O transporte público que temos

 

Diario de Pernambuco

Rebeca Kramer
Rebecakramer.pe@dabr.com.br

Qual meio de transporte você utiliza para se deslocar? Quem conseguiu juntar algum dinheiro e investiu na compra de um carro ou de uma moto ainda se resguarda de precisar utilizar o transporte público na RMR. Andar de ônibus ou pegar metrô para a maioria das pessoas é sinônimo de lotação, tempo de espera grande, acessibilidade insatisfatória e pouca segurança, além de deficiência de informações sobre as linhas.

O resultado é o aumento na aquisição de veículos particulares, que superlotam as ruas da cidade. Com a finalidade de discutir a problemática do transporte público, o grupo dos Diarios Associados promove a 8ª edição do Fórum Desafios para o Trânsito do Amanhã, próxima terça (25), a partir das 8h30, no auditório do Diario de Pernambuco e terá como palestrantes:  o gerente regional de manutenção do Metrô do Recife, Bartolomeu Carvalho; o coordenador de projetos especiais da Urbana- PE, João Braga; e a coordenadora de planejamento do Grande Recife, Ivana Vanderlei.

Uma das questões a serem abordadas pelo  gerente regional de manutenção do Metrô do Recife, Bartolomeu Carvalho, será a relação direta existente entre trânsito e transporte, no sentido de que o transporte público pode contribuir para a solução dos problemas de trânsito. Além disso, com o aumento do tráfego, o transporte público torna-se mais lento, fazendo-se necessário que mais veículos prestem o mesmo serviço. Com os custos aumentados e os usuários sentindo diretamente no bolso, as pessoas ficam desestimuladas a utilizar ônibus e metrô, fazendo apenas por falta de opção. Já as que passam a ter um poder aquisitivo melhor, migram para o veículo particular, reforçando o congestionamento e alimentando o círculo vicioso.

Segundo Carvalho, outro ponto de destaque de sua apresentação será a exposição sobre Veículos Leves sobre Trilhos (VLTs) como alternativas de transporte coletivo. Netos dos velhos bondes, eles são um misto entre metrô e ônibus conhecidos pela sua estrutura e pelos equipamentos serem menos pesados do que os utilizados em sistemas de transporte público tradicionais. “Acredito que os VLTs podem preencher uma lacuna entre os sistemas de ônibus e metrôs, vindo a atender demandas próximas ao transporte metroviário. Estamos realizando estudos para implantação de VLTs e metrôs nos principais corredores de transporte da RMR. Entretanto, esses ainda não estão no nível de projeto”, esclarece.

Já a coordenadora de planejamento do Grande Recife, Ivana Vanderlei, irá apresentar tópicos relacionados com as obras de transporte para a Copa do Mundo de 2014, licitação das linhas e construção de novos terminais integrados. Os acessos viários ao mundo da Copa compreendem cinco grandes projetos e totalizam mais de R$ 1 bilhão de recursos federais, estaduais e municipais. Um deles é a Via Mangue, corredor expresso que está sendo construído com o objetivo de facilitar a mobilidade na Zona Sul da capital. Outro exemplo é o Corredor-Norte Sul, via exclusiva para ônibus, que será viabilizado com recursos do mundial, e vai ligar a Região Metropolitana Norte ao centro do Recife, especificamente ao metrô.

 

One thought on “O transporte público que temos

  1. Parabéns pela excelente reportagem. Conseguistes captar bem o estado de espírito do que permeia a maioria dos usuários de ônibus nesta RMR. Que as mudanças se deem com humanização e qualidade. Que não se vise apenas o lucro e o ganho de tempo nos percursos. Mas que haja a necessária sensibilidade estética, tão salutar a alma humana.