto de um duplo homicídio foi um jovem de 19 anos que está servindo ao Exército. Após cometer o crime, ele teria fugido acompanhado da namorada, o que revoltou ainda mais a população. Mais uma vez vem a pergunta que não quer calar: o que uma pessoa vai fazer numa festa de Natal com amigos portando uma arma de fogo? Leia matéria publicada sobre o caso no Diario desta quarta-feira.

No local do crime, cenário de<br />
destruição. No alto, veículo em<br />
que o casal tentou fugir (REPRODUÇÃO TV CLUBE)
No local do crime, cenário de destruição. No alto, veículo em que o casal tentou fugir

Do Diario de Pernambuco

O Natal teve sabor amargo para dezenas de famílias que vivem no Conjunto Habitacional Via Mangue I, no bairro do Pina, no Recife. Durante uma confraternização de moradores na Rua Jamil Asfora um desentendimento resultou na morte de duas pessoas. Testemunhas contaram à polícia que os tiros partiram da arma de um militar, ainda não localizado pela polícia.

O soldado do exército Vladson Almeida Gomes, 19, estava acompanhado da namorada, que se desentendeu com a ex-sogra do rapaz, Estela Farias de Moura, 36. As mulheres acabaram brigando e um dos moradores do residencial, Diogo Bezerra do Monte, 20, tentou separá-las. Na confusão, o militar teria sacado a arma e disparado vários tiros. Um deles atingiu o pescoço de Diogo, amigo e vizinho do soldado. Na sequência, Gomes também deu três tiros na ex-sogra. Ambas as vítimas morreram na hora. O corpo de Diogo foi sepultado na tarde da terça-feira, no Cemitério de Santo Amaro. Nesta quarta-feira, será o enterro do corpo de Estela Moura, no mesmo local.

Diogo Bezerra do Monte,<br />
20, era amigo do suspeito (REPRODUÇÃO TV CLUBE)
Diogo Bezerra do Monte, 20, era amigo do suspeito

De acordo com a delegada de plantão, Eliane Caldas, o cenário de desentendimento e revolta ainda foi piorado depois que Vladson e a namorada fugiram correndo do local. Revoltada, a população destruiu o carro do soldado Gomes, um Celta, que foi tombado de lado, e depredado pelos vizinhos. Também houve tentativa de invasão ao apartamento onde o jovem morava.

“Meu filho era inocente. Nem estava envolvido na confusão. Morreu sem motivos”, lamentava a dona de casa Fernanda do Monte, que enterrou o filho ontem.  Em toda a vizinhança, ainda nesta terça-feira, os sinais de destruição eram mantidos como lembretes do duplo assassinato. Nas calçadas, restos de mesa quebradas lembravam a todos o pânico que se fez durante a confusão presenciada por dezenas de famílias, por volta das 3h. O caso ficará sob a responsabilidade do delegado Wagner Domingues.

 

Câmeras de segurança monitoram bairro do Pina

Por Raphael Guerra

Do Diario de Pernambuco

Equipamentos estão espalhados na localidade. Foto: Helder Tavares/DP/D.A/Press

As principais vias de acesso e entorno do bairro do Pina, Zona Sul do Recife, finalmente ganharam reforço na segurança. Vinte e quatro câmeras de vigilância entraram em operação há cerca de 30 dias e estão sendo monitoradas pela Secretaria de Defesa Social (SDS). Um alívio para quem circulava pela área e reclamava de assaltos e para os motoristas que, em horários de pico, com trânsito travado, mantinham atenção redobrada para não serem alvos de abordagens. Imagens da Ponte Paulo Guerra, no sentido cidade-subúrbio, além do túnel do Pina e adjacências, são analisadas durante 24 horas. A Região Metropolitana já possui 395 câmeras funcionando nas principais ruas e avenidas com registros de violência, incluindo a área central do Recife. A meta, até 2014, é de que o número seja ampliado para 11,5 mil e contemple os municípios do interior do estado.

São 24 câmeras ligadas com a central da SDS. Foto: Helder Câmara/DP/D.A/Press

“Já tínhamos a necessidade de instalar câmeras no Pina porque há áreas muito sensíveis, como a nova alça do viaduto Joana Bezerra que segue até a Ponte Governador Paulo Guerra. Perto do túnel também era outro ponto que nos trazia preocupação”, explicou o coordenador do Centro Integrado de Operações de Defesa Social (Ciods), tenente-coronel Ricardo Fentes. Segundo ele, as câmeras foram doadas pelo RioMar Shopping por meio de um convênio com a SDS. “A inciativa privada fez a doação e nós escolhemos quais os pontos de maior índice de vulnerabilidade, cobrindo esses que eram urgentes”, completou Fentes.

Parceria semelhante com empresas privadas aconteceu no ano passado, quando o governo do estado lançou um programa para instalação de câmeras nas ruas que cercam as instituições de ensino públicas e perticulares, a exemplo do Centro Universitário Maurício de Nassau.

O motorista Luiz Ceará, de 53 anos, comemorou o reforço da segurança no bairro do Pina, mas aproveitou para pedir mais policiamento ostensivo na localidade. “As câmeras são muito importantes para gravar as imagens dos criminosos, mas para que eles sejam presos, é preciso que a polícia esteja por perto”, destacou. Em maio do ano passado, o Diario já havia denunciado os constantes assaltos registrados na Ponte Paulo Guerra. A Polícia Militar de Pernambuco chegou a anunciar que uma viatura móvel faria rondas 24 horas naquele trecho, mas por falta de efetivo a ação não foi concretizada. O local hoje conta com o apoio da CipMotos e de uma viatura da Patrulha do Bairro.

Outras vias próximas aos centros de compras também já são monitoradas pela SDS. Em frente à entrada do Shopping Boa Vista, por exemplo, foi instalada uma câmera. “O mesmo aconteceu por trás do shopping, local onde havia consumo de drogas”, disse o coordenador do Ciods. Próximo ao Tacarun e ao Paço Alfândega há duas câmeras cada. “Mas ainda falta policiamento à noite para quem sai do trabalho e precisa ir para as paradas de ônibus”, criticou a atendente Irela Alves, 27.

 

Arrombamentos e roubos viram moda no bairro do Pina

Nem mesmo uma viatura permanente na esquina da Rua Tomé Gibson com a Avenida Domingos Ferreira e os carros da Patrulha do Bairro que circulam pelo Pina são suficientes para garantir tranquilidade aos moradores e comerciantes da localidade. Os casos de furtos, assaltos e arrombamentos estão virando rotina na área. De mãos atadas, a população espera que a polícia tome as providências e combata a criminalidade na região. A seguir, na matéria publicada no Diario de Pernambuco deste sábado, você vai ver o que dizem os moradores sobre a violência no local. O texto é do repórter Raphael Guerra e as fotos de Annaclarice Almeida.

Casas e lojas da Rua Tomé Gibson, na Zona Sul do Recife, têm sido invadidas com frequência na localidade (ANNACLARICE ALMEIDA/DP/D.A PRESS)

Uma onda de furtos a residências e assaltos a estabelecimentos comerciais está assustando moradores da Rua Tomé Gibson, no bairro do Pina, Zona Sul do Recife. No último mês, sempre no horário da madrugada, pelo menos seis imóveis teriam sido invadidos por um ou dois criminosos. Um restaurante bastante frequentado da localidade também foi alvo de investidas quatro vezes à noite. Em uma delas, clientes foram rendidos e tiveram seus pertences levados. As vítimas relataram ao Diario que já pediram ajuda à Delegacia de Boa Viagem para investigar os casos. No entanto, o delegado titular Paulo Berenguer, disse que, até ontem, nenhuma queixa sobre os crimes havia sido registrada.

Casa de Ozéas de Oliveira foi invadida por uma dupla (ANNACLARICE ALMEIDA/DP/D.A PRESS)
Casa de Ozéas de Oliveira foi invadida por uma dupla

Dono de um mercadinho e da Central da Picanha Restaurante e Pizzaria, ambos na Tomé Gibson, o comerciante Weden Bezerra, 39 anos, já soma mais de R$ 5 mil em prejuízos. Os dois estabelecimentos foram assaltados. “Recentemente, três homens entraram armados, sem capuz, e renderam os clientes e funcionários do restaurante”, contou o comerciante. “Outra vez vi, meu mercadinho sendo furtado. Telefonei na mesma hora para a polícia, mas nenhum suspeito foi capturado”, completou.

O soldador Ozéas de Oliveira, 23, contou que dois homens pularam o muro de sua casa enquanto ele dormia. O barulho fez com que ele acordasse e presenciasse a fuga de um deles com um bujão de gás. “Ele é alto, magro e com muitas tatuagens pelo corpo”, descreveu. Outro comerciante de 50 anos, que preferiu não se identificar, relatou que, por duas vezes, bandidos pularam o muro da residência dele para furtar objetos. Numa das investidas, ele teve o carro arrombado. “Decidi aumentar a altura das paredes para evitar novos casos. Não tenho mais condições de ficar acordado, todas as noites, esperando os bandidos chegarem”, disse.

Weden Bezerra já soma um prejuízo de R$ 5 mil (ANNACLARICE ALMEIDA/DP/D.A PRESS)
Weden Bezerra já soma um prejuízo de R$ 5 mil

A segurança da localidade é de responsabilidade do 19º Batalhão da PM, que tem apoio de policiais com motocicletas e da Patrulha do Bairro. Por meio de nota, o comandante da área, tenente-coronel João da Silva Neto, informou que “não tem conhecimento desse tipo de criminalidade, porém, de posse dessa informação, irá aumentar a segurança a partir do incremento no policiamento”, afirmou. A PM recomendou que os moradores e comerciantes entrem em contato pelo telefone 3181-3573, para denunciar novos casos ou tirar dúvidas. Outra possibilidade através do Disque-Denúncia, pelo telefone 3421-9595.