De volta ao começo. O Plano de Mobilidade do Recife será refeito

Por

Ana Luiza Machado

O Plano de Mobilidade Urbana do Recife, enviado pela gestão do ex-prefeito João da Costa (PT), encontra-se na Câmara Municipal há exatos um ano e sete meses, mas deve ser retirado para análise do prefeito Geraldo Julio (PSB). Junto com o projeto irá o voto do relator, o ex-vereador Múcio Magalhães (PT), que opinou pela rejeição e justificou ponto a ponto as falhas do projeto, que recebeu ao longo do tempo 59 emendas.

As melhorias na mobilidade, na acessibilidade, nos transportes públicos, na implantação de ciclovias, criação de políticas públicas para áreas de morro, no entanto, não terão condições de ser atendidas com a urgência necessária. Isso porque, caso o Executivo acate as sugestões do relator e realize os estudos tidos como importantes, a exemplo da pesquisa origem/destino e Plano de Adensamento Urbano, irá demandar tempo que só se somará com o trâmite legislativo.

“A falta de estudos centrais, superficialidade de todo o projeto enviado à Câmara, apesar da boa intenção, me levou a rejeitá-lo. A retirada do plano pelo prefeito confirma que a nossa avaliação está correta. Espero que seja apresentado um novo projeto à altura da complexidade da cidade”, afirmou Magalhães. O líder do governo Gilberto Alves (PTN) antecipou ao Diario que fará uma emenda ao regimento interno para criação da comissão de Mobilidade e Ordenamento Urbano. Para discutir ações na área, a Câmara aprovou ontem a ida do secretário de Mobilidade, João Braga, no dia 20.

Saiba mais

Análise do relator que culminou na rejeição do Plano de Mobilidade Urbano

Transporte Fluvial
O plano pretende combater o assoreamento e recuperar as margens dos rios para implantação dos serviços de transporte de passageiros, transportes turísticos e de carga e descarga. Porém, há necessidade de estudos técnicos prévios para analisar a viabilidade deste projeto. Recomenda que as ações estejam conectadas com o projeto de navegabilidade estadual.

Centralidade Urbana (áreas de concentração de atividades comerciais)
O plano não detalha como essas centralidades se inserem na mobilidade. O relator cita como exemplo de centros comerciais: Encruzilhada, Casa Amarela, Afogados e Beberibe e diz que o plano deve recomendar o fortalecimento desses centros comerciais sugerindo melhorias na mobilidade e revitalização dessas áreas.

Calçadas
Ausência de detalhamento e planos de ação que pudessem ser implantadas para melhorar a qualidade das calçadas. Constava apenas a pretensão da implantação da infraestrutura de acessibilidade, arborização, ciclovias e passeio de pedestre. O relator cita a necessidade de se analisar estudos sobre calçadas de especialistas em transporte, como Marcos Antônio Ferreira e Suely Sanches.

Pesquisa Origem/Destino
Diz que é “contraditório” a produção do Plano de Mobilidade sem a realização de uma pesquisa aprofundada sobre Origem/Destino, que detalha o sentido do deslocamento da população recifense nos últimos anos. O último estudo realizado neste sentido aconteceu em 1997 e, portanto, encontra-se desatualizada para servir de base para um projeto de futuro para a mobilidade da cidade.

Bicicletas
O plano não traz cronograma de execução das ciclovias, nem quais fontes de financiamento serão utilizadas para viabilizar a construção delas. A sugestão é que a prefeitura estimule às empresas privadas para criação de bicicletários como um incentivo a veículos não motorizados. Como contrapartida, poderia oferecer incentivo fiscais às empresas que aderissem à medida.

Táxis
Ausentes no Plano, foram colhidas em audiência pública com os taxistas sugestões para a frota de táxi. São elas: incentivo às empresas para implantação de um sistema que permita ao usuário chamar táxis pela internet; autorização para circulação dos táxis no corredores exclusivos de transporte público de passageiros; e implantação de GPS integrados com a SDS e a CTTU.

2 thoughts on “De volta ao começo. O Plano de Mobilidade do Recife será refeito

  1. Embora cheio de erros o Plano de Mobilidade como aponta o relator, ainda é uma proposta. Pior é o governo estadual por a carroça na frente dos bois ao dizer que iria fazer elevados transversais na Agamenom como necessários para criar o corredor de ônibus baseado apenas na proposta de quem bancou o projeto,no caso, a Urbana-PE, ignorando especialistas, a população e depois do fusuê, viu-se que tinha erros básicos e começaram a analisar corretamente para determinar a viabilidade ou não de tê-los.
    Em suma, há erro em tudo como continua o erro em manter o corredor BRT Leste-Oeste até o Derby quando deveria ir até o TI Recife. O BRT deste corredor ir até o Joana é uma necessidade para se comunicar com o Norte-Sul, mas não acessar a Boa Vista e Guararapes evitando maior número de linhas circulares é ilógico por exemplo e o erro venho do Governo Estadual e continua mantido pelo gestor do município.

  2. Participei da Audiência Pública do transporte fluvial, no Plenarinho da Câmara de Vereadores, em 20 de abril de 2012. Após três anos de estudos da navegabilidade do rio Capibaribe, a Secretaria das Cidades, representada pela Excelentíssima Senhora Secretária Executiva de Articulação Institucional e Captação de Recursos – Ana Suassuna – apresentou um projeto de embarcação que terá capacidade de transportar 86 pessoas; e será climatizado. Mas, ele não será um transporte rápido! A velocidade média será de 18 quilômetros por hora! Finalizou. A reação entre os participantes desta Audiência foi de desapontamento.
    Isto equivale à velocidade média desenvolvida pelos coletivos, devido à saturação do trânsito nas ruas, na disputa por espaço com veículos particulares. Portanto, se o objetivo deste projeto é a mobilidade urbana, ele não seria alcançado!
    Eu disponho de contato com uma consultoria holandesa, que tem o conhecimento do meu projeto de integração MetroRec hidrovia, desde 2007. O currículo do consultor holandês Sr. D’Arnaud é um livro. Para o estudo da navegabilidade do rio Capibaribe o holandês dispõe de um barco tecnologicamente equipado, que permite escaneiam o rio, em apenas, quatro meses, podendo-se obter um melhor resultado de navegabilidade, com a possibilidade de se projetar novos barcos com a capacidade de atender a demanda dos usuários em menor tempo de percurso. O consultor holandês Sr. D’Arnaud é um Arquiteto naval, que tem projetos de navegabilidade presente em dezenas de países. Ele se tornou proficiente a sinalização de águas navegáveis, devido a sua associação com uma empresa especializada e sua cooperação com Diretório Holandês de Sinalização de Águas Navegáveis. (Netherlands Fairway Marking Directorate).